Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Uma mãe conta a trágica morte e a injustiça de um jovem que sofre pela sua crença

6 de Fevereiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui

(Minghui.org) "O meu coração partiu-se em mil pedaços quando vi o seu corpo ali deitado", a Sra. Ren Canru fez uma pausa. "Mas mantive-me firme o melhor que pude".

"Os seus olhos ainda estavam semi-abertos. Passei gentilmente as mãos sobre suas pálpebras para fechá-las. Toquei-lhe na testa fria e puxei-lhe a mão rígida". A Sra. Ren, uma mãe que perdeu o seu único filho há quase duas décadas, revive o seu pior pesadelo que ainda a assombra até hoje.

"Quase desmaiei quando vi que a sua perna direita estava toda preta do joelho para baixo. Havia uma mancha do tamanho da minha palma da mão na sua panturrilha e uma mancha do tamanho do meu polegar no interior do seu pé, onde a pele e a carne tinham desaparecido e os ossos tinham sido expostos. Toda a sua perna estava magra como um pau seco. Aquele não era absolutamente o filho que me lembrava".

A Sra. Ren não tinha visto o seu filho, o Sr. Yuan Jiang, durante quase um ano antes da sua morte. Ela sabia da sua detenção em agosto por praticar o Falun Gong, mas não fazia ideia da sua recente fuga da detenção, onde ele foi brutalmente torturado.

A última vez que ela o viu foi antes dela e do seu marido partirem para Pequim para apelar ao governo central, em dezembro de 2000, contra a perseguição da sua fé. Ambos foram presos e detidos. Quando a Sra. Ren foi libertada no início do verão de 2001, após uma detenção de cinco meses, tinha acabado de perder o Sr. Yuan, que tinha deixado a cidade para evitar ser preso.

Depois, chegou a notícia da sua detenção em finais de agosto de 2001. A Sra. Ren e o seu marido descobriram onde o Sr. Yuan foi detido e tentaram visitá-lo algumas vezes, mas nunca foram autorizados a entrar. Ela só queria dar-lhe algumas roupas quentes, pois os dias estavam mais frios na sua cidade de Lanzhou, na região noroeste da China.

Ela também se preocupava com a sua segurança, sabendo que os praticantes do Falun Gong, especialmente os inabaláveis, eram rotineiramente torturados e maltratados nos centros de detenção. Ela conhecia demasiado bem o seu filho, que nunca vacilaria na sua fé. Aquele telefonema na manhã de 9 de novembro não foi uma surpresa.

Depois de desligar, ela correu para a casa de um praticante local, como lhe foi pedido, mas hesitou antes de entrar no quarto. Lá estava ele, o seu amado filho, deitado morto. Tinha apenas 29 anos de idade, um jovem promissor que ainda tinha o melhor da sua vida para viver.

O Sr. Yuan, a Sra. Ren, e a trágica experiência da sua família de prisões arbitrárias, detenção, tortura e morte não foi única. Provas semelhantes existem de centenas de milhares de praticantes do Falun Gong e suas famílias em toda a China, desde que o Partido Comunista Chinês (PCC) proibiu a prática espiritual em julho de 1999 e lançou uma perseguição impiedosa contra os seus seguidores.

Como coordenador e principal contato de três centros assistentes das províncias do Noroeste, a prisão e morte do Sr. Yuan atraiu muita atenção por parte das autoridades locais. Muitos praticantes locais foram implicados, incluindo os seus pais e aqueles que o haviam ajudado.

O Sr. Yuan Jiang

I. A história do Sr. Yuan Jiang

Formado na prestigiada Universidade de Qinghua

A família do Sr. Yuan é originária do condado de Dengkou, na Mongólia Interior. O mais novo de quatro e o único rapaz, o Sr. Yuan nasceu em 24 de agosto de 1972, na cidade de Lanzhou, província de Gansu; seus pais são ambos professores. O seu pai, o professor Yuan Zhuguo, era o presidente do Departamento de Física da Universidade Normal do Noroeste. A sua mãe, Sra. Ren Canru, ensinou na escola primária filiada na universidade.

