(Minghui.org) Um jovem de 22 anos sofreu um colapso mental após sete meses de tortura em um campo de trabalhos forçados na China. Ele foi encarcerado por praticar o Falun Gong, uma disciplina espiritual que vem sendo perseguida pelo regime comunista chinês. O Sr. Wang Jian passou 18 anos lutando contra a instabilidade mental e o declínio de sua saúde física, enquanto estava sendo constantemente assediado pela polícia.

Dez dias antes do Ano Novo Chinês de 2019, o Sr. Wang perdeu a batalha. Ele faleceu em 26 de janeiro de 2019, aos 40 anos de idade.

Sr. Wan Jian

O Sr. Wang era um estudante de inglês na Universidade de Tecnologia de Hebei, em Tianjin. Ele era brilhante, modesto e gentil. Quando o regime comunista chinês lançou uma campanha nacional contra o Falun Gong em 1999, dois anos depois de ele haver iniciado a prática espiritual, o jovem e determinado rapaz foi a Pequim apelar por sua crença.

Sua simples busca pela liberdade espiritual levou-o à custódia da polícia em outubro de 2000. Ele recebeu um mandato de um ano no Campo de Trabalho Forçado de Shuangkou, em Tianjin.

Porque ele se recusou a renunciar ao Falun Gong, os guardas o privaram de comida e o forçaram a beber a água usada para enxaguar os esfregões. Eles também o forçaram a fumar cigarros, sabendo que os praticantes do Falun Gong não fumam.

Durante uma rodada de tortura, os guardas espremeram o Sr. Wang, que tinha 1,8 m de altura, debaixo de uma cama de apenas 40 cm de altura. Ele ficou com uma dor excruciante na coluna depois que foi retirado.

Ilustração de tortura: espremido debaixo de uma cama

Os guardas gritaram uma vez ao Sr. Wang: Tudo bem se você se tornar um criminoso; você simplesmente não pode praticar o Falun Gong”.

Incapaz de suportar a enorme tortura física, bem como a constante pressão mental e humilhação, o Sr. Wang acabou perdendo sua sanidade. Sua família ficou de coração partido ao vê-lo saindo do campo de trabalho no dia em que ele foi liberado, o indivíduo na frente deles não era mais o mesmo jovem otimista que eles conheciam antes. Seus olhos, outrora brilhantes e resplandecentes, estavam cansados e desanimados.

A polícia frequentemente assediava o Sr. Wang depois que ele fora libertado. Sua saúde continuou a piorar ao longo dos anos e ele acabou falecendo após 18 anos de luta.

Outros praticantes que morreram devido ao abuso no Campo de Trabalho de Shuangkou

Pelo menos quatro outros praticantes do Falun Gong morreram como resultado direto da detenção no Campo de Trabalhos Forçados de Shuangkou, a maioria tendo sido submetida a espancamentos severos e repetidos.

Sr. Lu Dewang

O Sr. Lu Dewang, de 40 e poucos anos, foi enviado para o Campo de Trabalhos Forçados de Shuangkou após sua prisão em 1999. Os guardas o eletrocutaram com cassetetes elétricos em 1º de maio de 2000, depois de vê-lo sentado com as pernas cruzadas. Ele sofreu queimaduras graves. Seu pescoço desenvolveu feridas abertas e infectadas. Apesar de seus ferimentos não terem se recuperado, mesmo vários meses depois, os guardas o forçaram a fazer trabalhos pesados, causando uma piora na sua condição.

O Sr. Lu foi libertado à beira da morte no final de 2000. Ele faleceu cinco ou seis dias depois.

Sr. Liu Ping

O Sr. Liu Ping, um jovem piloto de 20 e poucos anos, foi forçado a separar lixo plástico no campo de trabalho. Depois de cada sessão de trabalho, às vezes durando toda a noite, os guardas não permitiam que ele e outros praticantes lavassem as mãos antes de comer. Ele logo desenvolveu tuberculose. O campo de trabalho negou a liberdade condicional a Liu e o trancou em confinamento solitário sem cama nem aquecimento. Ele dormia em uma tábua de madeira e sua saúde se deteriorou rapidamente.

À beira da morte, o Sr. Liu entrou em coma no inverno de 2001. As autoridades finalmente concordaram em libertá-lo depois que sua esposa escreveu uma declaração para renunciar ao Falun Gong por ele. Era tarde demais, ele faleceu em confinamento solitário alguns dias depois. Seu corpo, que havia desenvolvido septicemia antes de sua morte, foi imediatamente cremado pelos guardas.

Sr. Chen Baoling

O Sr. Chen Baoliang foi espancado até a morte depois que ele defendeu outro praticante e tentou impedir que criminosos o agredissem.

O praticante do Falun Gong, Liang Feng, fez uma greve de fome em 15 de agosto de 2002 para protestar contra os espancamentos pelos outros prisioneiros. Vários deles arrastaram o Sr. Liang para baixo da escada, puxando seus pés. Se não fosse por uma pessoa segurando sua cabeça, ele poderia ter morrido pela queda nos degraus.

O Sr. Chen se aproximou para impedir essa tortura pelos agressores, mas foi espancado. Eles taparam sua boca, amarraram seus membros e o levaram para um armazém. Um preso pisou nele. Eles então fecharam a porta e o espancaram por cerca de 40 minutos. O Sr. Chen saiu do armazém e caiu no chão depois de 20 metros. Ele morreu alguns minutos depois. Ele tinha 66 anos.

