Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

1.334 praticantes idosos do Falun Gong na China foram perseguidos por causa da sua fé em 2020

22 de Abril de 2021 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática espiritual baseada nos princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. Desde que o Partido Comunista Chinês (PCC) começou a perseguir a prática em julho de 1999, muitos praticantes do Falun Gong foram presos, detidos e torturados por se recusarem a renunciar à sua fé.

Este relatório centra-se na perseguição de idosos que praticam o Falun Gong e como foram física e mentalmente agredidos pelo regime comunista, apesar da sua idade. Alguns foram perseguidos até à morte através de tortura e de tremendas pressões por parte das autoridades.

De acordo com dados recolhidos entre 1º de janeiro e 31 de dezembro de 2020 pelo Minghui.org, um total de 1.334 praticantes com mais de 65 anos foram perseguidos, incluindo 702 praticantes presos e 476 assediados; outros 114 praticantes foram condenados, sendo a sentença mais longa de 12 anos; 42 praticantes foram perseguidos até à morte, dos quais 13 morreram sob custódia.

Entre os 1.188 praticantes presos e assediados, 17 tinham mais de 90 anos; o mais velho, tinha 94 anos. 295 praticantes 80 anos ou mais.

Condenação mundial a violação aos direitos humanos na China

Enquanto a perseguição ao Falun Gong permanece inabalável, cada vez mais pessoas e governos sabem da brutalidade do PCC contra os praticantes inocentes. A comunidade internacional tem tomado uma série de medidas para responsabilizar os perpetradores.

Em 7 de dezembro de 2020, a UE adotou um quadro para "impedir indivíduos, entidades e organismos... responsáveis, envolvidos ou associados a graves violações e abusos dos direitos humanos em todo o mundo". O novo quadro global da UE para a proteção dos direitos humanos foi esboçado após "A Lei de Responsabilidade dos Direitos Humanos Global Magnitsky", aprovada pela primeira vez pelo Congresso dos Estados Unidos em 2016. O "Lei Global Magnitsky" dos EUA autoriza o governo dos EUA a impedir os violadores dos direitos humanos de todo o mundo, através do congelamento dos seus bens nos EUA e a proibição da sua entrada no país.

Logo após a adoção do quadro global de proteção dos direitos humanos da UE, os praticantes do Falun Gong em 29 países submeteram uma lista de perpetradores dos direitos humanos a vários governos, solicitando que essas nações restrinjam os perpetradores listados e os seus familiares a terem acesso a vistos e através de congelar os seus bens devido ao seu envolvimento na perseguição ao Falun Gong na China.

Três dias depois, em 10 de dezembro, os EUA anunciaram mais limitações contra 17 funcionários de governos estrangeiros por violar os direitos humanos ou por causa da corrupção. Entre eles estava Huang Yuanxiong, do Departamento de Segurança Pública de Xiamen, Estação da Polícia de Wucun pelo seu envolvimento na detenção e interrogatório de praticantes do Falun Gong. As limitações contra Huang foram uma surpresa para muitos, uma vez que Huang é apenas um policial de baixo nível.

***

Abaixo encontram-se resumos de casos recentes de perseguição de praticantes idosos na China. Devido à censura de informação na China, o número de praticantes do Falun Gong perseguidos por causa de sua fé nem sempre pode ser reportado a tempo, nem toda a informação está prontamente disponível.

Perseguidos até à morte

Médica de Heilongjiang é espancada até a morte

A Dra. Wang Shukun, uma médica de medicina, com 66 anos, no Hospital da Cidade de Hailin, na cidade de Haining, província de Heilongjiang, recebeu um telefonema no final de junho de 2020 do secretário do partido do hospital, Han Yan, e soube que Chen Guangqun, o presidente do hospital, estava à sua procura.

Quando chegou ao hospital, descobriu que eram agentes da delegacia de polícia da cidade de Hailin nº 1 que estavam à sua procura. Os agentes tentaram forçar a Dra. Wang a escrever declarações de garantia para renunciar ao Falun Gong e a reconhecer que o seu marido, Dr. Yu Xiaopeng, também pratica o Falun Gong.

