(Minghui.org) Continuação da Parte 1.

(Para uma breve contextualização inicial sobre o apelo de 25 de abril, clique aqui.)

23 a 24 de abril de 1999: Explicando o incidente da detenção na Faculdade de Educação Tianjin

Praticante A: Quando eu saí para usar um telefone público às 18 h, notei pelo menos seis grandes vans da polícia estavam estacionadas perto da estrada Hami; cada van poderia prender cerca de 20 pessoas. Quando voltei para o campus, os policiais já tinham começado a arrastar os praticantes ao redor e bater neles. Normalmente três ou quatro oficiais trabalharam juntos, puxando os praticantes para o portão do campus e jogando-os para fora. Ao fazer isso, os oficiais foram advertindo e ameaçando os praticantes. No entanto, muitos praticantes, milhares deles, não cederam tão facilmente.

Praticante B: Em torno das 19 h, os oficiais de polícia começaram a arrastar os praticantes para fora da multidão. Os oficiais à paisana também tiraram aqueles de nós, voluntários, que tentavam ajudar a manter a ordem. Dois agentes à paisana vieram até a mim e disseram-me para sair com eles. Em seguida, eles agarraram meus braços, um de cada lado e me levaram para fora. Quando passamos o portão do campus, vi quatro policiais arrastando uma idosa por cada um dos seus braços; ela estava com as costas nuas e sendo arrastada pelo chão.

Os agentes levaram-me para uma sala vazia e eu quis saber por que eles tinham me levado para lá. Um agente disse que eles tinham recebido ordens para não permitir a prática do Falun Gong. Expliquei-lhes que se eles lessem o Zhuan Falun, poderiam facilmente dizer que o Falun Gong era diferente do que He Zuoxiu havia afirmado no jornal da faculdade. O agente ficou irritado com o que eu disse e começou a me empurrar, então eu gritei por ajuda.

Por isso, muitos de nós simplesmente viemos para a Faculdade de Educação Tianjin para informar às pessoas as nossas experiências ao praticar o Falun Gong e que não merecíamos ser maltratados. Ao me ouvir gritar, algumas pessoas nas outras salas vieram ver o que estava acontecendo. O oficial sabia que ele estava errado e parou e eles logo me liberaram.

Praticante E: Vendo que o seu assédio estava falhando para provocar o caos entre os praticantes, os policiais começaram a usar algumas outras estratégias. Havia um jovem praticante conversando com uma jovem. Um policial veio até eles e disse para a menina ir embora, então ele começou a empurrá-la duramente. A menina gritou e um jovem praticante do norte de Tianjin, que estava usando uma camisa "Falun Dafa é bom", veio impedir o oficial: "O que você está fazendo? Ela é só uma menina." Sem dizer uma palavra, o oficial o agarrou e empurrou a cabeça dele contra uma parede. Sua cabeça ficou sangrando e o oficial o levou.

A mãe da menina, que também era uma praticante, permaneceu calma quando viu que isso estava ocorrendo, como fizeram os outros praticantes na cena da agressão. Seguindo os princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância, todos permaneceram pacíficos, apesar da confusão. Alguém começou a recitar o Lunyu e ele foi acompanhado por muitos outros praticantes. Durante todo o tempo, a polícia continuou o assédio, empurrando a nossa volta. Nossa tranquilidade inabalável em face da maldade absoluta se tornou muito sagrada.

Praticante A: Quando estava ficando escuro, um grande número de policiais apareceu. Eram todos homens jovens em seus 20 anos. Eles bloquearam as estradas e dividiram os praticantes em diferentes seções. Todos os praticantes e policiais de choque estavam apenas olhando um para o outro, mas ninguém disse nada.

Em seguida, os policiais começaram a limpar a área. Cada grupo era composto por mais de dez oficiais e cada grupo ficou cuidando de uma única área. Eles começaram a chutar e a empurrar os praticantes, independentemente se eles eram idosos ou jovens, e os jogavam dentro das vans da polícia. Um praticante de sobrenome Huang foi arrastado pelos seus quatro membros e jogado numa das vans. Alguns oficiais mostravam os cassetetes e gritavam palavras de ordens para dispersar os praticantes. Muitos praticantes, inclusive eu, pegaram seus pertences pessoais e fomos embora sem dizer nada. Atrás de nós, os policiais ainda estavam gritando. Ao longo de todo o processo, nenhum praticante resistiu ou gritou quaisquer slogans.

