Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

A morte súbita do ex-prefeito de Xangai e sua perseguição ao Falun Gong

26 de Maio de 2021 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) No dia 12 de abril, Yang Xiong, o ex-prefeito e vice-secretário do PCC, morreu subitamente aos 68 anos. Pessoas que o conheciam bem suspeitam que sua morte prematura possa ser uma retribuição cármica, por seu envolvimento na perseguição ao Falun Gong.

Yang nasceu em novembro de 1953 em Hangzhou, província de Zhejiang. Tornou-se vice-secretário-geral de Xangai em fevereiro de 2001, antes de se tornar vice-prefeito de Xangai em fevereiro de 2003. Entre dezembro de 2012 e fevereiro de 2017, foi prefeito e vice-secretario do Partido em Xangai. Depois disso, foi funcionário do Congresso Nacional do Povo e da Conferência Consultiva Política Popular da China.

Depois que o ex-líder do Partido Comunista Chinês (PCC) Jiang Zemin lançou uma campanha nacional contra o Falun Gong em 1999, muitos oficiais do PCC em toda a China participaram da perseguição, incluindo Yang Xiong em Xangai, um reduto do regime de Jiang. Yang era ativo na perseguição, mesmo nos tempos quando era secretário-geral adjunto da cidade.

Pelo menos dois praticantes de Xangai morreram quando Yang era prefeito

Um grande número de praticantes em Xangai foi colocado em campos de trabalho forçado, quando Yang era prefeito de Xangai. Guardas e presidiários que torturaram praticantes disseram que receberam de funcionários superiores uma quota para mortes de 5%. Mesmo se os praticantes fossem espancados até à morte, os perpetradores não seriam responsabilizados.

Em 15 de outubro de 2003, o Sr. Lu Xingguo do Distrito de Pudong foi torturado até à morte no Terceiro Campo de trabalho de Qingpu. A Agência 610 enviou mais de 60 policiais para vigiar o velório quando o corpo foi cremado. Uma testemunha que viu o corpo disse que o rosto do Sr. Lu estava deformado, com lábios e dentes faltando. Havia rugas perto das suas orelhas, estava com o cabelo arrepiado e tinha sangue no pescoço. Havia também muitas marcas de choque elétrico em seu corpo.

Outra praticante, a Sra. Gu Jianmin, era também de Pudong. Agentes da Agência 610 do Distrito de Pudong a prenderam no dia 1 de março de 2008, e a mantiveram no Centro de Detenção do Novo Distrito de Pudong. Foi torturada até morrer dentro de 12 dias aos 53 anos.

Muitos praticantes foram condenados quando Yang era Prefeito

Depois que Yang tornou-se prefeito e vice-secretário do Partido em Xangai, no final de 2012, ele continuou com a política de perseguição, muitos praticantes que foram presos tiveram confiscados seus pertences pessoais e objetos de valor. Foram mantidos em centros de detenção, centros de lavagem cerebral e prisões. Após a abolição do sistema dos campos de trabalho em 2013, a prisão se tornou mais comum na perseguição.

Por exemplo, os seguintes praticantes foram condenados apenas no primeiro semestre de 2013: Sr. Zhang Yi (4 anos e 5 meses), Sra. Hu Zhongtian (3 anos e 5 meses), Sra. Yuan Hongying (3 anos e 5 meses), Sra. Rong Huijun (4 anos), Sra. Li Meizhen (4 anos), Sra. Gao Qinmei (4 anos), Sra. Tong Xiaodi (sentença desconhecida), Sr. Zhou Chenghao (4 anos), Sra. Zhou Huijuan (irmã mais velha de Chenghao, 3 anos e 5 meses), Sra. Bai Gendi (6 anos e 5 meses), Sra. Yao Yuhua (6 anos), e Sra. Zhou Shumei (4 anos).

Detenção ilegal e lavagem cerebral no Centro de Lavagem Cerebral

Em janeiro de 2001, em Xangai, foi inaugurado o Centro de Educação Legal, uma instalação para lavagem cerebral. Localizado no distrito de Qingpu, tinha a estrutura de uma prisão, onde os praticantes do Falun Gong eram mantidos 24 horas por dia para lavagem cerebral.

Na chegada, todos os praticantes eram revistados e tinham seus pertences inspecionados. Cada praticante era detido com dois membros da equipe designados para vigia-lo e fazer a lavagem cerebral. Não tinha liberdade física, pois cada praticante só tinha permissão para permanecer em uma sala com cerca de 15 metros quadrados. A porta do banheiro também foi removida, não era permitida qualquer privacidade. Os praticantes não estavam autorizados a interagir com ninguém. Nenhuma visita familiar ou chamada telefônica para família era permitida.

O centro de lavagem cerebral visava forçar os praticantes a desistirem de sua crença. Se eles se recusassem, a detenção continuaria, novamente em nome da "educação". Se ainda assim eles se recusassem a ceder após alguns meses, prosseguiriam com medidas mais severas. Muitos praticantes foram enviados para campos de trabalho forçado, após a detenção no centro de lavagem cerebral.

Cada sessão de lavagem cerebral custava muito dinheiro. O financiamento vinha de duas fontes: fundos de apropriação do governo local e do governo central, assim como as taxas que os empregadores dos praticantes detidos foram obrigados a pagar.

De acordo com informações do Minghui, cerca de 30 praticantes de Xangai perderam suas vidas, devido à perseguição a partir do final de 2020. São eles: Bai Gendi, Cao Guoxin, Cao Jinxian, Chen Boying, Chen Jun, Chen Laidi, Ding Youmu, Ge Wenxin, Gu Jianmin, Huang Qiaolan, Li Baifan, Li Jianbin, Li Limao, Li Weihong, Li Yuqin, Lu Airong, Lu Xingguo, Ma Dongquan, Ma Xinxing, Qing Dehui, Weng Ping, Xie Xiantai, Xu Peizhen, Yang Xueqin, Zhang Baoqing, Zhang Zhiyun, Zhao Bin, Zhao Yunkai, Zhou Yuntian, e Zhou Zhaolian.

Seguindo os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância, os praticantes do Falun Gong se tornaram melhores com suas famílias, funcionários mais responsáveis no trabalho e melhores cidadãos. Ao perseguirem praticantes inocentes, os policiais não só desencorajam as pessoas de serem boas, como também arriscam seu futuro, quando chegar a hora de serem responsabilizados por seus crimes contra praticantes inocentes.

Esperamos sinceramente que todos os perpetradores parem de participar da perseguição e sigam sua consciência, para garantir um futuro melhor para si próprios e para a humanidade.

Todos os artigos, gráficos e conteúdos publicados no Minghui.org estão protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer atribuição do título do artigo e um link para o artigo original.