O Dr. Yu, cirurgião do mesmo hospital, foi despedido há 29 anos por se recusar a fabricar registros médicos, tal como indicado pelo então presidente do hospital. Havia apelado durante todos esses anos e foi considerado um alvo principal pelas autoridades, que tentaram promover a sua perseguição alegando que ele também praticava o Falun Gong, porém ele nunca o praticou.

Quando a Dra. Wang se recusou a assinar as declarações, a polícia espancou-a durante horas no hospital. Ameaçaram que, se ela não escrevesse as declarações, encontrariam outros para assinar em seu nome.

A Dra. Wang sofreu uma dor aguda na perna e implorou aos agentes que a deixassem ir. Eles concordaram, mas ameaçaram que viriam buscá-la novamente alguns dias mais tarde.

A Dra. Wang teve de subir as escadas para voltar para o seu edifício. O marido notou que ela tinha hematomas no corpo. As suas rótulas estavam partidas e ela estava encharcada em suor.

A Dra. Wang sofreu subitamente uma hemorragia cerebral na tarde de 1º de julho. Estava muito tonta e sentia enjoo. Faleceu por volta das 4h25 da manhã do dia 2 de julho. O seu corpo foi cremado no dia 4 de julho.

Após a morte da Dra. Wang, a polícia continuou a assediar o Dr. Yu e ordenou-lhe que não reportasse a sua morte ao website Minghui.

Homem de Liaoning morre sob custódia três meses depois de ter sido preso

O Sr. Yu Yongman, um residente de 65 anos da cidade de Liaonyang, província de Liaoning, morreu no Centro de Detenção de Liaoyang no dia 23 de fevereiro de 2020. Oficiais alegaram que a causa da morte foi "doença súbita", mas uma autópsia revelou uma costela partida e lesões nos pulmões.

Sr. Yu Yongman

Homem de 77 anos, cumprindo pena de 4,5 anos, morre na prisão

O Sr. Li Shaochen, um residente de Tianjin, foi preso em 7 de dezembro de 2016, e condenado a 4,5 anos na Prisão de Binhai pelo Tribunal Distrital de Hongqiao, em outubro de 2017.

Sr. Li Shaochen

A Prisão de Binhai tem realizado uma campanha desde maio de 2019 para tentar forçar os praticantes do Falun Gong presos a renunciarem à sua crença. Todos os praticantes, incluindo os doentes, de idade entre 70 e 80, bem como os que estão programados para serem libertados em breve, foram obrigados a serem "transformados".

Diferentes formas de tortura física, incluindo o sono e a privação de alimentos, estão sendo utilizadas para tentar "transformar" os praticantes. As graves violações resultaram na morte do Sr. Li Shaochen, em 6 de março de 2020, aos 77 anos.

Diretora da escola aposentada, de 78 anos, morre na prisão enquanto cumpre pena por causa da sua fé

A Sra. Li Guirong, diretora aposentada de uma escola primária na cidade de Shenyang, província de Liaoning, morreu na Prisão de Mulheres da província de Liaoning, em meados de janeiro de 2020, apenas semanas antes do fim da sua pena de 5 anos, porque ela pratica o Falun Gong. Ela tinha 78 anos.

A Sra. Li foi presa em 7 de fevereiro de 2015, depois de ter sido denunciada por distribuir material informativo sobre o Falun Gong. Apareceu no Tribunal Distrital de Hunnan, em 24 de junho de 2015, e foi condenada a 5 anos de prisão.

A última detenção da Sra. Li ocorreu apenas 15 meses depois de ter terminado de cumprir uma pena de sete anos de prisão, também por causa de sua fé.

Em 17 de outubro de 2006, a Sra. Li, então com 64 anos, foi presa por ter falado às pessoas sobre o Falun Gong. Foi condenada a 7 anos de prisão pelo Tribunal Distrital de Heping, em 14 de maio de 2007.

Enquanto a Sra. Li estava na Prisão de Mulheres da Província de Liaoning, os guardas ordenaram aos detentos que a espancassem e lhe dessem pontapés e pisassem nas mãos dela. O seu rosto sangrou, as suas mãos estavam inchadas, e ela estava coberta de nódoas negras. Grande parte do seu cabelo foi arrancado.

