(Minghui.org) Em 20 de julho de 1999, o Partido Comunista Chinês (PCC, então liderado por Jiang Zemin) lançou a sua perseguição ao Falun Gong, que dura agora 16 longos anos. Uma de suas principais razões citadas para o início da perseguição foi o apelo pacífico de 25 de abril de 1999. Naquele dia, cerca de 10.000 praticantes do Falun Gong foram para o Gabinete de Apelações do Conselho Estadual para defender pacificamente seu direito à liberdade de crença.

Este incidente enviou uma onda de choque em todo o mundo e foi inicialmente relatado pela mídia ocidental como "o maior e mais pacífico apelo racional na história da China". No entanto, o regime de Jiang Zemin distorceu os fatos e rotulou o apelo como "politicamente motivado" e um "cerco à Sede Central do Governo em Zhongnanhai".

Mas o apelo pacífico de 25 de abril de forma alguma foi um cerco. Tampouco foi motivado politicamente. O que realmente aconteceu? Este artigo apresenta os fatos.

Tudo começou no Instituto de Educação Tianjin

Localização original do Instituto de Educação Tianjin

O Instituto de Educação Tianjin era uma pequena instalação, que foi então agregada a algumas outras instituições de ensino superior em abril de 1999 e, em seguida, passou a fazer parte da nova Universidade Normal de Tianjin. No entanto, o Instituto de Educação Tianjin permanece na memória das pessoas pelo papel que desempenhou em abril de 1999.

A revista Ciência e Tecnologia para a Juventude, publicada pelo Instituto de Educação Tianjin, circulava nacionalmente e desfrutava de um grande impacto social. Em 10 de abril de 1999, He Zuoxiu, um físico que estava mais interessado em política do que em ciência, publicou um artigo na revista intitulado: "Eu não sou a favor dos jovens que praticam Qigong", em que ele atacou diretamente o Falun Gong e seu fundador, com mentiras maliciosas e vários comentários caluniosos.

Após a publicação do artigo, alguns praticantes foram para o Instituto de Educação Tianjin para esclarecer os fatos, na esperança de que, por meio de uma comunicação direta com o Gabinete de Editores, os impactos negativos e adversos do artigo pudessem ser mitigados.

Praticantes procuram corrigir devidamente os registros

A praticante "A", de 60 anos, ouviu falar sobre o artigo calunioso e foi para o instituto com outros. Ela ficou lá de 19 a 23 de abril, à espera de uma resposta do instituto e, naqueles poucos dias, ela testemunhou todo o processo e o que aconteceu.

Ela relembra: "Desde de 19 de abril, praticantes vieram para o instituto de educação, um após o outro. A maioria de nós esperou calmamente fora, enquanto alguns entraram para falar com o pessoal competente do instituto. Alguns praticantes vieram com cartas para compartilhar com o instituto como eles e seus filhos tinham se beneficiado com a prática do Falun Gong. Alguns trouxeram seus filhos com eles para validar a bondade do Falun Gong.”

“Entre eles, uma menina atraiu muita atenção. Ela sofria de leucemia e tinha perdido todo o seu cabelo devido à quimioterapia. Depois que ela começou a praticar o Falun Gong, a sua condição melhorou rapidamente e ela foi capaz de voltar para a escola depois de se recuperar da doença. Ela veio com a mãe para explicar, por meio de sua própria experiência, os benefícios do Falun Gong.”

O praticante "B" de 50 anos, não conseguia conter suas lágrimas quando lembrou os eventos no Instituto de Educação Tianjin, há 14 anos:

"Enquanto eu estava trabalhando, um colega praticante me perguntou se eu tinha ouvido falar sobre o artigo da revista Ciência e Tecnologia para a Juventude, que fez falsas acusações contra o Falun Gong e que teve impacto muito negativo entre as pessoas. Alguns praticantes tinham ido à instituição de ensino para esclarecer os fatos. Fiquei chocado ao ouvir isso, sem saber por que alguém iria se opor a tal boa prática de cultivo. Eu decidi ir lá pessoalmente e dar uma olhada. No dia seguinte, após os exercícios em grupo da manhã, tivemos uma breve discussão sobre o incidente e decidimos que devíamos explicar os fatos sobre o Falun Gong ao pessoal do instituto de educação. Eu fui lá naquela manhã."

