Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

​Professora de jardim de infância é submetida a lavagem cerebral, forçada a tomar drogas e assediada constantemente por causa da sua fé

17 de Maio de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na China

(Minghui.org) A Sra. Huang Shiqun, uma respeitável professora de jardim de infância na cidade de Wuhan, província de Hubei, foi detida em dezembro de 2017, ao falar com uma pessoa sobre a perseguição do Partido Comunista Chinês à sua crença, Falun Gong, uma prática para o corpo e mente baseada nos princípios Verdade, Compaixão e Tolerância.

O diretor do jardim de infância, Yuan Mang, cooperou com a polícia local e enviou a Sra. Huang para um centro de lavagem cerebral, onde foi torturada e drogada como parte das tentativas das autoridades para forçá-la a renunciar à sua fé.

De uma mulher extrovertida, a Sra. Huang passou a ser deprimida e intolerante. A sua visão, audição e raciocínio também se enfraqueceram. Debilitada, ela ficava em sua cama o dia todo, sofrendo impotente.

Por volta do Ano Novo Chinês de 2021, em 12 de fevereiro, a Sra. Huang foi novamente assediada por funcionários inúmeras vezes. A sua família também foi repetidamente interrogada e ameaçada pelo Departamento de Organização da Província de Hubei.

Uma professora bondosa

A Sra. Huang é professora das Agências Governamentais de Hubei, terceiro jardim de infância, uma escola gerida pelo governo. Depois de ter começado a praticar o Falun Gong em 1996, esforçou-se para seguir os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância, tanto no trabalho como na sua vida quotidiana. Como resultado, foi respeitada pela sua bondade, mente aberta e ética de trabalho.

Sra. Huang Shiqun no trabalho

Depois de o ex-líder do Partido Comunista Chinês (PCC) Jiang Zemin ter lançado a perseguição ao Falun Gong em julho de 1999, a Sra. Huang manteve-se firme em sua crença e continuou a falar a todos, incluindo crianças em sua escola, para serem honestos e bons cidadãos. Contudo, devido à sua crença, os pais de uma criança a denunciaram à polícia. O seu patrão rebaixou-a de professora de turma para membro do pessoal de apoio e reduziu o seu salário.

Esse revés não abalou a crença da Sra. Huang. Ela continuou a tratar bem os outros, incluindo os pais que a denunciaram à polícia. "Eles foram enganados pela propaganda de ódio do PCC, por isso também são vítimas desta tragédia", disse ela uma vez.

Embora os seus colegas aceitassem frequentemente dinheiro como presente dos pais em troca de atenção especial aos seus filhos, a Sra. Huang sempre recusou os presentes, realizando bem o seu trabalho e tratando todas as crianças da mesma maneira.

Além de cuidar bem dos seus pais e cuidar do seu filho, a Sra. Huang também ajudava seus familiares o máximo que podia. Por causa da saúde precária da sua irmã mais velha, a Sra. Huang cuidou da sua sobrinha de dois anos de idade até ao casamento. Quando o sobrinho do seu marido ficou sem seus pais, seu pai havia sido hospitalizado e a sua mãe morreu em um acidente, a Sra. Huang acolheu a criança. As notas da criança na escola melhoraram, assim como a sua personalidade.

Lavagem cerebral e administração forçada de drogas

Em 26 de dezembro de 2017, quando a Sra. Huang contou a um pedestre sobre o Falun Gong, alguém gravou em vídeo e a denunciou à polícia. Agentes da delegacia de polícia de Shuiguohu a prenderam e a levaram para o Primeiro Centro de Detenção de Wuhan no mesmo dia. Embora a sua família tenha sido informada de que seria libertada dez dias depois, a polícia a levou diretamente ao Centro de Educação Legal do Distrito de Qiaokou no 10º dia.

O Centro de Educação Legal do Distrito de Qiaokou é também conhecido como Centro de Lavagem Cerebral de Qiaokou e Centro de Lavagem Cerebral de Etouwan.

De acordo com informações internas, funcionários superiores tinham ameaçado cancelar o bônus de fim de ano do jardim de infância após a detenção da Sra. Huang. Yuan Mang, diretor da escola, prometeu discipliná-la e cooperou com a polícia para a enviar ao centro de lavagem cerebral.

