Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

O momento mais feliz da minha vida

26 de Maio de 2021 |   Por Xi Yuan, um membro da marinha chinesa

(Minghui.org) O momento mais feliz da minha vida ocorreu há mais de 22 anos, quando tive a sorte de conhecer o Mestre Li Hongzhi, o fundador do Falun Dafa, pessoalmente.

Era um dia claro e com brisa, em 30 de dezembro de 1998. Eu pratiquei os cinco exercícios do Falun Dafa com outros praticantes, como de costume, das 5 às 7 da manhã no ginásio da academia militar onde lecionava. Depois disso, estudamos os ensinamentos do Falun Dafa juntos em um prédio diferente. Pouco antes das 8h, minha mãe, de repente, entrou correndo (eu não tinha um telefone celular na época) e me disse para ligar para um colega praticante imediatamente. Eu disquei o número e uma voz animada do outro lado disse: “O Mestre está aqui! Venha para minha casa rapidamente!”

“Ah! O Mestre está aqui!”. Voei do quinto andar para o primeiro e corri para o portão. A escola está localizada na periferia da cidade, na base da Montanha Sul e é um campus fechado. Veículos motorizados são estritamente proibidos perto da entrada, mas, quando cheguei ao portão, um táxi estava deixando um passageiro. Era como se o táxi estivesse esperando por mim. Peguei o táxi e cheguei à casa do colega praticante no menor tempo possível.

Eu fui direto para cima quando cheguei lá. Na sala de estar do segundo andar, vi nosso compassivo Mestre sentado no sofá. Cerca de 70 a 80 praticantes da nossa área, enchendo a varanda e outras salas, também estavam lá, ouvindo o Mestre ensinar. Cumprimentei o Mestre e sentei-me no lugar reservado para mim, com apenas uma mesa de centro entre nós.

Eu não pude deixar de olhar para o Mestre. Fiquei tão animado que mal me lembrei do que ele disse. Eu vi muitos colegas praticantes chorando.

O mais impressionante foi que o Mestre apontou para cima com o dedo indicador esquerdo e colocou a palma direita sobre o dedo, explicando-nos o que é “céu” e quais são as outras dimensões. Eu costumava ouvir praticantes falando sobre as coisas milagrosas que eles viam em outras dimensões, mas eu não conseguia ver nada e não entendia do que eles estavam falando. Mas, no momento em que o Mestre ergueu o dedo indicador, senti a existência de outra dimensão, a vastidão do cosmos, a profundidade do universo e a profundidade do Falun Dafa. Minha visão de mundo, da vida e dos valores mudaram fundamentalmente.

O Mestre perguntou se alguém tinha alguma dúvida. Antes da reunião, eu tinha muitas perguntas que frequentemente discutia com outros praticantes. Mas, naquele momento, meu cérebro ficou em branco e não consegui pensar em nenhuma. Pensei tanto sobre que pergunta fazer que perdi as primeiras perguntas que outros praticantes fizeram.

Então, por um momento, a sala ficou em silêncio e todos olharam para mim. Eu criei coragem e gaguejei uma pergunta. Não me lembro exatamente do que disse, mas a ideia geral era que, como praticante, muitas vezes citei o conteúdo do Dafa quando estava dando aulas ou fazendo uma chamada telefônica, mas não podia dizer que a citação era do Mestre. Eu me perguntei se o que eu fiz estava correto.

O Mestre apontou para o fundo (na direção da minha escola militar) e disse que sempre era bom orientar e educar as pessoas de maneira positiva e boa.

O Mestre falou das 7h às 14h sem fazer uma pausa nem tomar um gole de água. E soube que ele estava indo para outra cidade à tarde. Quando chegou a hora de o Mestre ir embora, todos nós o seguimos, relutantes em vê-lo partir. Queríamos ir com ele para vê-lo partir. O assistente do local de prática local pediu aos soldados uniformizados que mandassem o Mestre embora. Fiz uma contagem rápida e vi que havia cerca de duas dúzias de militares, incluindo os do Exército, Marinha e Força Aérea, metade dos quais usava uniforme.