O praticante "C" disse: "Eu estava vivendo nos subúrbios antigos de Tianjin. Quando ouvimos sobre o incidente, alguns praticantes e eu tivemos uma discussão e sentimos que uma vez que nós todos nos beneficiamos muito com a prática do Falun Gong, tínhamos a obrigação de esclarecer os fatos à instituição de ensino. A partir de 19 de abril, alguns praticantes em nossa área começa e eu fomos para o Instituto de Educação Tianjin para esclarecer os fatos e pedimos aos Editores da Revista para restaurarem a reputação do Falun Gong."

Encontros pacíficos e ordeiros, apesar da propaganda dizer o contrário

O praticante "D” disse: "Mais praticantes chegaram até 21 de abril, incluindo muitos da província de Hebei, de modo que o estabelecimento de ensino estava lotado. Para manter a ordem, os praticantes mantiveram o silêncio e não se moveram. Alguns praticantes locais tomaram a responsabilidade para saudar aqueles de fora da cidade e arranjaram locais para eles se sentarem e esperarem pelas notícias das negociações do instituto. Cuidei dos praticantes de Dagang e Ninghe, que vieram de ônibus.”

"Alguns trouxeram suas famílias inteiras para o esclarecimento dos fatos; alguns até trouxeram seus bebês e crianças pequenas. Havia também os praticantes no serviço militar que chegaram de uniforme. Mesmo que houvesse um grande número de pessoas no local, estava tudo muito pacífico e ordeiro. Quando a noite chegou, alguns praticantes locais levaram aqueles de fora da cidade para suas próprias casas para passarem a noite; alguns praticantes de outros lugares passaram a noite ao relento no campus pois não queriam sobrecarregar os praticantes locais. Os praticantes se ajudaram mutuamente e compartilharam seus recursos. Todos nós tivemos o mesmo desejo – validar a graça do Falun Gong mediante nossas próprias palavras e ações.”

"Um praticante quis gravar o evento, então eu e outro praticante nos oferecemos para ajudá-lo, mas fomos impedidos pelo chefe de segurança da seção do instituto e dois policiais à paisana. Eles nos obrigaram a deixar a fita de vídeo com eles. Notei também que havia equipes nos dois edifícios perto do portão principal do instituto que secretamente filmavam todos os praticantes em cena por trás das cortinas."

“O praticante "B" continuou: "Em 22 de abril, eu estava sentado no lado esquerdo do portão principal do instituto. Muito poucos praticantes de fora da cidade chegaram naquela tarde, então eu ajudei a manter a ordem com outro praticante. Mais tarde, este praticante teve que pedir aos praticantes para saírem antes que a polícia limpasse o local pela força. Muitos curiosos estavam fora do portão, alguns moravam nos edifícios próximos. Eles disseram: 'Você pessoas do Falun Gong são tão boas. Há tantos de vocês, mas está tudo em ordem e muito tranquilo.’"

"Logo depois, notei a polícia secreta se misturando entre nós. Eles geralmente seguiram aqueles que estavam mantendo a ordem. Alguns também tentaram ser amigáveis, a fim de descobrir quem eram os organizadores. Os praticantes foram muito honestos com eles, pois todos eles vieram com intenções amáveis e boa vontade. Dois policiais se aproximaram de mim duas vezes tentando obter alguma informação, já que eles acreditavam que os praticantes deviam ter sido altamente organizados a fim de manter tão boa organização. Eu dizia para eles que nós cultivávamos 'Verdade-Compaixão-Tolerância' e que todos vieram pela própria vontade para esclarecer os fatos porque tínhamos sido beneficiados pela prática do Falun Gong. A princípio, os policiais à paisana não eram hostis."

A promessa do instituto e as "ordens" contraditórias das autoridades superiores

O praticante “B” disse: "Ouvi dizer que houve um resultado positivo nas conversações com o instituto no primeiro dia. A equipe do instituto não sabia muito sobre o Falun Gong, mas foi afetada positivamente pelas explicações dos praticantes e prometeu corrigir os seus erros e restaurar a reputação do Falun Gong.”

