(Minghui.org) Eu passei por muitos altos e baixos no cultivo desde que comecei a praticar o Falun Dafa há vinte anos. Olhando para trás, eu sei que tudo foi organizado pelo Mestre e Ele protegeu-me a cada passo do caminho. Ele permitiu-me caminhar firmemente no meu caminho de cultivo. Obrigada Mestre pela sua graça salvadora sem limites!

Abandonando a sentimentalidade e cultivando a mim mesma solidamente

Comecei a praticar Falun Dafa em 1999. Durante toda a minha jornada de cultivo, tenho constantemente abandonado o sentimentalismo.

Fui denunciada à polícia quando eu distribuía materiais de esclarecimento da verdade com a minha mãe em 2003. A polícia da Divisão de Segurança do Estado e oficiais da Agência 6-10 nos prenderam. Eles perguntaram-nos de onde vinham os nossos materiais. A minha mãe e eu não respondemos. Disseram que nos libertariam se lhes disséssemos onde arranjamos os materiais. Eu estava determinada a não trair outros praticantes. Recusei-me a cooperar.

Fui detida ilegalmente e levada para um centro de detenção. O meu filho tinha menos de dois anos. Senti muito a falta dele e senti como se estivesse ouvindo chorar e pedindo pela sua mãe. Eu escrevi uma carta para a polícia (naquela época eu não sabia como esclarecer a verdade) e disse-lhes o quanto eu sentia a falta do meu filho e que eu esperava ser libertada. Entreguei-lhes a minha carta quando eles vieram me interrogar. Eles foram simpáticos e eu fui libertada após 37 dias. A minha mãe, no entanto, foi condenada a trabalho forçado durante um ano e meio.

No dia seguinte à minha libertação, um policial telefonou-me e disse para eu ir ver a minha mãe. Ela foi condenada ao trabalho forçado. Mais tarde, soube que um carro da polícia estava à minha espera na estação. O meu marido e eu imediatamente fomos para a estação. O meu estômago começou a doer pouco depois de sair de casa. Eu pensei: Eu podia ver a minha mãe em outro momento. Eu decidi não ir e pedi ao meu marido para contar à polícia. Graças à proteção do Mestre, não caí na armadilha dos policiais. Mais tarde soube que também tinha sido condenada a trabalhos forçados e que a sentença tinha sido enviada para o campo de trabalho.

A perseguição começa

As nossas vidas mudaram drasticamente. Os elementos do mal estavam em todo lugar. As pessoas distanciavam-se dos praticantes. A pressão no meu local de trabalho, amigos, parentes e vizinhos veio uma após a outra. Eles não entenderam por que estávamos sendo perseguidos e maltratados. O meu marido começou a mudar. Ele não podia suportar a pressão intensa, mesmo sabendo que o Dafa era grande. Ele ficou agitado e preocupado.

Eu e meu marido namoramos durante dez anos antes de nos casarmos. Eu era uma jovem do interior muito tradicional. Eu não me casaria se não encontrasse uma pessoa de confiança com quem eu pudesse viver toda a minha vida. Eu era muito magra e tinha má saúde antes de começar a praticar o Falun Dafa. Eu me tornei livre de doenças depois de começar a praticar o Dafa e ele apoiou-me totalmente. No entanto, ele não conseguia lidar com a súbita pressão e perseguição. Os seus bons amigos que eram oficiais do governo repreenderam-no e disseram que ninguém podia resistir ao Partido Comunista Chinês (PCC). O meu amável marido ficou difícil e frio. Ele era contra tudo o que eu fazia e não estava nada feliz comigo.

Eu tinha apenas começado a praticar quando a perseguição começou. Eu mal sabia o que significava cultivar-me. Eu comecei a praticar em 1999; então casei-me e tive um filho. Acabamos de comprar um apartamento e eu estava ocupada em reformá-lo. Eu tinha tantos apegos! As velhas forças não podiam esperar para me testar. Com as mudanças no meu marido, o fardo de um bebê, a pressão da perseguição mais um emprego de tempo integral, eu perdi a confiança e a coragem. Mas felizmente o Mestre arranjou outros praticantes para me ajudar e me encorajar. Eles incentivaram-me a cultivar solidamente e fazer bem as três coisas. Eu gradualmente retornei ao meu estado normal de cultivo. Eu compreendi o seguinte Fa.

