(Minghui.org) De acordo com a notícia publicada pelo Minghui.org, o governo dos Estados Unidos restringe a aprovação de vistos de violadores de direitos humanos e autores de perseguição religiosa. Mesmo aqueles que receberam vistos podem ter a sua entrada negada.

O aviso pedia que “Os discípulos do Dafa em todo o mundo tomem medidas imediatas para coletar, reportar e enviar ao Minghui.org informações sobre os perpetradores, os seus familiares e os seus bens, a fim de localizar e verificar as suas identidades”.

Este relatório expõe os crimes cometidos por Jiang Qingming, ex-vice-diretor da Agência 6-10 de Liaoning, contra praticantes de Falun Gong durante o seu mandato entre 2015 e 2017.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática de mente-corpo que é perseguida pelo regime comunista chinês desde julho de 1999.

Informações básicas

Jiang Qingming (姜庆明), homem, nasceu em abril de 1973 e vive na cidade de Yingkou, Província de Liaoning. Ele tem um mestrado. Tornou-se membro do Partido Comunista Chinês (PCC) em janeiro de 1997.

Jiang Qingming (庆明)

Antes de novembro de 2015, era diretor do Escritório de Investigação do Comitê de Assuntos Políticos e Jurídicos de Liaoning (PLAC). Entre novembro de 2015 e fevereiro de 2017, foi vice-Diretor da Agência 610 da Província de Liaoning. Desde fevereiro de 2017, ele é membro permanente do Comitê do Partido de Yingkou e Secretário do Partido do PLAC de Yingkou.

35 Praticantes morrem como resultado da perseguição durante o mandato de Jiang

Como vice-Diretor da Agência 610 de Liaoning entre 2015 e 2017, supervisionou a perseguição de praticantes de Falun Gong, incluindo prisões, buscas domiciliares, detenções, prisões e lavagens cerebrais.

Mais de 100 praticantes de Falun Gong em toda a Província de Liaoning foram presos apenas em junho de 2016. Antes das prisões, a polícia controlava os praticantes através de acompanhamento na sombra, observando-os perto das suas casas, através da posição do GPS, escutas telefónicas e localização virtual.

Segundo informações colhidas pelo Minghui.org, 4.079 praticantes na Província de Liaoning foram perseguidos pelas suas crenças entre 2016 e 2017. Entre os 4.079 praticantes perseguidos, 35 morreram como resultado da perseguição; 400 foram condenados à prisão; 117 foram julgados e aguardavam sentenças; 47 foram indiciados e aguardavam julgamento; 180 receberam mandados de prisão formais e aguardavam acusação; 1.361 estavam sob custódia policial e aguardavam a emissão de mandados de prisão formais; 49 estavam sob fiança e aguardavam emissão de mandados de prisão formais; e 1.890 foram assediados ou escaparam de prisões. Pelo menos 622 dos 4.079 praticantes tiveram as suas casas invadidas e dinheiro extorquido no valor total de 5,11 milhões de yuans.

Alguns praticantes de Liaoning que perderam a vida devido à perseguição (da esquerda para a direita, incluindo nomes e cidades). Fila superior: Sr. Wang Yuquan (Jinzhou), Sra. Cheng Fuhua (Dalian), Sra. Gao Lianzhen (Fuxin), Sr. Shao Zhongye (Dandong) Linha do meio: Sra. Du Jingqin (Fushun), Sra. Tian Caiying (Fushun), Sra. Ren Guixia (Jinzhou), Sra. Wang Yanqiu (Jinzhou) Fila inferior: Sra. Shen Zhenlan (Anshan), Sra. Wu Jingmei (Dalian), Sra. Xu Guixia (Shenyang), Sr. Lu Yuanfeng (Shenyang), Sra. Wang Guiling (Mudanjiang)

Quarto de hospital transformado em sala de audiências

O Sr. Song Yuegang, da cidade de Benxi, foi preso por apresentar queixas criminais contra o ex-ditador chinês Jiang Zemin por iniciar a perseguição ao Falun Gong. Notas bancárias com mensagens sobre o Falun Gong nelas impressas foram retiradas da casa dele e usadas como "evidência" contra ele. Além disso, a polícia invadiu a sua casa e confiscou 9 mil yuanes.

O Sr. Song apareceu pela primeira vez no Tribunal Distrital de Xinhu em 13 de dezembro de 2016, mas a audiência foi adiada quando ele caiu de repente e teve de ser levado para o hospital. O advogado do Sr. Song solicitou que ele fosse libertado sob fiança, mas foi negado.

Uma segunda audiência foi realizada no quarto de hospital do Sr. Song em 22 de dezembro de 2016, e os oficiais de justiça tiveram que apoiá-lo quando ele teve problemas para se sentar sozinho. A enfermeira verificou a pressão arterial e estava muito alta (157/116). Apesar de sua condição, o juiz realizou a audiência e depois condenou-o a três anos de prisão.

Condenado a cinco anos pela sua crença

O Sr. Wang Qing, da Cidade de Beipiao, foi condenado a cinco anos de prisão pela sua fé no Falun Gong. A sua audiência de apelo foi realizada no Tribunal de Beipiao em 22 de junho de 2016. Meng Fanshi do Tribunal Intermediário de Chaoyang atuou como juiz presidente. Ele interrompeu o Sr. Wang muitas vezes, proibindo-o de mencionar o Falun Gong ou ações judiciais contra Jiang Zemin. Shi Fulong, advogado do Sr. Wang, protestou contra o comportamento de Meng ao oficial.

