Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

622 praticantes do Falun Gong na China, são condenados por causa de sua fé em 2020

30 de Janeiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) Enquanto o surto de coronavírus devastava a China, a repressão do Partido Comunista Chinês aos praticantes do Falun Gong permaneceu inabalável em 2020.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática para aprimoramento de mente e de corpo, que tem sido perseguida desde julho de 1999 pelo Partido Comunista Chinês (PCC), na China.

De acordo com os dados coletados entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2020, pelo Minghui.org, um total de 622 praticantes do Falun Gong foram condenados em 2020. Depois que 47 praticantes foram condenados em janeiro de 2020, a maior parte da China entrou em confinamento devido à pandemia e os casos mensais de condenação permaneceram em torno de 20 entre fevereiro e maio.

Após a abertura gradual do país na segunda metade do ano, os casos de condenação dobraram entre junho e outubro, variando de 41 a 54 por mês. No início de novembro, mais casos surgiram repentinamente. Os 104 casos em novembro dobraram os 49 casos do mês anterior e aumentaram para 146 em dezembro. Devido ao bloqueio de informações, acredita-se que os casos reais sejam muito maiores.

Em comparação com os casos de condenação em 2019, que agora foram atualizados para 928 e tiveram mais oscilação ao longo do ano, o aumento repentino de casos de condenação em dezembro de 2020 foi semelhante ao mês do ano anterior. Não está claro se os tribunais receberam uma determinada cota para as sentenças do ano ou se as autoridades estavam tentando enviar mais praticantes para a prisão antes que a segunda onda de surto de coronavírus atingisse a China.

Vale a pena notar que, como o Minghui relatou muitas prisões em grupo em 2019, muitos dos praticantes foram então condenados em grupos em 2020. Por exemplo, 13 praticantes no condado de Weichang, província de Hebei foram presos em 13 de julho de 2019 e condenados em 30 de outubro de 2020, e outros 12 praticantes na cidade de Zunhua, província de Hebei, presos em 6 de julho de 2019, foram secretamente sentenciados a dois a oito anos em 27 de novembro de 2020.

Em alguns casos, as famílias foram perseguidas por causa de sua fé. Na cidade de Bozhou, província de Anhui, dos dez membros da família e dois outros presos por mais de 100 policiais em 17 de abril de 2019, quatro irmãs e uma quinta mulher foram condenadas a 4,5 a 7,5 anos em meados de janeiro de 2020. O casal e sua filha, na cidade de Taiyuan, província de Shanxi, presos em 7 de setembro de 2019, foram condenados um ano depois a 2 a 3 anos.

Outra perseguição notável contra o Falun Gong em 2020 foi a campanha “zerar” ordenada pelo Comitê de Assuntos Políticos e Jurídicos, que é uma agência extrajudiciária encarregada de supervisionar a perseguição. Nessa campanha, a polícia e membros da equipe do comitê residencial perseguiram todos os praticantes da lista negra do governo e ordenaram que renunciassem à sua fé. Embora alguns praticantes também tenham sido presos e detidos brevemente, um gerente de hotel de 54 anos da cidade de Zhumadian, província de Henan, foi o primeiro praticante conhecido a ter sido condenado a sete anos em 9 de dezembro.

Estatísticas dos casos de condenação em 2020

Em 2020, os praticantes condenados são de 149 cidades em 27 províncias e municípios controlados centralmente. Liaoning (68), Shandong (57), Sichuan (57), Hebei (56) e Jilin (50) foram as principais províncias com mais casos. Quinze províncias registraram casos de dois dígitos e as sete províncias restantes tiveram casos de um dígito. A província de Hubei, como epicentro da pandemia, ficou em sexto lugar na lista, com 35 casos.

As informações disponíveis indicaram que um total de 208 tribunais estiveram envolvidos na sentença de 454 praticantes (73%), representando um amplo envolvimento do sistema judiciário em toda a China, incluindo tribunais distritais, municipais, distritais e municipais.

A província de Liaoning teve o maior número de tribunais envolvidos (26), seguida por Shandong (22), Sichuan (22), Hebei (15) e Hubei (12). Um tribunal em Hebei condenou 14 praticantes e outro tribunal em Liaoning condenou 8 praticantes.

A pena de prisão variou de 3 meses a 14 anos, com média de 3 anos e 4 meses. Cinco praticantes receberam mandatos de 10 anos ou mais. 40 praticantes receberam liberdade condicional e os tempos de prisão de outros 18 praticantes são desconhecidos.

Alguns praticantes receberam condições pesadas novamente depois de já passarem mais de uma década atrás das grades. Um ex-tenista foi condenado a 4 anos depois de ter sido preso por 11 anos. Uma mulher de Liaoning conseguiu mais 6 anos após ter sido anteriormente encarcerada por 13 anos. Um residente da cidade de Yinchuan, província de Ningxia, foi condenado a 14 anos e multado em 30.000 yuans, após cumprir 12 anos.

As autoridades violaram os procedimentos legais em todas as etapas do processo de acusação, desde prisões arbitrárias e saques nas casas dos praticantes sem um mandado de busca, até mantê-los em detenção incomunicável e negar visitas de familiares; desde forçar suas famílias a demitir seus advogados até ameaçar seus advogados e forçá-los a desistir dos casos; de impedir as famílias dos praticantes e advogados de comparecerem aos seus julgamentos a não informá-los de seus veredictos; de fabricar provas e relatos de testemunhas e condenar os praticantes com tempos de prisão predeterminados a permitir que eles se defendam apenas após terem anunciado os veredictos.

A maioria dos praticantes foi acusada de “minar a aplicação da lei com uma organização de culto”, que tem sido um pretexto padrão usado pelos tribunais chineses para incriminar e prender os praticantes do Falun Gong.

Irwin Cotler, ex-ministro da Justiça e procurador-geral do Canadá, disse que “os membros do grupo têm sido alvos contínuos de prisão ilegal e detenção arbitrária, de tortura na prisão, de acusações falsas e forjadas, de negação de qualquer pedido de inocência, da negação de qualquer direito de refutar as acusações, da negação de qualquer aparência de devido processo, na negação do direito a advogado, o direito a um julgamento justo ou o direito a uma audiência de judiciário independente, onde 99,9% têm seus encargos garantidos como condenação”.

Além disso, 265 dos praticantes condenados foram multados pelo tribunal, no valor de 2.788.234 yuans e uma média de 10.522 yuans por pessoa.

Na cidade de Nanchang, província de Jiangxi, o Tribunal Distrital de Xihu condenou cinco praticantes a até 7,5 anos em 22 de outubro. O juiz também impôs pesadas multas a eles, entre 30.000 e 100.000 yuans e um total de 250.000 yuans.

Em Tianjin, duas irmãs foram condenadas a 8 e 9 anos e multadas em 40.000 e 50.000 yuans, respectivamente.

Os 622 praticantes condenados são provenientes de todos os estratos sociais, incluindo empresários, professores universitários, professores, funcionários do governo, policiais, jornalistas, engenheiros, profissionais de TI, contadores, tradutores, médicos e dançarinos.

Uma empresária bilionária canadense, que foi presa em sua casa em Pequim em 2017, foi condenada a 8 anos depois de passar quase 3,5 anos sob custódia. Um professor de dança de 29 anos foi condenado a 2,5 anos no final de novembro de 2020 por falar com um amigo sobre o Falun Gong. E o dono de uma loja de eletrodomésticos no condado de Qishan, província de Shaanxi, foi condenado a sete anos.

Praticantes idosos e enfermos não são poupados

As idades dos praticantes condenados variaram de 25 a 82, sendo 114 deles com 65 anos ou mais e 11 com cerca de 80 anos. Um homem de 80 anos na cidade de Dazhou, província de Sichuan, foi condenado a 8,5 anos depois de mais de dois anos de detenção incomunicável. Uma mulher de 74 anos, da cidade de Jilin, província de Jilin, e mãe de um residente nos EUA, foi condenada a cinco anos.

Duas mulheres com quase 60 anos, uma da cidade de Yueyang, província de Hunan, e a outra da cidade de Foshan, província de Guangdong, foram mantidas em hospitais psiquiátricos por meses, antes de serem condenadas a 1 e 7 anos, respectivamente. A mulher Hunan já havia sido presa 11 vezes, cumpriu 4 anos de prisão, recebeu injeções a força com drogas desconhecidas em um centro de lavagem cerebral e teve seu salário suspenso por 9 anos antes de ser condenada novamente.

Em comparação com os praticantes mais jovens, a condenação e a prisão dos praticantes idosos os colocam em riscos muito maiores de dano físico e sofrimento.

No caso do Sr. Zhu Zhihe, de 81 anos, ele foi levado para a prisão em 7 de maio de 2020, para cumprir uma pena de 1,5 ano concedida em 7 de dezembro de 2019, após o juiz reverter sua decisão de permitir que ele cumprisse tempo em casa. Tendo acabado de passar duas semanas no hospital, incluindo uma semana na unidade de terapia intensiva, a saúde do Sr. Zhu continuou a piorar na prisão e ele faleceu em 11 de novembro, dois meses depois de ser liberado.

