(Minghui.org) Saudações venerado Mestre! Saudações colegas praticantes!

Pratico o Falun Dafa há 19 anos. Eu gostaria de aproveitar esta oportunidade para compartilhar a minha experiência de como o cultivo equilibrou o meu relacionamento com a minha família.

Antes de começar a praticar, eu tinha a palavra final em tudo. Nunca eu havia olhado as coisas da perspectiva da minha esposa ou da minha filha.

Depois que comecei a praticar o Falun Dafa, e embora eu tivesse mudado em muitas coisas, eu ainda não havia mudado muito nesse aspecto. Ninguém podia interferir enquanto eu estivesse fazendo coisas para validar o Fa. E quando alguém interferia, eu repreendia com voz alta dizendo que o mais importante era aquilo que eu estava fazendo.

Depois de algum tempo minha família não podia mais me aturar. Quando viam que eu estava em casa, elas se distanciavam, procurando me evitar. Elas ficavam preocupadas com uma repreensão se me interrompessem acidentalmente. Então elas me deixavam sozinho e eu podia fazer o que eu quisesse, sem quaisquer interrupções. Eu pensei que isso fosse algo bom.

Conforme eu estudava mais o Fa, gradualmente eu fui percebendo que o estado do meu cultivo estava errado. Eu não estava no Fa; eu não estava validando o Fa. Em vez disso, eu estava fazendo o contrário.

O Mestre disse:

Também quero lhes dizer que a sua natureza no passado estava, na verdade, baseada no egoísmo e interesse pessoal. De agora em diante, qualquer coisa que vocês façam, deverão primeiro ter consideração para com os outros, para que assim você obtenha a correta Iluminação do desinteresse e altruísmo. Então, de agora em diante, o que quer que você faça ou o que quer que diga, você precisa considerar os outros – ou até as gerações futuras – junto com a eterna estabilidade do Dafa! (Não-omissão na Natureza de Buda, Essenciais para Avanço Adicional)

Eu estava fazendo o contrário e não seguia os princípios do Fa; assim, eu não estava validando o Fa. Ao invés disso, eu estava validando a minha natureza rígida e rude, o que vinha causando tensão e desconforto na minha família.

Seguindo o Fa e me tornando racional

Depois me dar conta do problema, eu prestei mais atenção e me comportei de acordo com os princípios do Fa. No entanto, Roma não foi construída em um dia, então meu ambiente familiar não iria ser retificado instantaneamente logo após a mudança em meu comportamento. Eu tinha que cultivar a mim mesmo e olhar para as coisas do ponto de vista das outras pessoas. Eu tinha que pensar se elas podiam suportar alguma coisa ou não podiam.

Uma vez, na noite anterior ao Dia do Falun Dafa, 13 de maio, quando os praticantes locais estavam indo colocar cartazes, eu esperei até que minha esposa fosse dormir. Eu tinha acabado de abrir a porta silenciosamente quando ela gritou: “Você vai sair?”, perguntou. “Eu sei que você vai fazer alguma coisa porque você estava dissimulando e não veio para a cama”.

Antes, eu teria gritado com ela. Mas desta vez eu não fiz assim. Fechei a porta e sentei-me na cama ao lado dela. Eu me acalmei e falei com ela pacifica e pacientemente. “Estou indo colocar cartazes”.

Ela ficou apreensiva. “Por favor, não vá. Deixe que os outros praticantes façam isso. Você acabou de ser libertado do centro de detenção. É muito perigoso”.

Então, respondi: “Até mesmo as senhoras idosas estão indo, não é justo que um jovem como eu se esconda em casa na cama. Eu sei que você tem um bom coração. Pense nisso: nós não deveríamos ser temerosos”.

Ela hesitou e disse que iria comigo. Eu disse a ela que não iria forçá-la, mas ela disse que estava disposta a ir. Ela realmente estava disposta a ir. Fiquei comovido.

