Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

​Lições de história: da Praga da Dança e da Peste Negra à pandemia dos dias modernos

10 de Maio de 2021 |   Por Zheng Liming

(Minghui.org) Hans Christian Andersen, um dos mais conhecidos escritores de contos de fadas, deixou ao mundo uma grande dose de humor, sabedoria e contos de moralidade. Quase 200 anos se passaram e algumas das histórias que ele escreveu ainda são profundamente significativas tanto para crianças como para adultos.

Praga da Dança e Sapatos Vermelhos

Uma das obras, “Os Sapatos Vermelhos”, conta a história de uma garotinha chamada Karen. Seus sapatos vermelhos encantados a levaram a Dançar sem parar. No final, a única solução foi cortar os pés dela.

Em parte, esta história da Andersen foi baseada em um evento real. No dia 14 de julho de 1518, uma “Praga Dançante” ocorreu na cidade europeia de Estrasburgo (na França de hoje). Uma jovem mulher chamada Frau Troffea começou a Dançar na rua. Dentro de uma semana, um grupo de Dançarinos de todas as idades se juntaram a ela.

Sem saber o que fazer, primeiramente a prefeitura proibiu o jogo e a prostituição, mas isso não impediu a mania da Dança. A prefeitura também doou uma vela de 100 libras para a igreja local, o que também não ajudou a parar a Dança. Alguns médicos acreditavam que os Dançarinos sofriam de “sangue quente”. A prefeitura contratou músicos para tocar música para os Dançarinos, na esperança de esgotá-los.

Mas isso piorou a situação. No final, cerca de 400 pessoas perderam suas vidas, a maioria por cansaço, problemas cardíacos ou derrame cerebral. Os médicos ainda não conseguem entender exatamente o que aconteceu.

A história de Karen do conto de Andersen retratava uma situação semelhante. Nascida em uma família pobre, Karen foi adotada por uma senhora idosa. Agora vestida com roupas limpas e elegantes, ela também era capaz de aprender a ler e a costurar. No entanto, obcecada pela vaidade, ela enganou a velhinha para que comprasse um par de sapatos vermelhos caros para ela.

Depois disso, pouco a pouco, as coisas ficaram ruins. Os sapatos vermelhos ocuparam toda a mente de Karen. Ela desobedeceu à senhora idosa e usou os sapatos para ir à igreja. Mesmo dentro da igreja, ela só pensava nos sapatos vermelhos. Ao deixar a igreja, os sapatos fizeram Karen Dançar. Quando o cocheiro levou Karen para dentro da carruagem, “seus pés continuaram a Dançar, de modo que ela chutou a boa velhinha violentamente”. Finalmente eles tiraram seus sapatos, e suas pernas ficaram em repouso”.

Ignorando este aviso e obcecada com os sapatos vermelhos, em vez de cuidar da idosa doente, Karen optou por ir a um baile com os sapatos vermelhos. Esta decisão a levou a Dançar incontrolavelmente por dias. No final, ela teve que pedir a um carrasco que lhe cortasse os pés, deixando os sapatos bailarem sozinhos com os pés amputados.

Mas a história não terminou aí. Agora com pés de madeira esculpida e muletas, Karen queria ir à igreja, mas os sapatos vermelhos continuavam Dançando na sua frente, bloqueando seu caminho. No final, em lágrimas, ela se arrependeu verdadeiramente. Um anjo apareceu e Karen pôde se juntar aos outros na igreja.

“O órgão tocou e as vozes das crianças no coro soaram suaves e adoráveis. O sol forte e quente penetrava pela janela no banco onde Karen estava sentada, e seu coração ficou tão cheio dele, tão cheio de paz e alegria, que se partiu”, escreveu Andersen. “A alma dela voou nos raios de sol para o céu, e ninguém estava lá para perguntar pelos sapatos vermelhos.”

Karen aprendeu a lição da maneira mais difícil. Quando alguém se entrega à vaidade, a obsessão pode nos levar a esquecer quem somos, pelo que devemos ser gratos e quais deveres devemos cumprir. Pode-se dizer que a história de Karen parece distante ou implausível. Mas suponha que os sapatos vermelhos agora tenham se disfarçado de dispositivos eletrônicos; não vimos meninos e meninas obcecados por eles incontrolavelmente, enquanto seus pais nada podem fazer a respeito?

A Peste Negra

A Praga da Dança durou apenas alguns meses. Mas a Peste Negra continuou por mais de sete anos e tirou pelo menos 25 milhões de vidas durante seu auge, de 1347 a 1351.

Algumas pessoas fizeram grandes doações para a igreja ou se flagelaram como reparação, mas esse arrependimento superficial, sem procurar na alma a causa raiz da Peste, não ajudou e a Peste continuou.

