(Minghui.org) (continuação da Parte 2)

Como praticante de cultivo, Sun Simiao não apenas possuía milagrosas habilidades médicas, mas também possuía altos valores morais. Ele tratou não somente pessoas, mas também aplicou suas habilidades para ajudar não-humanos, como dragões e tigres.

Curando um dragão

Numa noite, alguém bateu à porta da cabana de Sun nas montanhas. Ao abrir a porta, Sun viu um sábio vestido de branco. Estava chovendo forte e havia sons de trovões e raios cruzando o céu, mas as roupas do sábio não estavam molhadas. “Você está aqui por causa da sua enfermidade?” Sun perguntou. O homem assentiu para dizer que sim.

Depois de examinar seu sistema de meridianos, Sun perguntou: “Você não é humano, certo?”.

O homem foi surpreendido, em seguida ele se acalmou e perguntou: “Por que você acha isso?”.

Sun sorriu e respondeu: “Você veio com trovões, raios, chuva torrencial e ventos uivantes. Assim que você se acalmou, todos eles cessaram. Suas roupas não estavam molhadas na chuva e seu sistema de meridianos é muito único. Se não me engano, você deve ser a venerada deidade dragão do palácio das águas”.

O homem assentiu e respondeu: “As pessoas dizem que você é uma pessoa iluminada que conhece bem o céu e a terra. Eu acho que você realmente é!”.

Então, a divindade falou sobre o seu problema. Vários dias atrás, ele sentiu fome e comia as coisas às pressas. Mas havia algo preso em seu esôfago. Nos últimos dias, para sobreviver, ele só conseguiu tomar sopa.

Ao ouvir a história, Sun pediu ao atendente que trouxesse um balde de sopa de ervas. Ele disse à divindade para tomar a sopa sem parar, caso contrário, seria difícil curar o seu estado.

O homem pegou o balde e o consumiu de uma só vez. Houve uma agitação em seu estômago e um desconforto na sua garganta. Abaixando a cabeça, ele vomitou no balde. Ao olhar para o balde, surpreendentemente, ele viu uma longa cobra dentro dele.

“Muito obrigado por este maravilhoso remédio!” Isso realmente resolveu o meu problema, disse o homem, admirado.

Sun respondeu com um sorriso: “Não é nada especial, é apenas um pote de alho amassado e misturado com vinagre. A cobra é incapaz de suportar um sabor azedo e fortemente picante”.

Após uma pausa, Sun continuou: “Embora a raiz da sua doença tenha sido removida, sua força ainda não foi restaurada. Que tal eu aplicar uma agulha e assim você ficará bom de uma vez por todas”? O homem concordando, disse que sim.

Andando por detrás do homem, Sun pegou uma agulha de um metro de comprimento e de repente a inseriu perto do topo da cabeça do homem. Uivando alto, o homem voltou à sua forma original - um dragão gigante, largo, com o corpo coberto de escamas de prata. Imóvel, o dragão caiu no chão e seus dois olhos enormes estavam olhando para Sun.

“Assim que eu puxar a agulha, por favor, corra rapidamente para aquele muro de pedra. Se você conseguir atravessar as rochas e voar alto, sua energia será restaurada”, afirmou Sun.

No momento de puxar a agulha, Sun disse em voz alta: “Agora, depressa!”.

O dragão girou o seu corpo em direção às rochas e desapareceu velozmente através da parede de pedras, deixando um grande buraco atrás dele.

Após um tempo, a voz do homem de branco veio do céu: “Obrigado por ajudar os não humanos e dar um bom exemplo aos imortais. Depois que eu voltar, sempre ajudarei as pessoas, prevenindo-as das secas e das inundações”.

Ajudando um tigre

Uma vez quando Sun estava voltando para as montanhas após o tratamento de pacientes, um tigre feroz pulou dos arbustos e bloqueou seu caminho. Como cultivador do Tao, Sun já havia levado a vida e a morte muito levemente, mas ao encontrar com um tigre dessa maneira o fez considerar as coisas e ele ficou bastante surpreso.

Aparentemente o tigre sentiu que Sun havia entendido mal suas intenções e parou a um metro e meio de distância dele. Em seguida, recolheu as garras da frente e agachou-se no chão, como uma pessoa se prostrando.

Sun sentiu que era uma situação estranha e pensou consigo mesmo que esse barão ladrão das montanhas provavelmente estava precisando de ajuda, então perguntou ao tigre: “Você tem uma doença que precisa de tratamento?” O tigre abaixou a cabeça no chão três vezes, em concordância.

Sun pensou consigo mesmo: os dragões pertencem ao divino, mas o tigre é o rei dos animais e ele prejudica as pessoas. Eu deveria curá-lo, mas não estaria cometendo uma ação ruim?

Então ele disse: “Durante toda a minha vida, não tratei vilões perversos e nocivos. Você é uma criatura cruel. Se eu lhe ajudar a tratar sua doença, como saberei que você não continuará matando as pessoas?” Com essas palavras, Sun continuou andando adiante.

Seguindo-o de perto, o tigre mordiscou o casaco de Sun e ronronou com lágrimas nos olhos. Sendo um cultivador compassivo, Sun sentiu pena dele e começou a chorar. Sun parou e disse: “Tudo bem se você realmente quer que eu te trate. Mas a partir de agora, você deve prometer não prejudicar as pessoas”. O tigre largou o casaco de Sun, agachou-se no chão como um cordeiro e assentiu.

Sun continuou: “Hoje em dia, as pessoas geralmente não cumprem suas palavras. Eu não sei se você faria isso também. Então, por favor, venha até mim todos os dias e assim eu poderei verificar sua boca para ver o que você comeu”. Novamente, o tigre assentiu.

Quando o tigre abriu a boca, Sun olhou para dentro e viu um osso preso na garganta dele. Ele pegou um sino de cobre e o colocou dentro da mandíbula do tigre para impedir que ele o mordesse. Então, Sun colocou a mão na boca do tigre e puxou o osso com toda força. O tigre estava com uma dor enorme e por causa disso acabou mordendo o sino, mas não machucou Sun.

Dessa forma, Sun curou a doença do tigre. O tigre cumpriu sua promessa e o acompanhava todos os dias. Quando Sun ia na montanha para colher ervas, o tigre levava a cesta de remédios e a enxada. Quando Sun ia tratar os pacientes, o tigre carregava Sun e sua cesta de remédios até o destino.

Nos tempos antigos, os médicos chineses sempre carregavam um sino com eles. Por causa dessa história, mais tarde, o sino foi chamado de “sino do tigre”.

(Continua)