(Minghui.org) Saudações reverenciado Mestre! Saudações colegas praticantes!

Nos últimos 16 anos, eu compreendi profundamente o quanto é importante para um coordenador ser responsável e cumprir com as suas obrigações. Além de entrar em contato e trabalhar com os outros praticantes, um coordenador deve cultivar verdadeiramente a si mesmo para que ele não caia no apego de se auto-validar. Se um coordenador está apegado a validar a si mesmo, é fácil para os outros praticantes se tornarem dependentes dele e o idolatrarem, o que se transforma em interferência no caminho de cultivo dele e dos outros praticantes.

Duas lições aprendidas: descobrindo o apego de me auto-validar

Alguns praticantes de fora da cidade vieram para compartilhar experiências conosco. Eu sabia que seus coordenadores competiam entre si e tinham um forte apego ao medo. Então eu falei com eles sobre como eu bravamente coordenava muitas coisas, mesmo quando a polícia local estava monitorando constantemente a minha casa com seus agentes especiais e carros.

Assim que eu terminei de falar, um praticante de fora da cidade disse-me que ele percebeu que as coisas não deram certo para eles, porque eles não tinham um coordenador como eu. Fiquei feliz com o elogio, mas triste ao mesmo tempo. O praticante queria que eu falasse mais, mas eu não conseguia mais falar.

Depois que eles se foram, eu fiquei pensando sobre o que havia dito. Eu percebi que o Mestre estava me lembrando, usando as palavras do praticante, que eu estava me auto-validando. Se eu estivesse validando o Fa, o praticante teria dito: "Parece que temos de nos acalmar e estudar o Fa. Desta forma, nós vamos fazer bem também".

O Mestre disse:

O Fa pode quebrar todos os apegos, o Fa pode destruir todo o mal, o Fa pode revelar todas as mentiras e o Fa pode fortalecer os pensamentos corretos. ("Expulsem a interferência" de Essenciais para Avanço Adicional II)

Uma outra situação ocorreu quando três praticantes foram torturados e mortos em uma prisão local. Todos nós sabemos que devemos expor a perseguição do mal. Desta vez eu não assumi qualquer tarefa específica, porque eu sabia que, caso contrário, os outros praticantes ficariam dependentes de mim para dar ideias, instruções e organizar a maioria dos detalhes.

Os coordenadores foram falar com as famílias dos três praticantes tentando ganhar o apoio na contratação de advogados. Uma das famílias se recusou a ouvir e tratou mal um coordenador. Os outros praticantes decidiram que eu deveria falar com essa família. Eu sabia que eles estavam dependendo de mim novamente, mas eu cedi e concordei em ajudar.

Falei com a irmã do praticante falecido e ela finalmente admitiu para mim que, se tivéssemos conversado antes, sua família não teria uma atitude tão negativa em relação ao Dafa. Ela queria que eu conversasse com o resto da família, especialmente com seu irmão, que era um funcionário do governo. Ela também queria encontrar um lugar onde pudéssemos nos encontrar futuramente para cooperarmos. Assim que ela disse isso, um dos coordenadores falou que deveríamos escolher um lugar perto da minha casa.

Depois que a irmã saiu, eu perguntei ao coordenador por que ele estava se apoiando em mim novamente. Ele respondeu: "Eu não fiz tanto quanto você tem feito e não tenho experiência. Se eu soubesse como fazê-lo, eu não teria que depender de ninguém".

Sem pensar, eu disse a ele que a sua dependência tornara-se habitual e ele não podia continuar assim. "Anos atrás, eu não sabia como fazer quando tive que contratar advogados ou falar com os membros das famílias. Agora você sabe o que eu fiz e como as coisas foram tratadas. Se você não experimentar por si mesmo, você sempre será dependente".

