(Minghui.org) Olá, colegas praticantes!

Eu sou de Belo Horizonte, Minas Gerais, e comecei a praticar o Falun Dafa em maio de 2016. De lá para cá a minha vida mudou completamente, para muito melhor. Posso dizer que ganhei outra vida! Foi como um sol que entra pela janela. Na verdade, eu conheci o Dafa no final de 2014. Um certo dia, estava navegando na internet e acabei entrando em uma página que falava sobre uma perseguição a pessoas bondosas que exerciam uma fé, na China. Vi desenhos que descreviam as torturas que essas pessoas sofriam, enclausuradas em centros de detenção e fiquei perplexo com tudo aquilo. Descobri sobre a perseguição executada pelo PCC. Eu não poderia imaginar que, nos dias de hoje, estava acontecendo algo assim e, ainda mais, desta forma brutal contra uma prática tão pura e reta. 

Pesquisei mais e fui conhecendo sobre o Dafa e, embora eu tenha ficado interessado logo de cara, as ocupações do mundo acabaram me distraindo, e só vim começar a praticar de verdade depois que me casei, em 2016.

Nasci em uma família grande e conturbada. Na maioria das vezes havia um clima de discórdia e brigas no lar onde eu vivia. Isso durou até o início da minha adolescência, quando fui morar com minha mãe e meu irmão em outra casa. Eu sempre sentia uma presença protetora muitas vezes, percebia que algo ou alguém grande, poderoso, estava cuidando de mim. Certa vez, quando tinha oito anos de idade, fui brincar no quintal de casa, perto de onde estava sendo construída uma cisterna de cerca de oito metros de profundidade. A cisterna estava coberta com tábuas para ninguém cair lá e, sem pensar muito, acabei andando por cima das tábuas, elas cederam e eu caí. Mas consegui me agarrar na borda, fiquei me segurando só com as mãos na borda da fossa. Tentava me erguer para sair dali mas não conseguia. Depois de um tempo, quando dei por mim, estava fora da cisterna! Quando os adultos chegaram, ficaram sem entender como eu havia saído dali. Eu acredito que era o Mestre que já estava me protegendo. 

Desde pequeno eu recebi uma formação espiritualista, que me confortava muitas vezes e trazia esperança, mas eu tinha muitas perguntas, como, por exemplo, o que eu estou fazendo aqui, ou quem sou eu de verdade, de onde eu vim, por que existe tanto sofrimento no mundo e por que ficamos encarnando indefinidamente nesse mundo. Quando me casei e, com um ambiente mais tranquilo, lembrei que sempre quis encontrar uma forma de cultivo séria e então pensei no Falun Dafa. Depois que eu conheci o Falun Dafa, todas essas perguntas foram respondidas. Entrei no site do Falun Dafa em português e assisti às nove palestras do Mestre, uma vez a cada dia. Aí sim, tudo realmente mudou! Senti na hora que o Dafa é algo poderoso e sem igual. Logo no final da primeira palestra do Mestre, à noite, antes de ir dormir, a minha mente ficou muito tranquila e escutei um sininho tocando dentro da minha cabeça. Foi como um sinal de despertar, um despertar espiritual.

Depois eu comecei a praticar os exercícios, já sentia a energia fluindo, logo da primeira vez. Quando fiz o exercício estaca parada pela primeira vez, senti dor nos braços e principalmente nas pernas, como se os canais de energia estivessem sendo desobstruídos e a energia estagnada indo embora. Durante os dias seguintes, continuei fazendo os exercícios e pude perceber, muito sutilmente, um pequeno Falun se formando na minha frente, aí ele ficou bem pequeno e entrou no meu baixo ventre. Nos dias seguintes, sentia ele girando e fiquei muito animado, tive a certeza que tudo que o Mestre disse estava acontecendo! Nestes primeiros dias tive algumas visões, bem rápidas, que me deram a certeza que tudo era real. Embora eu tenha o olho celestial fechado, eu vi algumas luzes no quarto antes de dormir e, algumas vezes, quando eu estava despertando pela manhã, cheguei a ver alguns anéis coloridos, com cores muito suaves, bem como uma vez lá fora eu vi que estava tudo vermelho, era o escudo protetor do Mestre. 