Enquanto a Sra. Yu Shourong, uma residente da cidade de Fushun, província de Liaoning, de 71 anos que foi condenada a três anos no início de 2020, foi libertada em liberdade condicional médica em dezembro de 2020 após desenvolver câncer enquanto estava sob custódia, o Sr. Zhong Guoquan, também 71, foi admitido na prisão da cidade de Jixi, na província de Heilongjiang, para cumprir uma pena de 3,5 anos concedida em 18 de agosto, apesar de sofrer de diabetes grave e ter perdido a visão.

Além dos idosos praticantes, uma mulher na cidade de Anguo, província de Hebei, que foi condenada a seis meses em 8 de novembro, sofreu uma hemorragia cerebral enquanto estava detida. Ela passou por uma craniotomia em 10 de novembro e foi retirada do hospital à força após passar duas semanas na unidade de terapia intensiva e enviada para um centro de idosos sem o consentimento de sua família.

Outra mulher, da cidade de Xuchang, província de Henan, apresentou sintomas de hemiplegia no centro de detenção e perdeu a capacidade de cuidar de si mesma. Apesar de sua condição, as autoridades a levaram à prisão para cumprir pena depois que ela foi condenada a três anos em junho de 2020.

Além dos casos acima mencionados de famílias sentenciadas juntas, a perseguição causou tragédias de longo alcance para famílias em toda a China de muitas maneiras diferentes.

A mãe incapacitada de 93 anos de um residente de Tianjin ficou tão apavorada com a operação policial durante sua prisão em outubro de 2019 que não conseguia parar de tremer. Ela faleceu em janeiro de 2020, seis meses antes de sua filha de 57 anos, Sra. Ma Jinxia, ser condenada a 4,5 anos.

A Sra. Xu Xiufen, residente em Pequim, perdeu sua mãe e irmã para a perseguição em 2001 e 2017, respectivamente. Seu pai levou um duro golpe e sua saúde piorou rapidamente após sua prisão em 2014. Ele teve pressão alta e um derrame. A própria Sra. Xu cumpriu duas penas em campo de trabalho forçado por um total de 3,5 anos, uma pena de prisão de 2 anos, antes de ser condenada novamente a três anos no início de 2020.

Cinco anos depois que a esposa do Sr. Cai Jianyu, Sra. Li Liefeng, foi perseguida até a morte em 10 de julho de 2014, ele foi preso em setembro de 2019 e, em seguida, sentenciado em junho de 2020.

E dois meses depois que a Sra. Dong Mei, uma residente da cidade de Shenyang, na província de Liaoning, foi condenada a dois anos em 9 de novembro de 2020, sua mãe de 76 anos, a Sra. Zhang Jun, também enfrenta pena de prisão após audiência em 24 de dezembro de 2020.

Abaixo estão mais casos de condenação em 2020. Devido ao bloqueio de informações pelo governo, o número de praticantes do Falun Gong que são alvos de sua fé nem sempre pode ser relatado em tempo hábil, nem todas as informações estão prontamente disponíveis.

A lista de praticantes condenados está disponível para download aqui (PDF)

Perseguição aos praticantes idosos

Homem de 83 anos, que cumpre sentença de sete anos por causa de sua fé, encontra-se em condição crítica

O Sr. Huang Qingdeng, 83, residente da cidade de Leqing, província de Zhejiang, que cumpre sentença de sete anos por praticar o Falun Gong, está em estado crítico. Sua família recebeu uma ligação da Segunda Prisão de Hangzhou em meados de novembro de 2020 e foi informada de que ele havia sido enviado para o hospital para tratamento de emergência. Os funcionários da prisão disseram que Huang foi diagnosticado com seis doenças e que pode morrer a qualquer momento. No entanto, eles se recusaram a libertá-lo sob fiança.

O Sr. Huang foi preso em casa em 17 de abril de 2019, junto com sua esposa, a Sra. Chen Eying. Ambos foram levados para o Centro de Detenção da Cidade de Leqing.

O Tribunal da Cidade de Leqing condenou o Sr. Huang a sete anos em 12 de março de 2020. Dias depois, sua esposa foi libertada. Ele foi admitido na prisão em data desconhecida.

No hospital, mulher paralisada de 80 anos é condenada à prisão por causa de sua fé

A Sra. Chen Guifen, 80, que desenvolveu problemas médicos após sua prisão, por praticar o Falun Gong, foi condenada em sua enfermaria no hospital em 17 de setembro de 2020.

A Sra. Chen, uma residente de Chongqing, foi presa por oficiais da Divisão de Segurança Doméstica de Jiangjin. A polícia vasculhou sua casa e disse que ela foi gravada por uma câmera de vigilância enquanto distribuía materiais sobre o Falun Gong em uma área residencial.

Ela sofreu um derrame e teve um bloqueio vascular cerebral que a paralisou de um lado do corpo. Ela foi julgada pelo Tribunal Distrital de Jiulongpo em 17 de setembro, enquanto ainda estava hospitalizada por causa de sua condição.

A equipe do tribunal executou as moções e anunciou seu mandato de 1,5 ano pouco depois. Todas as cinco testemunhas eram policiais envolvidos em sua prisão. A polícia também subtraiu cinco anos de sua idade para que pudessem apresentar queixa contra ela.

Tendo perdido seu esposo para a perseguição ao Falun Gong, mulher de 78 anos recebe segunda pena de prisão por causa de sua fé

A Sra. He Guizhen, 78, residente na cidade de Kunming, província de Yunnan, foi condenada a três anos de prisão por praticar o Falun Gong e enviada para a Prisão Feminina nº 2 da Província de Yunnan em 30 de abril de 2020.

A Sra. He foi presa em 11 de agosto de 2019 depois de ser filmada por câmeras de vigilância enquanto distribuía materiais informativos sobre o Falun Gong. A polícia vasculhou sua casa e confiscou seus 48 livros do Falun Gong e algumas de suas lembranças do Falun Gong. Ela foi enviada para o Centro de Detenção da Cidade de Kunming no dia seguinte.

A Sra. He foi julgada pelo Tribunal Distrital de Wuhua em 27 de novembro de 2019 e, posteriormente, condenada a uma pena de prisão de três anos.

Seu marido, o Sr. Lu Zuda, um engenheiro sênior do Instituto de Planejamento e Pesquisa Florestal da Província de Yunnan, foi constantemente pressionado a renunciar ao Falun Gong. Ele se recusou a obedecer e foi frequentemente perseguido pela polícia. Sua saúde piorou e ele faleceu em 4 de dezembro de 2003, aos 68 anos.

Professora de Heilongjiang, 72, sentenciada a seis anos por causa de sua fé

A Sra. Mou Yongxia, uma professora aposentada de 72 anos na cidade de Daqing, província de Heilongjiang, foi condenada a seis anos em maio de 2020 por causa de sua fé no Falun Gong.

Sra. Mou Yongxia.

A Sra. Mou estava se preparando para entrar em um trem para visitar sua irmã doente na província de Jilin em 16 de março de 2018, quando foi parada pela polícia na sala de espera da estação de trem e presa.

A Sra. Mou desenvolveu um problema sério no sistema digestivo em 2 de julho, depois de ter sido detida por três meses. Ela não conseguia conter a comida e tinha fortes dores de estômago e dificuldade para respirar. A pedido de sua família, o Tribunal Distrital de Ranghulu concordou em libertá-la e colocá-la em prisão domiciliar em 10 de julho de 2018.

A Sra. Mou foi posteriormente forçada a viver longe de casa para evitar o assédio policial, porém foi presa em uma busca policial em Harbin, uma cidade a cerca de 160 quilômetros de Daqing, em 11 de setembro de 2019. A polícia fingiu ser da administração da propriedade escritório e enganou-a a abrir a porta, alegando que eles precisavam verificar seus encanamentos de água.

Enquanto estava detida no Centro de Detenção nº 2 da Cidade de Harbin, a Sra. Mou fez uma greve de fome para protestar contra a perseguição e foi alimentada à força. Ela também foi submetida a outras torturas e abusos mentais.

A Sra. Mou foi transferida para o Centro de Detenção nº 2 da Cidade de Daqing em 12 de dezembro de 2019. Ela compareceu ao Tribunal Distrital de Ranghulu em maio de 2020 e foi condenada a seis anos de prisão.

Tribunal de Suzhou sentencia mulher de 73 anos após arquivamento de seu caso

A Sra. Ji Guizhen, uma residente de 73 anos da cidade de Suzhou, província de Jiangsu, foi condenada a três anos e três meses em dezembro de 2020 por causa da sua fé no Falun Gong.

Sra. Ji Guizhen e sua neta.

A Sra. Ji foi presa em 23 de setembro de 2019 e arrastada até o carro da polícia. Ela foi libertada sob fiança na mesma noite.

Posteriormente, a polícia apresentou o caso dela à Procuradoria do Distrito de Wujiang, que a indiciou e encaminhou ao Tribunal Distrital de Wujiang.

Em meados de março de 2020, a Sra. Ji recebeu uma carta do Tribunal Distrital de Wujiang, dizendo que "por um motivo imprevisto, o juiz não poderá ouvir o caso por um longo tempo", então eles decidiram descartar isso.