O Mestre disse,

“As pessoas de hoje dão muita importância ao qing. Porém, o qing é algo que não se pode confiar. Sou feliz se me trata bem, porém, se não me trata bem, o sentimento desaparece. Esta coisa pode ser confiável?”
 (Ensinando o Fa na Conferência de Estudantes da região Ásia-Pacífico, 2004)

O praticante local que era responsável pela produção dos materiais foi detido em 2004. Eu assumi o trabalho. Fui localizada pela polícia através dos celulares de outros praticantes e fui detida. Naquela noite, joguei fora meu celular para evitar que outros praticantes fossem rastreados pela polícia através dos seus números no meu telefone. Também joguei fora a chave da sala de produção de materiais e a fatura da compra das impressoras. Quando os policiais me procuraram, eles não encontraram nada.

Senti-me tonta e desmaiei. Fui enviada para o hospital de ambulância. Não segui as instruções dos médicos. Pedi ao meu marido que viesse ver-me. As camas do hospital estavam lotadas. Então eu estava deitada numa cama móvel no corredor. Eu estava deitada na cama com os olhos fechados e não comia há 24 horas. Eu também não falava. O meu marido teve que me ajudar a ir ao banheiro. Como eu estive lá por um tempo, uma policial veio me ver. O meu marido pediu-lhe para ir embora.

Eu continuei enviando pensamentos retos. Eu estava tentando me lembrar da imagem do Mestre quando de repente vi o Mestre na minha frente, sorrindo. Isto renovou a minha confiança porque eu percebi que o Mestre estava me protegendo.

Na noite seguinte eu fui enviada para um centro de detenção. Assim que entrei, comecei a ter sintomas de epilepsia (eu não tinha epilepsia antes). O centro de detenção recusou-se aceitar-me. Fui mandada de volta para o hospital. Naquela noite, cinco outros praticantes foram presos e a polícia saiu e disse ao médico para me vigiar. Na manhã seguinte, percebi que não estava doente, que não devia ficar no hospital e que tinha de sair. Enquanto os médicos estavam lá, o meu marido carregou-me. Caminhei sozinha quando não havia médicos. Saímos do hospital e entramos no carro do meu marido. O meu marido hesitou em ir para casa. Percebi que ele estava relutante em voltar para casa por causa da pressão que enfrentaria. Pedi-lhe que me levasse para casa dos meus pais. Logo veio a polícia, e os sintomas de epilepsia reapareceram. Eles observaram isso e me colocaram sob vigilância doméstica por seis meses.

Durante esse tempo, oito pessoas me monitoraram constantemente. Os meus vizinhos me avisaram para ter cuidado, porque a polícia colocou pessoas ao meu redor como meus vizinhos para me monitorar. O meu marido sentiu uma enorme pressão por causa do mal-entendido dos seus vizinhos, local de trabalho, amigos e parentes. Ele não voltava para casa à noite e falava mal de mim sempre que estava em casa. Os oficiais da Agência 6-10 e do centro comunitário batiam frequentemente à minha porta para falar comigo. Meu filho às vezes estava doente e não queria dormir e chorava. Eu tinha que segurá-lo a noite toda. Ele não comeu durante 17 dias. As interferências vieram uma após a outra. O meu medo emergiu e intensificou-se a cada dia. O meu apego para salvar minha imagem apareceu. Eu não era capaz de encarar a situação com pensamentos retos. Eu senti uma enorme pressão.

Eu não estava com outros praticantes na época, e os meus pensamentos retos tornaram-se cada vez mais fracos. Eu não conseguia concentrar-me quando estudava o Fa. O chefe do meu marido disse-lhe que de acordo com uma fonte interna, eu seria enviada para um centro de lavagem cerebral por volta de 1º de maio, e então enviada para um campo de trabalho forçado se eu não desistisse do Falun Dafa.