Durante operíodo de um mês nas instalações, o peso da Sra. Huang diminuiu em 15 quilos. Ela também desenvolveu sintomas físicos e problemas do sistema nervoso, semelhantes aos experimentados por outros praticantes do Falun Gong a quem tinham sido administrados medicamentos desconhecidos. A administração forçada de drogas tinha sido relatada inúmeras vezes anteriormente nas instalações.

No seu quinto dia nas instalações, ela subitamente sofreu de ansiedade e pânico, com tremores incontroláveis, dificuldade para respirar, boca seca e batimentos cardíacos rápidos. Tinha insônia e sentia que não conseguia se controlar. No entanto, os guardas e detentas reclusos ainda tentavam forçá-la a desistir da sua crença e a contar a outros praticantes.

Pelo menos três detentas participaram em sua lavagem cerebral: uma pessoa com o apelido Huang assumiu a liderança, enquanto outras duas (incluindo uma de apelido Wang) foram designadas para vigiá-la o tempo todo.

Depois que a Sra. Huang voltou para casa, os seus sintomas não melhoraram; em vez disso, pioraram ainda mais. Ela tinha dores extremas em todo o seu corpo, das células aos ossos. Vermelhidão, pontos quentes e hematomas desconhecidos apareciam frequentemente em seu corpo. Com frequência, ela tinha ataques de pânico sem razão aparente, também tinha medo da luz e do som. Apesar do seu cansaço, não conseguia adormecer e até tinha dificuldade para se sentar. Como resultado, ela tinha que caminhar durante toda a noite. O seu temperamento mudou drasticamente, a depressão e a irritabilidade fizeram-na parecer como uma doente mental.

No início de novembro de 2018, a Sra. Huang foi enviada para o departamento psiquiátrico do Hospital da Estrada Ziyang. Um médico observou uma degeneração do sistema nervoso em seu cérebro.

Desde a sua alta do hospital, a Sra. Huang tem contado com ajuda psiquiátrica e os comprimidos para dormir e se acalmar. Com visão, audição e pensamento debilitados, ela é incapaz de tomar conta de si própria ou de sair. Como resultado, ela somente fica na cama, sofrendo o dia todo.

Crimes nos centros de lavagem cerebral em Hubei

A experiência da Sra. Huang não é a única. Existem várias instalações de lavagem cerebral semelhantes na cidade de Wuhan e na província de Hubei. Só em Wuhan, existem mais de 60 instalações deste tipo geridas por agências governamentais de vários níveis, empresas estatais, empresas privadas, faculdades, hospitais, hotéis e outros. Entre elas, o Centro de Lavagem Cerebral de Qiaokou é o mais antigo.

Publicamente rotulados como centros de educação legal, estes centros de lavagem cerebral foram criados sob ordens da Agência 610, uma entidade extralegal de âmbito nacional criada pela liderança central do Partido Comunista especificamente para executar a perseguição ao Falun Gong.

Ilustração da tortura: algemar atrás das costas

O principal objetivo destes centros de lavagem cerebral é forçar os praticantes a renunciarem à sua crença em um processo chamado "transformação". Quando os praticantes se recusam a ceder, os guardas e os detentos revezam-se para torturá-los dia e noite. Isto inclui a privação do sono durante vários dias, são forçados a permanecerem em pé por longos períodos de tempo, sofrem humilhações, espancamentos, isolamento, são pendurados pelos pulsos e são forçados a tomarem drogas.

Alguns praticantes detidos no Centro de Lavagem Cerebral do Distrito de Qiaokou tinham notado um gosto suspeito na comida a qual havia sido adulterada com drogas. Quando os praticantes estavam semiconscientes, muitas vezes os guardas e detentos forçava-os a renunciarem à sua crença. Para os praticantes que recusam a "transformação", muitas vezes, a Agência 610 obriga seus empregadores a reterem os salários ou rescindirem os empregos dos praticantes. Também foi extorquido dinheiro das famílias dos praticantes e dos empregadores em nome da cobertura dos custos dos centros de lavagem cerebral.