No entanto, o tribunal informou a ela no final de julho que haviam agendado uma audiência para 11 de agosto de 2020. A Sra. Ji compareceu à audiência conforme agendado e foi condenada à prisão em meados de dezembro. O juiz também a multou em 3.000 yuans.

Sentenças longas e perseguição recorrente

Presa no passado por 15 anos, mulher em Yunnan é sentenciada a mais quatro

A Sra. He Lianchun, do condado de Mengzi, província de Yunnan, mudou-se para a cidade de Kunming, capital de Yunnan, no final de agosto de 2019 para encontrar um emprego, após haver sido libertada em 2 de fevereiro de 2019, onde cumprir uma pena de prisão de dez anos por praticar o Falun Gong.

Ela foi presa novamente em 27 de setembro de 2019 e condenada a quatro anos de prisão com multa de 2.000 yuans em 24 de agosto de 2020. Seu celular, que foi confiscado pela polícia após sua prisão, foi usado como prova contra ela, posto que continha informações relacionadas ao Falun Gong.

Sra. He Lianchun antes da perseguição começar.

O último mandato da Sra. He foi precedido por duas sentenças de prisão por causa de sua fé. Ela recebeu sete anos em 2001 e foi solta um ano e meio antes do prazo. Ela foi condenada a dez anos em 2009 e acabava de ser libertada de sua pena de dez anos em 2019, quando foi apreendida.

A Sra. He foi submetida a muitos tipos de tortura durante seus 15 anos de prisão, incluindo ser forçada a sentar em um banquinho por longos períodos, ter acesso negado ao banheiro, ser colocada em confinamento solitário, bem como receber centenas de sessões de alimentação forçada que causaram graves danos à boca, nariz, dentes e estômago. Ela ficou em estado crítico duas vezes por causa da alimentação forçada.

A Sra. He não é a única pessoa em sua família que foi alvo de praticar o Falun Gong. Sua irmã mais nova, a Sra. He Lichun, está cumprindo uma pena de sete anos na Prisão Feminina nº 2 de Yunnan e foi proibida de receber visitas de familiares desde janeiro de 2020, porque se recusou a renunciar à sua fé.

Abatida pela dor, a mãe das irmãs faleceu em 2017, enquanto ambas estavam na prisão. Ainda de luto pela morte da esposa, o pai de 79 anos sofreu outro golpe, com as duas filhas novamente presas.

Encarcerado por 12 anos, homem de Ningxia recebe mais 14 anos por  causa de sua fé no Falun Gong

O Sr. Ma Zhiwu, morador da cidade de Yinchuan, na província de Ningxia, foi condenado a 14 anos e multado em 30.000 yuans em 17 de dezembro de 2020, por causa de sua fé no Falun Gong.

O Sr. Ma, um ex-motorista de uma ferrovia de 50 anos, foi preso em 5 de junho de 2020, enquanto procurava um emprego na cidade de Guyuan, na mesma província. Ele fez greve de fome no Centro de Detenção da Cidade de Guyuan. Sua família frequentava a delegacia de polícia local e o centro de detenção para buscar sua libertação, mas sem sucesso. O centro de detenção também impediu sua família de visitá-lo.

Os advogados do Sr. Ma foram ao centro de detenção em 10 e 28 de julho para se encontrar com ele, mas foram impedidos de vê-lo nas duas vezes.

A polícia submeteu seu caso à Procuradoria do Distrito de Yuanzhou no final de agosto, e a Procuradoria do Distrito de Yuanzhou encaminhou o caso para a Procuradoria da Cidade de Guyuan em 2 de setembro.

A Procuradoria da Cidade de Guyuan o indiciou em 24 de setembro e encaminhou seu caso para o Tribunal Intermediário da Cidade de Guyuan.

Após duas audiências em 19 de novembro e 22 de novembro, o juiz o condenou a 14 anos em 17 de dezembro. O Sr. Ma foi informado de seu veredito em 25 de dezembro. Ele agora se prepara para apelar do caso.

Antes de seu último mandato, o Sr. Ma foi repetidamente preso e mantido sob custódia por 12 anos.

Ele primeiro foi condenado a três anos de trabalhos forçados, logo depois de ser preso em setembro de 1999 por apelar a favor do Falun Gong. Por ter feito greve de fome para protestar contra a detenção ilegal, o tribunal local o sentenciou a seis anos de prisão ao completar dois anos de prisão no campo de trabalho forçado.

Certa vez, os guardas da prisão o amarraram a um dispositivo de tortura no leito de morte, com seus quatro membros bem esticados por mais de 40 dias. Ele também foi alimentado à força com drogas desconhecidas contendo moscas mortas. Ele sentiu seu corpo queimar por dentro depois disso, e ele não conseguiu ficar em pé ou andar por seis meses.

A esposa do Sr. Ma estava grávida de sua filha quando ele foi preso pela primeira vez em 1999. A menina cresceu sem o pai por perto. Ela foi levada sob custódia policial em 20 de novembro de 2001, quando tinha dois anos, quando a polícia tentou usá-la para forçar sua mãe a renunciar ao Falun Gong.

Quando o Sr. Ma foi libertado em fevereiro de 2008, sua filha já tinha 8 anos. No entanto, apenas dois anos depois, o Sr. Ma foi detido novamente em 12 de setembro de 2010 e condenado a três anos e meio de prisão. Ele sofreu tortura brutal, incluindo espancamentos, sentar em um banquinho por longas horas todos os dias durante um ano e meio, agressão sexual e congelamento. Seu rim esquerdo foi prejudicado. Sua costela estava quebrada. Ele apresentava sangue na urina. Suas pernas estavam muito inchadas e machucadas, e ele não conseguia ficar de pé.

Durante o período de encarceramento, seu pai faleceu em 2010 devido ao sofrimento mental de se preocupar com ele.

Depois de perder o emprego e cumprir sete anos, homem de Hebei foi condenado a mais sete anos por causa de sua fé

O Sr. Yang Zhixiong, residente da cidade de Baoding, província de Hebei, foi condenado a sete anos em 1º de dezembro de 2020, por causa de sua fé no Falun Gong.

Sr. Yang Zhixiong.

O Sr. Yang, 56, ex-jornalista e gerente de vendas imobiliárias, foi parado em um pedágio de uma rodovia em 26 de setembro de 2019, porque se esqueceu de trazer sua carteira de identidade. A polícia o prendeu e saqueou sua casa depois de descobrir que ele era um praticante do Falun Gong.

Após alguns dias de detenção no condado de Rongcheng, uma cidade de nível municipal em Baoding, ele foi transferido para a detenção do condado de Xiong em 10 de outubro.

Guo Junxue, chefe do Escritório de Segurança Doméstica do Condado de Xiong, conversou com o Sr. Yang três vezes, tentando forçá-lo a renunciar ao Falun Gong. Mas este se recusou a obedecer.

O Sr. Yang foi julgado em 1º de dezembro de 2020 e condenado a sete anos. Ele apelou. O tribunal de apelações local ouviu seu caso em 9 de dezembro e decidiu manter a sentença original.

Antes de sua última pena de prisão, o Sr. Yang foi condenado a quatro anos após sua prisão em junho de 2003. Sua esposa, a Sra. Qi Hongjin, que foi presa na mesma época, recebeu dois anos de trabalhos forçados por praticar o Falun Gong. 

Como seu empregador o despediu quando ele foi solto, o Sr. Yang teve que fazer trabalhos temporários para sobreviver. Em 2008, ele foi enganado a ir a um centro de lavagem cerebral e ficar lá por um mês.

Em 3 de novembro de 2012, menos de um mês depois de começar um novo emprego como gerente de vendas em Pequim, ele foi preso novamente e levado a julgamento pelo Tribunal do Condado de Xiong em 25 de dezembro. Ele foi condenado a três anos e transferido para o Prisão de Jidong em 16 de janeiro de 2013.

Depois de passar 8 anos na prisão, residente de Xangai é novamente condenado com uma acusação falsa

Depois de mais de dez meses de greve de fome, o Sr. Du Ting de Xangai foi julgado por praticar o Falun Gong em seu quarto de hospital por meio de uma videoconferência em 26 de novembro de 2020. O advogado do Sr. Du e um membro da família declararam-se inocentes por ele. O juiz presidente do Tribunal de Jing'an o condenou a um ano e meio de prisão.

Sr. Du Ting.

O Sr. Du, 54, foi preso em 26 de setembro de 2019, por distribuir materiais informativos sobre o Falun Gong. A Procuradoria do Distrito de Putuo aprovou sua prisão em 30 de outubro de 2019 e indiciou-o em 21 de janeiro de 2020.

Quando o advogado do Sr. Du foi ao centro de detenção local para visitá-lo em 19 de janeiro de 2020, ele havia sido hospitalizado por fazer greve de fome. Essa foi sua segunda internação desde sua prisão, por fazer greve de fome.

Antes de sua audiência em 26 de novembro, o juiz avisou o advogado do Sr. Du e um membro da família que eles não tinham permissão para mencionar a falta de base legal para a perseguição.

