(Minghui.org) Uma mulher de 28 anos da Mongólia Interior faleceu em 10 de janeiro de 2019, pouco depois de ser libertada sob fiança após sua prisão. Ela foi presa enquanto visitava parentes em Pequim.

A mulher falecida e seus parentes foram alvos de sua fé no Falun Gong, uma disciplina espiritual perseguida pelo regime comunista desde 1999. Ela é a terceira praticante do Falun Gong que teve sua morte confirmada dentro do período de cinco dias após ter sido presa em janeiro de 2019. Sua morte resultou da brutalidade policial durante a detenção depois de se recusar a renunciar à sua fé.

A Sra. Guo Zhenxiang, 82 anos, da cidade de Zhaoyuan, província de Shandong, morreu horas depois de ser presa por distribuir material informativo sobre o Falun Gong em 11 de janeiro de 2019. A Sra. Song Zhaoheng, uma professora aposentada de 76 anos na cidade de Yushu, província de Jilin, faleceu em 14 de janeiro de 2019 no Centro de Detenção da Cidade de Yushu, cinco meses depois de ter sido presa por falar com as pessoas sobre o Falun Gong.

A Sra. Ao Ruiying, de Oroqen, Mongólia Interior, estava visitando seus parentes, a Sra. Zhang Qiusha e seu marido, o Sr. Wei Xuejun, em sua casa em Pequim em 26 de junho de 2018, quando um grupo de policiais repentinamente bateu à porta.

A polícia invadiu a casa da Sra. Zhang depois que ela se recusou a abrir a porta. Eles saquearam a residência e prenderam a Sra. Zhang, seu marido, Sra. Ao, e outro parente, cujo nome não é conhecido e que não pratica o Falun Gong. O parente não praticante foi libertado após oito horas de detenção na delegacia.

O casal e a Sra. Ao foram levados para a Delegacia de Polícia de Xingfeng e depois transferidos para o Centro de Detenção de Daxing.

Polícia na casa da Sra. Zhang.

O Sr. Wei foi libertado por absolvição em 27 de julho de 2018, mas sua esposa permaneceu sob custódia.

Sua parente, a Sra. Ao, foi acusada de “obstruir a ordem pública”, um pretexto usado com frequência para deter os praticantes do Falun Gong. Seu advogado mais tarde ajudou a facilitar sua libertação sob fiança.

Ela continuou tossindo e perdeu uma quantidade significativa de peso ao retornar para sua casa na Mongólia Interior. Ela pediu que a polícia de Pequim desistisse de seu caso, mas nunca recebeu nenhuma resposta antes de falecer.

A mãe da Sra. Ao, a Sra. Ao Qingrong, também praticante do Falun Gong, tinha acabado de ser libertada em 2018 após cumprir vários anos de prisão por registrar uma queixa criminal contra Jiang Zemin, o ex-líder do regime comunista chinês que ordenou a perseguição ao Falun Gong em 1999.

A Sra. Ao suspeita que sua filha tenha sido abusada durante sua breve detenção em Pequim; do contrário, uma jovem saudável não teria morrido dias após sua prisão.

Reportagens relacionadas em inglês:

Retired Teacher Dies in Custody Three Weeks Before Chinese New Year

82-Year-Old Woman Dies Hours After Being Arrested for Distributing Falun Gong Informational Materials

Reportagem relacionada em chinês:

北京大兴区张秋莎被非法批捕 丈夫被拘留