O Sr. Yuan era fraco e doente quando criança. Foi-lhe diagnosticada inflamação dos músculos do coração e inflamação das cordas vocais quando estava na escola secundária e teve de tirar um ano de férias. Depois de regressar, participou no Sexto Concurso Nacional de Física Anual e ficou em quinto lugar na província de Gansu. Formou-se no colégio em 1990 e foi aceite na universidade mais prestigiosa do país, a Universidade de Qinghua, para estudar engenharia eletrônica.

Apesar do seu grande feito acadêmico, o Sr. Yuan permaneceu fisicamente fraco durante os seus primeiros anos na universidade. Também criou os maus hábitos de fumar e beber durante esse período.

À descoberta da ciência extraordinária

O Sr. Yuan ouviu falar pela primeira vez do Falun Gong, também chamado de Falun Dafa, em 1993. Por acaso, participou num seminário realizado pelo fundador, o Sr. Li Hongzhi, na cidade de Dalian e tornou-se praticante. Rapidamente deixou de fumar e beber e todas as suas doenças desapareceram. Saudável e cheio de energia, ele foi transformado desde seu interior.

O Sr. Yuan estava convencido de que os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância do Falun Gong são os verdadeiros ensinamentos do Fa Buda. É uma forma de cultivo ortodoxa que inspira as pessoas a serem bondosas. É uma ciência extraordinária. O Sr. Yuan seguiu o Mestre Li Hongzhi a diferentes cidades nos meses seguintes e participou em cinco dos seus seminários.

O Falun Gong deu-lhe sabedoria e elevou o seu caráter moral. Além de cultivar a si próprio, o Sr. Yuan também divulgou a prática e ajudou muitas pessoas na Universidade de Qinghua a começarem a praticar.

Um praticante que também frequentou Qinghua no início dos anos 90 recordou: "Um professor que frequentou o seminário do Mestre Li em Harbin iniciou o local do exercício no campus. Yuan Jiang, que havia participado em vários seminários do Mestre, esteve entre os primeiros a participar regularmente no local de exercícios em grupo.

"Reunimo-nos todas as manhãs num local diferente no campus, por vezes em frente do auditório, ou perto do lago do Jardim Jinchun, ou em frente ao Memorial da Universidade Nacional Associada do Sudoeste (Lianda). Também nos reunimos todas as noites no escritório da administração para ver os vídeos ou ouvir os áudios do Mestre ensinando o Fa".

Uma carreira com o gabinete de telecomunicações de Lanzhou

O Sr. Yuan formou-se na Universidade de Qinghua no Verão de 1995 e regressou à casa para uma grande oportunidade com o Gabinete de Telecomunicações de Lanzhou. Um jovem bondoso e sincero que estava sempre feliz por dar uma mãozinha, a popularidade do Sr. Yuan cresceu entre os colegas de trabalho. O seu excelente desempenho também lhe valeu o reconhecimento dos seus supervisores e o respeito dos seus colegas no departamento técnico.

O Sr. Yuan tornou-se a pessoa de contato da empresa para todos os problemas relacionados com a tecnologia e questões informáticas. Os celulares não eram comuns nos anos 90 e a maioria das pessoas utilizava pagers. Ele respondia sempre às suas mensagens dos pagers, mesmo quando estava fora do trabalho. Ele apenas se dirigia a um telefone público na sua vizinhança para telefonar e respondia sempre em pormenor e pacientemente às suas perguntas.

Quando o Gabinete de Telecomunicações de Lanzhou expandiu os seus negócios em 1999 e iniciou uma empresa filiada, a Feitian Wangjing Information Industry Ltd., o Sr. Yuan tornou-se a escolha óbvia para o cargo de diretor-geral adjunto e diretor-geral de tecnologia.

Local de prática de exercícios em grupo na Universidade Normal do Noroeste

Pouco depois de se ter mudado de novo para a sua cidade natal, Lanzhou, o Sr. Yuan começou a praticar os exercícios na Universidade Normal do Noroeste todas as manhãs. No início era apenas ele. Gradualmente, mais e mais pessoas se juntaram a ele.

O Sr. Yuan devolveu à sua cidade natal seu trabalho árduo e conhecimentos tecnológicos. Também liderou outros na criação de uma terra espiritual pura no noroeste da China. Em dois curtos anos, o local de prática de exercício universitário, que começou apenas com o próprio Sr. Yuan, via agora regularmente dezenas de milhares de pessoas todas as manhãs.