Quando um membro de sua família disse que a lista de culto do governo não incluía o Falun Gong nela e que o bureau de publicações chinês suspendeu a proibição dos livros do Falun Gong em 2011 durante a audiência, o juiz o interrompeu e pediu que resumisse seu ponto. Um membro da família do Sr. Fu disse mais uma frase, que nenhuma lei criminaliza o Falun Gong, antes que o juiz o proibisse completamente de falar mais.

O advogado do Sr. Du argumentou a violação do procedimento legal em como a polícia lidou com o caso e coletou evidências. Ele disse que o juiz deveria tratar de tais violações antes da audiência, mas agora a audiência se tornou apenas uma formalidade.

O Sr. Du, que estava sentado em uma cadeira de rodas durante a audiência, também testemunhou em sua própria defesa. O juiz não permitiu que ele terminasse de ler sua declaração e o interrompeu.

A família do Sr. Du está preparando seu recurso e irá apresentá-lo ao Tribunal Intermediário nº 2 da Cidade de Xangai.

Por não ter renunciado à sua fé, o Sr. Du foi preso na Prisão de Tilanqiao entre 2001 e 2009. Os guardas o mantiveram nu em uma cama com os quatro membros estendidos por quase quatro anos. Eles mantiveram um tubo de alimentação em seu estômago e fizeram com que ele se aliviasse na cama. Ele sofreu derrame pleural, tuberculose e pneumonia e quase morreu.

Perseguição contra as famílias

Três irmãos são condenados de quatro a oito anos por causa de sua fé

Três irmãos foram condenados em dezembro de 2020 por sua fé compartilhada no Falun Gong. A Sra. Luo Qiaoli foi condenada a cinco anos e multada em 30.000 yuans, a Sra. Luo Qiaoping foi condenada a quatro anos e multada em 20.000 yuans. O irmão delas, o Sr. Luo Xiaoxing, foi condenado a oito anos e multado em 50.000 yuans.

A Sra. Luo Qiaoli e sua irmã Sra. Luo Qiaoping, ambas residentes da província de Hunan, visitaram seus pais na cidade de Panzhihua, na província de Sichuan, em fevereiro de 2020. Em 24 de fevereiro, as duas irmãs foram denunciadas por distribuir informações sobre a perseguição ao Falun Gong e como o regime comunista chinês usou táticas semelhantes da perseguição para encobrir a pandemia.

A polícia prendeu as mulheres por volta das sete horas da manhã do dia 28 de fevereiro. Sua mãe e seu irmão mais novo, Luo Xiaoxing, que mora com os pais, também foram presos. Nove policiais saquearam a casa da família e confiscaram muitos objetos de valor. O patriarca da família, de cerca de 80 anos, ficou sozinho em casa. Sua esposa foi libertada perto das 23 horas.

Poucos dias depois, o casal de idosos foi até a delegacia local e exigiu a libertação de seus três filhos e a devolução dos itens apreendidos. A polícia só devolveu algum dinheiro.

Devido à pandemia, o casal não conseguiu entregar roupas e necessidades diárias para seus filhos no Centro de Detenção de Mianshawan (anteriormente conhecido como Centro de Detenção de Wanyaoshu) até o final de junho.

Os três irmãos compareceram ao Tribunal Distrital de Xi duas vezes, em 2 de setembro e 30 de outubro. Eles testemunharam em sua própria defesa e negaram qualquer irregularidade na divulgação de informações sobre sua fé.

O juiz mais tarde condenou os três à prisão. Os irmãos apelaram da sentença e agora aguardam os resultados no centro de detenção.

Mulher morre após assédio policial, marido é preso por causa de sua fé

Cinco meses depois que sua esposa faleceu como resultado de assédio policial, um residente da cidade de Pingdingshan, província de Henan, 68 anos, foi condenado a quatro anos e multado em 2.000 yuans em 28 de outubro de 2020 por causa de sua fé no Falun Gong.

A provação do Sr. Si Taian começou quando a polícia invadiu sua casa para assediá-lo em 26 de outubro de 2019. Enquanto o chefe de polícia Chen Liupan interrogava o Sr. Si e sua esposa, a Sra. Hao Zhi, vários outros policiais vasculharam a casa e tiraram fotos. Os livros do Falun Gong do Sr. Si foram confiscados. A polícia ordenou que o Sr. Si assinasse a ata do interrogatório, mas ele se recusou.

A polícia perseguiu o senhor Si mais duas vezes, em 30 e 31 de outubro de 2019, e ameaçou dar-lhe 15 dias de detenção.

O assédio frequente causou tremendo sofrimento mental para a Sra. Hao e sua saúde começou a piorar. Sua condição continuou a piorar nos meses seguintes e ela faleceu em 3 de maio de 2020.

Em 26 de junho de 2020, a polícia prendeu o Sr. Si em casa. Ele foi julgado pelo Tribunal do Condado de Lushan no Centro de Detenção do Condado de Lushan em 26 de outubro. Sua família foi proibida de comparecer à audiência. O juiz não permitiu que seu advogado se declarasse inocente em seu nome, mas ordenou que ele fizesse uma defesa de culpado em troca de uma sentença mais leve.

O Sr. Si recusou-se a se declarar culpado e declarou-se inocente. No final da audiência, o juiz disse a ele para assinar uma declaração de garantia prometendo parar de praticar o Falun Gong e participar de atividades relacionadas ao Falun Gong. O Sr. Si se recusou.

O juiz o sentenciou dois dias depois.

Matrimônio e filho recebem penas longas por causa de crença espiritual do casal

Um casal na cidade de Xiaogan, província de Hubei, foi condenado à prisão por sua fé no Falun Gong por volta do início de dezembro de 2020. O filho deles, que não pratica o Falun Gong, foi implicado e também condenado.

Prisões e saques residenciais violentos

O Sr. Xu Zhangqing, um funcionário público, e sua esposa, a Sra. Tu Ailian, uma professora aposentada do ensino fundamental, moram com o filho, o Sr. Xu Gaorui, nora, Sra. Chen Chunyan, e a neta de um ano.

Assim que a Sra. Chen terminou de dar banho em sua filha, por volta das 21h30, em 26 de setembro de 2019, dois policiais e um oficial da aldeia bateram à porta. Os policiais disseram que se preocupavam com a família e por isso vieram fazer uma visita.

Ao entrar pela porta, um policial deu uma volta e verificou o que a família tinha em casa. Outro policial fez uma ligação e mais policiais apareceram e prenderam o marido e os sogros da Sra. Chen. Eles disseram à Sra. Chen que iriam apenas fazer algumas perguntas aos três e que os liberariam em breve.

Não muito depois de terem saído, outra equipe de policiais veio e revirou a casa da família de cabeça para baixo. Uma policial monitorou de perto a Sra. Chen e a seguiu mesmo quando ela usava o banheiro. Quando a Sra. Chen estava colocando sua filha para dormir, os policiais não permitiram que ela fechasse a porta, enquanto eles estavam saqueando a casa.

Depois que a polícia terminou de vasculhar outras salas, eles foram para o quarto da Sra. Chen. Ela estava sentada ao lado da cama e segurando a filha nos braços. A menina adormeceu. Os policiais puxaram à força a Sra. Chen da cama. Ela caiu no chão, ainda segurando a menina nos braços. Quando os policiais tentaram puxá-la para cima, a bebê quase caiu.

A Sra. Chen e sua filha foram levadas para a sala de estar. A Sra. Chen se sentou no sofá. A menina estava com tanto medo que começou a chorar e se escondeu nos braços da mãe.

Não querendo que a Sra. Chen visse como eles saquearam seu quarto, a polícia a levou ao quarto de seus sogros. Eles fecharam a porta e mantiveram uma policial lá para vigiá-la.

Durante a operação, a polícia não ligou as câmeras corporais, conforme exigido por lei. Depois que finalmente terminaram, por volta das 3 da manhã, eles consolidaram todos os itens confiscados, incluindo as fraldas da menina, na sala de estar e gritaram com a Sra. Chen. Eles ordenaram que ela assinasse a lista de itens confiscados e disseram que ela enfrentaria graves consequências se não assinasse. Ela não obedeceu, então a polícia pediu ao secretário da aldeia e a outro oficial, que também compareceu, para tirar uma impressão digital do documento.

Quando a polícia saiu, o local estava quase vazio, com apenas alguns eletrodomésticos e algumas impressoras restantes. Quase 400.000 yuans em objetos de valor, incluindo dinheiro, foram levados embora. Dois policiais ficaram para monitorar a Sra. Chen, um estava na sala de estar e o outro na porta da frente.

Os dois policiais partiram às nove horas da manhã. A Sra. Chen pegou sua filha e tentou sair para comprar comida para ela. Assim que ela desceu, os dois policiais voltaram e a pararam. Eles voltaram para a casa dela e confiscaram mais itens. Até mesmo algumas pinturas, presentes de casamento que ela e o marido receberam, foram removidas da parede.

Para evitar o assédio frequente, a Sra. Chen foi morar com um parente, porém a polícia a seguiu até lá. Ela foi então forçada a se deslocar com sua filha a outro lugar.