Em agosto de 1527, Martin Luther, um professor de teologia e padre alemão, decidiu ficar na cidade onde morava, Wittenberg, quando a Peste a infectou. Em uma carta aberta intitulada “Se Alguém pode fugir de uma Praga mortal”, ele escreveu uma obra-prima de orientação pastoral para uma comunidade em crise. Citando a Bíblia, ele escreveu: “Um bom pastor dá sua vida pelas ovelhas, mas o mercenário vê o lobo chegando e foge”.

Embora arriscando sua própria vida para cuidar dos outros aflitos pela Peste e sobrevivendo milagrosamente, Lutero acreditava que fazer boas ações ou doações monetárias não levava necessariamente à salvação. É a fé religiosa que é o verdadeiro redentor do pecado. É por isso que ele desestimulou o pagamento de indulgências e, em vez disso, concentrou-se na crença interior e verdadeira. Ele não mudou mesmo depois de ter sido excomungado pelo papa e condenado como um fora-da-lei e um herege pelo Santo Imperador Romano.

Olfato alterado devido à COVID-19

Muitas pessoas, incluindo Lutero, acreditavam que a Peste era um flagelo de Deus. Quando as pessoas se desviam dos princípios divinamente proclamados, consequências podem ocorrer. De fato, como a Praga da Dança ou a Peste Negra, as Pragas frequentemente vinham de repente e partiam misteriosamente. Exemplos incluem Pragas durante o antigo Império Romano e a gripe espanhola de 1918.

Isto pode nos dar algumas pistas sobre a atual pandemia do coronavírus. Até agora, a doença já causou mais de 143 milhões de infecções e mais de 3 milhões de mortes. Entre os muitos sintomas da COVID-19, há uma perda de memória ou de cheiro. E, às vezes, os pacientes até relatam distorção do olfato, um fenômeno chamado parosmia.

A perda total do olfato e do gosto são sintomas marcantes da COVID-19. Um estudo diz que isso acontece com pelo menos 25% das pessoas que contraem a doença, de acordo com um artigo sobre a WebMD. Por exemplo, alguns itens comuns, como comida, sabão ou sobremesa, de repente, se tornam intoleráveis.

“Cerca de 65% das pessoas com coronavírus perdem o olfato e o gosto e estima-se que cerca de 10% dessas pessoas desenvolvem uma 'disfunção olfativa qualitativa', ou seja, parosmia ou uma condição mais rara, a fantosmia, quando se cheira algo que não existe”, relatou um artigo da BBC de janeiro de 2021 intitulado “Parosmia”: “Desde que eu tive COVID, a comida me dá vontade de vomitar”.

O Prof. Barry Smith, líder do Reino Unido para o Consórcio Global para Pesquisa Chemosensorial, também fez observações semelhantes. “Para algumas pessoas, as fraldas e o cheiro do banheiro se tornaram agradáveis e até mesmo prazerosos”, ele explicou. “É como se os dejetos humanos agora cheirassem a comida e os alimentos agora cheirassem a dejetos humanos”.

Os danos vão além do sistema de olfato. “Os médicos de um grande centro médico de Chicago descobriram que mais de 40% dos pacientes com COVID mostraram manifestações neurológicas no início e que mais de 30% desses pacientes tinham a cognição prejudicada. Às vezes as manifestações neurológicas podem ser devastadoras e podem até levar à morte”, escreveu o pesquisador Andrew Budson, de Harvard, em um artigo de março de 2021.

A pandemia da COVID já custou tantas vidas americanas quanto a Primeira Guerra Mundial, a Guerra do Vietnã e a Guerra da Coreia juntas, ele escreveu no mesmo artigo.

Um exemplo de salvação

Na história de Andersen sobre os sapatos vermelhos, a obsessão pela vaidade levou Karen a desviar-se dos ensinamentos do divino e de seu dever filial para com sua mãe adotiva e ela quase perdeu sua vida. Somente após ela se arrepender sinceramente de seu pecado e se voltar para Deus, ela foi salva. A história da Peste Negra nos contou que aqueles que realmente acreditam no divino serão abençoados quando forem atingidos pelas Pragas. Ambas as histórias podem lançar luz sobre o que devemos fazer durante a atual pandemia.

A pandemia, que eclodiu pela primeira vez em Wuhan, na China, foi capaz de se espalhar pelo mundo devido ao encobrimento sistemático do Partido Comunista Chinês (PCC). Muitas pessoas o chamam de: o vírus do PCC.

Se o PCC tivesse alertado o mundo sobre o surto de forma rápida e responsável, a pandemia provavelmente não teria sido tão generalizada ou severa, e organizações internacionais como a OMS (Organização Mundial de Saúde) teriam tomado as medidas apropriadas para tratar do assunto em vez de fazer a narrativa oficial do PCC - o que não só atrasou o tempo de resposta, mas também enganou a comunidade internacional.