Shi defendeu a inocência do Sr. Wang, como liberdade de crença e direito de registrar queixas criminais contra Jiang Zemin com base na lei. Ele também apontou que os bens pessoais, incluindo um pen drive, um ventilador e um dístico, encontrados na casa do Sr. Wang, que exibiam mensagens do Falun Gong, não provocava danos a ninguém e nunca deveria ter sido usada como evidência pelo tribunal para condená-lo a cinco anos de prisão.

Resta saber se o tribunal de apelações confirmou ou anulou a sentença do Sr. Wang.

Juiz usa ameaças para pressionar advogado a se declarar culpado

A Sra. Song Guixiang, da cidade de Dandong, compareceu no tribunal de Yuanbao em 7 de julho de 2016. O seu marido foi o único membro da família autorizado a participar no julgamento. Ma Shuhe, presidente do tribunal criminal, que antes condenou muitos praticantes, presidiu o julgamento.

Antes da audiência, ele tentou impedir que o advogado da Sra. Song se declarasse inocente em seu nome, ameaçando emitir uma pena de prisão mais longa.

Apesar das ameaças, o advogado fez um apelo de não culpada pela Sra. da Song e defendeu a sua inocência no tribunal.

Irmã depraticante de Falun Gong em julgamento fica detida por horas

A Sra. Zhang Jihong, uma praticante da cidade de Huludao, apareceu na Corte de Suizhong em 20 de junho de 2016. A sua irmã foi impedida de entrar e ficou detida por várias horas quando se recusou a amaldiçoar o fundador do Falun Gong, conforme solicitado pelo oficial Liu Huanyu, que também perguntou se ela própria era praticante de Falun Gong.

Outra audiência foi realizada em 30 de junho de 2016 e a Sra. Zhang foi condenada a dois anos de prisão.

Testemunha ameaçada

O Sr. Chen Yan, do Condado de Faku, estava inicialmente designado para comparecer ao Tribunal de Faku em 14 de junho de 2016. Dois dias antes da sua audiência, a sua esposa e a sua testemunha, Sra. Wang Guizhi, foram ao tribunal para concluir a documentação exigida pelas testemunhas. O juiz Sun Kai disse-lhes que agora que o Sr. Chen tinha uma testemunha para depor em sua defesa, o julgamento seria adiado para o dia 16 de junho.

Hou Dongbo, vice-Diretor do Departamento de Polícia de Faku, enviou policiais à casa da Sra. Wang em 15 de junho, ameaçando prendê-la se ela aparecesse no tribunal para defender Sr. Chen.

Durante o julgamento, o promotor Yao Tianchi reproduziu um vídeo da polícia interrogando a Sra. Wang quatro anos antes e disse que isso mostrava que ela admitiu que o Sr. Chen entregou os seus materiais de Falun Gong.

O vídeo, no entanto, indicava que os policiais interrogadores nunca fizeram perguntas sobre o Sr. Chen e que simplesmente entregaram-lhe, visto que ela era analfabeta, um documento preparado para pressionar as suas impressões digitais. O advogado do Sr. Chen concluiu que o vídeo era uma evidência inadmissível.

Crimes de Jiang Qingming continuam na cidade de Yingkou

Depois de Jiang ser nomeado Secretário do Partido Yingkou PLAC em fevereiro de 2017, continuou a chefiar a perseguição aos praticantes de Falun Gong. Abaixo estão alguns exemplos.

A Sra. Li Xiufeng foi presa em 5 de dezembro de 2017, quando foi à Estação da Polícia de Xinxing entregar cópias de documentos do governo mostrando que a prática do Falun Gong era lícita. A polícia enviou-a para o Centro de Detenção de Yingkou. Durante o julgamento no Tribunal de Zhanqian em 6 de agosto de 2018, ambos, a Sra. Li e o seu advogado defenderam a sua inocência. No entanto, ela foi condenada a três anos de prisão e enviada à Prisão Feminina de Shenyang.

A Sra. Sun Guilan, do Distrito de Bayuquan, foi presa pelos policiais da Estação da Polícia de Chentun quando contou a outras pessoas sobre o Falun Gong no mercado de um produtor em 29 de setembro de 2017. Ela foi detida e julgada pelo Tribunal de Bayuquan em 5 de junho de 2018.

Outra praticante do Distrito de Bayuquan, Sra. Yan Chunxiang, foi presa em novembro de 2017 enquanto distribuía calendários com mensagens sobre o Falun Gong. Ela foi enviada para o Centro de Detenção de Yingkou e compareceu no Tribunal de Gaizhou em 18 de maio de 2018. Ela foi condenada a 7 meses de prisão.

Em 28 de junho de 2016, oficiais do Departamento de Polícia de Zhanqian e da Estação de Polícia de Jianshe prenderam a Sra. Gao Xiuhua, de 65 anos. Após uma audiência em abril de 2017, a Corte de Xishi sentenciou-a em dois anos em 19 de março de 2018. Mais tarde, ela foi enviada para Prisão de Masanjiazi.

A Polícia do Distrito de Laobian prendeu a Sra. Liu Xingyan e a Sra. Ma Suyuan em 2 de maio de 2018. A Sra. Liu foi mantida no Centro de Detenção Yingkou enquanto a Sra. Ma foi libertada sob fiança devido à sua saúde precária. Yan Laobian sentenciou a Sra. Yan a dois anos de prisão. A Sra. Ma foi condenada a três anos de prisão e foi colocada em liberdade condicional devido à sua saúde.

Reportagens relacionadas:

Julgamento do Sr. Song Yuegang realizado no quarto do Hospital

Apesar da obstrução do Juiz, advogado declara-se não culpado pela Sra. Song

Praticante condenado em segredo a dois anos de prisão pordivulgar o Falun Gong

Artigos relacionados:

辽宁北票非法