Ilustração da tortura: injeção forçada de drogas desconhecidas

Foram documentados numerosos abusos nas instalações de lavagem cerebral de Wuhan. Por exemplo, os praticantes recebem pouca comida para ficarem fracos, medicamentos de ação lenta são adicionados à comida para enfraquecê-los mentalmente, e a longo prazo, a privação de sono e as injeções de drogas são utilizadas para enfraquecê-los ainda mais. Profissionais foram contratados para torturar os praticantes. Constantemente, os praticantes eram obrigados a ouvirem propaganda de áudio em um volume muito alto. Como forma de violência psicológica, os praticantes também eram forçados a dormirem em cima de um retrato do fundador do Falun Gong ou dos livros do Falun Gong.

Para exemplos detalhados dos praticantes que foram torturados em instalações de lavagem cerebral, consulte os artigos anteriores do Minghui sobre a Sra. Wang Yujie, que morreu aos 24 anos em setembro de 2011; o Sr. Zhang Su, que foi envenenado, espancado e ameaçado com a extração forçada de órgãos; e a Sra. Cui Hai, que foi sujeita a espancamentos, alimentação forçada, injeções de drogas desconhecidas e teve sua comida adulterada com drogas desconhecidas enquanto ficou detida no Centro de Educação Legal da Província de Hubei em outubro de 2012. A Sra. Cui morreu em 1º de janeiro de 2018, após cinco anos de maus tratos na prisão.

Após a perseguição ao Falun Gong ter se tornado mais acobertada em 2018, uma das instalações, o Centro de Educação Legal da Província de Hubei, foi extinta. Mas as instalações a nível distrital continuaram funcionando. Novas instalações como o Centro de Lavagem Cerebral no distrito de Dongxihu também foram estabelecidas sob ordens da Agência 610. Em setembro de 2018, os funcionários enviaram representantes de outras cidades e províncias para "aprender" as táticas de lavagem cerebral a partir do modelo Wuhan.

Assédios e ameaças contínuas

Apesar da sua saúde precária, a Sra. Huang tem sido frequentemente assediada por funcionários da divisão de segurança interna, da Agência 610, da delegacia de polícia e do comitê de bairro. Eles a forçaram a assinar documentos e lhe fotografaram.

Além da exaustão por cuidar da Sra. Huang devido à sua condição física e mental, a sua família também foi assediada por funcionários do Departamento de Organização da Província de Hubei inúmeras vezes na recente campanha “Zerar" do PCC, com o objetivo de forçar todos os praticantes do Falun Gong da lista negra do governo a renunciarem à sua fé. A pressão e o assédio tornaram a sua família ainda mais estressada.

Vários praticantes em Wuhan foram detidos recentemente, incluindo a Sra. Li Chunlian, a Sra. Wang Xianqiu e a Sra. Wang Aiqun. A Sra. Zhang Wei, Professora Associada na Universidade Tecnológica de Wuhan, primeiro foi ameaçada e depois presa em 4 de abril. Agora, ela está detida no Centro de Lavagem Cerebral de Qingling. Vários outros praticantes foram presos no final de março, incluindo a Sra. Xiong Hanlian e a Sra. Sha Zhaodi. A localização delas é desconhecida, e provavelmente estão detidas em centros de lavagem cerebral.

Responsabilização dos perpetradores

De acordo com uma notícia, um guarda idoso, com 93 anos, do campo de concentração nazista, identificado como Bruno D., foi condenado em julho de 2020 com milhares de acusações de ser cúmplice de homicídio. Ele foi guarda das SS no campo de concentração de Stutthof entre 1944 e 1945.

Da mesma forma, uma lista de 9 mil agentes da Agência 610 foi apresentada aos governos de 38 países em março. Os praticantes do Falun Gong solicitaram que esses governos responsabilizem esses violadores dos direitos humanos com sanções, incluindo restrições de vistos e confisco de bens.

Para lista detalhada das agências envolvidas na perseguição da Sra. Huang, por favor, consulte a versão chinesa deste artigo.

Artigo relacionado:

Preschool Teacher Sent to Brainwashing Center by Her Boss After 12 Days in Police Custody

Todos os artigos, gráficos e conteúdos publicados no Minghui.org estão protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer atribuição com o título do artigo e um link para o artigo original.