Entretanto, o PCC tem mostrado repetidamente que só se preocupa em manter o poder através das mentiras, do engano e da violência. Desde que tomou o poder em 1949, já causou mais de 80 milhões de mortes não naturais. É um desejo que o PCC possa um dia se tornar bom e colocar o interesse do povo acima de si mesmo. Segundo a antiga cultura chinesa, quando os governantes fazem coisas ruins, acontecem catástrofes e os governantes e aqueles que as seguem enfrentarão consequências.

Os dados mostram que o vírus PCC vai onde está sua influência. Até certo ponto, isto não é muito surpreendente. Assim como a pequena Karen estava obcecada pela vaidade e esqueceu tudo o mais, quantas pessoas e governos no mundo são capazes de permanecer com a mente limpa e se opor ao PCC – o regime mais totalitário com o pior histórico de direitos humanos?

Existem muitos artigos no Minghui.org sobre recuperações milagrosas da COVID-19 depois que as pessoas aprenderam os fatos sobre o Falun Gong e se tornaram solidárias – mesmo no ambiente opressivo da China onde a prática é brutalmente perseguida pelo governo. Também conhecido como Falun Dafa, o Falun Gong é um sistema de meditação baseado nos princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância. Com cerca de 100 milhões de praticantes, é o maior grupo perseguido pelo PCC na China.

Um exemplo do poder de cura do Falun Gong diz respeito a Carolyn, a esposa de 37 anos de um praticante do Falun Dafa. Após cinco anos de casamento, ela ficou grávida de seu primeiro filho. Entretanto, Carolyn pegou o vírus PCC enquanto estava grávida. Seus sintomas começaram no dia 7 de janeiro de 2021. Durante os primeiros dois a três dias, ela sentiu algum desconforto menor em sua garganta, juntamente com ondas repentinas de calor e frio.

“No domingo, 10 de janeiro, comecei a sentir muito frio. Apesar de ter seguido o conselho de meu marido de tomar sol, o frio persistiu, ainda que eu tenha sido coberta da cabeça aos pés com cobertores grossos. Meu marido me disse que mal conseguia sentir algum vento. Entretanto, eu tinha tanto frio que até mesmo um leve vento fazia a minha cabeça doer. Recusei a considerar a possibilidade da COVID-19, até que comecei a ver sinais mais definitivos da doença”, ela lembrou.

Logo depois, o nariz de Carolyn ficou tão entupido que ela só conseguia respirar pela boca. No dia seguinte, ela acordou e descobriu que a sensação de dor havia se intensificado. Ela chamou o médico de sua família e foi informada de que provavelmente ela estava com COVID-19. Ela foi aconselhada a se submeter a testes de diagnóstico de ácido nucléico.

Naquela segunda-feira à noite, sua febre subiu. “No dia seguinte, fui fazer um teste para diagnóstico e recebi um resultado positivo confirmando que eu tinha COVID-19. Eu estava então grávida de 26 semanas”, escreveu Carolyn. “Minha febre se tornou insuportável. Minhas dores pioraram até eu não conseguir me levantar da cama. Meu marido começou a servir minhas refeições à beira da cama e a me alimentar, colher por colher”.

Tanto o marido como a sogra de Carolyn praticam o Falun Dafa há anos. No auge de seu sofrimento, ela também lembrou uma conversa por telefone que tinha tido com uma amiga. Carolyn havia contado à amiga sobre seu último check-up de maternidade, que revelou que seu feto estava em uma posição anormal, aumentando o risco de sangramento grave e parto prematuro. O primeiro parto da amiga tinha sido realizado com segurança e sem complicações. Com a segunda criança, a amiga havia experimentado três episódios de leve sangramento, mas ainda assim deu à luz ao filho sem nenhum problema. A amiga então aconselhou Carolyn a recitar a frase “Falun Dafa é bom, Verdade, Compaixão e Tolerância são bons valores, para superar qualquer situação problemática.

Incentivada por essa lembrança, Carolyn começou a recitar a frase. “Eu também disse ao meu marido e sogra. Com esta tábua de salvação, meu medo diminuiu imediatamente. Comecei a recitar “Falun Dafa é bom” a noite toda. Antes de ir dormir, eu tranquilizaria meu filho ainda não nascido: “Vamos superar esse obstáculo juntos”.

Enquanto recitava as frases, Carolyn também conversou com seu marido e aprendeu a importância de ser boa – não apenas defendendo o conceito da boca para fora, mas o abraçando de coração. Ela prometeu que faria isso. Gradualmente, sua febre diminuiu e sua condição começou a melhorar.

Carolyn agora está totalmente recuperada. Seu paladar e olfato também retornaram. Além disso, seu ginecologista lhe deu a boa notícia: Que o bebê não está mais em uma posição fetal anormal.

Carolyn disse que quer compartilhar sua história com outros pacientes da COVID-19, esperando que eles também possam se beneficiar.

Todos os artigos, gráficos e conteúdo publicado no Minghui.org são protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer a atribuição do título do artigo e um link para o artigo original.