Eu sabia que não tinha muitos pensamentos retos para enfrentar esse mal.

Eu disse ao meu marido que não cooperaríamos se eles viessem levar-me. Ele disse que não queria perder o emprego. Naquela noite eu tive um sonho. Eu morava numa casa tradicional com um pátio. As fotografias de um ex-dirigente do Partido estavam em todas as portas. O carácter chinês para “Partido” estava escrito no banco em que o meu marido se sentava. Eu percebi que se eu fosse levada embora, eu poderia não ser capaz de suportar a perseguição devido à minha falta de pensamentos retos.

Uma decisão difícil

Senti que tinha de sair de casa se quisesse continuar a praticar. Mas e o meu filho? Ele tinha apenas três anos de idade. A perseguição era tão desenfreada, quando eu poderia voltar? E o meu marido? O meu trabalho? Para onde eu iria? Refleti profundamente sobre estas questões. Escrevi uma carta ao meu marido e providenciei para que o meu filho fosse cuidado. Eu disse ao meu marido e à sua mãe que era melhor se eu saísse de casa para evitar a perseguição porque não era bom para ninguém se eu estivesse presa. Assim, tomei uma decisão difícil sem querer. No terceiro dia depois de sair de casa, a polícia entregou a minha sentença de três anos de trabalho forçado ao meu marido.

Depois de sair de casa, refleti sobre o que aconteceu. Por que eu frequentemente tinha interferências? Os praticantes que partilharam as suas experiências no site Minghui tinham fortes pensamentos retos. Onde estavam os meus pensamentos retos? Porque eu não cultivava bem, causei dificuldades à minha família. Eu estava tão arrependida por perturbar as suas vidas pacíficas. O Dafa é grande e o Mestre é grande. Eu estava determinada a cultivar bem!

Naquela noite eu vi o Mestre no meu sonho. Eu era uma criança pequena e o Mestre me carregava. Eu olhei para o Mestre e notei pequenas rugas nos cantos dos seus olhos. Eu sabia que o Mestre estava preocupado comigo. Depois que acordei, percebi que o Mestre estava me protegendo e me encorajando. A minha decisão de sair de casa estava correta.

O Mestre disse:

"Conheço todo o sofrimento de meus discípulos. A verdade é que, eu lhes valorizo mais do que vocês valorizam a si mesmos!" (Elimine(m) seu(s) último(s) apego(s), em Essenciais para Avanço Adicional II)

Fiquei com uma praticante que estava passando por uma tribulação de carma de doença. Estudamos o Fa e praticamos os exercícios. Depois de 14 dias, sonhei que carregava um saco de arroz. Eu só poderia salvar uma pessoa se eu andasse pelo caminho lateral, mas poderia salvar muitas mais se eu andasse pelo caminho principal. Percebi que o Mestre tinha outros arranjos para mim. Então eu deixei esta praticante e fui para a casa de outro praticante. Quando cheguei lá, vi três polícias saindo, mas não tive medo. Eu me curvei e fingi amarrar o meu sapato. Eles não me reconheceram e foram embora.

O meu novo caminho

Através de alguns esforços, cheguei à casa de outro praticante. Ele estava muito ocupado porque estava encarregado de fazer materiais para os praticantes locais. Além de fazer materiais de esclarecimento da verdade, ele tinha muito trabalho comum a fazer. Eu ajudei-o com o corte e a encadernação. A polícia tinha acabado de destruir um grande local de produção de materiais, por isso tínhamos falta de materiais. Este praticante trabalhou duro e teve pouco tempo para estudar o Fa. Ele também estava ocupado com o seu trabalho normal. Eu tinha tão pouca autoconfiança que não me atrevia a perguntar-lhe como fazer materiais.

Um dia ele teve que sair. Eu queria fazer os materiais, mas nunca tinha usado um computador. O computador estava em modo de sono. Movi o mouse e a tela se abriu. Toquei em algo e a tela ficou preta. Eu estava com medo, mas me acalmei.