Depois, à medida que ia praticando, sentia que muitas coisas ruins saíam do meu corpo, pensamentos e sentimentos não bons foram sendo expulsos, às vezes eu chorava sem saber o motivo. Eu comprei o Zhuan Falun e o li, simplesmente vi que era tudo o que eu buscava, respondeu a todos os questionamentos que tive durante toda a minha vida. Eu aprendi tantas coisas que nem imaginava que existiam! Finalmente havia encontrado um caminho verdadeiramente reto, o Fa do universo para me guiar. Aprendi sobre perda e ganho, o gong, o verdadeiro cultivo do meu eu, o espírito-original-principal, a natureza fundamental do universo, Zhen-Shan-Ren e tantos segredos celestiais. Também entendi porque viemos para cá. Nós descemos de níveis porque não fomos capazes de permanecer nos nossos lares celestiais, e que o Falun Dafa é para nos salvar e salvar todos os seres conscientes. Fui lendo todos os textos e palestras do Mestre e, durante uns dois anos de prática, fiquei muito entusiasmado, e tive que vigiar para não ficar parecendo uma pessoa mentalmente anormal, como o Mestre nos alerta, ao praticarmos o Falun Dafa e podermos nos cultivar bem na sociedade comum. 

A minha esposa não gostou no início, quando eu comecei a praticar. Ela estava resistente e foi um pouco difícil para mim nesta época conciliar um entendimento dentro de casa. Mas, com o passar o tempo, ela foi passando a entender a prática, viu as melhorias tive, e hoje ela até me lembra de fazer os exercícios ou a estudar o Fa!

Fomos assistir à presentação do Shen Yun na cidade de São Paulo, quando se apresentou no Brasil, em fevereiro de 2020. Percebi que minha esposa foi tocada durante o espetáculo e passou a ver o Dafa com outros olhos, embora ela não seja praticante. Nesta ocasião, ajudei a divulgar na minha cidade natal a vinda do Shen Yun ao Brasil. 

Houve interferência em alguns momentos, como, por exemplo, o meu carro pifar quando eu estacionei para divulgar em uma região nobre da minha cidade. Ele não ligava de jeito nenhum. Então, pedi ajuda ao Mestre e enviei pensamentos retos para o carro pegar. Aí virei a chave e o carro ligou! Neste dia, coloquei vários pôsteres. Fui procurando me melhorar, mudar o meu caráter e pensamentos. Procurei ser mais compassivo com os outros, no trabalho, principalmente com dois colegas difíceis ali e também na família.

O cultivo é um processo contínuo. A minha mãe e meu irmão começaram a perceber algumas mudanças em mim, eles não comentavam muito, mas vi que eles me olhavam de forma diferente, pois passei a tratá-los com mais atenção e respeito. O meu irmão tem uma casa de campo e, quando eu ia lá, procurava deixá-la melhor do que havia encontrado, mais limpa e arrumada. Ele passou a querer se aproximar de mim e a me convidar para ir com ele e com a sua família para a casa de campo, o que não acontecia antes. Hoje sou agradecido por tudo que eles fizeram por mim, bem como ao meu pai.

Gradualmente alguns apegos foram diminuindo naturalmente, alguns foram embora, como apego à ver TV, celular, filmes e ao futebol, bem como apego a querer ficar fugindo de tudo, indo para o meio do mato. Outros apegos são mais difíceis para mim de serem desgastados, como o apego ao conforto. Eu sei que o cultivo é para voltarmos ao nosso eu verdadeiro, cultivar a nossa natureza Buda. O Mestre diz: 

“O cultivo do estado Buda é para eliminar sua natureza demoníaca e para fortalecer e aumentar sua natureza Buda”. (“Natureza-Buda e Natureza-Demoníaca”, Essenciais para o Avanço Adicional). 

