(Minghui.org) Tudo parecia estar indo mal na vida da Sra. Huang. As suas finanças estavam de mal a pior, a sua saúde era terrível e ela não era próxima da sua família. A sua vida finalmente tomou um rumo positivo no dia em que ela assistiu a uma aula do Falun Gong. Hoje, ela é uma pessoa livre de dívidas, saudável e feliz.

O luto acende uma procura por respostas

A Sra. Huang Rui-Er sempre acreditou no mundo espiritual e, ao crescer, admirava as personagens principais nos romances de artes marciais. Tornou-se professora da escola primária e se casou. A vida parecia promissora.

Em 1995, quando tinha 30 anos, a sua mãe faleceu subitamente. Triste com a morte da mãe, ela começou a questionar o sentido da vida. Ela procurou elevar sua consciência através da escalada de montanhas nos Cem Picos de Taiwan, mas, cada vez que chegava ao topo de uma montanha e examinava tudo o que estava lá embaixo, sentia um vazio crescendo no seu interior.

Uma vez, ela subiu cinco mil metros acima do nível do mar nos Himalaias para visitar um templo budista tibetano nas montanhas, na esperança de encontrar verdadeiros ensinamentos, mas não encontrou aquilo que tinha em mente.

Chegou ao fundo do poço

A Sra. Huang tinha dificuldade para dormir nas cabanas das montanhas em que realizava as escaladas e ficou dependente de comprimidos para dormir. Quando ela tentou parar de tomar os comprimidos, desenvolveu insônia grave. Ela sempre sentia frio nas mãos e nos pés. Não importava quantos cobertores ela usava para se cobrir à noite, ela sempre sentia frio e tinha que se levantar e tomar uma bebida forte para se aquecer. Ela se tornou vegetariana e tomou remédios populares para ajustar o seu estado, mas a sua saúde piorou.

Ela deu à luz ao seu único filho em 1998 e teve depressão pós-parto. Para piorar a situação, ela e o marido foram enganados por um falso grupo religioso e compraram uma sala de meditação em um templo, que acabou por ter grandes custos adicionais que não haviam sido mencionados na época da compra. Acabaram devendo mais de dez milhões de dólares de Taiwan (340 mil dólares). A casa deles foi apreendida pelos tribunais. Após negociar com o banco, metade dos seus salários era deduzida todos os meses para pagar a hipoteca da propriedade que compraram do falso grupo religioso.

A vida física e financeira do casal esgotou-se durante os doze anos seguintes e a Sra. Huang pensou que não haveria uma saída para a miséria.

Ver a luz do amanhecer

A Sra. Huang Rui-Er pratica a meditação sentada do Falun Gong

A Sra. Huang deparou-se com o Falun Gong em 2007. O seu filho estava no quarto ano e havia sido picado por vespas na escola. O seu rosto estava inchado, preto e azulado e ele não conseguia comer nada. A Sra. Huang e o marido levaram-no a um restaurante vegetariano que eles gostavam de frequentar, esperando que ele comesse. Ao ver a situação do rapaz, o dono foi à cozinha para cozinhar macarrão para o rapaz. O dono, então, gentilmente convenceu o filho a comer e começou a contar-lhe algumas histórias. Ele contou ao rapaz sobre Sakyamuni na sua juventude e histórias sobre a cultura e valores tradicionais. O filho deles gostou das histórias e comeu toda a sua comida. Enquanto o filho ouvia as histórias, o inchaço na cabeça e as manchas negras e azuladas diminuíram. A Sra. Huang sentiu que o dono tinha capacidades sobrenaturais.

Eles voltaram para o restaurante no dia seguinte e o dono deu-lhes três livros do Falun Gong: o Zhuan Falun, o Hong Yin e Grande Via da Perfeição (Da Yuanman Fa). Depois de ler o livro principal, Zhuan Falun, a Sra. Huang ficou muito entusiasmada: “Eu encontrei... o verdadeiro método de cultivo com o qual eu sonhei. Agora tenho um Mestre!”.

O ressentimento e a depressão que tinham seguido a Sra. Huang durante anos foram se dissipando lentamente.

A família de três pessoas ia frequentemente à casa do dono do restaurante para estudar os ensinamentos do Falun Gong com ele. Eles também assistiram seis vezes à série de palestras de nove dias. A primeira vez que compareceram, o olho celestial do seu filho de 10 anos se abriu no segundo dia. “Mãe, olha! Há Faluns por todo os lados! De todas as cores e tamanhos diferentes, voando por toda a nossa sala de estar!”, exclamou quando chegaram em casa.

