Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Peru e Finlândia: Eventos realizados para comemorar o apelo de 25 de abril e pedir o fim da perseguição

21 de Maio de 2022 |  

(Minghui.org) Todos os anos, praticantes do Falun Dafa em todo o mundo realizam exercícios em grupo, eventos, vigílias à luz de velas e outras atividades para comemorar o apelo de 25 de abril. Eles também pedem ao mundo que ajude a acabar com a perseguição do Partido Comunista Chinês (PCC) aos praticantes na China. Praticantes no Peru e na Finlândia realizaram eventos para comemorar o apelo pacífico que ocorreu em Pequim há 23 anos.

Praticantes realizam um protesto pacífico em frente à Embaixada da China na Finlândia em 25 de abril.

Conscientização no Peru

Na tarde de 23 de abril de 2022, praticantes no Peru fizeram os exercícios no parque El Parque Alfonso Ugarte, em frente à Embaixada da China em Lima, capital. Naquela noite eles fizeram uma vigília à luz de velas.

Prática em grupo no parque El Parque Alfonso Ugarte em frente à Embaixada da China em 23 de abril

Vigília à luz de velas no Peru em 23 de abril para homenagear os praticantes na China que morreram na perseguição do PCC nos últimos 23 anos

Em frente à Embaixada da China na noite de 23 de abril, praticantes no Peru pedem o fim da perseguição do PCC.

Contexto: O que é o apelo de 25 de abril?

O Falun Dafa (também conhecido como Falun Gong) foi apresentado ao público pela primeira vez pelo Sr. Li Hongzhi em Changchun, China, em 1992. A disciplina espiritual é agora praticada em mais de 100 países e regiões do mundo. Milhões de pessoas que abraçaram os ensinamentos, que são baseados nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância, e aprenderam os cinco exercícios suaves, experimentaram saúde e bem-estar elevados.

Em 23 e 24 de abril de 1999, policiais em Tianjin, uma cidade perto de Pequim, agrediram e prenderam dezenas de praticantes que se reuniram em frente ao escritório de uma revista para discutir erros em um artigo recentemente publicado atacando o Falun Dafa. À medida que se espalhava a notícia das prisões e mais praticantes consultavam as autoridades, eles foram informados de que deveriam levar seus apelos a Pequim.

No dia seguinte, 25 de abril, cerca de 10.000 praticantes do Falun Dafa se reuniram espontaneamente no Gabinete Central de Apelações em Pequim, conforme instruídos por oficiais de Tianjin. A reunião foi pacífica e ordenada. Vários representantes do Falun Dafa foram chamados para se reunir com o primeiro-ministro chinês, Zhu Rongji, e membros de sua equipe. Naquela noite, as questões dos praticantes foram respondidas. Os praticantes presos em Tianjin foram libertados e todos foram para casa.

Jiang Zemin, ex-chefe do PCC, percebeu a crescente popularidade da disciplina espiritual como uma ameaça à ideologia ateísta do PCC e emitiu uma ordem para banir o Falun Dafa em 20 de julho de 1999.

O Minghui.org confirmou a morte de milhares de praticantes devido à perseguição ao longo dos anos, mas devido à dificuldade em obter informações da China, suspeita-se que o número real seja muito maior. Muitos outros foram presos e torturados por sua fé.

Há evidências concretas de que o PCC sanciona a extração forçada de órgãos de praticantes detidos, que são assassinados para abastecer a indústria de transplante de órgãos.