Senti-me arrependido assim que terminei de falar. Eu olhei dentro e sabia que era eu que não compartilhava com os outros praticantes os princípios do Fa aos quais havia me iluminado e que me guiaram para fazer as coisas que eu fiz. Eu também não confiava nos outros praticantes. Eu gostava de apressar as coisas e fazê-las rapidamente, eu acreditava que era capaz de resolver muitas coisas e não dei aos outros praticantes muitas oportunidades para fazer o trabalho que era necessário.

Ausência durante uma reunião revela os apegos

Durante as tentativas para desfazer um centro local de lavagem cerebral, um praticante sugeriu organizarmos uma reunião com praticantes de áreas próximas para compartilharmos experiências. Eu sempre fiquei ansioso para participar destas reuniões, mas desta vez, eu decidi não participar.

O praticante insistiu e expôs várias razões do porquê eu deveria ir. Eu disse a ele que a reunião era para compartilhar experiências e resolver problemas entre praticantes e não para um praticante (eu) persuadir os outros. Além disso, outros praticantes certamente se sentiriam desconfortáveis com a minha presença ao falarem.

Após a reunião alguns praticantes me disseram que a reunião não obteve bons resultados e que os praticantes das outras áreas disseram que isto não teria acontecido se eu tivesse comparecido na reunião. Eu pensei sobre isso e olhei para dentro.

Eu percebi que, ao longo dos anos, o meu comportamento havia influenciado os praticantes locais. Seguindo o meu exemplo, eles tiveram uma atitude de imposição em relação aos praticantes das outras áreas que vieram para a reunião.

Nosso grupo se reuniu e nós percebemos que não devemos impor para os outros a ideia de que os princípios do Fa aos quais nos iluminamos são o único padrão para fazer o trabalho do Dafa. Esta reunião, pelo menos, permitiu a todos falarem o que se passava em suas mentes e estabeleceu uma boa base para a cooperação e compartilhamentos futuros.

Depois da reunião, descobri que os outros praticantes se tornaram menos dependentes de mim. O apego de validar a mim mesmo também foi enfraquecido. Comecei a trabalhar com os outros praticantes e ajudar a melhorar os demais trabalhos.

Resgatando um praticante, permitindo que os outros sejam responsáveis

Vários praticantes foram presos e um deles era um coordenador sênior que eu tinha conhecido há muito tempo. Antes, quando os praticantes eram presos, eu simplesmente assumia todo o trabalho, de informar aos outros praticantes e suas famílias à contratação e hospedagem do advogado. Mas agora que eu sabia que tinha que deixar todos os praticantes participarem da validação do Fa e do trabalho como um todo, foi difícil de decidir se devia agir energeticamente no trabalho de resgate ou não.

A irmã do praticante detido me procurou chorando, dizendo que eu tinha que ajudar, não importa o que acontecesse. Eu realmente queria dizer que sim, e a luta se intensificou na minha mente. Neste momento lembrei-me das palavras do Mestre:

...sinceramente fazê-lo pelo bem dos outros... ("Ensinando o Fa no Dia Internacional do Falun Dafa")

A palavra "sinceramente" me chocou tão forte que me despertou. Esta era uma boa oportunidade para que a irmã e os outros praticantes avançassem e trabalhassem como um corpo. Se eu interferisse neste momento porque me sentia mal pela situação de um bom amigo, eu estaria tirando a oportunidade dos praticantes de melhorarem e completar suas tarefas. Eu também os impediria de darem seu melhor para salvar os seres sencientes e resgatar seu colega praticante. Eu tinha que me desapegar de minhas emoções humanas para que nossa missão fosse sagrada.

No ano seguinte do trabalho de resgate, eu calmamente incentivei e cooperei com os outros praticantes. Como resultado, mais praticantes se tornaram maduros e independentes.

Quando os outros praticantes pararam de depender de mim, eu me senti um pouco perdido. Eu podia ver que eu ainda tinha o apego de validar mim mesmo e que eu tenho que trabalhar mais para ser responsável perante o Fa, os seres sencientes e todos os praticantes.

Eu vou continuar a cooperar silenciosamente para ajudar a maximizar os esforços dos colegas praticantes e seguir totalmente o princípio de cooperar como um só corpo.