(Minghui.org) O Partido Comunista Chinês (PCC) vem perseguindo o Falun Gong há 22 anos. Muitas pessoas se esqueceram  da propaganda de ódio anti-Falun Gong nos primeiros anos, realizada em cobertura total do regime totalitário por todo território nacional. Até mesmo alguns parentes e amigos de praticantes do Falun Gong que moram fora da China dizem aos praticantes: “Voltem para a China e façam uma visita. Quem disse que ainda há perseguição? Não há mais menção ao Falun Gong nas notícias.” É verdade que não há mais perseguições na China?

De acordo com um relatório recente do Minghui.org, no primeiro semestre de 2021, 9.470 praticantes do Falun Gong na China foram alvos de sua crença. É óbvio que o PCC nem mesmo diminuiu sua perseguição ao Falun Gong durante a pandemia.

Essa perseguição começou com um "movimento" ao estilo da Revolução Cultural. Em 10 de junho de 1999, cerca de um mês antes de o PCC lançar abertamente a perseguição, uma agência especial foi criada e apelidada de Agência 610. Tornou-se uma agência extralegal que tem controle absoluto da segurança pública e do judiciário para implementar a política de perseguição ao Falun Gong.

O estabelecimento a Agência 610 essencialmente transformou a perseguição de pessoas boas em uma profissão, já que as pessoas que trabalham para a agência são pagas pelo governo para orquestrar e realizar a perseguição.

Sendo uma “organização profissional” para atacar praticantes inocentes e cumpridores da lei, a Agência 610 visa diretamente os praticantes e exerce controle estrito da mídia e do fluxo de informações.

Nos primeiros anos da perseguição, para incitar rapidamente ao ódio e estabelecer o apoio do público em geral para a campanha de perseguição contra o Falun Gong, a Agência 610 dirigiu a mídia controlada pelo Estado para atacar a prática pacífica. O programa de horário nobre Focus Report da China Central Television (CCTV) controlada pelo Estado dedicou 30 episódios durante os 42 dias entre 21 de julho e 31 de agosto de 1999, para espalhar propaganda contra o Falun Gong. Foi também o mesmo  Focus Report que, mais tarde, transmitiu a "fraude da autoimolação de Tiananmen" em 2001 para solidificar a desconfiança e o ódio do povo chinês contra os praticantes.

À medida que a perseguição progredia, no entanto, o PCC adotou uma abordagem diferente. Em vez de realizar campanhas de propaganda mais flagrantes, eles transformaram a perseguição na clandestinidade, para mantê-la longe dos olhos do público chinês.

Com a censura de informações estrita, a maioria das pessoas não tem conhecimento da perseguição em andamento, a menos que elas mesmas sejam praticantes ou tenham familiares que praticam o Falun Gong. Quanto mais o público ignora a perseguição, mais flagrantemente o PCC persegue os praticantes do Falun Gong.

Sem o escrutínio público, a Agência 610 também se tornou ainda mais inescrupulosa em seus "crimes profissionais", cumprindo a principal política de perseguição para "destruí-los [os praticantes] fisicamente, arruinar sua reputação e levá-los à falência financeira".

Os crimes cometidos pelo PCC contra os praticantes do Falun Gong ao longo dos anos são demasiados para listar.

Um dos crimes mais horríveis do PCC nessa perseguição foi a extração forçada de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong. Uma fonte revelou ao mundo esse mal sem precedentes em março de 2006.

Logo após o início da perseguição, o número de transplantes de órgãos na China experimentou um crescimento exponencial e a China se tornou o destino mais popular para o “turismo de transplante”, apesar da falta de qualquer sistema de doação. Testemunhas que mais tarde se apresentaram, testemunharam que os praticantes do Falun Gong são o principal alvo para a obtenção de órgãos.

Esses locais secretos de morte em grande escala só são viáveis quando hospitais, centros de detenção e, muitas vezes, ramos militares são todos mobilizados pela Agência 610 ao mesmo tempo.

Neste crime, médicos e enfermeiras, que foram treinados para salvar vidas, tornaram-se assassinos implacáveis. Para eles, talvez as vidas dos praticantes do Falun Gong não sejam nada além de trampolins para ganharem capital político e fazerem fortuna. A política de perseguição do PCC, portanto, tornou a extração forçada de órgãos parte da "profissão" de perseguir os praticantes do Falun Gong.

Shen Zhongyang, o ex-diretor do Centro de Transplante de Órgãos no Primeiro Hospital Central de Tianjin e do Instituto de Transplante de Fígado do Hospital Geral da Polícia Armada, tem estado ativo no ataque ao Falun Gong desde o início da perseguição.

Zheng Shusen, o ex-presidente do Primeiro Hospital Afiliado da Universidade de Zhejiang e diretor da Organização de Aquisição de Órgãos-China, também presidiu a "Associação Anti-Cultos da China" da província de Zhejiang entre 2007 e 2017, responsável por produzir e espalhar propaganda difamatória contra o Falun Gong, tanto na China quanto no exterior.

Huang Jiefu, o ex-vice-ministro da Saúde, disse em uma entrevista ao Diário Popular (o maior jornal Estatal na China) em 2001, “A luta contra o Falun Gong é uma guerra política séria e não devemos ter misericórdia de um punhado de membros centrais”.

Enganados pela propaganda de ódio do PCC e lavagem cerebral pela cultura do Partido, esses "especialistas médicos" impiedosos perderam sua natureza humana e ética profissional.