Familiares são assediados

Depois de suas prisões, a Sra. Tu foi mantida no Centro de Detenção da cidade de Anlu e seu marido e filho foram enviados para o Centro de Detenção Xiaonan. Suas prisões foram aprovadas pela Procuradoria Distrital de Xiaonan em 24 de outubro de 2019.

A mãe idosa do Sr. Xu, de cerca de 80 anos, que ainda estava se recuperando de dois derrames sofridos em 2018, conseguiu ir à Delegacia de Polícia de Xiaonan com dois parentes, com cerca de 70 anos, para exigir a libertação de seus entes queridos. A polícia prendeu seus dois parentes e os enviou à Delegacia de Polícia de Xinpu para interrogatório. Depois que um deles começou a se sentir tonto devido à pressão alta, a polícia os mandou para a delegacia local, onde foram detidos e interrogados por mais algumas horas antes de serem soltos.

Um dia, em novembro de 2019, a polícia trouxe a mãe da Sra. Chen para a casa do Sr. Xu e da Sra. Tu e levou alguns dos itens restantes.

O Departamento de Segurança Doméstica de Xiaonan apresentou o caso da família à Procuradoria Distrital de Xiaonan em dezembro de 2019.

Depois que o advogado da família os visitou em 29 de junho de 2020, a polícia e a equipe do comitê residencial assediaram a mãe idosa do Sr. Xu Zhangqing e a mãe da Sra. Chen e tentaram forçá-los a despedir o advogado. Além disso, o tio da Sra. Chen e alguns outros membros da família também foram assediados. A polícia foi a suas casas e exigiu saber seus nomes, números de telefone e informações dos empregadores.

Sentenças de prisão

A família de três pessoas compareceu ao Tribunal da Cidade de Anlu em 17 de novembro de 2020. Essa foi a primeira vez que a Sra. Tu, seu marido e seu filho se viram novamente após suas prisões, um ano atrás. O advogado da família se declarou inocente e exigiu sua absolvição.

O juiz condenou a família à prisão em 26 de novembro: o Sr. Xu Zhangqing foi condenado a sete anos e nove meses; A Sra. Tu foi condenada a sete anos; e o Sr. Xu Gaorui foi condenado a sete anos e seis meses. Cada um deles também foi multado em 10.000 yuans.

O advogado da família entrou com recurso no Tribunal Intermediário da Cidade de Xiaogan.

Mulher sentenciada secretamente por causa de sua fé, pai com cerca de 90 anos adoece após proibição de visitar a filha

Um pai com cerca de 90 anos adoeceu e ficou acamado em meados de agosto de 2020, dois meses depois da proibição de visitar a sua filha de 50 anos, que foi mantida incomunicável por mais de um ano e secretamente sentenciada a cinco anos de prisão por causa de sua fé no Falun Gong.

A Sra. Li Qian, da cidade de Kunming, província de Yunnan, foi à delegacia local em 2 de setembro de 2019, após suspeitar que a polícia a estava monitorando porque ela praticava o Falun Gong. Ela pediu à polícia que não participasse da perseguição ao Falun Gong pelo Partido Comunista e deu a eles alguns materiais informativos quando foi embora.

Ao ver os materiais, a polícia a interrogou sobre a fonte e, em seguida, a trouxe de volta para casa e saquearam sua residência. Seu laptop, livros do Falun Gong e materiais foram confiscados. Ela foi então levada para o Centro de Detenção da Cidade de Kunming.

A polícia não informou ao pai idoso da prisão da Sra. Li. Depois de saber disso alguns dias depois por um conhecido, o idoso foi à delegacia para exigir sua libertação, porém recebeu um aviso de detenção. Ele nunca mais recebeu atualizações sobre o caso dela, e foi proibido de visitá-la.

A Sra. Li foi secretamente sentenciada a cinco anos e multada em 10.000 yuans pelo Tribunal Distrital de Xishan em 24 de abril de 2020.

Uma fonte que simpatizou com o caso da Sra. Li contratou um advogado para ela em junho de 2020, para ajudá-la a apelar do veredito. Quando o advogado foi ao centro de detenção, ele soube que a Sra. Li já havia sido levada para a Prisão Feminina nº 2 da Província de Yunnan em 20 de junho de 2020.

Depois que o advogado informou ao pai da Sra. Li sobre sua situação, o idoso foi à prisão para visitá-la. Mas os guardas, que alegaram que ele não tinha uma carta da delegacia de polícia local provando que ele era o pai da Sra. Li, se recusaram a permitir que ele a visse. Nem o deixaram depositar dinheiro para ela comprar as necessidades diárias.

Mulher de Shandong é condenada por causa de sua fé, familiares também são alvo de perseguição

A Sra. Zhan Zhongxiang, residente da cidade de Pingdu, província de Shandong, foi presa em 24 de setembro de 2019, em um mercado de fazendeiros, junto com dois outros praticantes do Falun Gong, Sra. Zhou Jun e sua tia, Sra. Zhou Yuxiang. Enquanto a Sra. Zhou Jun e a Sra. Zhou Yuxiang foram condenadas a um ano e quatro anos, respectivamente, em 30 de julho de 2020, o caso da Sra. Zhan demorou mais para ser resolvido.

Sra. Zhan Zhongxiang.

A Sra. Zhan foi julgada pelo Tribunal Distrital de Huangdao por meio de uma audiência de vídeo no Centro de Detenção de Pudong em 12 de agosto de 2020. Seu advogado a declarou inocente em nome dela.

O advogado refutou as acusações do promotor contra a Sra. Zhan de distribuir materiais do Falun Gong e disse que, de acordo com o depoimento apresentado pela testemunha Han Xiaodong, não havia evidências indicando que os materiais que ele recebeu foram distribuídos pela Sra. Zhan.

Em seguida, o promotor culpou a Sra. Zhan por falar sobre o Falun Gong no casamento de seu filho. O advogado da Sra. Zhan respondeu: “Todo cidadão tem o direito de falar sobre sua fé, incluindo os praticantes do Falun Gong. Isso é muito normal. É a liberdade de crença”.

Posteriormente, o juiz sentenciou a Sra. Zhan a quatro anos de prisão e seu recurso foi rejeitado.

No dia seguinte à prisão da Sra. Zhan, seu filho, o Sr. Shao Zhanpeng, foi espancado pelos policiais e sofreu ferimentos graves no olho direito e nas costelas, por perguntar sobre o caso dela na delegacia. Ele também apresentou hematomas por todo o corpo.

A polícia culpou o filho da Sra. Zhan por enviar informações ao site Minghui.org sobre a surra no Sr. Shao. Eles o assediaram, bem como seu primo e sua tia durante os meses seguintes. Sua tia foi presa em 22 de outubro de 2019, após ser enganada para ir à delegacia de polícia, e ela foi acusada de “obstruir a aplicação da lei”. Mais tarde, ela foi condenada a um ano e dois meses.

O Sr. Shao foi preso em 29 de julho de 2020, duas semanas antes da audiência da Sra. Zhan. Ele foi detido sob a acusação de "perturbar a ordem social" e de "roubar". Após mais de dois meses de detenção, ele foi julgado pelo Tribunal da Cidade de Pingdu em 10 de outubro e 6 de novembro. O juiz revelou que planejava condenar o Sr. Shao a três e meio ou quatro anos por sua "má atitude".

Em 26 e 27 de outubro de 2020, o sobrinho e a irmã da Sra. Zhan também foram presos. Não está claro se eles foram libertados no momento da escrita deste artigo.

Prisões arbitrárias

Dois residentes de Jilin são condenados por enviarem cartões comemorativos com informações sobre sua fé

A Sra. Zhang Lijuan e seu filho, o Sr. Cao Boyu, do condado de Yitong, província de Jilin, foram condenados à prisão em dezembro de 2020 por praticar o Falun Gong.

A Sra. Zhang e o Sr. Cao foram presos na rua e em casa, respectivamente, em 20 de julho de 2020. A polícia invadiu sua residência e levou embora seus livros, materiais, foto do fundador do Falun Gong, computador, impressora e outro material de escritório. Ambos foram levados para o Centro de Detenção da cidade de Liaoyuan, que fica a cerca de 60 km de Yitong. Embora Cao tenha sido libertado um mês depois, Zhang permanece sob custódia.

Outra praticante, a Sra. Li Xiaojuan, foi presa em casa em 10 de agosto de 2020. Ela também foi detida no Centro de Detenção da Cidade de Liaoyuan. Seu marido, o Sr. Wang, que não pratica o Falun Gong, foi levado para a delegacia de polícia e intimidado. A polícia não o soltou até que ele foi forçado a assinar declarações denunciando o Falun Gong.

Os três praticantes foram visados porque foram à cidade de Liaoyuan em janeiro de 2020 e enviaram alguns cartões de felicitações de Ano Novo ao público com informações sobre o Falun Gong. Eles foram denunciados pelos carteiros e depois presos.

A Sra. Zhang e a Sra. Li foram julgadas pelo Tribunal Distrital de Xi’an em Liaoyuan por meio de uma videoconferência em 11 de novembro de 2020. A Sra. Zhang foi sentenciada a quatro anos com uma multa de 3.000 yuans. A Sra. Li recebeu um ano de prisão e um ano e meio de liberdade condicional. Ela também foi multada em 2.000 yuans.