No início, eu não sabia como manusear o mouse. Tentei imprimir uma folha e imprimi de ambos os lados. Não foi difícil na verdade. O Mestre abriu a minha sabedoria. Cada passo que eu dei foi correto. Aprendi a imprimir documentos Word e documentos PDF. Eu fiquei até as 3 horas da manhã e descobri como fazer os folhetos como os Nove Comentários sobre o Partido Comunista e os livros do Dafa.

Quando o praticante voltou no dia seguinte, disse-lhe que tinha descoberto como fazer todos os materiais graças à ajuda do Mestre. Ele mal podia acreditar e chamou a isso de milagre. Quando ele teve que sair mais tarde, deixou-me assumir o seu trabalho de fazer materiais e ele compraria os fornecimentos.

Como recitar os ensinamentos aprofundou o meu cultivo

Graças às dicas do Mestre, comecei a recitar o Fa. Recitava um pequeno parágrafo de cada vez, e o recitava seis vezes. Eu passava três horas todos os dias recitando o Fa. Iluminei-me aos significados profundos de muitos princípios do Fa. Chorei quando recitei o seguinte Fa pela segunda vez,

"Penso que o tempo para a minha transmissão do Fa está chegando ao fim, por isso, quis deixar coisas genuínas; agora você tem este Fa para guiá-lo no cultivo.” (Nona Palestra, Zhuan Falun)

Senti a graça salvadora sem limites do Mestre. O Fa é profundo e antes eu só captei o significado superficial dele.

Eu leio a partilha de artigos dos praticantes no site Minghui todos os dias e leio vários materiais de esclarecimento da verdade. Eu experimentei mudanças fundamentais físicas e mentais. Entendi claramente que eu era uma verdadeira cultivadora e que era meu dever e missão ajudar o Mestre a retificar o Fa. Todos os seres existiam para o Fa.

Há muitos materiais no site Minghui, e eu devo escolher os materiais certos para as pessoas locais. Eu os categorizei e os guardei no meu caderno de anotações para que pudesse facilmente escolher o que eu precisava. Também enviei cartas diferentes para pessoas diferentes de acordo com as suas origens profissionais.

A interferência da minha família 

Depois de sair de casa, todos os telefones dos meus familiares foram controlados. Os guardas foram colocados à porta de casa dos meus pais. No local de produção do material, todas as portas e janelas foram fechadas. Eu tinha cultivado solidamente por um tempo e percebi que o Mestre não iria organizar para eu sair de casa e vaguear por aí. Mas eu não conseguia ver nenhuma oportunidade para ir para casa. Eu me senti um pouco aborrecida com isso.

Um dia, quando abri a cortina, percebi que o carro do meu marido estava passando. Uma mulher estranha estava com ele. Não admirei que o meu marido tivesse me pedido o divórcio. Eu senti cada articulação e cada osso do meu corpo vibrar. Desmaiei e perdi a consciência.

Recuperei a consciência duas horas depois. Eu lembrei-me do Fa do Mestre,

"Se um filho não trata os pais com respeito, na próxima vez, ocorrerá o inverso, e assim, as coisas vão se alternando ciclicamente.” (Sexta Aula, Zhuan Falun)

Percebi que esta era uma relação causal. Os não praticantes vivem as suas vidas de acordo com os arranjos das velhas forças. Eu disse a mim mesma que eu não podia fraquejar. O objetivo e o significado da minha vida eram completamente diferentes das pessoas comuns. Eu estava percorrendo o caminho que o Mestre arranjou para mim. Eu sou discípula do Dafa. O comportamento inapropriado do meu marido era uma ilusão.

Depois eu compreendi a situação a partir dos princípios do Fa, procurei controlar-me e desapegar-me do sentimentalismo, sentir-me inferior, ciúme, competitividade e autoestima. Gradualmente, recuperei meus pensamentos retos. Disse às velhas forças que mesmo que eu tivesse omissões, eu as retificava no meu cultivo do Dafa e que isso não tinha nada a ver com elas. Eu não concordaria com o divórcio. Eu tinha a última palavra.Os praticantes do Dafa ajudam o Mestre a retificar o Fa e nós também retificamos os nossos próprios universos.

