(Minghui.org) Uma colega de cultivo da minha área, chamada Wang, foi libertada de um centro de detenção no final de 2016. Ela nos contou sobre Yao, uma praticante de outra área que ainda estava presa no centro de detenção. O escritório 6-10 local estava tentando sentenciá-la a um ano e meio de prisão e ela estava muito deprimida.

Yao não pôde estudar o Fa e praticar os exercícios devido ao ambiente hostil. Ela estava tão desesperada para ser libertada que se declarou culpada das acusações falsas durante sua primeira audiência.

Eu disse a Wang que não era uma coincidência nós sabermos sobre a situação de Yao.

O Mestre disse:

As coisas que são de responsabilidade de outro discípulo, também são de sua responsabilidade,e aquilo que concerne a você também concerne a ele.” (“Ensinando o Fa na Conferência Internacional de Washington DC - 2002

Nós discutimos como poderíamos resgatá-la. O mestre não quer renunciar a nenhum discípulo e achamos que era nossa responsabilidade ajudar a garantir sua liberação.

Nós não conhecíamos os praticantes da área de Yao. Então, nós contatamos os praticantes perto de seu distrito e pedimos-lhes para descobrir por que ela foi detida. No entanto, ninguém conhecia Yao nem nada sobre sua detenção.

Decidimos entrar em contato com os pais de Yao e fomos de carro para sua aldeia, mas nos perdemos em nosso caminho. Um pensamento surgiu em minha mente: procure um taxista. Então, vimos um motorista de táxi na estrada que estava arrumando o porta-malas de seu carro. Ele deu instruções em detalhes para nós.

Continuamos por um tempo e nos perdemos de novo. Um pensamento surgiu na minha mente: vá para um posto de gasolina. Aconteceu de estarmos próximos de um posto de gasolina. Um triciclo motorizado estava saindo quando entramos. Quando pedi orientação ao motorista, ele sorriu e disse: “Siga-me. Eu vou para lá. ”Realmente sentimos que o Mestre estava nos orientando.

Finalmente chegamos à aldeia dos pais de Yao. Quando lhes dissemos a intenção de nossa visita, seus pais ficaram relutantes em cooperar conosco. Eu disse: “O que quer que aconteça, Yao é sua filha. Você nunca desejaria que ela ficasse detida em uma cela com mais de uma dúzia de outras, apertadas como sardinhas”.

O pai de Yao disse: “Deixe-a ficar lá. Caso contrário, ela distribuirá materiais informativos do Falun Gong assim que ela for libertada”.

Nós conversamos com a mãe de Yao, também praticante de Falun Gong. Ela disse em lágrimas: "Seu pai e eu fomos para a cidade onde ela foi detida. Tentamos visitar os gabinetes governamentais importantes para solicitar sua liberação e falamos aos funcionários governamentais que a Constituição garante a liberdade de crença.

Mas esses escritórios passaram a responsabilidade para outros e não agiram. Nós corremos para frente e para trás por mais de quatro meses, mas nunca conseguimos visitar nossa filha. Ninguém falou por nós. Ficamos muito desanimados e não podíamos mais pagar as viagens. Nos sentimos impotentes”.

Compreendemos plenamente o seu sofrimento. Nós dissemos à mãe de Yao que não desistiríamos de tentar resgatar sua filha, não importava o quão difícil fosse, e que precisávamos conscientizar sobre a perseguição para solicitar sua libertação.

Mais tarde, depois várias tentativas para coordenar a tentativa de resgate, nos contatamos com praticantes do distrito de Yao e da área de seus pais. Os praticantes em nossa área também se juntaram ao esforço.

Avançando corajosamente sob a orientação do mestre

Nós compartilhamos experiências com praticantes do distrito de Yao para resgatá-la. Todos concordaram em cooperar e enviar pensamentos retos.