Preso enquanto estudava o livro de sua fé, homem de Hunan é condenado a quatro anos

O Sr. Lu Yongliang, 62 anos, da cidade de Yueyang, província de Hunan, foi condenado a quatro anos e multado em 5.000 yuans em 20 de julho de 2020.

O Sr. Lu foi preso em casa em 27 de maio de 2019, enquanto estudava o Falun Gong com vários outros praticantes. Quatro dos praticantes e a esposa do Sr. Lu foram posteriormente interrogados e intimidados pela polícia. Alguns de seus depoimentos foram apresentados pela polícia como prova de acusação contra o Sr. Lu.

A polícia submeteu o caso do Sr. Lu à Procuradoria do Distrito de Lou em 2 de julho de 2019. O promotor rejeitou duas vezes o caso por falta de evidências antes de indiciá-lo e encaminhá-lo ao Tribunal Distrital de Lou em 26 de dezembro.

O Tribunal Distrital de Lou posteriormente transferiu o caso do Sr. Lu para o Tribunal do Condado de Pingjiang, que o condenou.

O Sr. Lu não teve visitas de familiares desde sua prisão. Depois de passar um ano no Centro de Detenção nº 1 da cidade de Yueyang, ele foi levado para o Hospital Psiquiátrico de Reabilitação de Yueyang no início de junho de 2020. Quando sua família foi ao centro de detenção para perguntar sobre sua situação, os guardas disseram que o Sr. Lu estava passando bem no centro de detenção sem lhes dizer que havia sido transferido.

O Tribunal do Condado de Pingjiang anunciou seu veredicto em 20 de julho de 2020, que por acaso é a data que marca o 21º aniversário da perseguição ao Falun Gong. Seu computador, impressora, gravador de DVD e grampeador, confiscados durante sua prisão, foram formalmente apreendidos. Ele também foi condenado a pagar a multa de 5.000 yuans no prazo de dez dias após o anúncio do veredicto.

Residente de Guangdong é condenado a três anos por falar sobre sua fé

O Sr. Liu Jianmin, da cidade de Zhuhai, província de Guangdong, foi preso em 1º de novembro de 2019, após ser denunciado por escrever “Falun Dafa é bom” em uma área pública.

Depois de ser indiciado, o Tribunal Distrital de Doumen nomeou um advogado para ele no início de 2020. Depois que o Sr. Liu descobriu que o advogado nomeado pelo tribunal havia sido instruído a entrar com uma confissão de culpa por ele, ele se recusou a ser representado pelo advogado. Em vez disso, ele pediu à família que contratasse um advogado, que então se declararia inocente. Ele se encontrou com seu próprio advogado no centro de detenção em abril.

O Sr. Liu compareceu ao Tribunal Distrital de Doumen em 29 de junho de 2020. A testemunha que o acusou de escrever "Falun Dafa é bom" disse que viu o Sr. Liu escrever a mensagem várias vezes usando a função de "rastreamento de localização" em seu celular, sem fornecer nenhuma explicação detalhada de como ele foi capaz de rastrear o paradeiro do Sr. Liu.

O advogado do Sr. Liu disse que era ilegal para a testemunha monitorar as atividades diárias de seu cliente. Ele exigiu a absolvição de Liu.

O Sr. Liu foi condenado a três anos em meados de novembro de 2020 e agora aguarda o resultado de seu caso de apelação no Centro de Detenção nº 2 do Distrito de Doumen em Zhuhai.

Preso no meio da noite, casal de Guangxi é condenado à prisão e marido fica com problemas de saúde em centro de detenção

Um grupo de policiais bateu na porta da casa do Sr. Xie Jianxin e da Sra. Zhao Renyuan na cidade de Guilin, província de Guangxi, por volta da meia-noite de 5 de fevereiro de 2020, e disse que eles estavam lá para medir a temperatura do casal. Depois que o Sr. Xie se recusou a abrir a porta, a polícia invadiu e prendeu o casal. Seus livros do Falun Gong e materiais relacionados foram confiscados.

Quando a família do casal ligou para a polícia em 8 de fevereiro para indagar sobre o caso, um policial disse que os dois foram presos por distribuir materiais do Falun Gong, mas se recusou a fornecer qualquer outra informação.

A família do casal telefonou à polícia novamente em 15 de fevereiro e exigiu saber onde estavam. A polícia inicialmente se recusou a revelar qualquer coisa e insistiu que esperassem pelo aviso de detenção. Mas depois que a família perguntou se eles estavam escondendo algo e exigiu que pudessem enviar algumas roupas de inverno e roupas de cama para o casal, a polícia cedeu e revelou que eles estavam detidos no Centro de Detenção nº 2 de Jinjilinglu.

Porém, quando a família do casal entrou em contato com o centro de detenção, os guardas negaram repetidamente o pedido de visitação. Os guardas do centro de detenção também bloquearam o advogado da Sra. Zhao de visitá-los e se recusaram a passar a carta para ela quando ele foi obter sua assinatura em uma procuração em 18 de junho.

O casal foi julgado pelo Tribunal Distrital de Xiufeng por meio de uma videoconferência em 6 de novembro de 2020, e ambos foram condenados a quatro anos com uma multa combinada de 10.000 yuans em 1º de dezembro. Zhao apelou de seu caso ao Tribunal Intermediário da cidade de Guilin.

Foi relatado que o Sr. Xie está tendo sangramento gastrointestinal novamente no centro de detenção. Sua família está muito preocupada com sua saúde.

Violação de procedimento legal

Mulher de Pequim é condenada em casa por um caso ocorrido há sete anos

A Sra. Fan Jirong, de Pequim, foi condenada em casa em dezembro de 2020 por causa de sua fé no Falun Gong.

Um total de dez juízes e funcionários do Tribunal Distrital de Changping foram à casa da Sra. Fan em 27 de novembro de 2020 e anunciaram que estavam reativando seu caso de 2013, por colocar faixas do Falun Gong. Eles então ordenaram que três Técnicos de Emergência Médica (EMT), que haviam vindo de ambulância, examinassem a Sra. Fan. Depois que os paramédicos disseram que a Sra. Fan não deveria ser detida, devido ao seu estado de saúde, os juízes procederam a uma audiência em sua casa.

Os juízes retornaram em 3 de dezembro e anunciaram que ela foi sentenciada a quatro anos com uma multa de 10.000 yuans. Ela está se preparando para apelar do veredicto.

Três mulheres foram condenadas a sentenças de prisão predeterminados; famílias mantidas sem saber dos resultados de apelação

A Sra. Li Yuemian, a Sra. Zheng Yanmei e a Sra. Bian Yanjuan, da cidade de Xinji, província de Hebei, foram presas na tarde de 12 de abril de 2019, após serem denunciadas por distribuir materiais informativos sobre o Falun Gong.

A polícia as colocou em detenção criminal no Centro de Detenção de Hengshui no dia seguinte, e a Procuradoria local aprovou suas prisões em 30 de abril. As mais de 200 cópias de materiais do Falun Gong, incluindo DVDs, livretos e pôsteres, foram usados como prova de acusação contra elas.

Os praticantes fizeram duas aparições conjuntas no tribunal, primeiro em 8 de novembro de 2019 e novamente em 8 de janeiro de 2020. O juiz anunciou seus veredictos em março de 2020: a Sra. Bian foi condenada a dois anos e três meses com multa de 10.000 yuans, A Sra. Zheng recebeu dois anos e dois meses e multa de 9.000 yuans, e a Sra. Li foi sentenciada a dois anos com uma multa de 8.000 yuans.

Os praticantes observaram que os veredictos eram datados de 26 de dezembro de 2019, antes mesmo de sua segunda audiência ocorrer.

Homem de Guangdong é preso arbitrariamente; vídeo de vigilância é excluído pela polícia

O Sr. Pan Peide, um trabalhador aposentado de 64 anos na cidade de Maoming, província de Guangdong, foi enganado a abrir a porta por policiais que fingiam ser entregadores em 16 de setembro de 2019. Oito policiais revistaram sua casa e o prenderam. Eles o levaram para sua outra residência e a saquearam também. O Sr. Pan foi interrogado à noite no Departamento de Polícia do Distrito de Kaifa, sem receber comida ou água.

O Sr. Pan foi admitido no Centro de Detenção nº 1 da cidade de Maoming no dia seguinte. Sua família recebeu o aviso de detenção criminal em 18 de setembro.

Quando os dois filhos do Sr. Pan foram ao escritório de administração da propriedade para ver a gravação do vídeo da prisão de seu pai, um funcionário disse a eles que a polícia já os havia feito excluir o vídeo.

O Sr. Pan compareceu ao tribunal em 24 de novembro de 2020. Após mais de um ano de detenção, ele estava tão fraco que não conseguia andar sozinho. O juiz presidente Ke Xuejun o sentenciou a três anos de prisão em 17 de dezembro.

Recurso de mulher em Pequim contra pena de prisão injusta é rejeitada

A Sra. Li Yuhua, de Pequim, 67, foi presa em 22 de maio de 2019 e condenada a um ano com multa de 1.000 yuans pelo Tribunal de Fengtai em 29 de setembro de 2020.

