Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Residente de Heilongjiang desenvolve câncer enquanto estava sob custódia e morre meses após ser libertada

3 de Agosto de 2022 |   Por um correspondente do Minghui na província de Heilongjiang, China

(Minghui.org)

Nome: Yan Jinxia
Nome chinês: 闫金霞
Gênero: feminino
Idade: 59
Cidade: Harbin
Província: Heilongjiang
Ocupação: Agricultor
Data do Falecimento: 17 de janeiro de 2022
Data da prisão mais recente: 22 de setembro de 2020
Local de detenção mais recente: Centro de Detenção de Harbin No.2

Uma praticante da cidade de Harbin, província de Heilongjiang, desenvolveu câncer uterino enquanto estava detida por causa da sua fé no Falun Gong. Sua condição continuou a piorar depois que ela foi libertada. Ela faleceu em 17 de janeiro de 2022 aos 59 anos.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma disciplina espiritual que vem sendo perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

A Sra. Yan Jinxia foi presa na noite de 22 de setembro de 2020, como parte da campanha de assédio “Zerar” que estava ocorrendo o país em 2020. Todos os praticantes do Falun Gong na lista negra do governo foram perseguidos e ordenados a renunciar à sua fé.

Em uma operação liderada por Hao Weifu, vice-secretário do Comitê de Assuntos Jurídicos e Políticos da Província de Heilongjiang, as autoridades de Harbin prenderam mais de 20 praticantes do Falun Gong de uma lista em 22 de setembro, incluindo a Sra. Yan, que foi detida por oficiais da Delegacia de Polícia de Youzheng.

A Sra. Yan foi detida pela primeira vez no Centro de Detenção No.4 da cidade de Harbin. Quando ela se recusou a recitar as regras do centro de detenção ou escrever uma declaração para renunciar ao Falun Gong, as autoridades a transferiram para o Centro de Detenção Nº 2 da cidade de Harbin. Os guardas de lá a obrigaram a se sentar em um banquinho por longas horas e a expuseram a baixas temperaturas, o que a levou a ter sangramento vaginal excessivo. Os guardas não lhe deram nenhum atendimento médico até que sua família os pagasse primeiro. Embora ela tenha sido diagnosticada com câncer uterino em estágio avançado, os guardas se recusaram a liberá-la e continuaram a pressioná-la a escrever declarações para renunciar ao Falun Gong.

Apesar de sua condição, a Sra. Yan foi posteriormente julgada no centro de detenção e sentenciada a seis meses. Ela foi libertada depois de cumprir a sentença completa.

A condição da Sra. Yan continuou a piorar depois que ela voltou para casa. Embora sua família a tenha levado ao hospital, o médico disse que não havia como ajuda-lá. Ela faleceu em menos de um ano, em 17 de janeiro de 2022.

Perseguição anterior da Sra. Yan

A Sra. Yan assumiu o Falun Gong no início de 1996 e atribuiu à prática a cura de sua rinite, úlcera gástrica e pressão arterial baixa. Ela tinha um filho e uma filha. Ela e seu marido trabalharam duro para sustentar seus filhos para que eles pudessem frequentar a faculdade.

A vida pacífica da família foi virada de cabeça para baixo quando o regime comunista ordenou a perseguição em 1999. Por manter sua fé, a Sra. Yan enfrentou constante assédio por parte das autoridades.

O secretário local do Partido, Du Zhanchen, e seu motorista, Sun Jinjiu, levaram a Sra. Yan à delegacia em 1º de fevereiro de 2000, quando ela voltava das compras de supermercado e ordenou que ela escrevesse uma declaração para renunciar ao Falun Gong. Eles ameaçaram levá-la ao centro de lavagem cerebral se ela não obedecesse.

As autoridades detiveram a Sra. Yan e outros praticantes no escritório da vila no final de junho de 2001 para impedi-los de ir a Pequim em 1º de julho (o aniversário da fundação do Partido Comunista Chinês) para apelar pelo Falun Gong. Seu marido, que não praticava o Falun Gong, também enfrentou grande pressão da perseguição.

Enquanto estava a caminho de um hospital para visitar um parente em 14 de novembro de 2012, a Sra. Yan distribuiu DVDs com informações sobre o Falun Gong. Ela entregou um a Zhang Xumin, um oficial do Escritório de Segurança Doméstica do Distrito de Nangang. Zhang a deteve e chamou mais policiais, resultando em sua prisão.

A delegacia acabou entregando o caso da Sra. Yan ao Gabinete de Segurança Doméstica, que atribuiu o caso ao policial que a prendeu, Zhang. A família de Yan gastou 7.000 yuans tentando libertá-la mais cedo por meio de suas conexões, mas sem sucesso.

No centro de detenção, como a Sra. Yan se recusou a usar o uniforme de detenta, ela foi impedida de receber visitas familiares. Oito dias depois, sem o devido processo, o Gabinete de Segurança Doméstica entregou-lhe uma sentença de campo de trabalho.

Reencenação da tortura: Choques com bastões elétricos

No Campo de Trabalho Forçado de Qianjin, os guardas deram choques em suas mãos, orelhas e costas com bastões elétricos quando ela se recusou a escrever declarações para renunciar ao Falun Gong. Eles também a esbofetearam no rosto, chutaram-na e a forçaram a se sentar em um banquinho sem se mexer. Ela foi transferida para a segunda enfermaria em 29 de novembro de 2012 e forçada a fazer trabalho não remunerado.

Reencenação da tortura: sentada em um banquinho sem se mover por horas

Semelhante aos Gulags na União Soviética, os campos de trabalhos forçados chineses também foram usados para deter intelectuais e dissidentes. Com o início da perseguição ao Falun Gong em 1999, o governo renovou e expandiu os campos de trabalho para perseguir os praticantes.

O Campo de Trabalhos Forçados de Qianjin era anteriormente conhecido como Campo de Trabalhos Forçados de Wanjia, que se tornou temido e foi condenado pela comunidade internacional por sua cruel perseguição aos praticantes do Falun Gong. Embora as autoridades tenham mudado de nome, o campo continuou a cumprir sua missão de perseguir os praticantes.

No campo de trabalho, dois internos geralmente eram designados para monitorar um praticante. Os praticantes foram submetidos a tortura física de longo prazo e tormento mental e forçados a fazer trabalhos não remunerados, como fazer pauzinhos, trançar assentos de carro e tapetes e colar contas. Os guardas ordenavam constantemente que recitassem as regras do campo de trabalho e escrevessem relatórios de pensamento para melhorar os resultados da lavagem cerebral. A quantidade de praticantes que foram forçados a desistir de sua fé estava intimamente relacionado à classificação anual de desempenho e aos bônus de cada departamento.

Os praticantes foram espancados, agredidos verbalmente, eletrocutados com bastões elétricos, privados de sono, colocados em pé e sentados por longas horas, encharcados com água fria no inverno, não autorizados a tomar banho e negados o uso do banheiro.

Embora o sistema de campos de trabalho tenha sido abolido em julho de 2013 devido ao escrutínio internacional e a Sra. Yan tenha sido libertada, a perseguição continuou, o que acabou tirando sua vida.

Todo o conteúdo publicado neste site é protegido por direitos autorais do Minghui.org. O Minghui produzirá compilações de seu conteúdo online regularmente e em ocasiões especiais.