Não importava como o meu marido se comporta, ele não comovia o meu coração. Era deplorável que ele estivesse tão perdido. Eu acreditava que tudo estaria harmonizado em torno do Dafa. Agora ele é mais solidário com o Dafa e a sua atitude para comigo mudou.

O meu caminho de cultivo toma uma nova direção

Dentro de dois anos eu recitei o Zhuan Falun seis vezes e assim estabeleci uma sólida base de cultivo. Eu percebi que, a fim de acompanhar o processo da retificação do Fa, os locais de produção de materiais deveriam ser estabelecidos em todos os lugares; esclarecer a verdade às pessoas pessoalmente e persuadi-las a se retirarem do PCC e suas organizações filiadas era a principal maneira de validar a retificação do Fa do Mestre; que eu devo seguir o processo da retificação do Fa do Mestre. Dessa forma, eu neguei os arranjos das velhas forças.

Quando eu disse à minha mãe e a outros praticantes os meus pensamentos, eles tiveram opiniões diferentes. Eles disseram que a situação atual não era boa. A notificação do meu local de trabalho disse que eu seria demitida se não voltasse ao trabalho dentro de dez dias. Vários praticantes tinham sido presos antes da abertura dos Jogos Olímpicos em Pequim. Eles disseram que a minha localização pouco importava se eu pudesse fazer bem as três coisas e que era o meu dever fazer os materiais dentro de casa. Era seguro para mim.

Achei que o que eles disseram era um pouco correto. Mas eu estava num dilema e não podia reprimir o meu desejo de sair para esclarecer a verdade. Eu tive um sonho naquela noite. Voei, bati na parede com o meu punho e fiz um buraco na parede.

Eu não sabia o que o meu sonho significava. Eu queria sair para validar o Fa, mas hesitei e tive muitas preocupações. Um dia, enquanto eu estava imprimindo um pequeno panfleto, um papel extra ficou preso e a impressora impressa no papel extra e imprimiu várias páginas depois. Preocupava-me que as páginas do panfleto pudessem não coincidir. Eu parei a impressora e verifiquei as páginas, mas as páginas eram contínuas. O papel extra impresso era uma página dupla. Como era possível? O mestre estava me dando uma dica de que as minhas preocupações não eram necessárias? Não deveria haver nenhum problema?

Eu disse aos praticantes as duas dicas que o Mestre me deu. Uma praticante estava disposta a ajudar-me a sair. Eu saía com ela duas vezes por semana. Saímos de manhã e conversamos com as pessoas, entregamos folhetos e voltamos à noite. Eu recitava o Fa e fazia materiais em casa. Eu senti-me muito realizada.

Um ano depois eu tive um sonho especial. Dezenas de policias estavam sentados em frente a um supermercado. Ignorei-os e entrei. A alça da minha mala rebentou de repente e eu não consegui arrumá-la. Não percebi o que significava o sonho e senti que poderia ser algo importante. Sempre que eu tinha tribulações, o Mestre dava-me dicas nos meus sonhos.

Um dia eu esclareci a verdade para uma senhora que era filha de um policial. Ela me denunciou. Eles me prenderam e a outros praticantes. Graças ao fortalecimento do Mestre, eu estava calma. Eu sabia que estava fazendo a coisa mais reta do universo. Ninguém estava qualificado para me perseguir.

No centro de detenção eu esclareci a verdade para os presos. Todos concordaram em se retirar do PCC. A polícia disse que eu receberia uma sentença pesada porque eles me procuraram em todos os lugares, até mesmo em Pequim foram me procurar. Eu não acreditei nele porque o Mestre tinha a última palavra.

Quando a polícia veio me interrogar, eu desenvolvi sintomas de grave deficiência de potássio e problemas cardíacos. Parecia que a minha vida estava em perigo. Eles não tiveram outra escolha senão me libertar. Fizeram o meu marido assinar uma declaração de garantia de que seria multada em 40 mil yuans se eu voltasse a causar problemas no futuro. Três dias depois fui libertada e a minha vida de deslocamento forçado terminou.