Quando a Sra. Huang fez praticou o segundo exercício do Falun Gong pela primeira vez, sentiu uma força tentando empurrar os braços dela para o lado. Ela tinha que constantemente tentar segurar seus braços no lugar certo. O seu filho disse-lhe que viu uma corrente de energia negra emergir da sua cabeça que estava empurrando os seus braços para o lado.

Tudo corre bem

Antes de praticar o Falun Dafa, a Sra. Huang tinha sido incapaz de superar a depressão que começou após o nascimento do seu filho. Ela sentiu que tinha adquirido uma espécie de possessão espiritual da religião falsa que havia frequentado e que tinha acumulado substâncias negras em torno do seu corpo. Sentia-se inferior, endividada e que as pessoas a evitavam porque ela era estranha. Ela estava frequentemente em estado de transe e ficava propensa a se machucar nessas ocasiões. Ela estava quase completamente desligada dos seus pais. Depois dela ter conhecido o Falun Gong, ela parou de ter "apagões" e ficou mais lúcida e mais desperta. “Eu podia claramente sentir o Mestre purificando o meu corpo. A minha face passou da cor escura para brilhante. Depois de ir às palestras de nove dias seis vezes, o qi negro da possessão espiritual já não existia e eu me senti mais cheia de energia do que nunca”, disse ela.

Depois de praticar o Falun Dafa, ela não precisou mais de comprimidos para insônia e dormia profundamente. A sua depressão e outras doenças desapareceram. Surgiu uma grande oportunidade e um comprador concordou em comprar a propriedade que estava sobrecarregando a sua família durante tanto tempo. A sua dívida foi saldada. “O pesado fardo que estava sobre os meus ombros durante mais de uma década foi finalmente retirado”, disse ela.

A sua família também se beneficiou com a sua prática. Ela ofereceu-se para ajudar o seu irmão mais novo a tomar conta do seu pai, gravemente doente, em casa. Ela levava o pai regularmente ao hospital para realizar exames. Os seus amigos, vizinhos e familiares passaram a se dar bem com ela. O pai dela disse: “Eu tenho a minha filha de volta e ela está melhor do que antes”.

Conscientização sobre o Falun Gong

A Sra. Huang (primeira à esquerda) no Lago da Compaixão (Ci Hu) em dezembro de 2019, onde fala aos turistas chineses sobre a verdade a respeito da perseguição ao Falun Gong.

Após a perseguição ao Falun Gong ter começado em julho de 1999, os praticantes têm incansavelmente contado às pessoas do mundo o que tem ocorrido na perseguição. A Sra. Huang não é exceção. Ela juntou-se a outros praticantes no Lago da Compaixão (Ci Hu) em 2013 e tem ajudado turistas da China continental a compreender a natureza perversa e os crimes cometidos pelo PCC. Muitos deles abandonaram o PCC e as suas organizações filiadas com a sua ajuda.

Após o surto da pandemia do coronavírus em 2020, o turismo parou em Taiwan e ela começou a esclarecer a verdade pelo telefone.

Ela telefona à China e fala sobre o Falun Gong com pessoas, que ainda acreditavam na propaganda do PCC. Um jovem atendeu a sua chamada em abril de 2020, e ela explicou que o Falun Gong já havia se espalhado para mais de 100 países e regiões, que a autoimolação em Tiananmen foi elaborada pelo PCC para difamar o Falun Gong, e explica como a resposta do PCC ao coronavírus expôs a natureza maligna do Partido. A chamada caiu seis vezes durante a sua conversa. Cada vez que ela ligava de volta, o jovem atendia. No final ela disse: “Você conseguiu atender o telefone cada vez que eu liguei de volta, isso significa que esta é a sua oportunidade de renunciar às organizações do PCC agora. Quem sabe se você vai poder atender à minha próxima chamada? Eu me sentirei melhor sabendo que você vai ficar em segurança depois de deixar o PCC”. O jovem renunciou ao Partido usando um pseudônimo.

No mês passado, depois que um idoso deixou o PCC pelo telefone, a Sra. Huang ouviu-o dizer: “O céu nos abençoou com um grande envelope vermelho!”. A Sra. Huang pensou que deveria ter alguém ao lado dele e disse: “A sua esposa também precisa ficar segura!”. A esposa falou rapidamente com ela e concordou em renunciar ao Partido. A esposa disse: “A minha filha e o meu filho também estão aqui. Somos todos membros do PCC e todos queremos renunciar”. O homem ficou muito feliz e disse: “Graças ao Senhor por ter dado a toda a nossa família um grande envelope vermelho! Obrigado! Obrigado!”.