(Minghui.org) Saudações, Mestre! Saudações, companheiros praticantes!

Em primeiro lugar, gostaria de desejar grande sucesso ao Fahui da China. Gostaria também de partilhar a minha experiência de escrever artigos para cultivar-me e validar o Fa. Se houver algo inapropriado, por favor, aponte-o gentilmente .

Começando

No passado, em outubro de 1999, fui com outro praticante da cidade para um cibercafé e entrei no site Minghui. Percebi que o site desempenha um papel enorme em ajudar os discípulos do Dafa a ser um corpo único durante a perseguição. Era um entendimento simples.

Depois que o artigo do Mestre "O coração em si está claro" (em Hong Yin II) foi publicado, os praticantes em minha área começaram a acompanhar de perto o site Minghui. Baixamos materiais de esclarecimento da verdade e artigos de troca de experiências para os praticantes locais.

Depois de ler muitos artigos, comecei a me perguntar: "Nós nos beneficiamos das experiências dos outros - não deveríamos também compartilhar nossas próprias experiências de cultivo?" Embora eu tivesse esse pensamento, não o pus em prática porque estava ocupado com projetos de esclarecimento da verdade.

Foi somente em maio de 2002, quando mais praticantes deram um passo adiante e assumiram responsabilidades no local de produção material, que eu tive algum tempo livre. Na época, Jiang Zemin estava visitando outros países, e praticantes de todo o mundo tinham estabelecido horários para enviar pensamentos retos juntos. Vi algumas cenas através do meu olho celestial e escrevi sobre elas. O Minghui publicou o que eu escrevi e, a partir daí, segui esse caminho para validar o Fa. Enquanto escrevia, percebi que meus entendimentos em algumas áreas melhoraram, e eu também revisitei coisas que o Mestre havia dito para citá-las. Ainda existem momentos em que eu realmente me beneficio de uma determinada frase e decido ler de novo toda a Palestra do Fa.

Superando interferências e tendo pensamentos e ações retas

Quando eu comecei a escrever artigos, a maior interferência foi a de muitas coisas impuras na minha própria dimensão. Essas coisas não queriam ser expostas ou eliminadas, então elas lutaram para obstruir e interferir, me impedindo de lembrar o que eu pretendia escrever.

Havia também uma voz que dizia: "Desista. Este não é o seu caminho." Às vezes eu sentia tonturas e meu corpo doía.

A coisa estranha se ia assim que eu pousava a caneta, eu tornava-me muito alerta. Mas quando eu pegava a minha caneta, todos os sintomas incômodos emergiam. Eu tive que descansar por dois dias depois de escrever meu primeiro artigo.

Eu estava convencido de que isso era o que eu deveria estar fazendo, porque eu sentia que estaria sendo egoísta se eu não compartilhasse meus entendimentos do Fa.

Quando eu identifiquei que este era meu caminho, a interferência diminuiu e eu pude pensar claramente. Eu podia escrever um artigo mais rapidamente em lugar de digitá-lo no computador.

Inicialmente, outro praticante ajudou a digitar meus artigos depois de eu os escrever, mas depois não pôde continuar. Eu sabia que não devia parar de escrever só porque ninguém me podia ajudar.

Discuti esta questão com minha mãe que é praticante, e com a ajuda de outros praticantes, nós compramos um computador e uma impressora. Eles me ensinaram como usá-los, e aprendi as operações básicas em pouco tempo.

Devido à perseguição, o local de produção de material em nossa área foi destruído em maio de 2003. Como resultado, eu tive que assumir a responsabilidade do local de produção de material e comprar os suprimentos necessários. Fiquei muito ocupado e foi extremamente cansativo.

Eu recitava o poema do Mestre "Pensamentos retos e ações retas" para me encorajar. Mesmo quando chegava em casa às 10 horas da noite depois do trabalho, estudava o Fa antes de começar a escrever. Houve momentos em que eu esquecia que estava com fome.

Experiências surpreendentes

Aconteceram muitas coisas incríveis enquanto escrevia os artigos, e eu gostaria de compartilhar duas delas. Uma vez, eu não sabia como continuar depois de escrever a introdução de um artigo de partilha de experiência. Estava cansado, então eu decidi deitar-me. Minha consciência principal saiu do meu corpo e o Mestre levou-a para algum lugar para ver coisas. Quando minha consciência principal voltou ao meu corpo, eu soube como continuar o artigo depois de pensar sobre o que eu tinha visto.