A Sra. Li relatou várias violações de procedimentos legais em sua apelação.

Ela disse que os policiais, Niu Bo e Song Dongming, não usaram seus uniformes ou mostraram suas identidades ao prendê-la. Quando um policial aposentado que estava passando tentou impedi-los, Niu e Song não deram ouvidos, mas culparam a Sra. Li por tentar distribuir materiais do Falun Gong para os transeuntes.

A Sra. Li também disse que o advogado Shang Wei, nomeado pelo Tribunal de Fengtai, para representá-la. Depois que Shang a enganou para que ela assinasse seu documento de representação, ele disse a ela: “O tribunal local me contratou por 15 anos para representar os praticantes do Falun Gong. Eu declaro a culpa em seu nome e a maioria deles foi condenada e enviada para a prisão”.

Durante suas audiências no tribunal, o juiz presidente retirou o roteiro de defesa que ela havia preparado e ordenou que Shang declarasse sua culpa, apesar de sua oposição.

Os policiais Niu e Song apresentaram alguns DVDs do Falun Gong como prova de acusação contra ela, mas a Sra. Li disse que aqueles DVDs não eram dela e ela não sabia onde os policiais os conseguiram. Ela disse que o juiz nem se preocupou em confirmar se eram seus pertences e também ignorou seu pedido de reproduzi-los no tribunal para verificar se os DVDs eram suficientes para provar a acusação contra ela.

Seu recurso foi rejeitado em dezembro de 2020 pelo Tribunal Intermediário nº 2 de Pequim.

Mulher de 72 anos é condenada a sete anos sem seu conhecimento

Três funcionários do tribunal e três policiais invadiram a casa da Sra. Dong Shuxian em 14 de julho de 2020 e disseram que estavam lá para levá-la à prisão para cumprir os sete anos, pois ela havia sido condenada por praticar o Falun Gong.

A Sra. Dong, uma residente da cidade de Chaoyang, província de Liaoning, de 72 anos, entrou em choque total. Ela perguntou a Geng Hongyan, o juiz presidente do Tribunal de Shuangta: “O que eu fiz? Tenho ficado em casa e não sabia de nada. Por que fui condenada a sete anos? Que lei quebrei? Você precisa me mostrar os documentos”.

Geng não disse nada. Um oficial da Delegacia de Polícia de Qianjin disse que eles estavam cumprindo uma ordem de seus superiores.

A polícia levou a Sra. Dong a um hospital para um exame físico, onde descobriram sua pressão perigosamente alta. Depois que a prisão local se recusou a aceitá-la, os policiais levaram a Sra. Dong de volta ao hospital. Quando sua pressão arterial permaneceu alta, eles tiveram que levá-la de volta para casa tarde da noite.

Em 20 de agosto, os mesmos três policiais voltaram para a casa da Sra. Dong. Eles a levaram para ver um médico especialista, que a examinou com os dispositivos mais recentes. Ela ainda não atendia aos requisitos de saúde para admissão na prisão.

Não está claro se as autoridades continuarão a tentar fazer com que a Sra. Dong seja admitida na prisão.

Nas últimas duas décadas, a Sra. Dong foi presa várias vezes por causa de sua fé e cumpriu pena em um centro de lavagem cerebral e em um campo de trabalhos forçados. Foi relatado que as autoridades a procuraram desta vez porque ela entrou com uma queixa criminal em 2015 contra Jiang Zemin, o ex-chefe do regime comunista chinês que ordenou a perseguição ao Falun Gong em 1999.

Prisões em grupo

13 residentes de Hebei são condenados à prisão por lerem livros sobre sua fé juntos

13 residentes do condado de Weichang, província de Hebei, foram presos em 13 de julho de 2019 enquanto estudavam os ensinamentos do Falun Gong juntos. A polícia vasculhou as casas da maioria dos praticantes no dia seguinte e confiscou seus livros, computadores e impressoras do Falun Gong.

Embora a Procuradoria do Condado de Luanping tenha devolvido os casos dos praticantes à polícia por evidências insuficientes em novembro de 2019, a polícia se recusou a libertar os praticantes e apresentou seus casos novamente um mês depois. O promotor os indiciou em 19 de janeiro de 2020 e transferiu seus casos para o Tribunal do Condado de Luanping.

Os praticantes foram julgados em 28 de setembro de 2020 e condenados por volta de 30 de outubro de 2020.

O Sr. Liu Zhifeng foi condenado a seis anos e multado em 10.000 yuans. O Sr. Wang Guangxue foi condenado a cinco anos e multado em 10.000 yuans. O Sr. Wang Yongxing e a Sra. Wang Haiqin foram sentenciados a quatro anos cada e multados em 10.000 yuans. Chen Haidong, a Sra. Wang Sufang e a Sra. Du Guilan foram sentenciadas a um ano e oito meses cada uma e multadas em 5.000 yuans. A Sra. Ge Sufen foi condenada a um ano e seis meses e multada em 5.000 yuans. A Sra. Li Yanhua foi condenada a um ano e três meses, com dois anos de liberdade condicional, e multada em 5.000 yuans. E a Sra. Liu Lina, a Sra. Wang Haibing, a Sra. Tang Fengxia e a Sra. Liu Fengxia foram sentenciadas a um ano e dois meses, com dois anos de liberdade condicional e multadas em 5.000 yuans.

Cidade de Zunhua, província de Hebei: 12 praticantes do Falun Gong condenados de 2 a 8 anos

Mais de 300 policiais foram mobilizados para prender os praticantes do Falun Gong na cidade de Zunhua, província de Hebei, em 6 de julho de 2019. Um chefe de polícia revelou que eles monitoraram os telefones celulares dos praticantes por dois meses antes de fazer a mudança. Um total de 19 praticantes foram presos naquele dia.

A Sra. Wang Ruiling e seu marido, o Sr. Ma Kuo, foram presos em casa por volta das 3 da manhã. A polícia vasculhou sua casa e confiscou seus livros do Falun Gong, laptop, impressora, papel para imprimir e todo o dinheiro que mantinham em casa, incluindo o dinheiro em seu cofre.

O Sr. Wang Jian também foi preso por volta das 3 da manhã. Um grupo de policiais escalou a cerca e arrombou. O Sr. Wang e sua esposa foram acordados por um latido de cachorro. A polícia imediatamente levou o Sr. Wang embora e então vasculhou a casa. Eles voltaram à tarde e saquearam a casa novamente.

Um grupo de policiais escalou a cerca ao redor do quintal da Sra. Lin Xiuzhen por volta das 4 da manhã, invadiu sua casa e a prendeu.

Um dos doze praticantes condenados, o Sr. Zhang Yuming, foi preso em 2 de julho por falar com pessoas em um mercado sobre o Falun Gong. Oito policiais saquearam sua casa e confiscaram seus livros do Falun Gong, uma foto do fundador do Falun Gong, vários telefones celulares, dois computadores, uma impressora e alguns papéis para imprimir.

Os doze praticantes foram julgados pelo Tribunal da Cidade de Zunhua em 17, 19 e 23 de dezembro de 2019, antes de serem sentenciados secretamente em 27 de novembro de 2020.

A Sra. Wang Ruiling, 68, foi sentenciada a oito anos e multada em 10.000 yuans. O Sr. Zhang Yuming, de 65 anos, foi condenado a sete anos e multado em 6.000 yuans. O Sr. Wang Jian, 70, foi condenado a sete anos e multado em 5.000 yuans. A Sra. Tian Shuxue, 82, foi condenada a cinco anos e seis meses e multada em 6.000 yuans. A Sra. Zhang Qin, 78, foi condenada a quatro anos e seis meses e multada em 5.000 yuans.

Os outros sete praticantes, incluindo a Sra. Sheng Jinling, a Sra. Lu Cuihua, a Sra. Guo Shuhuan, a Sra. Gao Jingru (esposa do Sr. Wang Jian), a Sra. Lin Xiuzhen, o Sr. Wang Kun e o Sr. Ma Kuo, foram recebeu penas de prisão de dois a cinco anos e multa entre 2.000 e 5.000 yuans.

Prisões em grupo em quatro diferentes províncias

Abaixo está um instantâneo de outras prisões e sentenças de grupos nas províncias de Hubei, Jiangxi, Sichuan e Heilongjiang.

Em 23 de julho de 2020, cinco praticantes do Falun Gong da cidade de Wuxue, província de Hubei, receberam penas de prisão longas que variam de quatro a dez anos. Um praticante foi multado em 10.000 yuans, enquanto os demais foram multados em 20.000 yuans cada. As sentenças foram proferidas mais de dois anos depois de serem presos em 3 de fevereiro de 2018.

Cinco residentes da cidade de Nanchang, província de Jiangxi, foram condenados em 22 de outubro de 2020, mais de um ano depois de suas prisões em julho de 2019. Suas penas de prisão variaram de 2 a 7,5 anos. Eles também foram multados entre 30.000 yuans a 100.000 yuans.

