Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Dos tempos antigos aos tempos modernos, fenômenos celestiais atípicos sinalizam grandes eventos na nossa sociedade

4 de Abril de 2021 |   Pelo corresponde do Minghui, Song Shan

(Minghui.org) Segundo oThe Beijing News e vários outros meios de comunicação social na China, um fenômeno astronômico incomum chamado Sundog foi observado em Pequim em 29 de dezembro de 2020. Os residentes locais que forneceram filmagens em vídeo viram três sóis no total, com a duração de cerca de duas horas. Halos também foram vistos em volta do sol.

O fenômeno Sundog foi observado em Pequim em 29 de dezembro de 2020.

No entanto, Pequim não foi a única cidade a assistir a um Sundog. Os três sóis também foram observados na cidade de Mohe, província de Heilongjiang, em 15 de outubro de 2020.

Outro fenômeno Sundog foi visto na cidade de Mohe, província de Heilongjiang, em 15 de outubro de 2020.

Olhando a história, verificaram-se muitos casos de fenômenos tão atípicos. Muitos deles foram associados a grandes mudanças sociais.

Sundogs na história

Um dos primeiros sundogs documentados ocorreu durante a era do Imperador Yao, por volta de 2300 a.C., quando dez sóis foram vistos simultaneamente no céu. Mais tarde, foi registado em numerosos livros de história, especialmente no Tratado de Astronomia em Jin Shu (Livro da Dinastia Jin), que foi escrito por Li Chunfeng. Li era um conhecido sábio da Dinastia Tang que dominava a astronomia, a matemática e a profecia. Ele foi o autor de Tui Bei Tu ou "Retrocesso".

De acordo com o Tratado de Astronomia, foram vistos mais de dez vezes halos solares ou Sundog entre os anos 280 e 411. Estavam intimamente relacionados com rebeliões e mortes de imperadores.

Em janeiro de 314, por exemplo, os três sóis foram vistos se movendo de oeste para leste através do céu. Em janeiro de 317, foram novamente observados três sóis, envoltos por camadas de halos, dentro de dois meses, Sima Rui estabeleceu a Dinastia Jin Oriental e terminou a Dinastia Jin Ocidental.

Fenômenos semelhantes também existem na cultura ocidental e estão frequentemente associados a catástrofes. Um exemplo é a Morte Negra.

"Um dos historiadores, Gregory of Tours, documentou uma série de fenômenos durante os anos da peste, incluindo luzes brilhantes aparecendo em volta do sol e dos céus em chamas. Outros relatos da França mencionavam céu noturno iluminado, fazendo-o parecer dia e um imenso "dragão" flutuando pela cidade e sumindo no mar, o que precedeu um surto imediato da peste na área. E ... alguns desses acontecimentos podem estar relacionados com fenômenos como o efeito 'Sundog'", afirma um artigo do Ancient Origins intitulado "O mistério por trás das pragas que mataram milhões".

Catástrofes dos dias modernos

O ano 2020 foi especial. Devido ao encobrimento e desinformação difundidos pelo Partido Comunista Chinês (PCC) após o surto de coronavírus, a doença espalhou-se por todo o mundo e causou mais de 114 milhões de infeções e mais de 2,5 milhões de mortes em fevereiro de 2021.

Dentro da China, a catástrofe vai além da pandemia. Secas, cheias, terremotos e pragas de gafanhotos infestaram muitas áreas. Também nevou em épocas incomuns, como outubro na província de Heilongjiang, agosto na província de Gansu e junho na província de Xinjiang.

Em agosto, fortes tempestades atingiram a província de Sichuan, elevando o nível de água nos rios. Como resultado, os dedos dos pés do Buda Gigante Leshan de 71 metros (233 pés) foram submersos na água. Este incidente, juntamente com a pandemia em curso, confirmou um velho ditado que dizia que quando os pés da estátua fossem submersos na água, haveria um grande caos e desastre.

Outras catástrofes atípicas também ocorreram. Três tufões atingiram o nordeste da China em setembro de 2020, dentro de duas semanas. Conhecidos como ciclones tropicais maduros, os tufões atingem frequentemente o sul da China e Taiwan, mas não atingem o nordeste da China desde 1949. Contudo, o tufão Bavi, o primeiro de três tufões em setembro de 2020, contornou a Coreia do Sul e o Japão para causar grandes danos na Coreia do Norte e no nordeste da China.