Muitos novos locais de prática dos exercícios do Falun Gong surgiram por toda a cidade. As pessoas reuniam-se em parques e praças todas as manhãs para praticar os exercícios em conjunto. À luz do sol da manhã, os praticantes pacíficos faziam movimentos suaves juntamente com a bela música do Falun Gong. Esses grupos constituíam um cenário espetacular e belo em Lanzhou, a "Cidade Dourada".

Sem promoção nem publicidade, a prática do Falun Gong espalhou-se de boca em boca. O seu milagroso poder curativo e eficácia na elevação do caráter moral da sociedade como um todo contribuiu para que se tornasse tão difundida e rapidamente ganhasse uma grande simpatia.

O número de praticantes na região noroeste aumentou rapidamente no final da década de 90. Para melhor ajudar os novos praticantes e coordenar entre os locais de prática dos exercícios, o Sr. Yuan fundou os centros de assistência voluntária em Lanzhou, capital da província de Gansu, depois em Xi'ning e Yinchuan, as capitais dos vizinhos Qinghai e província de Ningxia respectivamente. O Sr. Yuan tornou-se coordenador e pessoa de contato dos três centros.

Embora as oficinas do Falun Gong sejam gratuitas, os materiais de impressão e o aluguel de espaço para essas oficinas são dispendiosos. Os praticantes que ajudaram nos centros de assistência não só voluntariaram o seu tempo, como também contribuíram através da doação de dinheiro. Como um jovem praticante que vive uma vida simples, o Sr. Yuan doou fundos consideráveis para os centros todos os anos, anonimamente.

Quando o Gansu Daily, o maior jornal da província, publicou um artigo em julho de 1998 caluniando o Falun Gong, o Sr. Yuan foi pessoalmente à sede e partilhou com os editores e repórteres a sua própria experiência de se beneficiar da prática. A sua história e sinceridade tocaram profundamente o pessoal do jornal, que mudou a sua atitude em relação à prática e mais tarde publicou um pedido de desculpas no jornal.

O Sr. Yuan também ajudou a organizar conferências em toda a província para que praticantes novos e veteranos se juntassem para partilhar as suas experiências de cultivo. A terceira conferência anual de partilha foi realizada no Ginásio de Lanzhou, em junho de 1998. Muitos praticantes partilharam as suas histórias e até o pessoal do local e a equipe de segurança se sentaram para ouví-las.

Quase dez mil pessoas participaram nessa conferência e tudo decorreu sem problemas e ordeiramente, sem qualquer empurrão ou gritos. Os praticantes deixaram o local mais limpo do que quando a conferência começou. O pessoal ficou emocionado: "Nunca vimos um grupo tão simpático. Vocês são bem-vindos de novo".

Os pais do Sr. Yuan começaram a praticar o Falun Gong

Depois de testemunharem a mudança dramática do seu filho, tanto física como mental, os pais do Sr. Yuan sabiam que o Falun Gong é uma boa prática.

Na altura, a Sra. Ren sofria de doenças cardíacas e de um problema hepático. Embora ela tivesse sido submetida a duas grandes cirurgias, os sintomas voltavam todos os invernos, por vezes exigindo mesmo a hospitalização. Pouco tempo depois de ter iniciado a prática, porém, todas as suas doenças desapareceram.

O pai do Sr. Yuan tinha cirrose, cicatrização do fígado em fase avançada e tinha tomado inúmeros medicamentos, mas nada ajudou. O seu sistema imunitário estava fraco e adoecia facilmente. Tinha de usar uma toca mesmo durante o verão e não conseguia comer nada frio, senão adoecia. Depois de também ter começado a praticar o Falun Gong, a sua saúde melhorou rapidamente e ele parecia uma pessoa completamente diferente.

