(Minghui.org) Saudações ao grande Mestre! Saudações a todos os companheiros praticantes!

Gostaria de aproveitar a oportunidade do 13º Fahui da China para relatar ao Mestre e compartilhar com outros praticantes minhas experiências de cultivo trabalhando como administrador de um refeitório em uma agência governamental.

Eu costumava ser um funcionário do governo, comecei a praticar o Falun Dafa (também conhecido como Falun Gong) em 1996 e, em 2001, fiquei preso em um campo de trabalho por dois anos por esclarecer a verdade sobre o Falun Gong. Como resultado, minha posição como diretor do departamento foi extinta e eu fui reduzido a um escriturário.

Quando fui libertado, em 2003, voltei a trabalhar, e meus supervisores e colegas que foram enganados pela propaganda e mentiras do Partido Comunista Chinês (PCC) tiveram mal-entendidos sobre o Falun Gong.

Todos, exceto eu, tinham computador no trabalho. Nunca se atreveram a me deixar sozinho no escritório. Enquanto eu estava lá, alguém tinha que estar lá para me observar. Eles me seguiam sempre que saía do escritório.

Eu só estava autorizado a receber e entregar o jornal. Não tinha contato com documentos oficiais. Eu expliquei os fatos sobre o Falun Gong, mas ninguém ousou me ouvir. Era impossível persuadi-los a abandonar o PCC e suas organizações afiliadas.

O que devia fazer? Eu tinha que encontrar uma maneira de lhes dizer os fatos e salvá-los. Eu, finalmente, encontrei uma solução. Entreguei materiais informativos a cada pessoa.

Gradualmente, à medida que eles liam mais e mais sobre o Falun Dafa, eles ganhavam um novo entendimento sobre o Dafa e os praticantes. Alguns concordaram em deixar o PCC e suas organizações. Mesmo que outros não se atrevessem a desistir, um caminho era pavimentado para o futuro no caso de encontrarem outros praticantes encorajando-os a abandonar o PCC.

Em abril, meu supervisor perguntou se eu gostaria de assumir a posição de administrador do refeitório em nossa agência.

Por que ele me escolheu? Porque eu sou um praticante do Falun Gong, então ele sabia que podia contar comigo para fazer o trabalho.

Originalmente, o café da manhã custava 6 yuanes. Cada funcionário pagava apenas 1 yuan e o resto ficava com a agência. Mas a equipe de gerenciamento decidiu então cortar o subsídio quando o governo central iniciou uma campanha para "erradicar a corrupção".

O café-da-manhã e o almoço ainda estavam disponíveis, e os membros da família também podiam vir para comer, mas todos tinham de pagar por cada refeição. Nenhum subsídio, nenhum lucro. Era apenas uma conveniência para a equipe e suas famílias. O problema era que gerenciar um restaurante como aquele era muito difícil. Nesse ponto, o supervisor pensou em mim, um praticante do Dafa.

No começo eu não queria aceitar o trabalho. Eu estava preocupado com as longas horas, tirando o tempo que eu tinha para fazer as três coisas. Eu pensei: "Já passei dificuldades por muitos anos e grandes tribulações. Em mais dois anos, posso me aposentar e ir para casa. Há um velho ditado que diz: "De todos os empregos, o da pessoa encarregada de preparar as refeições é o mais difícil". Eu não queria.

Mas o supervisor tentou convencer-me de novo e de novo para assumir e disse que eu era sua única escolha.

Ele disse: "Nós sabemos que é uma posição difícil. Não há subsídio da agência. Se a comida tem preço alto, a equipe não vai comprá-la. Se os preços forem baixos, poderemos perder dinheiro. Nós escolhemos você por causa de sua honestidade e integridade."

Eu disse: "Você tem razão sobre isso. Os praticantes do Dafa não guardam nenhum dinheiro ou posses que não lhes pertençam. "

Considerando o quanto eles estavam desesperados para eu ter o emprego, eu pensei que seria melhor aceitá-lo ou então não pareceria certo. Eles costumavam me manter separado de tudo e de todos no trabalho, e agora eles estavam confiando em mim para fazer um trabalho tão difícil. Isso significava que eles tinham um bom entendimento do Falun Gong e de mim. Se eu fizesse bem o trabalho, seria uma oportunidade para validar o Fa, contar às pessoas os fatos e salvá-las.

Validando o Fa no trabalho

Mais de 100 membros da equipe de funcionários comem em nosso refeitório, incluindo aproximadamente 70 de nossa agência e aqueles de outras agências em nosso edifício. Além disso, suas famílias também podem vir comer conosco.

Inicialmente, criamos um sistema de pagamento com cartões. O fundo inicial era de 10 mil yuanes. Eu iniciei e cuidei de tudo.

Como um praticante, eu tenho que ser responsável por tudo o que eu faço e validar o Fa durante o processo. Segui vários princípios:

-Manter os preços tão baixo quanto possível, mas ter a certeza de não perder dinheiro

-Motivar os chefs para fazer uma comida deliciosa

-Ter a certeza de que haveria uma variedade de pratos para que tivesse algo para todos

No passado, os funcionários ficavam constrangidos de trazer as suas famílias para o nosso refeitório. Quando eles ouviram que a nossa comida era bastante razoável e de ótimo sabor, as suas famílias também vieram para comer.

Alguns ficaram preocupados porque os preços eram muito baixos e eu me lembrei: "apenas aumentar os preços quando for necessário!"

Uma torta de carne era vendida por apenas 1 yuan. Uma grande porção de bolinhos era apenas 5 yuanes. No passado, o café da manhã custava 6 yuanes, o que agora poderia comprar o café da manhã e o almoço.