Os guardas obrigaram por vezes a Sra. Li a agachar-se no chão de cimento durante dias a fio, não lhe permitindo comer, usar o banheiro ou dormir. Para intensificar a tortura, forçaram-na a tirar os sapatos e jogaram água fria nos seus pés enquanto ela estava agachada. As suas pernas doíam insuportavelmente. Ela não conseguia ficar de pé ou sentar-se depois e teve de rastejar para chegar a qualquer lugar.

Quando foi libertada em 17 de outubro de 2013, a Sra. Li estava emaciada, o seu cabelo havia ficado cinzento e todos os seus dentes tinham caído. No entanto, agentes locais da Agência 610 ainda a assediaram periodicamente.

Doente terminal, impedido de tratamento médico e forçado a realizar trabalho não remunerado, morre na prisão

A família de uma cidade de Tangshan, residente na província de Hebei, foi informada pela Prisão de Jidong por volta das 8h da manhã do dia 30 de maio de 2020, que o seu ente querido, preso por há 7 anos de prisão por causa da sua fé no Falun Gong, havia acabado de morrer de "parada cardíaca". O Sr. Cao Jinxing tinha 69 anos.

Quando a família do Sr. Cao correu para a prisão, as autoridades da prisão mostraram-lhes alguns documentos sobre o Sr. Cao, mas não lhes permitiram tomar notas ou tirar fotografias. A sua família soube que o Sr. Cao havia sido diagnosticado com uma doença terminal desconhecida já em 2018, mas que nunca foi avisado, nem recebeu qualquer tratamento médico.

A família do Sr. Cao também soube que os guardas o forçaram a realizar trabalho não remunerado, apesar da sua condição de saúde.

A prisão insistiu que o Sr. Cao morreu de "causas naturais", mas disse que estão considerando fornecer alguma compensação financeira à sua família.

Mulher de Hebei morre em poucas horas após a sua prisão

A Sra. Han Yuqin, uma residente de 68 anos da cidade de Tangshan, província de Hebei, morreu horas depois de ter sido presa numa busca policial de 36 praticantes locais do Falun Gong.

Oficiais da Estação de Polícia de Duanminglu, no distrito de Fengrun, invadiram a casa da Sra. Han por volta das 5h da manhã do dia 18 de junho de 2020. Trouxeram a Sra. Han para a esquadra de polícia, obrigaram-na a sentar-se numa cadeira de metal e ordenaram-lhe que preenchesse um formulário para renunciar ao Falun Gong. Ela recusou-se a cooperar.

Quando a filha da Sra. Han foi à esquadra de polícia para visitá-la por volta das 10h da manhã, ela não teve autorização para vê-la. Por volta do meio-dia, o marido da Sra. Han foi à esquadra da polícia para lhe entregar o almoço. Ela não tinha apetite e não conseguia parar de chorar. O marido também reparou que as suas pernas haviam ficado inchadas depois de se sentar na cadeira de metal durante horas.

A Sra. Han foi ao banheiro por volta das 16h. Os oficiais esperaram lá fora. Quando ela não saiu após um longo período, eles entraram e descobriram que ela havia desmaiado no chão.

A polícia levou-a para o Hospital de Medicina Chinesa do Distrito de Fengrun, após o serviço de urgência ao lado ter-se recusado a aceitá-la. Ela foi declarada morta pouco tempo depois.

A família da Sra. Han foi informada da sua morte por volta das 18h. Quando viram o seu corpo no hospital, notaram que o seu cabelo estava desarrumado e que ela tinha sangue no nariz.

A família da Sra. Han disse que ela havia sempre desfrutado de boa saúde desde que começou a praticar o Falun Gong em 1995. Não está claro se pediram uma autópsia para determinar a causa da sua morte.

Mulher de Hubei morre sob custódia após mais de dois anos de detenção incomunicável

Uma família na cidade de Wuhan, província de Hubei, foi informada pelo Centro de Detenção de Erzhigou em 15 de agosto de 2020, que a sua ente querida, a Sra. Wei Youxiu, acabara de falecer aos 72 anos de idade. Enquanto os guardas afirmavam que ela morreu de leucemia, a sua família suspeitava que ela fora torturada até à morte por manter a sua fé no Falun Gong.

A Sra. Wei foi presa em 2 de junho de 2018 no Parque Zhongshan depois de se encontrar com um oficial à paisana, que encontrou nela materiais relacionados com o Falun Gong. A polícia saqueou a sua casa e confiscou os seus livros sobre o Falun Gong. Ela foi enviada para o Centro de Detenção de Erzhigou, que lhe negou visitas à família, com a desculpa de que a polícia tinha encontrado livros do Falun Gong na sua casa.

