(Minghui.org) Pertenço a um pequeno povoado da província de Hunan. Meu marido é um trabalhador aposentado de uma usina de vapor e energia elétrica. Antes de 1997 sua saúde era muito débil. Padecia de enfermidades gástricas, sinusite e protusão dos discos intervertebrais lombares necessitando ir ao hospital frequentemente. Necessitava realizar sessões de tração e massagem diariamente, o que era muito caro. Quando soubemos que os médicos de um hospital da província de Hubei podiam tratar das suas enfermidades, nos dirigimos até lá, mas depois de gastarmos muito dinheiro, não melhorou.

A ponto de desespero, um colega de trabalho nos disse que Falun Gong poderia curar meu marido, e então ambos começamos a praticar. Ocorreu um milagre. Depois de somente alguns poucos dias meu marido se transformou em uma nova pessoa e todas as suas enfermidades desapareceram. Inclusive podia subir uma bicicleta até o terceiro andar sem ajuda. Toda a minha família foi testemunha do quão maravilhoso é Falun Gong.

Quando o Partido Comunista Chinês (PCCh) começou a perseguição ao Falun Gong em 1999, meu marido deixou de praticar por medo.

Há alguns dias as enfermidades do meu marido reapareceram. Ele tinha tanta dor que não podia parar quieto. Foi ao hospital para que um especialista o avaliasse. O médico ao comparar os raios X recém realizados com os que foram feitos há mais de 10 anos, perguntou-lhe: “Como você se curou na última vez?” Meu marido respondeu: “Praticando Falun Gong”.

O médico perguntou-lhe: “Então, por que você deixou de praticar Falun Gong?” Meu marido lhe respondeu: “Por que o PCCh nos impediu!”

Apesar de que havia muitos pacientes próximos, o médico disse: “pratique em sua casa! Inclusive se lhe operarmos, o resultado não pode ser garantido! Em que consiste a prática?” Meu marido então lhe esclareceu a verdade diante de muitas pessoas e lhe mostrou o quinto exercício.

Quando chegamos em casa nos demos conta de que o Mestre estava cuidando dele e que o ocorrido era um sinal do Mestre para: fazer as três coisas bem e retornar à prática de cultivo.

Apesar de termos perdido mais de uma década de um tempo precioso e deixamos de praticar o cultivo, nosso benevolente Mestre não quer renunciar nem sequer a um só de seus discípulos. Agora, a primeira coisa que meu marido faz todos os dias é estudar o Fa.