Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Histórias de tolerância nas civilizações antigas

1 de Maio de 2021 |   Por Gan Lu

(Minghui.org) Existem muitas histórias sobre tolerância nas civilizações oriental e ocidental.

Segundo a antiga mitologia grega, Prometeu, o deus Titã do fogo, teve pena dos humanos quando viu como suas vidas eram difíceis e roubou o fogo de Apolo, o deus do Sol, e o deu a eles. Zeus, o rei dos deuses do Olimpo, castigou Prometeu amarrando-o a um penhasco nas montanhas do Cáucaso, expondo-o às intempéries. E, todos os dias, uma águia era enviada para arrancar seu fígado e comê-lo. Durante a noite, seu fígado voltava a crescer, apenas para ser comido novamente no dia seguinte em um ciclo contínuo. Ele suportou um sofrimento enorme por muito tempo até ser finalmente libertado por Héracles, que matou a águia a tiro com uma flecha.

Sima Qian foi um historiador no início da dinastia Han (206 a.C. a 220 d.C.) na China. Embora tenha sido punido com a castração por falar em defesa de um general que foi culpado pelo fracasso de uma campanha contra Xiongnu (uma liga tribal agressiva e poderosa na fronteira norte da China), ele suportou a dor e a humilhação e completou sua obra épica de historiografia chinesa, Registros do Grande Historiador, na prisão para cumprir o desejo de morte de seu pai. Uma vez ele disse: "Embora a morte recaia sobre todos os homens, ela pode ser mais pesada que o Monte Tai ou mais leve que uma pena".

De fato, o significado de tolerância como forma de auto cultivo é muito amplo. A maioria das pessoas pensam que " tolerância" significa resistência. Este é apenas um aspecto do conceito. "Tolerância" também inclui: paciência, capacidade de suportar dificuldades e perdas, consciência, aceitação, perseverança, senso de responsabilidade, realizações, nobreza, mas não arrogância, vitória, mas não rebeldia, virtuosidade e humildade, força e resistência, capacidade de abandonar os apegos, consideração pelos outros e assim por diante.

O caractere chinês para "tolerância" consiste em uma "faca" em cima e um "coração" em baixo. Não significa, no sentido estritamente aceito por muitos, que se deve suportar e não fazer nada mesmo quando uma faca está apunhalando o coração. Ao invés disso, as pessoas devem usar o coração debaixo da faca para resolver conflitos. Ser corajoso e calmo em uma crise, ser confiante e resoluto, evitar o confronto com a sabedoria, minimizar consumos e perdas desnecessários e adotar abordagens altruístas para resolver conflitos.

A paciência não é reprimir o ressentimento ou o rancor no coração. Porque se a pessoa mantém tais sentimentos dentro de si, o peito se sentirá pesado e o fígado e os rins ficarão danificados. Quando o fígado é afetado, a pessoa tende a perder a calma facilmente; quando os rins são afetados, a pessoa se sente confusa, o que pode levar a falar e agir de maneira anormal. Portanto, a prática da paciência pode ajudar uma pessoa a suportar as dificuldades de forma proativa enquanto resolve os problemas com sabedoria.

Humilhação permanente

O renomado estudioso Su Shi na era da Canção do Norte (960-1127) disse certa vez: "Quando um homem comum é humilhado, ele empunhará sua espada para lutar". Isto não é um sinal de verdadeira bravura. Uma pessoa verdadeiramente corajosa não começa uma luta quando é confrontada por um agressor. Em vez disso, ela mantém uma atitude tolerante para tentar resolver o conflito, dando a seu oponente uma saída para se estabelecer. Mesmo diante de insultos não provocados, ele lida com a situação com calma.

Han Xin, um herói fundamental da Dinastia Han Ocidental, foi profundamente admirado pelas gerações posteriores por seu "grande coração de tolerância", além de suas brilhantes estratégias militares e sabedoria.

Quando era jovem, Han Xin, gostava de artes marciais e sempre carregava uma espada.

Um dia, quando ele estava andando, um jovem o insultou, dizendo: "Você é alto e gosta de carregar uma espada, mas na verdade é um covarde. Se você realmente não tem medo da morte, me apunhale com sua espada; se tiver, então terá que rastejar entre minhas pernas para fugir".

Han Xin olhou para o jovem, depois se abaixou e rastejou entre as pernas. As pessoas que passavam por ali riam de Han Xin, pensando que ele era um covarde.

Mais tarde, Han Xin se tornou o general de Liu Bang. Um dia, ele convocou o homem que havia lhe insultado. Anos atrás, quando ele me insultou, eu poderia tê-lo matado naquela ocasião. Mas eu não tinha nenhuma razão justificável para fazer isso, então eu me deixei humilhar. Eu não teria alcançado o que fiz, então eu não teria suportado a humilhação".

O homem implorou por perdão. Han Xin não só o perdoou, mas também o nomeou para ser um simples oficial.