Embora tenham passado por muitas tribulações ao longo da história, o povo trabalhador e bondoso da China nunca perdeu a sua ligação espiritual com o divino e sempre acreditou em ser bom. Como um farol de luz, o Falun Gong, enraizado profundamente na sabedoria antiga, iluminou a província de Gansu, o lar das Cavernas dos Mil Budas, e reacendeu uma esperança nas pessoas. O poder milagroso do Falun Gong na cura e na aptidão física atraiu um grande número de praticantes na região Noroeste. À medida que a compreensão do seu ensino pelos praticantes se aprofundava, a sua moral elevava-se e a sua visão da vida mudava para melhor.

A perseguição começou

A publicação pelo Gansu Daily do artigo que manchava o Falun Gong em 1998 não foi um incidente isolado. À medida que a prática foi ganhando mais popularidade, também atraiu a atenção do governo central. Alguns altos funcionários consideraram a disciplina espiritual baseada nos princípios Verdade, Compaixão e Tolerância como uma ameaça. Toda a publicação de livros do Falun Gong foi proibida em 1996 e vários noticiários começaram a criticar a prática. Mas nada disso impediu o grupo de crescer. Estima-se que em 1999, havia quase 100 milhões de pessoas a praticar o Falun Gong na China.

O número absoluto de praticantes deixou nervoso Jiang Zemin, o então chefe do PCC que em julho de 1999 lançou uma perseguição a nível nacional contra o Falun Gong. Uma detenção em grande escala ocorreu em 20 de julho e todos os coordenadores locais até o nível do condado foram presos.

O Sr. Yuan e outros sete, incluindo o Sr. Ge Junying, o Sr. Yu Jinfang e o Sr. Li Mingyi da cidade de Lanzhou foram detidos nessa manhã. Foram levados para o Hotel Renmin e para o Hotel Hongtudi, em Lanzhou, e detidos durante seis meses.

O Sr. Yuan tinha estado fora para uma viagem de negócios à cidade de Dunhuang desde 11 de julho. Quando ele não regressou no dia 21 como planejado, a sua família contatou o seu trabalho. O seu supervisor enganou os seus pais, dizendo que ele havia ido a outra cidade a negócios, sabendo que o Sr. Yuan já havia regressado da sua viagem de negócios, mas foi levado da sua habitação alugada no início da manhã do dia 20 pelo agente Li Peican e Lu Zhibin do Departamento de Polícia de Lanzhou.

Um andar inteiro do Hotel Renmin foi dedicado à detenção de praticantes do Falun Gong. Cada praticante foi colocado num quarto separado e controlado 24 horas por dia. As suas famílias não foram notificadas e não foram autorizadas a visitá-los. O Sr. Yuan foi submetido a seis meses de intensa lavagem cerebral até ser libertado sob fiança em 20 de janeiro de 2000. Durante os seis meses seguintes, foi-lhe ordenado que se apresentasse ao departamento de polícia da cidade uma vez por semana.

Conspirando com o departamento de polícia da cidade, a filial da Agência 610 (uma agência extralegal criada especificamente para perseguir o Falun Gong) da sua empresa suspendeu o Sr. Yuan do trabalho em janeiro de 2001. Foi de novo detido e submetido a outra ronda de lavagem cerebral. O Sr. Yuan decidiu deixar a cidade para evitar mais assédio e detenção arbitrária.

O Sr. Yuan fez a lista dos mais procurados da nação. O Departamento de Polícia de Lanzhou e o seu trabalho enviou uma equipe para procurá-lo em Pequim, em Guangzhou, na cidade natal do seu pai, na Mongólia Interior e até na casa do seu primo, numa pequena aldeia de montanha. A Sra. Ren recordou: "A polícia assediou frequentemente a minha família depois de ele ter partido, tentando descobrir onde ele estava".

Preso e torturado

Enquanto estava em fuga, o Sr. Yuan desistiu da ideia de encontrar um emprego com os seus conhecimentos profissionais. Vivendo uma vida muito frugal, juntou-se a outros praticantes e trabalhou para expor as mentiras do regime comunista que caluniavam o Falun Gong.

Como forma de evitar que os praticantes viajassem até Pequim para apresentar uma petição ao governo, foram confiscados os cartões de identidade de muitos praticantes. Foram criados pontos de controle ao longo das principais estradas e os automóveis e ônibus de viagens longas eram regularmente revistados, onde todos os passageiros tinham de mostrar os seus cartões de identidade. Muitos praticantes que viajavam sem bilhete de identidade tinham sido identificados dessa forma enquanto tentavam comprar um bilhete ou embarcar num ônibus.