"No entanto, no dia seguinte (23 de abril), eu ouvi os policiais à paisana conversando entre si: 'Temos ordens de cima proibindo o instituto de reverter a situação.’”

"Eu não entendi o que eles quiseram dizer, mas senti que o clima tinha começado a mudar. Esperamos em silêncio e o lugar permaneceu pacífico e ordeiro – dentro e fora do instituto. O tráfego também estava fluindo perfeitamente.”"O Departamento de Polícia de Tianjin enviou vários oficiais para direcionar o tráfego nas ruas próximas. Um oficial americano nos elogiou: 'Vocês são muito ordeiros e disciplinados, muito melhores do que o exército!' É claro que ele não entendeu que nós não temos uma organização, é uma disciplina por si só organizacional. Nós apenas seguimos os princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância e regulamentamos nossa conduta com esses princípios em nossos corações."

Cena magnífica que encorajou a todos

O praticante "E" disse: "Logo após às 16h do dia 23 de abril, eu olhei para o céu e vi o que parecia ser vários sóis. Dando uma olhada com mais atenção, fiquei surpreso ao perceber que eles eram de fato Falun (rodas de lei universais)! Elas eram tão brilhantes e coloridas, assim como as que vimos nos vídeos das palestras do Fa do Mestre. Eu esclamei: 'Olha, Falun!' Os praticantes olharam para cima e ficaram muito animados. Nós chamamos pelo Mestre e batemos palmas enquanto enxugávamos nossas lágrimas. De repente, o céu acima do instituto estava cheio de Falun. Eles se mantiveram em rotação e mudando de cores; alguns eram grandes e alguns eram pequenos; alguns apareceram nos edifícios de ensino e foram caindo sobre nossos corpos.

"Toda a gente ali estava atordoada. Um policial estava apavorado e correu para fora da porta, gritando: "Oh ... (palavrão)! Há tantos Falun!' Os espectadores também testemunharam a cena magnífica. Eles disseram entusiasmados: 'Olha, este é vermelho, aquele é um verde e um azul ...' Isso continuou por cerca de 25 minutos, em seguida, um grupo de policiais chegou. Eles gritaram bem alto enquanto tentavam dispersar a multidão, mas ninguém prestou atenção neles. Os praticantes permaneceram calmos e tranquilos. Em seguida, mais Falun apareceram no topo do edifício em frente e as pessoas começaram a aplaudir e bater palmas, incluindo a polícia e os espectadores. Eu ouvi alguns oficiais falando baixinho: "Deus do céu! É tudo real. Não vamos incomodá-los mais!'"

O praticante "A" continuou: "A partir das 16h30 do dia 23 de abril, parecia que todo o instituto tinha sido coberto com um manto protetor; a atmosfera era sagrada, solene e intensa. Vimos muitos oficiais chegando ao instituto. Nós estávamos lá para pacífica e racionalmente esclarecer os fatos à instituição de ensino, mas o PCC tentou distorcer os fatos e falsificar provas contra nós. Uma questão que poderia ter sido resolvida facilmente foi usada pelo PCC como uma desculpa para reprimir violentamente o Falun Gong. Não se pode deixar de perguntar: 'Será que é errado ser uma boa pessoa?'"

"Nós permanecemos calmos e em paz em meio a esse ambiente dinâmico. De repente, alguém começou a recitar o Lunyu (prefácio do livro Zhuan Falun), em seguida, outros se juntaram. Aos poucos, a recitação preencheu todo o campus, quando vários milhares de praticantes recitavam o Lunyu juntos, mais e mais.”

"Só então, incontáveis, coloridos e bonitos Falun apareceram novamente no céu. Os praticantes começaram a exclamar com entusiasmo, enquanto os Falun continuavam aparecendo e rodando no céu.”

"Eu nunca vou esquecer dessa cena espetacular.”

"Muitos espectadores, incluindo a polícia, também presenciaram a cena magnífica e mágica e ficaram igualmente surpresos e espantados. Alguns começaram a criticar o PCC: 'Essas pessoas são boas pessoas. Qual é o motivo para prendê-las?'"

(continua)