Praticante D: Antes de a polícia de choque chegar, vários carros chegaram à Faculdade de Educação Tianjin. Alguém viu que Song Pinghun, responsável pelo Comitê Político e de Assuntos Jurídicos de Tianjin, estava num dos carros e a polícia de choque chegou logo depois que eles saíram. Um oficial de segurança que trabalhava para a faculdade ajudou a polícia com a prisão. Eu vi um praticante, um major do exército, sendo levado por dois policiais. Outro praticante, Jiang Jiusheng do condado de Ninghe, foi carregado pelos policiais em cada um de seus quatro membros.

Eu também fui preso. Um oficial do Departamento de Polícia da cidade de Tianjin se aproximou e disse à polícia de choque que ele iria cuidar de mim. Em seguida, ele imediatamente me libertou.

Eu tinha falado com ele anteriormente sobre o Falun Gong, em diversas ocasiões, explicando como a Faculdade de Educação Tianjin tinha cometido um erro. Porque alguns praticantes tinham acampado no campus, um dia, ele sugeriu para eu dizer para eles saírem. Eu disse a ele que o Falun Gong não tem uma estrutura organizacional e que os praticantes simplesmente agem com base em seus próprios entendimentos. Eu, então, dei-lhe uma cópia do Zhuan Falun. Depois de ler o livro, ele sabia que éramos boas pessoas e que não tínhamos chegado à faculdade para criar problemas. Ele sabia que toda a gente estava estudando a prática e que era um grupo pacífico. Ele foi movido por aquilo que estava observando, então me ajudou a me libertou.

Praticante C: A Faculdade de Educação Tianjin não corrigiu seus erros e as autoridades da cidade de Tianjin instruíram a polícia para nos maltratarem. Eles afirmaram repetidas vezes que estavam simplesmente agindo sob as ordens de postos mais altos. Depois de sermos forçados a sair do campus da faculdade, nós naturalmente caminhamos para o Edifício Administrativo da cidade de Tianjin. Fizemos muito pouco ruído e tínhamos certeza de não estar perturbando qualquer tráfego quando entramos lá.

No Edifício Administrativo de Tianjin

Antigo edifício administrativo de Tianjin

Praticante C: Muitos praticantes ficaram em silêncio num pequeno jardim em frente ao prédio administrativo e outros estavam nas calçadas ao redor do prédio. Ninguém ficou de pé na estrada ou bloqueando todo o tráfego. Alguns policiais à paisana também estavam no meio da multidão tentando instigar problemas. Era muito fácil identificá-los uma vez que frequentemente eles falavam palavrões.

Alguém no prédio administrativo em seguida veio para fora, dizendo que precisava falar com os representantes dos praticantes. Depois de testemunhar a crueldade do regime comunista na Faculdade de Educação Tianjin, os praticantes lembraram uns aos outros para sermos lúcidos e receosos de sermos alvo de prisão. Afinal, estávamos apenas pedindo a libertação dos praticantes detidos, para corrigir as declarações erradas feitas pelo jornal da faculdade e para restaurar a inocência do Falun Gong.

Uma praticante idosa entrou no prédio com a polícia por volta das 23 h. Preocupada com a segurança dela, uma praticante de meia-idade, que era do distrito de Dagang, também entrou com ela. Ambas saíram depois de um tempo. Elas falaram com um oficial e depois que as duas praticantes calmamente explicaram o que tinha acontecido, o oficial concordou em libertar os praticantes detidos.

Quando estávamos discutindo o que fazer a seguir, um oficial avisou por alto-falante para a mulher de meia-idade e elas tiveram que dizer à multidão acerca dos praticantes libertados. Ela então disse aos praticantes que, desde que os oficiais tinham concordado em liberar os praticantes, que podíamos sair.

Para resgatar os praticantes detidos e pacificamente resolver o problema, nós, assim, deixamos o local da cena.

Era 2h30 quando voltei para casa. Um praticante que tinha ido comigo, mas que tinha sido preso, retornou por cerca das 3 da madrugada; ele tinha ataduras em ambas as mãos. Nós soubemos no dia seguinte que nem todos os praticantes detidos haviam sido libertados. Por isso, alguns de nós voltamos para o prédio administrativo da cidade, mas os oficiais se recusaram a nos deixar ficar lá.

(continua)