(Minghui.org) Saudações, Mestre. Saudações, colegas praticantes.

Comecei a praticar o Falun Dafa em 1998. Os últimos 19 anos foram os momentos mais inesquecíveis da minha vida. Eu sou muito afortunada por ser uma discípula do Dafa no período da retificação do Fa.

Eu também sofri dificuldades que nunca experimentei antes. Sob a proteção do Mestre, superei todas as tribulações e estou amadurecendo. Nenhuma palavra pode descrever meu apreço ao Mestre. Tudo o que posso fazer é cultivar diligentemente e caminhar o restante da minha jornada com firme determinação, aprendendo a estudar o Fa e a cultivar bem.

Minha motivação para cultivar no Dafa era curar meus problemas de saúde. Depois de praticar por um mês, eu estava cheia de energia. Mas eu não entendi o que o cultivo realmente era. Eu era como o tipo de pessoa que o Mestre mencionou que participou de todos os tipos de oficinas de qigong. Eu gastei muito dinheiro nesses eventos, mas não sabia o que eles me traziam de bom.

Depois de praticar o Falun Dafa por seis meses, eu disse a mim mesma: “O Falun Gong me curou e eu consegui o que quis, então vou parar de praticar no final deste ano.”

Em abril de 1999, vi os ataques do Partido Comunista Chinês (PCC) ao Dafa na TV. Eu disse a mim mesma: “Se o Partido diz que o Falun Gong não é bom, então o Falun Gong deve ser ótimo, por isso eu devo retomar a prática. O que quer que o partido diga, deve ser o oposto da verdade. Voltei para o local de prática dos exercícios.

Como eu realmente não entendia o Fa e não cultivava solidamente, fui presa em 2000. No campo de trabalho forçado, assinei um documento [denunciando o Dafa] que eu não deveria ter assinado. Isso é uma mancha no meu cultivo. Eu traí o Mestre e o Dafa.

Depois de ser libertada do campo de trabalho, encontrei uma tribulação depois da outra: meu marido faleceu; meu filho não passou no exame físico para a faculdade; meu pai de 80 anos ficou cego; minha sogra teve um derrame; e eu fui demitida do meu trabalho. Eu não conseguia lidar com tudo isso e apenas chorava e chorava.

Naquela época, eu não sabia cultivar. Eu li o Fa e segui as instruções do Mestre. O Mestre nos disse para esclarecer a verdade, então eu o fiz. Eu também distribui materiais informativos.

Em 2004, o livro Nove Comentários sobre o Partido Comunista foi publicado.

Fiquei muito animada: “Ótimo! Finalmente, alguém está se posicionando e criticando o partido comunista. Mostrei o livro para pessoas que eu conhecia.

No fundo do meu coração, eu sempre tive sentimentos negativos em relação ao partido. Em 1988, o chefe do meu local de trabalho reconheceu minhas conquistas e me pediu para enviar a inscrição para ser um membro do Partido, o que é considerado uma grande honra por algumas pessoas, mas eu recusei. Eu disse a ele: “Nos últimos 18 anos, percebi uma coisa: uma pessoa vai se deparar com um desastre se seguir o partido”.

Depois que o Mestre publicou seu anúncio sobre renunciar ao PCC e suas organizações juvenis, comecei a conversar com as pessoas sobre como renunciar ao partido. A maioria delas renunciou. Para aqueles que se recusavam, eu enviava pensamentos retos todos os dias para eliminar os maus espíritos que os controlavam, para que eles tivessem um futuro brilhante. Alguns deles renunciaram depois que eu enviei pensamentos retos por um mês, alguns renunciaram depois de 6 meses, e alguns renunciaram depois de um ano.

Uma colega praticante me perguntou o que deveria fazer a respeito do marido dela que se recusava a deixar o partido. Eu disse a ela para enviar pensamentos retos. Depois de um tempo, ela me disse que ele renunciou.

No final de 2005, convenci mais de 500 pessoas a renunciarem ao partido em seis meses.

Embora eu tenha feito muito, não cultivei meu xinxing e ainda não sabia como realmente cultivar. Quando li o Fa, só entendi o significado no nível superficial. Eu não entendia as discussões de trocas de experiências de cultivo entre os colegas praticantes. Eu lhes disse: “Eu não sou iluminada. Você me diz para o que você se iluminou e eu farei o que você me diz para fazer.”

Em 2009, um colega me disse: “Irmã, você deve ler o Fa sistematicamente. Além de ler o Zhuan Falun, você deve estudar outros artigos do Mestre. Comece pelo Zhuan Falun e leia os outros artigos cronologicamente.”

Então eu estudei, e ganhei uma compreensão melhor do Dafa. Ao validar o Fa, comecei a cultivar meu xinxing. Eu então percebi porque o Mestre nos pediu para ler o Fa constantemente e bem. É para que tenhamos o Fa para guiar nosso cultivo e nos retificarmos e corrigirmos. Eu também percebi que precisamos do Fa como orientação para fazer tudo. Começamos como pessoas comuns em nosso cultivo, e nosso objetivo é ser um ser divino. É uma coisa tão boa, o que só ocorreu em milhões de anos. Como podemos alcançar a consumação sem a orientação do Fa?