A certa altura, a família da Sra. Wei soube que alguém a viu no centro de detenção e que ela estava emaciada e não conseguia andar sozinha.

Depois de mais de dois anos de detenção, o centro de detenção informou-os subitamente que a Sra. Wei havia morrido. A sua família questionou as autoridades, querendo saber que, como a Sra. Wei estava perfeitamente saudável quando foi presa, como poderia ter desenvolvido leucemia e ter morrido em tão pouco tempo.

Antes da sua última detenção, a Sra. Wei havia sido presa duas vezes, a primeira entre 2000 e 2001 e depois em 5 de agosto de 2013. Ela foi levada para o Centro de Lavagem Cerebral de Etouwan após ambas as detenções.

Homem de 78 anos sofre surto mental devido a tortura na prisão, morre anos depois de ter sido privado dos cuidados da esposa

O Sr. Wang Dejin, da cidade de Shangzhi, província de Heilongjiang, sofreu um colapso mental depois de ter sido torturado na prisão por ter praticado o Falun Gong há anos. Sucumbiu à sua doença mental em novembro de 2020. Com a sua esposa, a Sra. Du Guiying, de 68 anos, ainda a cumprir pena na prisão, o Sr. Wang faleceu sozinho em casa. Ele tinha 78 anos.

A provação do Sr. Wang e da sua esposa começou em 2004 quando os praticantes locais escreveram uma carta aberta à polícia e à Agência 610, exortando-os a não participarem na perseguição ao Falun Gong.

A polícia local criou um grupo de trabalho especial para investigar o autor da carta. Liang Xiaoming, então chefe da Divisão de Segurança Interna, disse: "Desde que prendamos uma pessoa, podemos culpá-la por tudo."

O Sr. Wang e a sua esposa tornaram-se o alvo principal. No meio da noite de 16 de fevereiro de 2004, a polícia invadiu a casa do casal e prendeu-os. Eles revistaram a residência e até rasgaram a sua colcha à procura de qualquer "prova".

Em 20 de maio de 2004, tanto o Sr. Wang como a Sra. Du foram secretamente condenados a quatro anos de prisão sem representação legal.

Como resultado da tortura na prisão, o Sr. Wang sofreu um colapso mental e perdeu a capacidade de cuidar de si próprio. Ele perdeu o controle da fome e da saciedade. Ficou incontinente. Quando saia, não conseguia encontrar o caminho de volta para casa.

Apesar do estado do Sr. Wang, a polícia saqueou novamente a sua casa em 24 de julho de 2015, durante uma detenção em grupo de praticantes locais. Ele e a sua mulher foram levados para a estação da polícia para interrogatório.

A polícia assediou novamente o casal no final de 2016 e prendeu a Sra. Du alguns anos mais tarde, porque ela estava distribuindo materiais do Falun Gong. Foi condenada a uma pena de quatro anos de prisão pelo Tribunal da Cidade de Acheng em julho de 2019.

A saúde do Sr. Wang deteriorou-se ainda mais sem os cuidados da sua esposa e ele faleceu um ano mais tarde.

Oficial militar aposentado morre na perseguição da sua fé

Sr. Fu Yishuan, um oficial militar aposentado, faleceu em 1º de setembro de 2020, depois de ter sofrido duas décadas de perseguição por causa de sua fé no Falun Gong. Ele tinha 92 anos de idade.

O Sr. Fu juntou-se às forças armadas em 1944, quando tinha apenas 15 anos. Participou na guerra civil e tornou-se um oficial militar na cidade de Nanjing, província de Jiangsu, antes de se aposentar.

Suportou muitas feridas ocorridas durante as batalhas e ia ao hospital com frequência. Em 1995, foi conheceu o Falun Gong e a sua saúde recuperou-se gradualmente após um período de prática.

Após o regime comunista ter lançado a perseguição em 1999, a Agência 610 dos militares ordenou ao Sr. Fu que renunciasse à sua fé e sujeitou-o a uma intensa lavagem cerebral. Como ele se recusou a cooperar, os militares deram-lhe uma punição disciplinar e assediaram-no frequentemente, deixando-o incapaz de levar uma vida normal.

