Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Zhu Qingwen, ex-secretário do partido de Shuangcheng, província de Heilongjiang, é denunciado por violações dos direitos humanos

9 de Abril de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Heilongjiang

(Minghui.org) Zhu Qingwen foi Secretário do Partido da cidade de Shuangcheng na província de Heilongjiang entre 1999 e 2002, e mais tarde tornou-se Secretário do Partido da Cidade de Suihua na mesma província. Durante o seu mandato como Secretário do Partido de Shuangcheng, Zhu seguiu de perto a política de perseguição contra o Falun Gong e mobilizou funcionários do governo, forças policiais em Shuangcheng e nas cidades, e aldeias vizinhas para reprimir os praticantes de Falun Gong.

Para impedir os praticantes de apelarem pelo Falun Gong em Pequim, Zhu criou pontos de verificação para interceptar os praticantes. Criou também um gabinete de coordenação em Pequim para reconduzir os praticantes de Shuangcheng detidos em Pequim. Uma vez reconduzidos a Shuangcheng, estes praticantes foram amarrados e ordenados a ficar em cima da carroceria de um caminhão, com a polícia segurando armas ao seu lado. O caminhão deslocou-se então lentamente na estrada principal da estação de trem para o centro da cidade, para humilhar os praticantes em público.

Havia dois centros de detenção em Shuangcheng, mas estes não eram suficientemente grandes para manter o grande número de praticantes presos por defenderem a sua fé. Zhu encontrou instalações extras para prender estes praticantes, com penas que variavam entre mais de 10 dias a meses. Cada praticante foi também multado de centenas a dezenas de milhares de yuans sem recibo. Mais de mil praticantes foram detidos ilegalmente e muitos deles foram espancados, chutados, feridos e ofendidos verbalmente pela polícia. Mais de 10 praticantes perderam as suas vidas em resultado da tortura.

Juntamente com Zhang Guofu, vice chefe da polícia e vice diretor da Agência 610 em Shuangcheng, Zhu foi responsável pela detenção de mais de 1.500 praticantes locais do Falun Gong nos dois centros de detenção em Shuancheng a partir do final de 2000. Além disso, cerca de 150 praticantes tinham sido enviados para campos de trabalho com penas de até três anos.

Para garantir seu trabalho e obter favores junto a funcionários superiores, Zhu subornou funcionários em Pequim e obteve listas de nomes de praticantes de Shuangcheng que tinham estado em Pequim para apelar pelo Falun Gong, bem como as suas cartas de apelo. Pagou de 500 a 1.000 yuans de subornos por praticante. Zhu utilizou seus contatos e enviou alguns dos praticantes para campos de trabalho. Oitenta e um praticantes foram enviados para campos de trabalho mesmo antes do Ano Novo Chinês de 2001.

Após a Lei Global Magnitsky ter sido aprovada nos EUA em 2016, o Canadá, Reino Unido e 27 países da União Europeia adotaram leis semelhantes para apoiar os direitos humanos. Os violadores seriam impedidos de entrar e os seus bens nesses países seriam confiscados. Em dezembro de 2020, os praticantes de Falun Gong submeteram listas de nomes de perpetradores de direitos humanos a 29 nações, apelando a sanções. Zhu constava de uma das listas de nomes. Abaixo estão as informações comunicadas a esses países.

Informação pessoal

Nome: Zhu Qingwen (朱清文)
Gênero: Sexo masculino
Data de nascimento: julho de 1956
Local de nascimento: Condado de Bin, Província de Heilongjiang
Local de trabalho: Comitê do Partido na cidade de Shuangcheng, província de Heilongjiang
Posição: Secretário do Partido

Casos de perseguição selecionados

Abaixo estão alguns casos anteriormente relatados pelo Minghui que estão relacionados com Zhu.