Nós também soubemos que os praticantes do distrito de Yao contataram seu marido, um não-praticante, várias vezes. Na tentativa de libertar sua esposa o quanto antes, o marido de Yao contratou um advogado para se declarar culpado por ela, esperando que o tribunal lhe desse uma sentença reduzida. O seu marido buscava contatos e gastou muito dinheiro com isso. Mas não houve alteração quase um ano.

Uma praticante de 80 anos na minha área decidiu ir para a cidade onde Yao estava detida com a mãe de Yao para solicitar sua liberação. A mãe de Yao concordou relutantemente. Elas chegaram à cidade depois de uma viagem de duas horas. Elas foram para a delegacia de polícia, a Procuradoria, o tribunal, o centro de detenção e outros departamentos relevantes, mas não foram recebidas em nenhum dos escritórios. Elas falaram com os guardas de segurança sobre a perseguição.

Atormentada, a mãe de Yao disse: “Eu lhe disse que não deveríamos ter vindo. Eu estive aqui tantas vezes. Não temos permissão para entrar nos escritórios. Ninguém pode nos ajudar.”

Havia também queixas entre os praticantes. Alguns pensavam que era uma perda de tempo e inútil. Alguns praticantes na minha área disseram que era uma questão de outra área e que tínhamos muitas coisas nossas para cuidar. Alguns até me aconselharam a não coordenar o resgate entre os distritos.

Depois de pensar sobre isso, a praticante Wang e eu fomos visitar os pais de Yao novamente. Estava ventando forte e com muita neve enquanto dirigíamos e dificilmente podíamos ver a estrada a nossa frente. Então, de repente, tornou-se claro depois que dirigimos por um tempo.

Depois de uma certa distância, encontramos uma forte neve novamente, então de repente ficou claro por uma curta distância novamente. Eu expliquei que o Mestre estava nos dando uma dica de que só podíamos avançar, mas não recuar, e que por mais difícil que fosse, haveria um resultado brilhante. Nos encontramos com os pais de Yao e nos encorajamos.

Em seguida, pedimos a uma advogada local para visitar Yao no centro de detenção. Nós transcrevemos alguns dos ensinamentos do Mestre Li e pedimos a ela para levá-los para Yao. A advogada ficou chateada, preocupada em perder o emprego se os materiais do Dafa fossem descobertos.

Então, fizemos um acordo com ela para levar algumas palavras simples para Yao: “Determinação, pensamentos retos e negar o arranjo das velhas forças”. Conversamos com a advogada sobre o Falun Dafa e a perseguição, e ela concordou em abandonar sua associação ao Partido Comunista Chinês (PCC) e suas organizações afiliadas.

Depois que a advogada visitou Yao no centro de detenção, enviamos a ela algumas informações sobre liberdade de crença e o crime da perseguição do PCC sob a perspectiva da lei. Esperávamos que ela pudesse entender os problemas.

À medida que continuávamos com a advogada, nós fornecíamos a ela informações diferentes a cada vez, incluindo a forte defesa de outros advogados de praticantes do Falun Gong. Na próxima visita que a advogada fez a Yao, ela levou os ensinamentos do Mestre Li com alegria o que inicialmente havíamos pedido para ela fazer.

Enquanto isso, Yao no centro de detenção estava desenvolvendo pensamentos mais fortes e retos depois das várias visitas da advogada. A advogada então me chamou e disse que o tribunal suspeitava que a mudança de Yao se devia a suas visitas e ela expressou sua preocupação.

Só então comecei a ver as coisas do ponto de vista das necessidades da advogada e eu disse a ela que estávamos preocupados com sua segurança e com quaisquer ramificações que seu envolvimento pudesse ter em sua carreira profissional também. Uma vez quando ela retornou da visita ao centro de detenção, perguntei sobre a situação de Yao. De repente, perguntei-me por que só me preocupava com a praticante encarcerada, mas não com a advogada. Eu então perguntei: “Você está bem? O centro de detenção lhe causou algum problema? ”

Eu entendi que a abnegação é uma manifestação da elevação de um praticante no Fa.