Que grande honra ser uma discípula do Dafa! Não posso expressar minha gratidão ao Mestre. Desde então, tenho genuinamente cultivado.

Livrar-se do apego de saber quem está certo e quem está errado

Há alguns dias, outro praticante apontou um grande apego meu: reclamar dos outros.

Eu sou uma pessoa de bom coração e gostaria de ajudar os outros. Já acolhi mais de 70 colegas praticantes em minha casa, que não conseguiram encontrar um lugar para ficar devido à perseguição. Mas os conflitos entre nós ocorrem. Um deles disse algo negativo pelas minhas costas. Eu fiquei muito chateada. Fazia alguns anos, mas eu ainda ficava brava sempre que isso acontecia.

Naquele dia em que o outro praticante indicou meu apego para mim, eu fiquei infeliz, pensando: “Você não estava lá. Isso não afetou você. É claro que você não se queixaria.” A praticante disse: “Irmã, por que você não pensa sobre o motivo de isso ter acontecido? Esta é uma questão de cultivo. Você precisa se livrar do apego, cultivando.”

Embora eu não tenha concordado com ela naquele momento, eu entendi que ela só queria o melhor para mim, então eu disse: "OK, deixe-me pensar sobre isso".

Na manhã seguinte, conversamos novamente. Eu disse: “Aquele incidente realmente me machucou. Eu sempre fui uma pessoa legal e ajudei muitas pessoas. Eu não procuro nenhuma recompensa. Se ela tivesse dito essas coisas na minha cara, eu não estaria tão chateada. Mas pelas minhas costas? Eu estava cheia de raiva. Eu não vi esse apego, porque eu só me concentrei no que fiz bem. Preciso me livrar disso. Por favor não se preocupe. Eu vou olhar seriamente para dentro.”

Eu passei uma semana pensando sobre o meu problema e pensei que eu finalmente descobri porque eu sempre encontrei coisas assim. Encontrei quatro razões: primeiro, relações pré-determinadas históricas desempenham um papel; segundo, tenho minhas tribulações próprias; terceiro, houve mal-entendidos entre mim e os outros; quarto, eu não me cultivei bem às vezes. Não importa quais sejam os problemas, há apenas uma solução: olhar para dentro incondicionalmente para minhas próprias deficiências.

O Mestre disse no Zhuan Falun:

“A genuína prática de cultivo requer cultivar o interior do coração, cultivar o interior. Buscar dentro ao invés de buscar fora.”

Mas eu sempre discuti sobre quem estava certo e quem estava errado. Eu considerei esses problemas do ponto de vista de um não praticante e não olhei para dentro. Por isso muitas vezes tive esse tipo de problema.

O Mestre disse:

“Alguns estão sempre enfatizando a si mesmos, e se você tiver razão, você não tem erros? Por acaso você já se elevou no Fa? Usar um coração humano para enfatizar o correto e o incorreto, isto sim está incorreto, porque está sendo usado este princípio das pessoas comuns para avaliar a si mesmo, e está sendo usado este princípio das pessoas comuns para exigir dos outros.” (Fa Ensinado em Manhattan)

Sim, eu costumava enfatizar quem estava certo e quem estava errado usando o pensamento humano. A consequência de fazer isso é raiva. Eu percebi que o Mestre estava usando esse praticante para apontar o meu problema. No final da retificação do Fa, precisamos nos livrar de todos os nossos problemas. O Mestre está preocupado com a gente. Mestre: vejo meu problema e definitivamente vou eliminá-lo.

Minha irmã estava com medo de falar comigo. Há alguns dias ela me visitou. Eu disse a ela do fundo do meu coração: “Eu estava errada. Eu nunca mais vou falar com você com essa atitude. Ela sorriu e eu fiquei feliz.

Eu vejo que uma pessoa pode realmente melhorar se ela pode abandonar e não ser obcecada pelos defeitos de outras pessoas. Colocar o coração no cultivo e não em enfatizar quem está certo e quem está errado – é cultivo genuíno. Eu realmente senti a felicidade de abandonar o apego. Obrigada Mestre. Obrigada, colegas praticantes.

Tornando-se um ser sem ego

Quando fui presa no centro de detenção em 2000, uma detenta me perguntou o que realmente era o Falun Gong. Eu disse: “Eu não sou um bom exemplo de cultivadora, mas posso tentar. O Falun Gong ensina a Verdade-Benevolência-Tolerância.” Expliquei o que essas três palavras significavam e disse a ela: “Um cultivador precisa viver de acordo com esses princípios e finalmente se tornar um grande ser iluminado que é altruísta e sempre coloca os outros antes de si”.

Ela levantou as mãos e gritou: “O Falun Gong é bom! O Falun Gong é bom!

“De agora em diante, qualquer coisa que vocês façam, deverão primeiro ter consideração para com os outros, para que assim você obtenha a reta Iluminação do desinteresse e altruísmo.” (“Não omissão na natureza Buda” de Essenciais para Avanço Adicional), essas palavras estão enraizadas em meu coração desde que comecei a cultivar. Eu quero me tornar uma pessoa assim.