Morte por tortura e veneno

O Sr. Zhou Zhichang, antigo diretor das forças armadas na cidade Handiana, foi a Pequim apelar pelo Falun Gong em setembro de 1999. Vários meses mais tarde, morreu sob custódia em 6 de maio de 2000. Segundo informações seguras, Zhu odiava o Sr. Zhou porque acreditava que ele tinha afetado o avanço da sua carreira. Zhu queria ser promovido a presidente da câmara da cidade de Mudanjiang. Isso não aconteceu porque, inspirados pelo Sr. Zhou, muitos praticantes em Shuangcheng foram a Pequim em busca de justiça para o Falun Gong. Zhu foi abertamente criticado pelo seu supervisor por ter muitos praticantes locais indo a Pequim.

Sr. Zhou Zhichang

No Primeiro Centro de Detenção de Shuangcheng, o Sr. Zhou foi mantido junto com os reclusos do corredor da morte. Zhu disse ao chefe adjunto da polícia Zhang que seria bom para o Sr. Zhou morrer de tortura, para que outros praticantes fossem intimidados. Segundo uma testemunha, no 6º dia após o Sr. Zhou ter entrado em greve de fome, foi amarrado e forçado a usar um pedaço de bridão (feito de arame metálico, muitas vezes usado no gado) para manter a sua boca aberta. Os guardas o alimentaram à força, ele vomitou muito sangue durante o processo.

Ilustração da tortura: Amarrar e alimentar à força

Por ter insistido em fazer os exercícios do Falun Gong, os guardas deixaram as as mãos do Sr. Zhou algemadas o tempo todo. O chefe adjunto da polícia Zhang fez um acordo para que o Sr. Zhou fosse propositadamente conduzido a um hospital para um exame físico. O Sr. Zhou recebeu injeções com drogas venenosas e morreu depois de ter sido devolvido ao centro de detenção. As autoridades também utilizaram este caso para ameaçar outros praticante e as suas famílias. "A morte não significa nada aqui", disse Zhang, "Zhou morreu. E então?"

Prisão de quase mil praticantes

Depois do Partido Comunista Chinês (PCC) ter começado a suprimir o Falun Gong em 22 de julho de 1999, muitos praticantes em Shuangcheng foram para a capital provincial, Harbin, para apelar. Entre eles estava o Sr. Wan Yunlong, coordenador voluntário local dos praticantes. Após a sua prisão, Zhu e Zhang consideraram o Sr. Wan um dos principais praticantes do Falun Gong. Mantiveram-no em um centro de detenção durante 6 meses e depois o mandaram para o Campo de Trabalho Forçado de Yimianpo com uma sentença de dois anos de prisão.

Este campo de trabalho era uma pedreira, onde os praticantes do Falun Gong eram obrigados a colocar pedras em cestos e carregá-las nos trens. Os cestos eram feitos de metal e cada cesto de rochas pesava mais de 50 quilos. Era um trabalho intenso, que desgastou a pele e os músculos de muitas pessoas, os seus ossos ficavam expostos. Além do trabalho escravo, o Sr. Wan também foi sujeito a várias formas de tortura, mas nunca vacilou na sua fé. Somente voltou para casa em maio de 2001.

Em dezembro de 2000, Zhu prometeu ao Secretário do Partido da Província de Heilongjiang, Xu Youfang, que nenhum praticante da cidade de Shuangcheng iria a Pequim durante a época do Ano Novo chinês. Para manter a sua promessa e agradar aos funcionários superiores, Zhu enviou quase mil praticantes a vários centros de lavagem cerebral em dezembro de 2000.

Estes centros de lavagem cerebral tinham praticantes nos seus 70 ou 80 anos. Tiveram também estudantes e outras crianças com idades entre 3 e 15 anos. Os praticantes eram mantidos em jaulas de metal com homens e mulheres mantidos juntos. Os guardas os espancavam e os torturaram frequentemente.