A praticante Wang e eu fomos visitar os pais de Yao dois dias antes do Ano Novo Chinês. Foi nossa sexta viagem para lá. Desta vez, dirigimos com chuva e neve. Havia gelo na estrada. Wang não conseguia dirigir e não conseguia parar de pensar nas condições da estrada. Ela me deu instruções ao longo de uma estrada montanhosa cheia de colinas íngremes. Eu dirigi com as duas mãos apertando o volante e pedindo a ajuda do Mestre em minha mente. As minhas pernas estavam entorpecidas e todo meu corpo estava rígido. Finalmente, depois de meia hora, voltamos para a estrada plana.

Os pais de Yao ficaram surpresos ao nos ver. Nós dissemos novamente que nunca conhecemos Yao pessoalmente, mas que os praticantes do Dafa são um corpo e devemos tentar resgatá-la. Precisamos trabalhar juntas para garantir a libertação de Yao. O seu pai se comoveu e disse: “Somente os praticantes de Falun Dafa podem fazer isso hoje em dia!”

Estava nevando quando voltamos para casa naquela tarde. Quando nos aproximamos de casa, o sol estava alto no céu, embora ele devesse estar se pondo naquele momento. De repente, lembrei do poema do Mestre,

Os céus claros, o corpo cósmico transparente, o universo retificado,

Com a catástrofe final agora acabada, luzente está o Cosmos inteiro.”

(“Após a catástrofede Hong Yin)

Eu sabia que era o encorajamento do Mestre para nós avançarmos e não desistirmos.

Os praticantes cooperam como um único corpo e Yao é libertada

A mãe de Yao começou a telefonar para o diretor do centro de detenção onde Yao estava detida. A sua consciência sobre a perseguição aumentou. Ela foi repreendida e amaldiçoada. Nós compartilhamos experiências e encorajamos uns aos outros.

Os praticantes na minha área telefonaram para o juiz que supervisionava o caso de Yao e falaram sobre o Falun Gong e a perseguição. O juiz inicialmente teve uma atitude negativa e não permitiu que os praticantes falassem. Sob o campo energético de compaixão e perseverança dos praticantes, o juiz mudou gradualmente sua atitude. Uma vez, o juiz ouviu a explicação de um praticante com cuidado e paciência por seis ou sete minutos. Ele disse que pediria uma nova audiência em breve.

Em meados de fevereiro, a segunda audiência do primeiro julgamento foi realizada no tribunal local do distrito de Yao. Muitos praticantes de seu distrito, bem como da minha área e da cidade onde os pais de Yao viviam foram mostrar seu apoio e enviar pensamentos retos nas proximidades do tribunal.

Durante a audiência, o juiz pediu a Yao que se declarasse culpada para que ela fosse libertada em breve. O advogado que o marido de Yao contratou também fez a mesma recomendação. Yao não se comoveu. Ela recuperou seus pensamentos retos depois de compartilhar com os praticantes e estudar o Fa que nós tínhamos pedido à advogada para levar durante suas visitas.

Yao disse com justiça e dignidade no tribunal: “Liberdade de crença. Não há erros ao acreditar no Falun Gong.” Não importava o que o juiz tentasse para fazê-la se declarar culpada, Yao ficou firme e negou completamente.

Após a suspensão da audiência, os praticantes das três áreas compartilharam um entendimento comum: não devemos desistir, mas devemos continuar a cooperar juntos para enviar cartas, fazer chamadas telefônicas e enviar pensamentos retos. Os praticantes da minha área telefonaram para o juiz-presidente novamente. O juiz pediu aos praticantes para não enviarem cartas ou chamá-lo. Os praticantes se iluminaram a que os fatores malignos em outra dimensão não conseguiam suportar a pressão.

A praticante Yao foi libertada alguns dias depois sem acusações contra ela. Eu tinha lágrimas em meus olhos quando vi Yao sair do centro de detenção. Ela não conversou com nós porque não nos conhecia. Os meus únicos pensamentos foram de profunda gratidão ao Mestre!