Sr. Tang Jian

O Sr. Tang Jian recebeu um ano de trabalho forçado em 2000. Seu mandato foi repetidamente estendido por não renunciar à sua fé. Os guardas frequentemente o eletrocutaram com bastões elétricos e o espancavam. Eles o libertaram em julho de 2002, quando estava à beira da morte. Logo depois que ele se recuperou um pouco, foi preso novamente em setembro e levado de volta para o Campo de Trabalhos Forçados de Shuangkou.

Os guardas instigaram outros prisioneiros criminosos a torturar o Sr. Tang. Eles o penduraram e depois o imergiram para um grande tanque cheio de água. Ele engasgou na água.

O Sr. Tang sofreu de febre alta e entrou em coma em maio de 2004. Ele teve uma infecção pulmonar grave e problemas gástricos. Ele morreu em 9 de julho de 2004, pouco depois de ser libertado. Ele tinha 39 anos.

Torturas aterrorizantes contadas pelos sobreviventes

Além das torturas brutais que tiraram a vida dos praticantes do Falun Gong mencionados acima, vários sobreviventes relataram terríveis torturas sofridas no Campo de Trabalho Forçado de Shuangkou. As torturas incluíam privação do sono, ser amarrados, perfuração dos dedos com agulhas e fezes derramadas nas bocas e narinas dos praticantes.

O Sr. Du Jingguang iniciou um período no campo de trabalhode 2,5 anos em 18 de maio de 2001. Ele foi submetido a várias torturas, incluindo choques elétricos, espancamentos brutais, dez dias consecutivos de privação de sono e teve as palmas das mãos queimadas por cigarros.

Um guarda uma vez amarrou o Sr. Du em uma cadeira e ordenou que os prisioneiros derramassem fezes em sua boca e narinas. Outro guarda injetou mostarda quente em suas narinas.

Em outra ocasião, os guardas o forçaram a se sentar com as pernas cruzadas. Eles amarraram suas mãos com uma corda e amarraram a corda ao pescoço, de modo que sua cabeça quase tocou seu peito. Ele ficou nessa posição excruciante por duas horas.

O Sr. Li Wengang, de 69 anos, foi algemado a uma cama, espancado e chocado com bastões elétricos. Seu corpo estava coberto de ferimentos. Quando ele ainda se recusou a renunciar ao Falun Gong após os espancamentos, os guardas continuaram a espancá-lo. Ele tinha contusões e coágulos de sangue em seus olhos. Os guardas derramaram água fria sobre o Sr. Li e dirigiram um ventilador para ele. Seu tornozelo foi infectado depois de ser acorrentado. Ele era incapaz de andar, mas ainda era forçado a trabalhar mais de dez horas por dia.

O Sr. Zhu Gang era engenheiro de uma empresa que fabricava tubos de aço. Durante seu período no campo de trabalho, os guardas bateram em seu rosto com um sapato, fazendo com que seu rosto inchasse terrivelmente. Eles também o chocaram com bastões elétricos, o penduraram e inseriram pontas de cigarro aceso em seu nariz. Ele ficou emaciado depois das torturas. Porque ele manteve firme a sua crença, os guardas o enviaram para um hospital psiquiátrico para perseguição adicional.

O Sr. Xiao Shuqing, de 70 anos, foi preso em 18 de janeiro de 2001. Depois que ele foi enviado para o campo de trabalho, os guardas o forçaram a trabalhar mais de 10 horas por dia. Ele contraiu sarna e suas mãos desenvolveram feridas infectadas. As feridas escorriam pus e o osso estava exposto. Os guardas bateram no Sr. Xiao quando ele se recusou a continuar trabalhando por causa da condição de suas mãos.

O Sr. Li Wanbing recebeu três anos de trabalho forçado depois de ser preso em 2000. Ele desenvolveu uma lesão infectada no tornozelo como resultado de trabalho forçado a longo prazo. Os detentos usaram uma escova de dentes suja para esfregar e infectar ainda mais sua ferida. Sua perna ficou escura e inchada. Mesmo assim, ele foi forçado a fazer trabalhos pesados todos os dias. Quando sua condição se deteriorou, os guardas finalmente o levaram para uma clínica. Depois que sua ferida foi curada, ele foi forçado a ficar parado por 15 a 16 horas seguidas, o que fez com que sua saúde se deteriorasse novamente.

Reportagens relacionadas em inglês:

Practitioners Liu Ping and Guo Jianxuan Tortured to Death at Shuangkou Labor Camp in Tianjin City

Guards Incite Criminals to Beat Dafa Practitioner Chen Baoliang to Death in Tianjin City's Shuangkou Forced Labor Camp

Outstanding Teacher and Falun Dafa Practitioner Mr. Tang Jian Was Tortured to Death at the Shuangkou Forced Labor Camp

Falun Dafa Practitioner Mr. Du Yingguang from the Wuqing District, Tianjin City Ruthlessly Tortured

Torture, Beatings, Hard Labor and 16-Hour Workdays at Shuangkou Forced Labor Camp in Tianjin

Practitioners Subjected to Inhumane Slavery and Torture at Shuangkou Forced Labor Camp in Tianjin

Falun Dafa Practitioners Are Severely Tortured at Tianjin's Shuangkou Forced Labor Camp