Outra vez, eu estava escrevendo sobre flores Udumbara. Esse artigo era sobre o uso de poderes sobrenaturais para validar o Fa. Minha mão começou a doer quando eu estava digitando o artigo e eu percebi que algo estava errado. Entendi que eu não deveria incluir tudo o que eu havia visto, porque há algumas coisas que não são adequadas para colocar por escrito. A dor desapareceu depois que eu removi aquelas frases.

Quando eu estudo mais o Fa, sei o que está errado com um artigo e posso corrigi-lo. Às vezes, no entanto, parecia muito problemático e eu não queria editar o artigo, o que significava mais trabalho para os editores do Minghui. Peço desculpas por isso.

Cultivando-me e removendo apegos humanos

À medida que mais artigos meus eram publicados no Minghui.org e outros sites, muitos praticantes estavam querendo interagir comigo, porque eles sabiam que meu olho celestial estava aberto. Eles esperavam que eu pudesse ajudá-los a resolver problemas em seu cultivo. Este foi um dos problemas que eu encontrei externamente.

Internamente, eu tinha uma sensação de realização depois que meus artigos eram publicados. Quando muitos praticantes ficaram interessados em mim, os apegos ao fanatismo e a validar-me começaram a surgir.
Estudei mais o Fa depois de perceber que isso não estava certo. Intencionalmente mudei o enfoque de meus artigos para me concentrar no cultivo dos praticantes e experiências na validação do Fa. Foi assim que descobri o altruísmo de um cultivador e que o poder do Fa pode ser visto em muitos corpos de praticantes.

Por exemplo, uma praticante idosa queria iniciar um local de produção de material em sua casa, porque era muito difícil para ela deslocar-se para pegar os materiais. O Mestre fez arranjos para alguém lhe ensinar, e ela superou muitas dificuldades para aprender as noções básicas da operação do computador.
Outra praticante assumiu a responsabilidade de entregar materiais depois que um de seus familiares foi preso. Embora ela tivesse dificuldades financeiras com duas crianças para alimentar, ela entregava os materiais para outros praticantes, quer chovesse ou fizesse sol.

Um casal em seus 80 anos produzia materiais em casa, eles tiveram um problema com a impressora e o coordenador levou-me para a casa deles para repará-la. Fiquei comovido até às lágrimas quando eu pensei naqueles dois, que não receavam trabalho duro e estavam fazendo uma coisa tão grande para salvar as pessoas, quando poderiam ficar apenas apreciando a vida em sua idade.
Comparado com aqueles praticantes que estão na linha de frente esclarecendo a verdade, fiquei envergonhado com o meu apego ao fanatismo e de me validar depois de escrever alguns artigos.

Recordei-me que muitos praticantes - até praticantes nos campos de trabalho - me disseram que liam muitos dos meus artigos. Eu olhei para dentro quando ouvi isso e me perguntei: "Por que eles estão me dizendo isso? Que apegos humanos estão indicando?"

Eu finalmente entendi duas coisas. Primeiro, isso era um teste para ver se eu ainda tinha o apego ao fanatismo e o senso de realização. Em segundo lugar, percebi que, embora meus artigos pudessem ter um efeito reto, quando se tratava de artigos sobre o uso de poderes sobrenaturais, o apego humano dos praticantes de buscar novidades era despertado. Lamentei que isso tivesse causado interferência a todo o corpo.

Quando eu percebi isso, comecei a usar pseudônimos diferentes ou não usava nenhum nome, porque senti que eu não deveria parar de escrever artigos, mas que também não deveria causar agitação entre os praticantes. Também mudei meu estilo de escrever. Dessa forma, ninguém poderia descobrir facilmente que eu os tinha escrito. Com o passar do tempo, os apegos humanos desapareceram.

Alterar os pseudônimos e meu estilo de escrita resolveu o problema superficialmente. O que era crítico, entretanto, era se eu poderia realmente validar o Fa, e não validar-me a mim mesmo. Também era importante me olhar como praticante e tratar os outros com bondade.

Para fazer isso, eu precisava superar muitas noções humanas. Eu sou de uma classe social baixa e não tenho muito talento, exceto quando se trata de escrever. Então comecei a me comparar com os outros com base nessa habilidade. Eu sabia que isso não era bom, visto que estava colocando ênfase na classe social. Este também foi um enorme obstáculo que me impediu de ser diligente.

Através do estudo do Fa, descobri que eu cairei e terei menos sabedoria quando pretendo validar-me. Quando eu percebi isso, eu me tornei mais discreto e também cultivei melhor a minha fala.

Tornei-me mais maduro nos anos que se seguiram e agora colaboro com outros praticantes, independentemente de onde eu estou. Eu escrevo os meus artigos discretamente e não sinto a necessidade de que os outros saibam que sou eu quem os escreveu. Fico feliz enquanto puder cumprir o meu voto.