Uma batalha entre o bem e o mal

Embora façamos muitos esforços para combater as várias catástrofes, incluindo a pandemia em curso, é provavelmente difícil parar e pensar se há alguma causa subjacente a estas catástrofes.

Desde os tempos mais remotos, as pessoas na China e no Ocidente valorizaram a virtude. Particularmente na China, acreditava-se geralmente que o divino vigiava a humanidade e que as nossas transgressões trariam consequências. Isto poderia levar a pragas, inundações, terremotos, guerras e outras desgraças. No Ocidente, muitos historiadores também descobriram que as pragas no antigo Império Romano estavam correlacionadas com a perseguição dos cristãos.

Depois do Partido Comunista Chinês ter tomado o poder em 1949, também começou várias perseguições. Lançou inúmeros movimentos para incutir um sentido de luta de classes, ódio e brutalidade na sociedade. Os ricos foram arrancados das suas propriedades, os pobres foram enganados, os intelectuais foram silenciados e quase todos foram intimidados com sucesso enquanto o regime destruía os seus valores tradicionais.

Neste clima perigoso, o Falun Gong foi apresentado ao público em 1992. Apesar da prática não ter qualquer intenção ou agenda política, os princípios Verdade, Compaixão, Tolerância juntamente com as cinco séries de exercícios meditativos beneficiaram cerca de 100 milhões de pessoas. A saúde eles melhorou e foram também inspiradas a serem cidadãos melhores.

Mas o PCC não tolerou isto. Semelhante à forma como perseguiu vários grupos em movimentos anteriores, começou a suprimir o Falun Gong em 1999, trazendo tragédia a dezenas de milhões de praticantes e suas famílias. Isto incluiu detenção, prisão, lavagem cerebral, trabalho forçado, abuso psiquiátrico e extração forçada de órgãos.

O Nordeste da China, onde várias catástrofes atingiram, é uma das regiões que tem a política mais severa em relação aos praticantes do Falun Gong. Lan Lihua, uma praticante da cidade de Shenyang, província de Liaoning, foi presa por distribuir calendários com informações sobre o Falun Gong. Após ter sido condenada a uma pena de prisão de 46 meses, foi infectada com hepatite B na Prisão Feminina de Liaoning. Após sua morte aos 49 anos de idade, em 21 de abril de 2020, a polícia ignorou o pedido da sua família para investigar a causa de sua morte e cremou à força o seu corpo.

Da mesma forma, o Sr. Ge Zhijun da cidade de Zhuozhou, província de Hebei, se beneficiou enormemente do Falun Gong. Mas funcionários do PCC o deteram na prisão de Jidong durante quatro anos e só o libertaram em fevereiro de 2019. A dor física e a angústia mental resultantes dos maus tratos o destruíram e o levaram à morte em 29 de novembro de 2020.

Como a influência do PCC tem continuado ao longo das últimas décadas, também avançou com sucesso a sua ideologia comunista em muitos países através dos continentes, silenciando-os sobre as graves violações dos direitos humanos e perseguição religiosa na China. Os dados mostram que a pandemia tende a seguir para onde quer que a influência do PCC vá.

Mesmo após o surto da pandemia, o PCC continuou a censurar a informação e a dar informações falsas ao mundo. Aproveitou-se da pandemia para avançar com a sua agenda comunista a nível mundial. À medida que expande a sua diplomacia de "guerreiro lobo" a mais países, mais governos estão sendo forçados a escolher um lado na batalha entre o bem e o mal.

Taishang Ganyi Pian (Tratado de Resposta e Retribuição), um dos clássicos Taoístas, escreveu:

O infortúnio e as bênçãos não chegam até nós sem razão, as trazemos sobre nós mesmos. 
As consequências das boas e más ações são como a sombra, seguindo o corpo para onde quer 
que ele vá.

A melhor maneira de ficarmos seguros pode ser seguir a nossa consciência, apoiar os inocentes e rejeitar regimes totalitários como o PCC.

Todos os artigos, gráficos e conteúdos publicados no Minghui.org estão protegidos por direitos autorais. A reprodução não comercial é permitida, mas requer atribuição com o título do artigo e um link para o artigo original.