Em 2010, o Sr. Fu foi visto através de câmeras de vigilância, distribuindo material informativo sobre o Falun Gong. A polícia saqueou a sua casa, forçou-o a submeter-se a uma sessão de lavagem cerebral, e ordenou que escrevesse declarações de garantia renunciando ao Falun Gong. A pressão mental era tão insuportável que o Sr. Fu desmaiou e foi ressuscitado no hospital.

Incapaz de viver mais tempo no apartamento designado militarmente, o Sr. Fu mudou-se para a casa de um familiar para se esconder da polícia. Nunca mais pôde regressar à casa antes de morrer.

Casos de sentença

Duas residentes de Jiangxi, uma de 88, são condenadas à prisão por causa de sua fé

Duas mulheres na cidade de Nanchang, província de Jiangxi, foram condenadas à prisão no final de dezembro de 2020 por se recusarem a desistir da sua fé no Falun Gong.

Uma dúzia de oficiais invadiu a casa da Sra. Yu Fangzhuang por volta das 7h do dia 1º de julho de 2020. Sem mostrar um mandato de busca ou as suas identidades, os oficiais saquearam a casa da mulher de 88 anos e confiscaram mais de 20 dos seus livros do Falun Gong, mais de 130 livretos do Falun Gong, uma foto do fundador do Falun Gong, e um áudio player que ela usava para tocar a música de exercício do Falun Gong.

A Sra. Liu Hexiang, com cerca de 60 anos, que por acaso estava de visita à Sra. Yu na altura, também foi presa. A polícia procedeu ao saque da casa da Sra. Liu e confiscou os seus livros de Falun Gong, três impressoras, um computador e material de escritório.

Ambas as mulheres foram interrogadas durante 12 horas na estação de polícia de Kuaizixiang. A Sra. Yu foi libertada sob fiança por volta das 20h devido à sua idade avançada. A Sra. Liu foi levada para o Centro de Detenção nº 1 da Cidade de Nanchang.

As duas mulheres foram julgadas juntas pelo Tribunal Distrital de Xihu no dia 21 de dezembro de 2020. A Sra. Liu foi condenada a três anos de prisão e multada em 10.000 yuans. A Sra. Yu foi condenada a seis meses e multada em 2.000 yuans.

O advogado nomeado pelo tribunal levantou a questão da idade da Sra. Yu, sugerindo que ela não deveria ser levada sob custódia para cumprir pena de prisão. O juiz respondeu que tomaria uma decisão em 18 de janeiro de 2021.

A Sra. Liu foi agora levada para a Prisão de Mulheres da Província de Jiangxi. A Sra. Yu ainda está em casa, à espera da decisão do juiz.

Antes desse último incidente, a Sra. Yu foi presa várias vezes nas últimas duas décadas por ter falado com as pessoas sobre o Falun Gong.

No hospital, mulher paralítica de 80 anos é condenada à prisão por causa de sua fé

A Sra. Chen Guifen, de 80 anos, que desenvolveu problemas médicos após a sua detenção por praticar o Falun Gong, foi condenada na sua ala hospitalar em 17 de setembro de 2020.

A Sra. Chen, uma residente de Chongqing, foi detida por agentes da Divisão de Segurança Interna de Jiangjin. A polícia saqueou a sua casa, aparentemente porque ela foi gravada por uma câmera de vigilância enquanto distribuía materiais sobre o Falun Gong numa área residencial.

Ela sofreu um AVC e teve um bloqueio vascular cerebral que a paralisou de um lado do corpo. Foi julgada pelo Tribunal Distrital de Jiulongpo em 17 de setembro, enquanto ainda estava hospitalizada devido ao seu estado.

O pessoal do tribunal analisou as moções e anunciou o seu mandato de 1,5 anos pouco tempo depois. Todas as cinco testemunhas eram agentes da polícia envolvidos na detenção da Sra. Chen. A polícia também subtraiu cinco anos à sua idade, para que pudessem apresentar queixa contra ela.

Residente de Hubei é condenado a 12 anos de prisão

O Sr. Cheng Xiaobao, 65 anos, da cidade de Xiangyang, província de Hubei, foi condenado a 12 anos de prisão em maio de 2020 pelo Tribunal Distrital de Xiangzhou. A sentença foi proferida dois anos depois de ter sido preso e detido.