Então nós saímos juntos. Ela passava cola na parede e eu colocava os cartazes. Quando ela sentia medo, eu procurava acalmá-la. Eu dizia: “Não tema. Não estamos fazendo nada de errado. Esta é uma maneira de informar as pessoas sobre a perseguição”. É só pensar: ‘estamos salvando as pessoas e fazendo a coisa mais justa no mundo!’ Depois disso você vai ficar mais tranquila”.

Quando voltamos para casa, minha esposa estava molhada de suor, mas ela disse que se sentia feliz. No dia seguinte, quando ela queimou incenso para prestar respeito ao Mestre, disse que ao fechar os olhos ela viu o Mestre. Percebi que embora ela ainda não fosse uma praticante, o Mestre a havia incentivado para fazer as coisas que validassem o Fa.

Uma noite enquanto eu estava estudando o Fa, minha esposa estava agitava na cama. Ela não conseguia dormir e me perguntou se poderia assistir à TV. Ela prometeu que ligaria o som baixo. Percebi que o meu comportamento anterior deixou-a ansiosa e embora eu não fizesse objeção para que ela assistisse à TV, ela ainda se sentia pressionada. Eu disse que ela poderia ver TV e que isso não iria me incomodar. Embora a TV fizesse barulho, eu permaneci totalmente focado no estudo do Fa porque, naquele momento, eu realmente estava no Fa.

Quando recebíamos visitas na nossa casa, eu parava o meu trabalho do Dafa e ia conversar com elas. Eu retomava o trabalho quando saíam. Se eu ignorasse as visitas (como eu fazia antes), minha família dizia que os praticantes só se preocupavam com suas próprias coisas.

Devido à perseguição, minha família passou por dificuldades financeiras. Durante muitos anos minha esposa não pode comprar nenhuma roupa. Então eu vivia frugalmente para economizar dinheiro para ela. Um dia ela viu algo de que gostou. Eu lhe falei para comprá-lo, mas ela disse que não iria comprar. Embora não tivéssemos muito dinheiro eu insisti para que ela comprasse. Ela ficou muito feliz e comprou.

Eu sou muito honesto com minha esposa sobre dinheiro. Quando preciso de dinheiro para o trabalho do Dafa, primeiramente pergunto a ela e ela me dá muito apoio. Quando eu cometo erros ou as coisas não correm bem, peço sinceras desculpas e conto a ela como eu havia falhado para seguir bem os princípios do Fa. Garanto a ela que vou prestar mais atenção e melhorar no futuro.

Minha esposa sabe que eu sou uma boa pessoa. Ela vê isso nas minhas palavras, expressões e tons de voz. Como praticante, devo ser sincero, bondoso e paciente. Assim, depois que eu corrigi meu comportamento, minha família mudou as atitudes em relação ao Dafa. Eles passaram a apoiar o que faço e nós aprendemos a conviver muito bem.

Tenha compaixão: eles estão nos ajudando a validar o Fa

Um dia, quando minha esposa estava dormindo, eu pensei nela. Nós, praticantes do Dafa, temos sorte por termos recebido o Fa, mas os não praticantes ainda vivem na ilusão. Eles experimentaram medo e dificuldades durante a perseguição. De certa forma, eles suportaram muito mais do que nós.

É uma relação predestinada que temos para com os familiares que moram conosco. Se tivermos compaixão e perdoarmos, e se considerarmos as coisas da perspectiva deles, eles irão pensar que os praticantes são bons e que o Dafa é bom. Eles irão reconhecer isso e nos apoiar.

Eu compreendi que nossos familiares vieram para nos ajudar a validar o Fa. Se não o fizermos bem, eles não vão desempenhar o papel que devem, e podem até vir a desempenhar o papel contrário. Minha esposa acredita que o Dafa é bom. Embora ela não tenha começado a praticar, ela me ajuda a fazer o trabalho do Dafa.