Além de “destruir os praticantes fisicamente”, outra tarefa principal da Agência 610 é hospedar centros de lavagem cerebral para tentar esmagar a fé dos praticantes do Falun Gong que seguem os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. De acordo com as informações disponíveis coletadas pelo Minghui.org, existem 3.600 centros de lavagem cerebral documentados em toda a China, onde os praticantes são torturados e pressionados a renunciar à sua fé.

A Agência 610 contratou “educadores profissionais” para tentar fazer os praticantes desistirem de suas crenças. Essas pessoas costumam organizar reuniões para trocar experiências sobre tortura e lavagem cerebral dos praticantes, em uma tentativa de alcançar maior taxa de “transformação”. Um método de tortura considerado mais eficaz é a privação de sono a longo prazo, que pode levar os praticantes ao colapso mental, mas sem deixar ferimentos físicos visíveis.

De acordo com um anúncio de contratação postado em 2014 pela Agência 610 na cidade de Binzhou, província de Shandong, todos os recém-formados com menos de 28 anos e que sejam membros do Partido Comunista Chinês são incentivados a se inscrever. Não é triste que jovens promissores se juntem a uma “profissão” para perseguir pessoas boas?

Cheng Dongxiao, diretor da Agência 610 no distrito de Gulou, cidade de Nanjing, província de Jiangsu, é um desses “perseguidores profissionais”. Ele passou mais de uma década fazendo lavagem cerebral em praticantes do Falun Gong. Ele disse uma vez: “Não há outro lugar no mundo como nosso país que tenha um sistema de lavagem cerebral tão massivo estabelecido em todos os níveis de governo”. Ele afirmou que uma das experiências mais bem-sucedidas que teve foi organizar e executar “sessões isoladas de lavagem cerebral” contra os praticantes.

Além de ter como alvo os praticantes, as atividades de lavagem cerebral da Agência 610 também alcançaram todos os cantos da sociedade, incluindo escolas de ensino fundamental.

Em 6 de dezembro de 2017, membros da Agência 610 em nível provincial, municipal e municipal no condado de Ju, província de Shandong foram para a Escola primária experimental nº 3 do condado de Ju para inspecionar os efeitos da campanha de propaganda contra o Falun Gong entre os estudantes.

O PCC também nunca parou de espalhar sua política de perseguição fora da China. Um exemplo é a carta de nomeação conjunta emitida em 30 de março de 2021 pelo Ministério da Segurança Pública da China e pelo Ministério da Segurança do Estado para nomear Wu Xiuha como chefe da "Divisão da América do Norte da Campanha Anti-Falun Gong".

Em nível nacional, a Agência 610 também realiza eventos especiais a cada poucos anos para demonizar o Falun Gong e incitar o ódio público contra os praticantes. Alguns exemplos incluem “Educação anticultos” em 2004, a “Batalha de educação de transformação e consolidação” em 2010 e 2012, o “Cartão de compromisso da família na rejeição de seitas” em 2011, a “batalha resoluta para transformar os praticantes do Falun Gong” em 2013 para 2015, a campanha “Bater à porta” em 2017 e a mais recente campanha “Zerar” em 2020 e 2021. Todas essas ações são para exercer pressão sobre os praticantes, privando-os ainda mais de direitos básicos e roubando seu sustento.

Para os “perseguidores profissionais” no sistema da Agência 610, sua carreira seria construída sobre a “perseguição profissional” de pessoas que se esforçam para seguir “Verdade, Compaixão, Tolerância”.

Apesar da eliminação física brutal e da supressão mental que tem sido usada contra os praticantes nos últimos 22 anos, a maioria dos praticantes ainda permanece firme em sua fé.

Cheng Dongxiao, o diretor da Agência 610 mencionado acima em Nanjing, certa vez admitiu que "É muito difícil mudar a fé ou a alma de alguém. Depois de tantos anos de esforços, a gravidade (da batalha contra o Falun Gong) que enfrentamos não melhorou, mas se tornou ainda pior.”

Em outro documento interno emitido pelo Comitê da Rua Xingdong, na cidade de Dandong, província de Liaoning em 26 de janeiro de 2021, obtido pelo Epoch Times, ele afirma que “Nossa rua está enfrentando grande pressão devido ao alto número de praticantes do Falun Gong que ainda não foram transformados. É imperativo que o Comitê de Assuntos Políticos e Jurídicos de rua reconheçam o desafio que enfrentamos”.

Sam Brownback, o ex-embaixador-geral da Liberdade Religiosa Internacional, disse em uma declaração em vídeo em 2020: “O PCC está em uma guerra que eles não vencerão [já que] é uma guerra que outros governos tentaram, sem sucesso, perseguir as pessoas de fé. Sempre falha, [porque a] alma é mais forte do que o governo, a crença de uma pessoa é mais forte do que a de alguém que busca oprimi-la”.

A perseguição continua após 22 anos e a Agência 610 e outras agências que orquestram a perseguição permanecem ativas. Apenas quando mais pessoas, incluindo aqueles “perseguidores profissionais”, entenderem a natureza maligna do PCC, eles podem ajudar a parar a perseguição, que tem destruído o fundamento moral da sociedade chinesa.

Todos os artigos, gráficos e conteúdo publicado no Minghui.org são protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer a atribuição do título do artigo e do link correspondente do artigo original.