(Minghui.org) As autoridades estão usando um centro de detenção em Harbin, uma cidade do nordeste da China, como um centro de “lavagem cerebral” e “transformação” para deter os praticantes do Falun Dafa. Os praticantes são torturados e enganados nos esforços para forçá-los a desistir de sua crença.

O Centro de Detenção Harbin nº 2, também chamado de Centro de Detenção Feminina, foi rebatizado como “Centro de Transformação Educacional Anti-Culto de Harbin” no final de 2017. Ele pode comportar 50 praticantes de cada vez. Fontes dizem que as autoridades estão concedendo 50 mil yuanes (US$ 7.800) para cada praticante que é "transformado".

O Falun Dafa, também conhecido como Falun Gong, é uma prática mente-corpo que melhora a saúde e eleva os padrões espirituais e morais. O Partido Comunista Chinês (PCC) proibiu a prática em 1999 e desde então, deteve, prendeu e torturou praticantes do Falun Dafa em suas tentativas de forçá-los a desistir de suas crenças.

Essa base prisional para a “transformação” recém-designada em Harbin é semelhante a outros centros de lavagem cerebral, onde a tortura física e psicológica é usada para forçar os praticantes a escrever as “Três Declarações” (Declaração de Arrependimento, Declaração de Garantia e Dissociação) para denunciar o Dafa.

No entanto, essa não é a função de um centro de detenção. As práticas de “transformação” violam vários artigos do Regulamento do Centro de Detenção do Conselho de Estado sobre a proteção da liberdade pessoal e dos direitos pessoais.

Eles também violam o Artigo 50 da Lei de Processo Penal que estabelece que “[juízes, funcionários procuradores e investigadores] são estritamente proibidos de extrair confissões por tortura, recolhendo evidências por meio de ameaças, sedução, engano ou outros meios ilegais, ou forçando alguém a fornecer provas de sua própria culpa. ”

Estas são algumas das táticas usadas pela base da “transformação”:

1. "Escritório de Wu Yanli"

Wu Yanli era uma policial. Ela estudou psicologia e antes tinha trabalhado com lavagem cerebral em praticantes. O centro a promoveu a vice-diretora e criou um escritório com o nome dela em fevereiro de 2018. Este escritório se concentra em praticantes "transformadores".

2. Gestão humana

O centro apregoa sua gestão “humanitária”, que se traduz como engano, sedução, ameaças, pressão e humilhação. A polícia leva os maridos e as crianças dos praticantes para pressionar os praticantes a desistir de sua crença.

3. Exemplos

A polícia conta aos praticantes presos as histórias de “sucesso” de praticantes “transformados”. Por exemplo, um e outro praticante foram libertados oito meses depois de escrever as "três declarações", um praticante que realizou greves de fome por seis meses escreveu as três declarações e foi condenado a apenas três anos, e este e aquele outro foi condenado a cinco anos por não escrever as três declarações.

4. Comprometimento

Os guardas ordenam aos praticantes que memorizem os regulamentos do centro de detenção. Se os praticantes se recusarem a fazê-lo, os guardas dirão: “Se você não o fizer, todos pensarão que você está criando problemas para eles.” Os guardas também repetidamente dizem aos praticantes quanta dor sua prisão causou à sua família, e que se eles cuidam de sua família, devem escrever as três declarações para que possam ir para casa.

5. Humilhação

Os policiais dizem aos praticantes que tudo acabará assim que eles escreverem as três declarações. Mas se um praticante escrever as declarações, a polícia o levará para um local separado para que seja gravado um vídeo dele lendo as declarações, segurando-as e lendo-as, linha por linha, na frente de uma câmera.

6. Fingindo se importar

Alguns praticantes ficaram feridos quando foram presos. O centro mostra que "cuida", dando-lhes tratamento médico. Os guardas também trazem água morna e comprimidos.

7. Forçados a praticar ioga

O centro exige que todo detento pratique ioga. O horário é reservado para fazer yoga. Isto é forçar os praticantes do Falun Dafa a parar de praticar o Dafa e mudar para o ioga.