As autoridades na cidade de Chengdu, província de Sichuan, conduziram prisões em massa em 10 de julho de 2019 e prenderam mais de 40 praticantes. A maioria dos praticantes foi libertada, mas quatro permaneceram sob custódia e, posteriormente, condenados a penas de prisão que variam de 7,5 a 11,5 anos em dezembro de 2020.

Também na província de Sichuan, a polícia do condado de Dazhu prendeu um grupo de cinco praticantes em 27 de julho de 2019. Todos eles foram condenados a 2 a 7,5 anos em 29 de dezembro de 2020, juntamente com um sexto praticante preso em 28 de agosto de 2019.

Na cidade de Harbin, província de Heilongjiang, quatro praticantes e um membro da família foram condenados a penas de prisão que variam de 22 meses a 4 anos. Eles foram presos em abril de 2019 e condenados em dezembro de 2020.

Condenados por manter a sua fé que os transformou

Homem de 25 anos é condenado a 5,5 anos por contar aos outros como o Falun Gong curou sua depressão

O Sr. Song Yucen, 25, da cidade de Shenyang, província de Liaoning, foi condenado a 5,5 anos em 29 de dezembro de 2020 por praticar o Falun Gong, que ele credita ter curado sua depressão.

O pai do Sr. Song teve um derrame em 2006 quando tinha 11 anos. No mesmo ano, sua mãe perdeu o emprego. Ele se sentiu inferior aos outros e ficou deprimido.

Depois de se formar na faculdade, ele perdeu 40.000 yuans à procura de emprego, o que piorou sua depressão. Ele foi demitido do emprego em janeiro de 2019 por incompetência. Ele tentou muitas coisas para curar sua depressão, mas sem sucesso. Ele tentou o suicídio e fugiu de casa várias vezes. Toda a família sofreu com ele.

Em desespero, ele se lembrou do Falun Gong, sobre o qual seu avô lhe contara quando ele era pequeno. Dois meses depois de iniciar a prática, ele começou a pensar com sensatez e a falar normalmente. Ele superou sua depressão.

Feliz e animado, ele foi ao hospital para contar a outros pacientes sobre sua experiência, porém foi delatado por uma enfermeira e preso em 29 de março de 2019. A polícia o deteve no Centro de Detenção do Distrito de Heping no dia seguinte.

A Procuradoria do Distrito de Heping aprovou a prisão do Sr. Song em 30 de abril de 2019. O promotor devolveu seu caso à polícia duas vezes no final de julho e em 17 de outubro devido a evidências insuficientes. Depois que a polícia apresentou seu caso pela terceira vez em 17 de novembro, o promotor o indiciou e transferiu o caso para o Tribunal Distrital de Heping.

O Sr. Song foi julgado pelo Tribunal Distrital de Heping em 16 de junho de 2020 e condenado a 5,5 anos em 29 de dezembro de 2020.

Rufião que se tornou um homem de família ganha 3,5 anos de prisão por manter a fé que transformou sua vida

O Sr. Zhu Zhaoshui, um residente da cidade de Shulan, província de Jilin, de 66 anos, foi condenado a 3,5 anos por praticar o Falun Gong.

O Sr. Zhu foi preso em 10 de setembro de 2019 e detido no Centro de Detenção da Cidade de Shulan. Ele compareceu ao Tribunal da Cidade de Shulan em 19 de dezembro de 2019. Sua família soube em novembro de 2020 que ele havia sido condenado. Sua mãe, 93, chora todos os dias por causa de sua provação e anseia pelo retorno do filho.

O Sr. Zhu começou a praticar o Falun Gong em 1998. Aqueles que o conheciam antes ficaram surpresos ao ver as mudanças que ele passou depois de iniciar a prática.

Outrora um fumante e alcóolatra inveterado que frequentemente iniciava brigas com pessoas com suas habilidades nas artes marciais, o Sr. Zhu parou de fumar, de beber e se absteve de brigar.

Ele se tornou humilde, honesto, gentil e bondoso. Ele cuidou bem de sua esposa acamada por mais de dez anos, até que ela faleceu. Ele então convidou sua mãe temperamental para ir morar com ele, já que nenhum de seus irmãos estava disposto a cuidar dela.

Por se recusar a desistir do Falun Gong, o Sr. Zhu foi repetidamente preso e torturado enquanto estava detido.

Filho dedicado, sentenciado a três anos por causa de sua fé

O Sr. Wei Yuexing, da cidade de Anyang, província de Henan, 60 anos, era vendedor de uma empresa farmacêutica. Ele tinha um problema de estômago persistente que foi curado depois que começou a praticar o Falun Gong. Ele vive seguindo os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância e é conhecido por sua devoção aos pais.

Seu pai sofreu um derrame e entrou em estado vegetativo anos atrás. O Sr. Wei cuidou meticulosamente dele, limpando-o, virando-o na cama, retirando o muco de seu tubo de traqueostomia e trocando suas fraldas. Ele cuidou de seu pai por mais de quatro anos, até que ele faleceu. Apesar de ter ficado acamado por tanto tempo, seu pai nunca teve escara.

A mãe do Sr. Wei, de quase 90 anos, foi diagnosticada com câncer retal. Ela não conseguia andar depois de uma operação e confiou no Sr. Wei para cuidar dela antes de sua prisão.

O Sr. Wei foi preso em 24 de dezembro de 2019, por falar com pessoas sobre o Falun Gong em uma estação de ônibus. Ele foi julgado pelo Tribunal Distrital de Wenfeng por meio de uma audiência de vídeo em 13 de julho de 2020.

O promotor contou cada folha de papel dos materiais do Falun Gong confiscados dele como uma prova contra ele. O juiz sentenciou o Sr. Wei a três anos de prisão e multou-o em 5.000 yuans. Depois que o tribunal intermediário rejeitou seu recurso, ele foi levado para a Prisão de Xinmi em meados de outubro.

Marido e mulher são presos por causa de sua fé no Falun Gong; reuniões com advogado são negadas

O Sr. Liu Shehong e sua esposa, Sra. Zhao Xiujuan, foram presos na cidade de Jingzhou, na província de Hubei, em 4 de setembro de 2019, enquanto viviam longe de casa para evitar a perseguição. Foi confirmado em 3 de dezembro de 2020, que o Sr. Liu foi condenado a 7,5 anos e a Sra. Zhao a sete anos.

Sr. Liu Shehong

O Sr. Liu largou a escola quando tinha 16 anos e foi para a cidade de Wuhan, na mesma província, para trabalhar em uma empresa de processamento de madeira, onde logo se juntou a uma gangue. Aos 26 anos começou a usar drogas. Ele cumpriu algumas penas de prisão por usar drogas, brigar e enganar pessoas. Ele foi libertado em junho de 2004, mas sua unidade de trabalho o despediu. Em poucos meses, ele voltou às drogas e começou a pedir dinheiro emprestado a amigos, que no final pararam de lhe dar dinheiro e o evitaram.

Aos 40 anos, ele se tornou um pária em Wuhan, então ele voltou para sua cidade natal em dezembro de 2006. Seu estilo de vida arruinou sua saúde. Sua pele estava escura e ele sofria de edema em ambas as pernas. Ele tinha dificuldade para andar. Sua mãe chorava o tempo todo e seus companheiros da vila pensaram que ele poderia morrer antes do Ano Novo Chinês de 2007. Ele começou a pedir dinheiro emprestado aos aldeões e, sempre que conseguia dinheiro, comprava drogas com ele. Sua mãe ficou muito preocupada, mas não conseguiu ajudá-lo. Ela até tentou fazer com que ele se suicidasse afogando-se em um rio.

Apenas quatro meses depois que o Sr. Liu começou a praticar o Falun Gong em 2006, ele abandonou o vício em drogas. Sua saúde se recuperou e sua aparência mudou. Ele parecia muito mais saudável.

Depois que aprendeu o Falun Gong, ele tentou ser uma boa pessoa e viver de acordo com os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. Ele não xingava ou brigava mais com as pessoas e se tornou um trabalhador que ajudou sua família e outras pessoas, e mudou completamente. Muitas pessoas que o conheceram antes ficaram impressionadas com suas mudanças.

Ele foi preso em dezembro de 2010 por contar às pessoas sobre o Falun Gong e condenado a quatro anos de prisão.

Relatórios relacionados:

55 praticantes do Falun Gong sentenciados pela sua fé em setembro de 2020

Em agosto de 2020, 41 praticantes do Falun Gong, foram sentenciados por causa da sua fé

107 praticantes do Falun Gong sentenciados por causa da sua fé entre janeiro e maio de 2020

89 praticantes do Falun Gong são sentenciados por causa de sua fé entre janeiro e abril de 2020

33 praticantes do Falun Gong condenados por causa da sua fé durante o bloqueio do coronavírus na China

Apesar da pandemia do coronavírus, a perseguição ao Falun Gong continua na China

Tribunais do regime comunista chinês condenam 193 praticantes do Falun Gong à medida que novos casos de coronavírus aparecem

Relatórios relacionados em inglês:

47 Falun Gong Practitioners Sentenced for Their Faith in October 2020

28 Falun Gong Practitioners Sentenced for Their Faith in July 2020

139 Falun Gong Practitioners Sentenced to Prison for Their Faith in First Half of 2020