Fiquei sabendo que o Mestre viajaria em uma van e pensei em como poderia encontrar um assento perto dele. Procurei por ele e vi um grupo de pessoas conversando na parte de trás da van. Achei que o Mestre devia estar entre eles, então mantive meus olhos neles enquanto me sentei na segunda fila. A última praticante a entrar na van foi uma capitã da Marinha uniformizada. Mas a van estava quase cheia, então me movi para a esquerda para abrir espaço para ela. O praticante na frente sinalizou para eu não apertar o Mestre. Só então percebi que estava sentado bem ao lado dele!

O Mestre se aproximou da janela e disse: “Tudo bem; sente-se". Nesse ponto, percebi por que todos haviam se sentado o mais apertados que podiam. Eles queriam deixar mais espaço para o Mestre para que ele pudesse descansar, mas eu só pensava em mim. Eu vi a brecha de caráter entre mim e outros praticantes.

Era estranho que muitas vezes eu sonhasse em ver o Mestre, mas quando estava sentado ao lado dele, não ousei olhar para ele. Todos os tipos de apegos e carma de pensamento encheram minha mente. Eu pensei: “Tenho tantos apegos que agora estão sendo expostos ao Mestre”. E eu me preocupei com alguns buracos na placa de classificação em meu uniforme, o que poderia ter me feito parecer desleixado. Eu não queria que o Mestre visse.

Ao longo da viagem, o Mestre sempre sorria e falava compassivamente com os outros praticantes. Fiquei tão nervoso que não me lembro de uma palavra do que eles disseram. Eu estava tentando descobrir como saudar o Mestre quando descemos da van. Em 20 minutos, estávamos em nosso destino. O Mestre saiu da van e apertou a mão de cada um de nós para se despedir.

Eu estava com medo de que o Mestre perdesse minha vez, então o segui de perto. Sempre que ele apertava a mão de um praticante, eu me movia atrás desse praticante e esperava. Mas antes que fosse minha vez, o Mestre se virou. Então mudei para outra fila. Como se o Mestre soubesse o que eu estava pensando, ele mudou de direção quatro vezes e apertou a mão de todos os outros praticantes, exceto a minha. Quando ele estava prestes a embarcar em um carro para ir para a outra cidade, não pude deixar de gritar: "Mestre!"

O Mestre se virou e disse: "Ainda há um sobrando". Eu me aproximei e segurei a mão do Mestre com força. Um calor surgiu em meu coração e realmente senti que esse foi o momento mais feliz, inesquecível e precioso da minha vida. O Mestre deu um tapinha na minha mão e disse: "Cuide disso!" (Eu estava tão feliz e também nervoso que não tenho certeza se essas foram suas palavras exatas, mas quando me lembrei desse momento depois, senti que foi o que o Mestre me disse.)

Quando o Mestre entrou no carro, todos nós nos alinhamos em formação e batemos continência até que o carro sumisse de vista. Naquele momento, fui dominado pela emoção. Gritei do fundo do meu coração e na voz mais alta que já expressei: "Mestre, não me deixe para trás! Eu quero ir para casa com você!”

22 anos se passaram e as cenas daquele dia permanecem vivas na minha mente. Durante meus 26 anos como cultivador do Falun Dafa, senti o incentivo do Mestre o tempo todo. A fim de seguir o Mestre e retornar ao meu lar original, devo seguir firmemente os requisitos do Mestre e do Dafa, fazer bem as três coisas e me assimilar a Verdade, Compaixão e Tolerância em todas as circunstâncias e em todos os momentos. Não existem atalhos no cultivo.

Obrigado, Mestre compassivo! Obrigado, companheiros praticantes!

Todos os artigos, gráficos e conteúdo publicado no Minghui.org são protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer a atribuição do título do artigo e um link para o artigo original.