A paciência não se trata de ser fraco e curvar-se diante dos outros. Trata-se de evitar problemas desnecessários e ser capaz de se dar bem com os outros em harmonia. Mostra a amplitude de espírito de uma pessoa forte.

"Durma sobre gravetos e experimente o fel"

Todo mundo na China está familiarizado com o provérbio: "Durma sobre gravetos e experimente o fel". É sobre como Goujian, o Rei de Yue, suportou dificuldades auto impostas após uma derrota, a fim de fortalecer sua decisão de se vingar.

Durante décadas, ele insistiu em dormir em gravetos ásperos à noite e saborear o fel amargo antes de cada refeição para se lembrar da humilhação que havia sofrido nas mãos de seu inimigo, o Estado de Wu. “Tolerância”, neste contexto, refere-se a um senso de perseverança e responsabilidade.

O que ele sofreu? Em 498 aC, Helü, o Rei de Wu, atacou o Estado de Yue, mas foi derrotado e Helü morreu devido aos ferimentos. Dois anos depois, seu filho Fuchai, liderou suas tropas para atacar novamente, Yue e o derrotou. Goujian, o rei de Yue, foi levado para Wu para servir como escravo de Fuchai, o rei de Wu.

Um dia, Fuchai ficou doente. Goujian se ofereceu para provar suas fezes e o parabenizou com alegria: "A julgar pela cor e sabor das fezes, Vossa Majestade é saudável e pode ficar tranquila".

Três anos mais tarde, o rei Wu enviou Goujian de volta para Yue. Após retornar ao seu próprio estado, Goujian continuou a viver exatamente igual a quando vivia em cativeiro em Wu e se tornou ainda mais diligente e mais afável. Ele amava seu povo, consolava seus oficiais e treinava seus soldados.

Goujian pendurou uma vesícula biliar ao lado de onde se sentava e muitas vezes ficava olhando para ela. Ele sempre provou primeiro a vesícula antes de cada refeição.

Após 22 anos de planejamento e preparativos, Goujian lançou uma ofensiva e derrotou o Wu. Ele foi saudado como um soberano e devolveu as terras ocupadas pelos Wu aos estados de Chu, Song e Lu.

Ao longo da história, todos aqueles capazes de realizar grandes coisas têm demonstrado extraordinária força de vontade e convicção.

A história de Su Wu, cuidador das ovelhas

Em 100 a.C., os Xiongnu, uma liga tribal agressiva e poderosa na fronteira norte da China, procurou estabelecer relações amigáveis com a Dinastia Han. Então, o imperador Wu de Han enviou uma delegação de mais de 100 liderados por Su Wu para fazer uma visita aos Xiongnu. No entanto, quando eles estavam prestes a voltar para casa, uma turbulência interna eclodiu entre os Xiongnu. Eles detiveram Su Wu e seus homens, ordenando-lhes que se submetessem aos Xiongnu. Primeiramente, eles tentaram subornar Su Wu com dinheiro e cargos oficiais, mas ele recusou todas as ofertas.

O governante do Xiongnu então deu ordens para trancá-lo em uma cela aberta no chão, sem comida ou água. Su Wu ainda se recusou a ceder. Ele sobreviveu comendo seu casaco de pele de carneiro e neve. O governante admirava a forte força de vontade e integridade de Su Wu. Ele não queria matar Su Wu, mas também não estava disposto a deixá-lo voltar para os Han.

As estações mudaram sem esperança de que Su Wu voltasse para casa em Han. Ele não pôde deixar de se sentir triste. Enquanto enxugava suas lágrimas com a manga, uma das ovelhas olhava para ele e chorava, como se isso o reconfortasse.

O governante Xiongnu então exilou Su Wu para o Lago Baikal para cuidar de um rebanho de ovelhas. Ele disse que Su Wu poderia retornar a Han quando os cordeiros nascessem. Mas quando Su Wu chegou ao Lago Baikal, ele viu que todas as ovelhas eram carneiros. Dia após dia, ele cuidava dos carneiros, usando o cajado imperial dos Han como cajado de um pastor.

Estação após estação, ano após ano, seus cabelos ficaram grisalhos, mas Su Wu permaneceu firme e nunca largou seus princípios para ganho pessoal.

Dezenove anos depois, os embaixadores da Dinastia Han souberam da situação de Su Wu por um de seus antigos assistentes. O governante Xiongnu admitiu que ele ainda estava vivo e permitiu que a missão Han o levasse de volta para Chang'an, a capital da Dinastia Han.

A resistência inabalável de Su Wu demonstrou sua sincera lealdade à Dinastia Han. Ele suportou grande dor e sofrimento para defender a justiça e nunca comprometeu a sua integridade em benefício pessoal.

A história de Su Wu cuidando das ovelhas tem sido admiravelmente transmitida de geração em geração entre o povo chinês.

Todos os artigos, gráficos e conteúdo publicado no Minghui.org são protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer a atribuição do título do artigo e um link para o artigo original.