Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Homem de Heilongjiang, preso durante 12 anos, foi submetido à tortura ininterrupta

6 de Abril de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Heilongjiang, China

(Minghui.org) O Sr. Yang Chengshan, um antigo funcionário da Agência de Recursos Hídricos da cidade de Harbin, província de Heilongjiang, viveu a "Revolução Cultural" em sua adolescência. Estava ocupado perseguindo interesses pessoais e fama, mas sentia que não conhecia o propósito da vida. Anos de trabalho árduo e frustração tiveram um custo para a sua saúde. Ele ficou muito fraco e estava sempre cansado.

Quando o Sr. Yang, de 65 anos, conheceu o Falun Gong, uma antiga disciplina espiritual e de meditação, nos anos 90, sentiu que os ensinamentos lhe abriam o coração e lhe ofereciam uma nova perspectiva sobre tudo. Deixou de lado a forte busca por ganhos pessoais e aprendeu a aceitar facilmente os contratempos na vida. Ao fazer os exercícios do Falun Gong, recuperou sua saúde rapidamente. Sentiu que a sua vida foi renovada.

As coisas mudaram drasticamente quando o Partido Comunista Chinês subitamente ordenou a perseguição nacional ao Falun Gong em julho de 1999. Por defender a sua fé, o Sr. Yang foi condenado a 12 anos de prisão após a sua detenção em 2006. Foi sujeito a espancamentos constantes, tortura e humilhação. Sofreu ferimentos por todo o corpo e uma vez perdeu a visão depois de terem ferido seus olhos.

Embora tenha sobrevivido à tortura, a dor dos seus 12 anos de separação dos seus pais idosos e de sua filha permanece viva em seu coração.

Prisões e sentenças

O Sr. Yang, então com 50 anos, foi detido por três policiais quando saiu do seu apartamento alugado em 18 de agosto de 2006. Um dos policias, Yang Zhizhong, disse que queria revistar a sua casa. Sem pensar muito, o Sr. Yang concordou e deixou a polícia entrar.

Ao ver uma foto do fundador do Falun Gong na sala, os agentes prenderam o Sr. Yang e a sua esposa, Sra. Du Xiuqin, sem mostrar sua identificação ou um mandado de captura. A polícia também revistou o local e confiscou o material informativo do casal sobre o Falun Gong, o computador, todo o seu dinheiro, recibos de depósitos bancários e suas joias valiosas.

O Sr. Yang ouviu a polícia chamar a Agência 610, uma agência extralegal criada especificamente para perseguir o Falun Gong, para informar que tinham prendido "um importante membro do Falun Gong". Ele e a sua mulher foram levados para a Delegacia de Polícia de Hedong e depois transferidos para o Centro de Detenção nº 1 do distrito de Acheng.

A Sra. Du recebeu uma sentença desconhecida no Campo de Trabalho Forçado de Wanjia em setembro de 2006, enquanto o Sr. Yang foi condenado a 12 anos de prisão pelo Tribunal Distrital de Acheng em março de 2007.

Torturado na prisão de Hulan

Em 4 de abril de 2007, o Sr. Yang foi levado pela primeira vez para a ala de treinamento intensivo na Prisão de Hulan. Quando, na chegada, se recusou a escrever uma declaração para renunciar ao Falun Gong, os guardas instigaram os reclusos a torturá-lo. Ele ficou ferido nas pernas e teve dificuldade para andar durante duas semanas.

Torturado na prisão de Daqing

O Sr. Yang foi transferido para a Primeira Ala na Prisão de Daqing em 31 de maio de 2007, e passou lá os 11 anos seguintes. Como permaneceu firme na sua fé, foi sujeito a constantes espancamentos e torturas.

Por se recusar a responder a chamada na noite de 18 de agosto de 2007, os guardas o espancaram. Ele sofreu ferimentos ems seus olhos e perdeu a visão durante muito tempo. Sentia também dores constatnes em seu peito.

Entre 2008 e outubro de 2009, muitas vezes, passou fome por não usar o uniforme dos reclusos.

Quando se recusou a fazer trabalho não remunerado, em 1º de junho de 2010, os guardas e reclusos o colocaram em uma gaiola metálica com menos de um metro cúbico. O seu pescoço ficou ferido por ter sido chutado e quase perdeu alguns movimentos por causa disso. Só um ano mais tarde conseguiu endireitar totalmente o pescoço.

Ilustração de tortura: preso em uma gaiola de metal

O vice diretor da ala, Yu Changjiang, o chutou e espancou novamente em 2 de junho de 2010.

Durante uma inspeção em toda a prisão em 13 de janeiro de 2011, pela Agência 610 de Heilongjiang, os guardas da prisão de Daqing imprimiram vinte faixas com mensagens caluniosas sobre o Falun Gong. Ordenaram ao Sr. Yang que apresentasse as faixas aos agentes da Agência 610, mas ele recusou-se a obedecer.

Os guardas ficaram furiosos. Levaram o Sr. Yang para uma sala de interrogatório, fecharam a cortina e tiraram sua roupa. Chutaram e espancaram seu corpo todo. Huo Weidong, o diretor da ala, o espancou com um grosso taco de madeira. O seu nariz sangrou e os seus dentes ficaram soltos. Um dos dentes caiu pouco depois.

Em 19 de outubro de 2012, o vice-diretor da ala Yu convocou o Sr. Yang para a sala de interrogatório e disse-lhe para reportar o seu nome como interno. O Sr. Yang respondeu: "Eu não sou um interno. Não vou reportar o meu nome".

Yu tirou um cinto de couro da parede e chicoteou o Sr. Yang. Também bateu na cabeça do Sr. Yang com um bastão. Depois do Sr. Yang ter caído no chão, Yu deu-lhe um pontapé nas costelas. O espancamento causou ao Sr. Yang dores de cabeça durante duas semanas, assim como dor nas costelas e dificuldade em respirar durante mais de um mês.

Seis praticantes do Falun Gong, incluindo o Sr. Yang, o Sr. Fu Wenchang, o Sr. Wang Jinyu, o Sr. Zhang Baosheng, o Sr. Wang Kun, e o Sr. Zhang Xingguo, recusaram-se a fazer trabalho não remunerado de confeção de roupa em 24 de março de 2014.

Quando um guarda chamado Zhang Zhijie perguntou aos praticantes porque não faziam o trabalho, tanto o Sr. Fu como o Sr. Yang disseram: "Não cometemos um crime. Não o podemos fazer isto."

Zhang ficou enfurecido. Ele empurrou o Sr. Yang para o lado e o espancou. O olho esquerdo do Sr. Yang inchou e sangrou. O Sr, Yang ficou tonto. Ele disse: "Não sabem que estão infringindo a lei ao me espancarem?". Zhang respondeu batendo ainda mais no Sr. Yang. Outros praticantes tentaram parar Zhang, mas ele não parou de bater até muito tempo depois.

Outro guarda, Lu Xiangwu, ordenou então aos reclusos que tirassem toda a roupa dos seis praticantes e as queimassem. Depois deixaram os praticantes nus para os humilharem e congelarem. Eles ainda se recusaram a fazer qualquer trabalho para a prisão. Os guardas os fizeram passar fome durante a noite.

Com o coração e o corpo profundamente feridos, o Sr. Yang foi finalmente libertado em 16 de agosto de 2018.

Artigo relacionado em inglês:

Six Practitioners Severely Beaten for Protesting in Daqing Prison

Todos os artigos, gráficos e conteúdos publicados no Minghui.org estão protegidos por direitos de autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer atribuição com o título do artigo e de um link para o artigo original.