Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Militar aposentado de Jiangsu falece depois de ficar 11 anos acamado

9 de Março de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Jiangsu, China

(Minghui.org) Depois de ficar acamado em estado vegetativo durante 11 anos, um militar aposentado na cidade de Suzhou, província de Jiangsu, faleceu em 30 de janeiro de 2021, aos 83 anos.

A morte do Sr. Zhang Chaogui foi um final trágico de duas décadas de assédio sofrido por praticar Falun Gong, uma disciplina espiritual e de meditação baseada nos princípios Verdade, Compaixão, Tolerância.

O Sr. Zhang, um oficial militar aposentado da Divisão Militar da Cidade de Suzhou na província de Jiangsu, começou a praticar o Falun Gong em 1997. Ele creditou a prática por melhorar rapidamente a sua saúde e apresentou-a a muitos dos seus amigos e colegas. Também se voluntariou para ser coordenador no local de prática de exercícios e utilizou o seu tempo livre para promover a prática aos residentes.

Após o Partido Comunista Chinês ter iniciado a perseguição ao Falun Gong em 20 de julho de 1999, o Sr. Zhang foi ao governo em Xangai em 21 de julho para apelar pelo Falun Gong. Após o seu regresso, Liu Shuangrong, chefe do Gabinete de Segurança Interna do Distrito de Pingjiang, tentou prender o Sr. Zhang, mas não conseguiu.

Liu fez vários pedidos à divisão militar para prender o Sr. Zhang, mas foi novamente recebido com objeção. Contactou então o governo da cidade de Suzhou e a Agência 610 local, uma agência extralegal criada para perseguir o Falun Gong, e pediu-lhes que pressionassem os militares para prenderem o Sr. Zhang.

Pressionado pelas autoridades, a divisão militar deteve o Sr. Zhang e o prendeu em um centro de lavagem cerebral. Foi também obrigado a se retirar das forças armadas.

Após a sua aposentadoria, os militares continuaram a fazer a lavagem cerebral e a intimidá-lo. Também monitoraram de perto a sua vida diária. Quando o Sr. Zhang regressou à sua cidade natal, na vizinha cidade de Yangzhou, durante o Ano Novo Chinês, os militares também enviaram pessoas para o seguirem durante toda a sua viagem.

Ao mesmo tempo, o diretor do Gabinete de Segurança Interna, Liu, a polícia local, e membros do pessoal do comitê residencial assediaram o Sr. Zhang de tempos em tempos e monitoraram a sua vida. O assédio a longo prazo e a pressão mental abalaram a sua saúde. Ficou incapacitado no final de 2010 e sofreu uma perda total de memória. Esteve em estado vegetativo e acamado durante os 11 anos seguintes antes de falecer em 30 de janeiro de 2021.

O Sr. Zhang não foi a única pessoa da sua família que foi perseguida por causa da sua fé no Falun Gong. A sua mulher, Sra. Cheng, foi detida e presa pela primeira vez durante duas horas em julho de 2008. Foi presa novamente e teve a sua casa saqueada em março de 2012, por distribuir materiais do Falun Gong. Tanto o filho como a filha do casal foram forçados a se divorciarem após terem sido comprometidos pela perseguição.

Durante os 11 anos em que o Sr. Zhang estave acamado, os militares se recusaram a reembolsar as suas despesas médicas, embora ele estivesse coberto pelo seu seguro de saúde. Quando a Sra. Cheng procurou o reembolso das despesas médicas do seu marido, os militares ameaçaram prendê-la e condená-la à prisão.