Estas sessões de lavagem cerebral duravam frequentemente quatro ou cinco meses. No campo, realizavam-se em centros de idosos e celeiros. Na área urbana, as sessões de lavagem cerebral foram realizadas em instalações incluindo o Centro de Lavagem Cerebral de Qiulian, o Segundo Campo de Trabalho do Bureau da Indústria Leve, o Centro de Lavagem Cerebral da Escola do Partido e outros. Além disso, os funcionários contrataram muitas pessoas para patrulhar a cidade em minivans para localizar e prender praticantes.

Detenção de praticantes com forças policiais fora da cidade

Em dezembro de 2001, Zhu proferiu um discurso público na televisão para "combater o Falun Gong até ao fim". Vários meses mais tarde, ele e o chefe adjunto da polícia Zhang lançaram uma prisão em massa de praticantes. Não só a polícia em Shuangcheng foi destacada, como também mais de 700 agentes e forças policiais armadas da cidade de Harbin também vieram e participaram na detenção.

Por exemplo, a Sra. Zhang Jianhui de 22 anos foi presa em 19 de abril de 2001. Devido à tortura no centro de detenção, ela tinha feridas por todo o lado e o rosto deformado. A Sra. Zhang foi enviada para a prisão feminina de Harbin em janeiro de 2003, com uma sentença de 10 anos.

Sra. Zhang Jianhui

Sr. Zhang Tao

Sra. Yao Caiwei

Os pais da Sra. Zhang também sofreram enormemente por causa de sua fé. O seu pai, o Sr. Zhang Tao, morreu por causa da tortura no final de julho de 2002. A sua mãe, Sra. Yao Caiwei, teve paralisia e dormência nas mãos e pés após maus tratos de longa duração. Além disso, ela tinha dificuldade para falar e sofria com a visão desfocada. Ela não conseguia cuidar de si própria. Morreu aos 58 anos de idade, em 18 de maio de 2010.

O sofrimento que algumas famílias suportaram está além das palavras. Antes do Ano Novo Chinês 2002, Zhu ordenou a prisão e detenção dos praticantes do Falun Gong na cidade. O Sr. Liu Xiaojun e a sua mulher foram ambos presos. O Sr. Liu foi mantido no governo da cidade durante 23 dias, os funcionários não o libertaram até ele escrever uma declaração em que renunciava à sua crença. A sua mulher foi mantida num centro de detenção durante mais de 70 dias, com uma multa de 800 yuans.

Mesmo depois da libertação do Sr. Liu, ele e o seu patrão foram assediados. O Secretário do Partido da Aldeia Liu Feng, o Secretário do Partido da Aldeia Wang Xin também pressionou o patrão do Sr. Liu para o entregar. O seu patrão ficou tão assustado que o despediu. A caminho de casa, o Sr. Liu foi novamente preso por funcionários do municipais e pela polícia. Ele foi então detido no governo da cidade.

Sr. Wang Jinguo

Sr. Zang Dianlong

Estes praticantes vinham de todas as classes sociais. O Sr. Wang Jinguo foi professor de história do ensino secundário na cidade de Nongfeng. Devido à detenção e tortura, morreu aos 34 anos de idade no dia 23 de maio de 2001. O Sr. Wu Baowang morreu aos 36 anos em maio de 2002 depois de ter sido alimentado à força com água salgada. O Sr. Zang Dianlong, empregado do Depósito de Grãos de Shuangcheng, morreu de tortura em julho de 2002. Da mesma forma, o Sr. Jiang Liguo, da cidade de Xinxing, perdeu a vida em outubro de 2002.

Sr. Zhang Shengfan

As pessoas com deficiência não foram exceção. Depois de dizer aos funcionários governamentais "Falun Dafa é bom" (Falun Gong é também conhecido como Falun Dafa), Zhang Shengfan foi preso quatro vezes, apesar da sua deficiência. A cada vez, foi severamente espancado e teve feridas por todo o lado. Depois dele perder a consciência, os guardas jogavam álcool ou água em seu rosto. Assim que ele recuperava a consciência, o espancamento continuava. Em 2001, o Sr. Zhang foi novamente preso. Dentro do centro de detenção, os guardas o chutaram, espancaram, bateram em seu rosto, o pressionavam debaixo de um banco, e o fizeram beber álcool à força. Após apenas quatro dias no centro de detenção, o Sr. Zhang perdeu a sua vida em 12 de junho de 2001.