A família do Sr. Cheng regressou a casa em 18 de março de 2018, e viu a sua porta da frente aberta e o Sr. Cheng não foi encontrado em lugar nenhum. Demoraram mais de dois anos para descobrir que ele havia sido detido.

Souberam recentemente que estava num centro de detenção no distrito de Xiangzhou. Quando foram lá, souberam que o Sr. Cheng havia sido transferido para outro local em 27 de março de 2020, mas não receberam descrição do novo local. A família do Sr. Cheng ainda não sabe onde ele se encontra no momento da escrita desse artigo.

O Sr. Cheng foi anteriormente condenado a quatro anos na Prisão de Fanjiatai por ter praticado o Falun Gong. Ele foi espancado e tinha cortes e contusões por todo o corpo. Como se recusou a fazer o trabalho duro de fazer tijolos, os guardas empurraram-no para o forno de tijolos para queimá-lo. Depois arrastaram-no por aí e continuaram a bater nele. Repetiram essa tortura muitas vezes.

Após a última vez que queimaram e arrastaram o Sr. Cheng, os guardas enrolaram um carrinho carregado com mais de 500 quilos de tijolos sobre o seu tornozelo. Ele sofreu uma ferida aberta de quatro centímetros de comprimento e um centímetro de profundidade.

Cidade de Zunhua, província de Hebei: seis praticantes do Falun Gong idosos são sentenciados a prazos de 5 a 8 anos

Mais de 300 agentes da polícia foram mobilizados para reunir os praticantes do Falun Gong na cidade de Zunhua, província de Hebei, em 6 de julho de 2019. Um chefe de polícia revelou que tinha vigiado os celulares dos praticantes durante dois meses antes de fazer a mudança. Um total de 19 praticantes foram presos nesse dia.

Dos 19 praticantes, 12 foram julgados pelo tribunal da cidade de Zunhua em 17, 19 e 23 de dezembro de 2019, antes de serem secretamente condenados em 27 de novembro de 2020. Entre os condenados, seis tinham 65 anos ou mais.

A Sra. Tian Shuxue, 82 anos, foi condenada a cinco anos e seis meses de prisão e multada em 6.000 yuans.
A Sra. Zhang Qin, 78 anos, foi condenada a quatro anos e seis meses de prisão e multada em 5.000 yuans.
O Sr. Wang Jian, 70 anos, foi condenado a sete anos e seis meses de prisão e multado em 5.000 yuans.
A Sra. Wang Ruiling, 68 anos, foi condenada a 8 anos de prisão e multada em 10.000 yuans.
O Sr. Ma Kuo, 68 anos, foi condenado a cinco anos de prisão.
O Sr. Zhang Yuming, 65 anos, foi condenado a sete anos de prisão e multado em 6.000 yuans.

A Sra. Wang Ruiling e o seu marido, Sr. Ma Kuo, foram presos em casa por volta das 3h da manhã. A polícia saqueou a sua casa e confiscou os livros Falun Gong, um notebook, uma impressora, papel de impressão e todo o dinheiro que tinham em casa, incluindo o dinheiro no cofre.

O Sr. Wang Jian também foi preso por volta das 3h da manhã. Um grupo de agentes escalou a sua cerca e arrombou o cofre. O Sr. Wang e a sua esposa foram acordados por um cão latindo. A polícia levou imediatamente o Sr. Wang embora e depois saqueou a casa. Voltaram à tarde e saquearam de novo a casa.

O Sr. Zhang Yuming foi preso em 2 de julho por ter falado com as pessoas num mercado sobre o Falun Gong. Oito oficiais saquearam a sua casa e confiscaram os seus livros sobre o Falun Gong, uma foto do fundador do Falun Gong, vários celulares, dois computadores, uma impressora e papel de impressão.

Professora aposentada de 77 anos de idade é condenada pela terceira vez por causa de sua fé

A Sra. Guo Suling, uma professora aposentada de 77 anos de idade, foi condenada a três anos de pena suspensa em 25 de dezembro de 2020, por causa de sua fé no Falun Gong.