Um dia minha esposa foi para sua cidade natal para um encontro. Pedi-lhe para levar materiais informativos sobre o Falun Dafa. Ela alegremente concordou, mas encontrou problemas na distribuição dos materiais.

O primeiro panfleto que ela deu foi para uma pessoa que parecia amável. Essa pessoa, no entanto, recusou e a criticou. Ela ficou em uma situação desconfortável e constrangida na frente de muitas pessoas. De repente, uma pessoa disse em voz alta: “Eu quero um. O que há para temer? Por favor, me dê um”. Então, muitas pessoas pediram um. Rapidamente ela distribuiu todo o material. A primeira pessoa viu que todos tinham recebido um, pediu uma cópia para ela também.

Eu a elogiei quando ela me contou a história. Eu disse que eu não poderia ter feito tão bem quanto ela. Na verdade, o Mestre a ajudou a completar a tarefa.

Minha esposa esclarecia a verdade aos seus amigos, parentes e a todos que ela conhecia. Ela me disse que antes de esclarecer a verdade, ela primeiro observava a pessoa. Algumas pessoas eram muito teimosas, mas de qualquer maneira ela conseguia falar com elas.

Ela sempre queima incenso para expressar seu respeito ao Mestre. Quando ela tem problemas, ela pede ajuda ao Mestre. Ela apoia meu trabalho para o Dafa praticamente em todos os projetos.

O ambiente familiar de cultivo tornou-se tranquilo, mas não pela minha intransigência. Meu ambiente familiar é harmonioso porque eu tenho me cultivado bem.

Mantê-los informados e reforçar seus pensamentos retos

Os familiares são facilmente influenciados pelo ambiente atual, por isso devemos mantê-los informados sobre o andamento da retificação do Fa. Ao saberem mais, seus pensamentos retos podem aumentar. Para nos ajudar a fazer bem as três coisas eles também podem resistir às interferências e à perseguição do mal.

Uma noite, os praticantes locais estavam indo distribuir materiais informativos, mas minha esposa não me deixou ir e disse que eu tinha que escutá-la desta vez. Eu me perguntei por que ela tinha mudado de repente. Mais tarde, fiquei sabendo que ela tinha ouvido que recentemente a situação tinha se tornado preocupante, e ela estava com medo. Expliquei-lhe com paciência e ela finalmente concordou com a minha saída.

Um dia, minha esposa disse: “Outras famílias compram apartamentos, carros e viajam para toda parte; elas vivem livre e confortavelmente”. Percebi que, naquele momento, o entendimento da minha esposa sobre o Dafa era instável, então eu expliquei a ela sobre perda e ganho e o princípio da relação causal. Ela compreendeu.

Com o progresso da retificação do Fa, havia chegado a hora de processar Jiang. Eu disse a ela que estávamos entrando com ações judiciais contra Jiang Zemin. No entanto, ela me pediu para esperar que outros praticantes fizessem primeiro. Mas eu o fiz imediatamente. Ela não ficou chateada, mas simplesmente disse que éramos bastante corajosos por ousar processar Jiang Zemin.

Bastante provável receberem o Fa

Nossos familiares são os mais próximos a nós e eles imediatamente sabem quando cultivamos bem ou mal. Para que todos nossos pensamentos e ações sejam referências para as futuras gerações, é crucial que nós nos cultivemos bem. O Mestre nos pediu para levarmos nosso caminho de cultivo com retidão e, para isso, cada pensamento e ação deve estar de acordo com o Fa. Não devemos nos comportar descuidadamente diante deles simplesmente porque eles são membros da nossa família. Embora nossos familiares não tenham começado a praticar, eles podem ser a elite do próximo grupo de pessoas a obter o Fa.

Embora cada família seja diferente, nós devemos seguir com diligência os princípios do Fa. Devemos fazê-lo de forma racional e com sabedoria, de acordo com as nossas situações individuais.

Espero que os praticantes considerem benéfica esta minha experiência. Por favor, apontem qualquer coisa inapropriada.

Heshi.