De acordo com informantes, Zhu ordenou a prisão de mais de mil praticantes nas 27 cidades e aldeias sob a administração de Shuangcheng durante o Ano Novo Chinês de 2002. Ele ordenou a cada cidade e aldeia que enviassem pelo menos cinco praticantes para os centros de detenção locais. Cinco praticantes escaparam à detenção. Zhu ordenou à polícia que largasse tudo, incluindo a investigação de casos de homicídio e concentrasse a sua energia na captura dos cinco praticantes. Puseram toda a cidade em prisão preventiva e tinham agentes estacionados em todo lugar. Tinham também postos de controle desde Shuangcheng até Pequim. Verificaram os passageiros dos trens e assediaram as famílias e amigos dos cinco praticantes. Não conseguiram encontrar os cinco praticantes, apesar de terem gasto mais de 100 mil yuans.

Resumo dos praticantes perseguidos em Shuangcheng

Abaixo encontra-se uma lista preliminar de praticantes do Falun Gong de Shuangcheng perseguidos entre 1999 e 2002 durante o mandato de Zhu como Secretário do Partido.

Em 1999

Três praticantes perderam as suas vidas: Zhou Zhichang, Jin Chunqing e Tan Chengqiang.

Houve 14 praticantes enviados para campos de trabalho: Zhao Yayun (que morreu de tortura em 2001), Zhao Fengxia, Tan Chengqiang, Han Xiuhua, Wu Baowang, Zhou Yanhua, Han Shijun, Zang Dianlong, Yan Shujie, Wang Jingli, Tie Junying, Wu Shuchun e Wang Shurong.

Em 2000

Oito praticantes foram presos, incluindo Fan Junfeng (15 anos), Yang Chunguang (10 anos), Wang Shiqin (8 anos), Lu Guirong (3 anos) e Gao Guizhen (10 anos).

Houve também 52 praticantes enviados para campos de trabalho, incluindo Wang Youqin, Wang Guoqin, Shi Zuosheng, Wang Shijun, Lin Xiuru, Yu Jinhua, Li Xiumin, Wang Shurong, Wang Guihua, Jiang Xiuzhen, Zhang Tao, Song Zhiguang, Pang Siyuan, Li Changkui, Li Xuefei, Yu Xiuzhen, Tong Wencheng, Cang Fengying, Wang Liping, Wang Shuling, Ma Xinying, Wang Shouqing, Lin Yanjie, Liu Junshuang, Fu Li, Li Changxin, Ma Wenrui, Jin Chunqing, Xu Sijie, Liu Guoshun, Zhang Shuwei, Wu Shuhua, Pan Mingzhen, Yan Chunhua, Jia Shuangyou, Zhao Chengqian, Li Yumei, Zhao Zhiqiu, Liu Min, Meng Xing, Xu Lihua, Zhang Yuhua, Nie Shuzhen, Liu Jianwei, Zang Dianguo, Yue Baoqing e Yan Shanzhu.

Em 2001

Seis praticantes morreram devido a abusos, incluindo Wang Jinguo, Zhang Shengfan, Yin Fuquan, Yan Shanzhu, Zhao Guangxi e Zhao Yayun.

Houve 13 praticantes condenados a prisão: Ba Yimin (4 anos), Yi Fuquan (6 anos), Xu Hongbo (12 anos), Feng Lijun (3 anos), Liu Zhijun (4,5 anos), Zhang Shijiang (8 anos), Wang Wenlong (9 anos), Wang Mi (12 anos), Zou Guoyan (9 anos), Liu Guanqun (3 anos), Lu Shulin (6 anos), Li Lin (4 anos) e Zhao Jisheng (4 anos).