Os supervisores e os colegas discutiram isso e concluíram que a contabilidade financeira no passado era questionável.

Nos últimos cinco meses, de abril a agosto, conseguimos um lucro de 500 yuanes.

De minha experiência, eu descobri que se temos ou não lucro com o restaurante, depende da gerência e de uma contabilidade cuidadosa. Se as contas são precisas e honestas, definitivamente não deve haver perdas.

Na verdade, não é necessário verificar as contas, porque os problemas são fáceis de detectar uma vez que comparamos a comida e os preços.

Eu faço anotações da nossa conta a cada mês e envio-as a meus supervisores. Mas todos dizem que é desnecessário porque confiam em mim.

Abandonando o apego ao ganho pessoal

Quando eu trabalhava como diretor do departamento, eu tinha alguma autoridade e muitas vezes me ofereciam subornos e favores. Na maioria dos casos, eu fazia a coisa certa e recusava, mas às vezes eu não fazia bem em coisas menores.

Depois que a perseguição começou, eu não estava autorizado a fazer nada no trabalho e, consequentemente, não era mais tentado com subornos.

Mais de dez anos se passaram, e agora estou nessa situação novamente. Eu faço todas as compras. Eu tomo as decisões sobre o que e onde comprar nossos alimentos e suprimentos.

Como um comprador, eu encontrei frequentemente vendedores que tentaram me subornar. Eu recusei a todos e expliquei: "Eu sou um praticante do Falun Gong, então não vou aceitá-lo. Você pode simplesmente oferecer um preço melhor. "

Uma vez, quando eu comprava temperos, o vendedor emitindo a fatura perguntou: "Você quer que eu emita a fatura com o preço real?"

Quando eu falei que sim, ele perguntou: "Por que não me deixa emitir uma quantidade maior na fatura? Todo mundo está pedindo muito mais. "

Eu expliquei: "Eu sou um praticante do Falun Gong e sigo Verdade-Compaixão-Tolerância. Não aceitamos o que não nos pertence.”

Ele olhou para mim com surpresa e respondeu: "Oh."

Algumas vezes eu fiquei movido em face de um potencial ganho pessoal, mas finalmente eu conseguia fazer a coisa certa como um praticante. Lembrei a minha esposa para também fazer bem: "Quando os outros querem lhe dar benefícios, você deve manter o controle de seus desejos. Nós temos que andar em um caminho reto e dar exemplo para os outros. "

Minha esposa é muito solidária e nunca aceita coisas dos outros. Quando ela vem para comer, ela usa seu cartão para pagar o que ela compra, mesmo as sobras.

Vários chefs frequentemente falavam: "Não precisam passar seu cartão. São apenas sobras.”

Eu insisto que ela faça: "De jeito nenhum. Ela tem que passar seu cartão. Nós somos praticantes e nunca tomamos o que não nos pertence. "

Isso aconteceu muitas vezes. Finalmente, eles compreenderam e disseram: "Não admira que você tenha sido escolhido para ser o administrador. Eles realmente têm uma pessoa boa e honesta. "

Certa vez, minha esposa queria comprar um prato de acompanhamento que custava apenas 50 centavos. Naquela hora os chefs já haviam ido embora, estávamos apenas minha esposa e eu. Um pensamento apareceu em minha mente: "Tudo bem, apenas 50 centavos, basta levá-lo sem passar o cartão."

Mas, de repente o meu cérebro zuniu e eu me senti muito desconfortável. Naquele momento eu percebi o meu pensamento errado. Ela tinha que passar o cartão. Minha mente ficou clara novamente depois que nós passamos o cartão. Eu senti que o meu reino tinha se elevado.

Na verdade, não são apenas pessoas comuns observando cada palavra e ação, todos os deuses nos universos e cosmos estão nos observando. Portanto, não importa o que façamos ou digamos, se alguém está ao nosso lado ou não, devemos seguir Verdade-Compaixão-Tolerância e nos assimilar a esta característica do universo.

O Mestre disse:

"Hoje, neste momento crítico da história, o que está se revelando por meio de cada centavo e cada pequena coisa é o seu reino, o seu estado de espírito e os seus apegos como cultivador, assim como se você pode ou não alcançar a Perfeição." (Ensinando o Fa no Fahui de 2005 na costa oeste dos Estados Unidos)

Cada vez que enfrento a questão da perda e do ganho, sempre me lembro que estou chegando ao fim do meu caminho de cultivo e preciso manter o controle de mim mesmo.

Como administrador do refeitório, trabalho em uma posição muito comum. Mas, em meu entendimento, no caminho de cultivo de cada praticante, contanto que não aceitemos o arranjo das velhas forças, tudo o que encontramos está intimamente relacionado com a validação do Fa e o abandono de nossos apegos. Tudo o que fazemos pode ser usado para validar o Fa e nos cultivar bem.

Há muitas maneiras de salvar pessoas e validar o Fa. Alguns praticantes contam os fatos às pessoas face a face; alguns distribuem materiais informativos; e outros apenas validam o Fa com suas próprias palavras e ações. As pessoas são capazes de julgar se uma pessoa é boa ou não pelo que ela diz e faz.

Como praticantes, temos de fazer bem. Somente fazendo bem podemos validar o Fa, porque todos veem nosso comportamento e sabem que somos praticantes.

Todos os que comem em nosso refeitório, incluindo os membros da equipe e seus familiares, veem como eu me comporto. Eles podem dizer que o Falun Gong é bom e não como a propaganda do PCC o retrata.

Por favor, apontem com compaixão se você encontrar algum problema com o meu compartilhamento.

Obrigado misericordioso Mestre. Heshi.