A Sra. Guo, da cidade de Linfen, província de Shanxi, foi presa em 4 de junho de 2020, depois de a polícia suspeitar que ela pendurasse faixas do Falun Gong nas árvores. A Procuradoria do Condado de Quwo acusou-a e submeteu o seu caso ao Tribunal do Condado de Quwo. O juiz concordou em libertá-la sob fiança. Foi libertada depois da sua família ter pago uma fiança de 20.000 yuans.

A Sra. Guo compareceu no tribunal em 29 de outubro e foi condenada a 25 de dezembro. Foi também multada em 5.000 yuans.

Antes do último mandato da Sra. Guo, já foi condenada duas vezes por praticar Falun Gong.

Mulher de Shandong sentenciada a quatro anos de prisão

Em 30 de Julho de 2020, a Sra. Zhou Yuxiang foi condenada a quatro anos de prisão por se recusar abdicar da sua fé no Falun Gong.

Sra. Zhou Yuxiang

O veredito chegou oito dias depois de ter sido julgada pelo Tribunal Distrital de Huangdao através de uma videoconferência. O advogado da Sra. Zhou Yuxiang apresentou uma declaração de inocência em seu nome e também testemunhou em sua própria defesa. A polícia patrulhou o exterior do Centro de Detenção de Pudong, onde decorria a audiência.

A Sra. Zhou costumava sofrer de dores fortes em todo o seu corpo que a impossibilitavam de trabalhar. Ela tomou o Falun Gong por recomendação de um amigo, e o seu estado foi-se embora. Estava muito grata e dizia frequentemente às pessoas: "O Mestre Li Hongzhi (o fundador do Falun Gong) deu-me uma segunda vida." Para além da sua saúde melhorada, ela conseguiu controlar o seu temperamento e a vida em casa tornou-se mais harmoniosa.

Casos de prisão

Praticantes idosos presos por terem estudado juntos os ensinamentos do Falun Gong

Na tarde de 11 de maio, um grupo de 20 agentes da polícia invadiu a casa da Sra. Hou Yuelan no condado de Liangshan, província de Shandong. A Sra. Hou, nos seus 70 anos, estudava livros de Falun Gong com sete outros praticantes, incluindo a Sra. Fan, nos seus 90 anos; a Sra. Qi Guie, nos seus 50 e a sua mãe, nos seus 80; a Sra. Li Xiangsheng, nos seus 70, a Sra. Wang Guirong, nos seus 50 e a Sra. Chen Qiuxiang, nos seus 50 anos. O nome de outra praticante é desconhecido.

Enquanto as oito praticantes eram libertadas por volta da 1h da manhã, a polícia convocou-os de volta à estação de polícia durante o dia, pilhou as suas casas e deteve-as até às 20h da noite.

Mulher de 85 anos presa pela sua fé, 250.000 yuans confiscados

A Sra. Zhao Xiqing, 85 anos, residente da cidade de Wuhan, província de Hubei foi presa e detida por um dia por causa de sua fé no Falun Gong

Dezenas de oficiais invadiram a casa da Sra. Zhao em 14 de julho de 2020, quando ela estava a estudando os ensinamentos do Falun Gong com sete outros praticantes, incluindo três na sua década de 80. A polícia saqueou a casa da Sra. Zhao e confiscou as suas poupanças de 250.000 yuans em dinheiro. Embora a Sra. Zhao tenha sido libertada no dia seguinte, a polícia recusou-se a devolver-lhe o dinheiro.

Enquanto tentava escapar à prisão, uma praticante saltou da janela do segundo andar da Sra. Zhao e partiu-lhe a perna. Ela foi tratada no hospital e levada para casa pela sua família por volta da meia-noite.

A Sra. Xiong Guiju, que acompanhou a família daquele praticante ao hospital, foi presa e teve a sua casa saqueada na manhã de 15 de julho. Foi rejeitada pelo centro de detenção local devido à sua tensão arterial elevada e foi libertada na noite de 17 de julho.

Todos os outros praticantes detidos na casa da Sra. Zhao foram libertados a partir de 20 de julho.

Veterano do exército de 83 anos é preso por causa de sua fé

O Sr. Zhang Jingshuang, de 83 anos, um veterano do exército na cidade de Shenyang, província de Liaoning, foi preso no Centro de Idosos de Shashan na tarde de 24 de abril de 2020, depois de ter sido denunciado por ter falado às pessoas sobre o Falun Gong no parque. Ele foi libertado no mesmo dia.