Além disso, 60 praticantes foram enviados para campos de trabalho, incluindo Liu Yanqing, Pan Honglan, Wang Liping, Wang Yongqin, Ma Xinying, Yan Chunhua, Zhao Fengxia, Zang Dianwen, Meng Xing, Ma Yumin, Yan Chunhua, Xu Yanwei, Wu Guoqin, Yue Baoxue, Wan Yunlong, Wan Yunfeng, Zhang Tao, Zhao Xihua, Wu Qingxiang, Jia Shuangyou, Tang Fengjun, Jiang Yahong, Fu Zhenmin, Ma Yumin, Ma Zhenyun, marido de Ma Zhenyun, Meng Yusheng, Tong Wencheng, Sun Zhixue, Zhao Yanju, Qiu Changling, Han Entong, Dong Liantai, Zhao Yanmei, Yan Shanzhu, Chen Xiuhua, Wang Xiuhua, Wang Xiuyan, Wang Xiuju, Na Changjian, Zhang Yulan, Wang Desheng, Wang Fengchun, Liu Shuying, Han Xiuhua, Wang Shuqing, Zhao Guangxi, Wang Shixue, Guo Mingxia, Xu Lihua, Li Haiyan, Zhou Fengying, Fu Wenqing, Pan Honglan, Li Yanqing e Yan Jinhai. Além disso, 8 praticantes foram despedidos dos seus empregos, incluindo Pei Yongjun, Zhao Shukun, Gao Shuqin, Li Yanfen, Fu Wenpei, Yin Yongfang, Sui Shulin e Liu Shuang.

Em 2002

Seis praticantes morreram por causa da perseguição, incluindo Wang Baowang, Zhu Xiangguo, Sun Xuelun, Na Changjian, Gao Guangen e Yue Baoxue.

Houve 21 praticantes condenados à prisão, incluindo Yan Shufen (15 anos), Yan Shuhua (14 anos), Wang Lili (13 anos), Zhang Jianhui (10 anos), Zhang Shufen (6 anos), Fu Lianjun (4 anos), Zhang Jingyan (10 anos), Xu Youqin (15 anos), Tie Junying (10 anos), Chen Junbo (4 anos), Sun Zhifen (10 anos), Sun Zhaoying (5 anos), Li Xiuru (4 anos), Geng Zhiying (2 anos), Wang Hongliang (14 anos), Tie Junying (10 anos), Yang Min (4 anos), Li Chao (11 anos), Fu Wenqing (4 anos), Chen Yunxia (3 anos), Geng Yafen (10 anos), Ma Zhongliang (10 anos), Li Yanwen (10 anos), An Xing (8 anos) e An Ling (7 anos).

Além disso, 51 praticantes foram enviados para campos de trabalho, incluindo Fan Shude, Zhu Xiangguo, Chen Qi, Xu Yushan, Zhang Tao, Shi Kuangyuan, Zhang Xiangfu, Zhao Pengzhen, Zang Dianguo, Sun Xuelun, Xu Zhenfeng, Na Changjian, Liwa Yigang, Liu Hui, Wang Yunguang, Han Entong, Ma Zhenyun, Xin Hongxia, Jiang Yahong, Wang Xiurong, Tong Wencheng, Gu Xiyun, Yao Caiwei, Zhang Yafen, Liu Zhiwei, Zhang Yulan, Wang Deyin, Yang Xueqiu, Wang Qingyun, Tang Xiancheng, Gao Guangen, Xu Qingsen, Na Zhenxian, Wang Wenbo, Yu Jinhua, Guo Shijun, mulher de Guo Shijun, Shi Zengying, Liu Guoying, Cong Yujie, Gu Enfang, Cong Lihua, Liu Zhiwei, Han Xiuhua, Wang Shurong, Liu Quanguo, Huang Yanzhen, Yue Baoxue, Wang Xiumei e Gao Guofeng.

Todos os artigos, gráficos, e conteúdos publicados no Minghui.org estão protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer atribuição com o título do artigo e de um link para o artigo original.