Em 2013, muitos colegas da minha região foram presos. Um deles tinha dificuldades em casa. Sua mãe tinha câncer e não havia ninguém para cuidar dela, então um dos colegas praticantes foi ajudar.

Mais tarde, este praticante me perguntou se poderíamos pedir à polícia que liberasse o praticante já que sua mãe precisava dela. Eu concordei que deveríamos trabalhar juntos e tentar garantir sua libertação. Fomos à delegacia, ao Departamento de Segurança Nacional, à Procuradoria e a outros escritórios do governo. Outros praticantes enviaram pensamentos retos para nos ajudar. Nós visitamos esses escritórios todos os dias. Quando as coisas não correram bem, nós olhamos para nossos próprios problemas. Quando resolvemos nossos próprios problemas, fomos ver as autoridades no dia seguinte.

Um dia, finalmente tive a oportunidade de conversar com o chefe do Departamento de Segurança Nacional local pelo telefone. Eu esclareci a verdade para ele. Ele disse: “Vou levar isso em conta e ela será libertada em breve. Você não precisa pagar nada. Esses telefonemas são difíceis”. Agradeci sinceramente.

Eu sabia que isso era o Mestre nos ajudando e nos encorajando.

Durante esse período, uma praticante me disse: “Tia, pare de tentar. Muitos praticantes que tentaram resgatar seus colegas praticantes foram presos. “Eu disse a ela: “Não se preocupe. Nós temos o Mestre e o Fa. Nada vai acontecer comigo. Acredito que resgatar colegas praticantes é minha responsabilidade”.

O Mestre disse em Zhuan Falun:

“Quando um ser humano ou uma vida é criada, os elementos únicos de sua vida e sua qualidade essencial já estão compostos no nível extremamente microscópico”.

O Mestre me deu poder, então ele deve ter grandes expectativas para mim. Não sei que tipo de voto fiz para o Mestre na história e não sei se cumpri meu voto ou não. Na sociedade comum, eu sou uma pessoa capaz, então acredito que preciso fazer as coisas que outras pessoas não podem fazer ou não estão dispostas a fazer, como resgatar colegas praticantes do encarceramento. Assim, conversar com advogados e resgatar praticantes tornou-se meu principal trabalho nos últimos anos.

Em 2014, uma praticante de fora da cidade foi presa na minha região. Ela contratou um advogado de Pequim. Depois de se encontrar com essa praticante no centro de detenção, o advogado me disse: “Sua colega me pediu para lhe dizer que você precisa ser cuidadosa. O Departamento de Segurança Nacional sabe de você.”

Mais tarde naquela tarde, outra praticante e eu fomos conversar com o juiz. Antes de sair de casa, eu disse ao Mestre diante de seu retrato: “Mestre, você me disse que as forças do mal não ousariam nos perseguir se esclarecêssemos a verdade e salvássemos os seres sencientes. A principal coisa é que meu coração não deve ser movido. Agora vou esclarecer a verdade ao juiz. Por favor me proteja. Eles não se atreverão a me perseguir.”

Naquele dia, dissemos ao juiz o que realmente era o Falun Gong. Nada aconteceu com a gente.

Outra vez, quando um praticante foi preso, ele me pediu para avisar a sua família para encontrar um advogado. Não pude avisar sua família por dois dias.

O filho do praticante abriu a porta e eu passei a ele a mensagem do pai dele. Ele me empurrou para fora e disse: “Não é da minha conta. Não me incomode.” Perguntei: “E a sua mãe?” Ele disse: “Minha mãe também foi presa. Eu também fui e acabei de ser libertado. Não venha aqui novamente. Se você fizer isso, vou denunciá-la à polícia.” Eu tive que sair.

Eu não tive escolha a não ser fazer tudo sozinha. Falei com um advogado de Pequim que conhecera antes e ele concordou em me ajudar. Finalmente, encontrei um advogado para o praticante preso.

Alguns dias depois, aquele advogado de Pequim me encontrou. Ele estava se perguntando se eu ainda estava trabalhando para a libertação de colegas praticantes. Eu disse: "Sim, eu não tenho medo". Ele disse: "Seu coração é tão compassivo. Tudo que você faz é para os outros. Ninguém se atreveria a colocar um dedo em você.”

Sempre que um praticante local fosse preso, eu iria imediatamente à delegacia e à família do praticante para coletar informações. Um praticante certa vez me perguntou: “Como você consegue ir a todos os lugares e não se importar com o perigo? Como é que nada aconteceu com você?” Eu disse a ela: “As forças do mal não ousariam perseguir uma vida desinteressada e altruísta”.

O Mestre quer que nos livremos do egoísmo através do cultivo e alcancemos a iluminação reta da abnegação e do altruísmo.

Na minha jornada de cultivo, sinto mais e mais felicidade. O que o Mestre me deu não pode ser descrito em palavras. Tudo o que posso fazer para recompensá-lo é esforçar-me diligentemente e cultivar-me solidamente.

Obrigada Mestre!