A minha saúde melhorou consideravelmente. Nunca tive problemas sérios de saúde, mas alguns me incomodavam bastante, como a coriza e gripes, que eu sempre tinha principalmente no inverno, ficava gripado várias vezes ao ano. Praticamente não gripo mais. Tinha alguns problemas de fígado desde que nasci, não podia comer certos alimentos. Hoje esses problemas de fígado desapareceram. Hoje eu posso comer de tudo, sem problemas. Mas isso começou a aumentar um apego que eu já tinha, que é o apego à comida. Passei a comer animadamente, e vi que isso não é bom. Hoje já estou reduzindo esse apego. 

Uma pinta estranha e cinzenta que estava crescendo no meu rosto, parecendo um câncer de pele estava me preocupando. Eu pensei: “Eu pratico o Falun Dafa, como eu vou ficar assim e falar para outras pessoas que o Falun Dafa é bom, e melhora muito a saúde da pessoa?”. Depois de um tempo, essa pinta inchou, começou a doer e a dor se irradiou para o lado do rosto. Então, tive uma gripe muito forte no ano passado, sentia falta de ar, fiquei quase um mês assim. Mas sabia que tinha gripado dessa forma porque havia discutido com minha esposa por motivos banais, esqueci que era um cultivador e minha energia caiu muito. Dias depois, quando estava sarando, acordei pela manhã e a pinta estranha simplesmente havia sumido! A pele ficou lisa no local. Pensei: “Que maravilha, o Mestre me limpou!”.

Hoje eu sei que não sofri nada comparado aos praticantes do Falun Dafa que foram e ainda são perseguidos na China pelo PCC, de forma tão cruel, mesmo depois de 21 anos. Uma coisa que me marcou muito foi um sonho que tive com o Mestre, logo no início do meu cultivo. Na época, não sabia sobre os pensamentos retos, que é uma das três coisas que o Mestre nos pede. Neste sonho, eu estava em uma estação de trem, havia muitas pessoas no local, era tudo muito real e colorido. Então o Mestre apareceu, estava vestido com roupas normais e parecia preocupado. Ele me deu um pequeno papel em branco e pude ver nitidamente escritas 4 fileiras de números. Eu peguei o papel e li quase perfeitamente os horários de envio de pensamentos retos, eu vi lá escrito 12h55, 18h55... depois o Mestre foi embora, parecia que estava com pressa. 

Mais tarde, eu descobri sobre o envio de pensamentos retos e fiquei impressionado, ainda mais quando eu fiquei sabendo de um estudo que fala que não se consegue ler nada nos sonhos, pois ler e sonhar são áreas incompatíveis do cérebro. 

Eu me esforço para enviar os pensamentos retos quatro vezes ao dia. Na primeira vez que me sentei para enviar os pensamentos retos, consegui ver algumas mãos negras tentando abaixar a minha mão, então firmei a vontade e senti que eles haviam desaparecido. Eu li sobre várias profecias de diferentes lugares do mundo que prediziam a vinda do Mestre, e do Dafa. Tudo se encaixava perfeitamente. 

Hoje fazemos parte dessa história magnífica. Eu me sinto muito feliz em ter encontrado o Falun Dafa, ter me tornado um praticante neste momento histórico, não tenho palavras para agradecer ao Mestre! 

Recentemente eu tive um outro sonho muito nítido, em que eu estava na beira no mar, em cima de umas rochas que haviam ali. A visão era bonita, eu estava vendo o mar muito azul. Senti que o Mestre me observava de algum lugar. Eu fui subindo pelas pedras, parecia que elas iam me levar para um lugar mais alto. Eu interpretei duas coisas no meu coração: primeiro, que eu estava saindo do nível humano comum, que era o nível do mar, para um lugar mais elevado. Segundo, lembrei da citação do Mestre, no Zhuan Falun: 

“Digo que, se diante de um conflito você der um passo para trás, você descobrirá a imensidão do mar e um céu sem limites; certamente você verá a situação de um modo diferente”. 

Agora, com a retificação do Fa progredindo tão rápido, procuro fazer bem as três coisas bem, me cultivando para ser uma pessoa melhor a cada dia. 

Muito obrigado, Mestre!

Categoria: Iniciando o cultivo