Mulher de 79 anos é presa por falar com as pessoas sobre o Falun Gong

A Sra. Li Wenfang, de 79 anos, do distrito de Shuangliu, cidade de Chengdu, província de Sichuan, foi detida por agentes da estação de polícia da cidade de Dongsheng enquanto distribuía publicações semanais (uma edição especial sobre a pandemia do coronavírus) e falava às pessoas sobre o Falun Gong em 5 de julho de 2020.

Os oficiais confiscaram as publicações, algumas lembranças do Falun Gong, e notas bancárias com informações sobre o Falun Gong impressas nelas.

A Sra. Li foi libertada depois das 21h e foi-lhe pega pelo seu filho.

Mulher idosa de Jilin foi espancada duas vezes pela polícia

A Sra. Wang Xiangju (na casa dos 80), a Sra. Zhang Yueying (na casa dos 50), o Sr. Wang, a Sra. Liu, e os seus familiares foram detidos por agentes da Divisão de Segurança Interna da Cidade de Dunhua, na cidade de Dunhua, província de Jilin, a 15 de julho de 2020.

A Sra. Wang foi esbofeteada duas vezes pela polícia na esquadra de polícia. A sua casa foi saqueada e os seus livros e material impresso do Falun Dafa foram confiscados. A Sra. Zhang foi também espancada pela polícia. A sua casa foi saqueada e os seus cartões informativos do Falun Gong foram confiscados. Os praticantes foram libertados devido à pandemia.

Casos de assédio

Homem de 91 anos assediado pela polícia pela sua fé

O Sr. You Jun, um residente de 91 anos da cidade de Guiyang, província de Guizhou, foi molestado por oficiais no dia 12 de maio de 2020. A polícia confiscou a sua impressora e mandou duas pessoas ficarem fora do seu edifício de apartamentos para o vigiarem depois.

Mulher de 81 anos forçada a viver longe de casa para evitar ser presa

A Sra. Yu (primeiro nome desconhecido), 81, da cidade de Fushun, província de Liaoning, foi detida a 2 de abril de 2020, depois de ter sido denunciada por ter falado às pessoas sobre o Falun Gong. Foi levada para a estação de polícia de Gebu e forçada a recolher as impressões digitais do registro de interrogatório.

A polícia saqueou a casa da Sra. Yu naquela tarde e confiscou os livros e outros materiais do Falun Gong. Depois trouxeram-na de volta para a estação e interrogaram-na durante mais algumas horas antes de a deixarem ir por volta das 22h.

A polícia ordenou à Sra. Yu que se apresentasse na estação de polícia no dia seguinte. Preocupada com a possibilidade de ser novamente presa, desde então escondeu-se.

A polícia tira sangue à força de um praticante do Falun Gong de 70 anos e ameaça "eliminar todos vocês"

A Sra. Shen Fan, uma praticante do Falun Gong de 70 anos em Xangai, teve a sua casa arrombada e uma amostra de sangue retirada à força pela polícia em 2 de agosto de 2020.

Nos últimos anos, muitos praticantes em todo o país tiveram amostras de sangue recolhidas à força pelas autoridades, provavelmente para um banco de DNA maciço e uma base de dados de compatibilidade de órgãos.

Quatro agentes bateram em casa da Sra. Shen na manhã de 2 de agosto. Quando ela se recusou a abrir a porta, chamaram um serralheiro e abriram a porta à força.

Os quatro agentes seguraram a Sra. Shen no chão e agarraram o braço dela para tirar sangue. A Sra. Shen resistiu e perguntou por que estavam fazendo isso. Um oficial respondeu: "Isso é uma política nacional!"

Outro oficial gritou à Sra. Shen, enquanto cobria o seu distintivo de polícia: "Não vamos seguir a lei e vamos eliminar todos vocês!"

Os agentes injetaram várias seringas nos braços da Sra. Shen enquanto tentavam tirar sangue. Saíram depois de finalmente recolherem uma amostra de sangue.

Relatórios relacionados:

622 praticantes do Falun Gong na China, são condenados por causa de sua fé em 2020

15.235 praticantes no ano de 2020 são alvos por causa da crença no Falun Gong