Se os praticantes interagem comigo, só compartilharei minha própria compreensão e nunca lhes direi o que fazer, porque não quero que outro praticante dependa de mim ou me admire.

Eu costumo dizer: "Se acalmarmos nossos corações e estudarmos o Fa do Mestre, todos os problemas podem ser resolvidos. O caminho de cada um é diferente e o que os outros dizem é o entendimento deles. Mesmo diante do mesmo problema, a situação de cada um é diferente e cada um têm uma solução diferente. O que significa que temos de aprender a iluminar-nos verdadeiramente pelo Fa para resolver problemas."

Compartilhando minha experiência e incentivando os outros a escrever para validar o Fa

Conheci muitos praticantes que desejam escrever seus entendimentos e experiências, mas que não sabem como começar. Quando me perguntam, muitas vezes lhes digo que há muitas maneiras de escrever um artigo, mas o mais básico é redigi-lo claramente.

Por exemplo, quando você encontrar algo, descreva-o claramente, explique por que aconteceu e diga como isso afetou sua crença no Mestre e no Fa e ao que você se iluminou a partir disso. Esse é o método básico. O medo de enfrentar dificuldades é um apego humano, incluindo o impulso de evitar o problema para si próprio ou deixar que alguém escreva sobre isso. Isso é depender dos outros.

Eu não quero dizer que todos os praticantes devem escrever artigos. O que quero dizer é que aqueles que desejam usar este método para validar o Fa podem escrever artigos e eles ajudarão outros praticantes e a eles próprios. Os outros podem aprender com suas experiências. Isso será útil para todo o corpo.

Independentemente do tipo de artigo, os praticantes que desejam escrever artigos devem ver como artigos semelhantes são escritos e o ponto de vista do autor. Isso irá ajudar a melhorar a sua escrita.

Gostaria também de enfatizar que escrever artigos não representa o estado de cultivo de um praticante. Ele ou ela escreve porque é assim que a pessoa escolheu validar o Fa. O departamento editorial do Minghui já salientou isto anteriormente, então precisamos prestar atenção especial a este aspecto.

Eu ganhei alguma experiência depois de escrever artigos por 15 anos. Inicialmente, meus artigos indicavam frequentemente as falhas de outros praticantes, mas depois acabei por entender que eu não deveria apenas criticar. Eu deveria ter um coração compassivo ao pensar nos praticantes e no Dafa. Eu já não critico os outros e agora espero melhorar com os outros praticantes.

Artigos que esclarecem a verdade ou compartilham uma opinião devem ser escritos para que sejam facilmente aceitos pelas pessoas comuns. Se somos dogmáticos e assumimos uma atitude superior, nós os afastamos e isso os impedirá de compreender a verdade.

Conclusão

Em resumo, quando eu estudo bem o Fa e envio bem pensamentos retos, escrever um artigo é muito fácil. Se eu estou escrevendo apenas por amor à escrita, as coisas não correm bem e o resultado será menos do que ideal.

Além disso, não devemos estar demasiado apegados ao projeto de retificação do Fa ao qual estamos envolvidos porque esse é um apego que o mal explorará. Tenho experiência disso.

Eu me recordo que tive um problema com o computador quando estava com pressa de escrever um artigo sobre a validação do Fa. Eu estava ansioso e pedi licença na minha empresa. Eu levei o computador para a cidade para reparação, e quando o entreguei a um praticante para verificar, o computador ficou subitamente bloqueado com uma senha. Percebi que era porque eu estava demasiado apegado em escrever o artigo, o que permitiu ao mal explorar a minha lacuna. Levou duas semanas para o computador ser reparado.

Lembro-me que um praticante escreveu há alguns anos atrás um artigo para o Fahui da China intitulado "Eu ainda gostaria de ser um discípulo de Falun Dafa se tivesse de escolher novamente." Fiquei emocionado com o artigo. Embora eu tenha escrito diversos tipos de artigos ao longo destes 15 anos, tenho me beneficiado muito com os artigos escritos por outros praticantes e gostaria de agradecer a todos eles e aos editores. Gostaria também de aproveitar esta oportunidade para agradecer a todos os praticantes que me apoiaram e me incentivaram.

Por último, gostaria de dizer a todos: Temos de valorizar o título de "discípulos do DaFa" nesta vida e fazer bem. Esta oportunidade de validar o Fa é difícil de encontrar, e devemos valorizar cada segundo que o Mestre prolongou para nós e também cumprir a nossa missão.

Obrigado Mestre! Obrigado, companheiros praticantes.

Heshi.