Em 30 de agosto de 2001, um automóvel na cidade de Dunhuang foi parado e a polícia começou a verificar os cartões de identidade dos passageiros um a um. O Sr. Yuan estava a bordo e sem identidade. Ele havia deixado a sua cidade natal, Lanzhou, no início do ano, para evitar ser preso.

A polícia ficou desconfiada quando o Sr. Yuan não conseguiu mostrar a sua identidade. Não demoraram muito tempo a identificá-lo como um dos fugitivos do Falun Gong e a prendê-lo. A busca foi ordenada diretamente pelo Ministério da Segurança Pública em Pequim, a qual esperava-se interceptar mais de uma dúzia de praticantes que pudessem estar seguindo essa rota para ir para a província de Xinjiang.

O Gabinete de Segurança Pública de Gansu rapidamente organizou um processo contra o Sr. Yuan e foi criado um comitê especial para encontrar todos os praticantes ligados a ele nas três províncias do Noroeste. Esses funcionários viram uma grande oportunidade política para subirem para posições de topo e avançarem nas suas carreiras. Um dos funcionários do comitê revelou mais tarde que o Sr. Yuan foi enforcado e severamente espancado após a detenção em Dunhuang.

Foi então levado para o Centro de Detenção de Siergou, no Distrito de Xigu, em Lanzhou. Acreditava-se que o Sr. Yuan tinha sido colocado na solitária no início, mas acabou por sair da mesma depois de ter protestado. A sua família, contudo, não foi notificada do local da sua detenção.

"Tentamos encontrar o paradeiro do meu filho", recordou a Sra. Ren. "Quando fomos ao Centro de Detenção de Siergou, os guardas disseram-nos que ele não estava lá detido. Fomos então para o Centro de Detenção de Xiguoyuan, mas também não o encontramos lá, por isso voltamos a Siergou e acabamos por descobrir que ele estava na Divisão nº 4. Já era meados de outubro quando finalmente o descobrimos".

"O agente Wang Jixu, do Departamento de Polícia de Lanzhou, estava encarregado do caso do meu filho. Quando disse aos guardas que ia trazer ao meu filho algumas roupas quentes, Wang disse que tinha de chamar o seu supervisor. O seu supervisor deve ter perguntado quem era ao telefone, porque Wang disse: "parecia que era a sua mãe". Depois disseram-me que o supervisor deu-me autorização para trazer algumas roupas. Voltamos algumas vezes ao centro de detenção com roupa e comida, mas nunca nos foi permitido ver o meu filho".

Os membros do comitê especial descobriram depressa que esse jovem aparentemente gentil e frágil tinha uma vontade de aço. Quando a habitual rotina de interrogatório não o fez falar, acharam que precisavam de mais equipamento e de um espaço maior para lhe infligir mais dor. O Gabinete de Segurança Pública pressionou os administradores no trabalho do Sr. Yuan, o Gabinete de Telecomunicações, para os encontrar um lugar mais "adequado".

Curvando-se às exigências da polícia, o Gabinete de Telecomunicações disponibilizou o Jardim de Hongyan que possuía atrás da montanha Baitashan. O jardim está localizado a oito quilômetros do centro da cidade, rodeado por montanhas cobertas de árvores antigas. O tempo estava ficando frio e havia menos visitantes na área, tornando-o um local ideal para sessões de tortura. A polícia deslocou rapidamente o Sr. Yuan para lá, levando com eles dois caminhões carregados de aparelhos de tortura.

A polícia não tinha vergonha de aplicar todos os tipos de métodos de tortura ao Sr. Yuan. Revelou-se mais tarde que ele foi algemado numa posição de águia com as mãos e pernas abertas o mais amplamente possível. A polícia tentou fazê-lo confessar que ele era o principal coordenador das cinco províncias da região Noroeste, mas ele nunca disse uma palavra.

A polícia algemou então as suas mãos ao radiador de uma forma que ele não conseguia agachar-se nem levantar-se até ao fim. Estar algemado nessa posição incômoda durante um longo período de tempo causou uma quantidade inimaginável de dor. De acordo com um a fonte, embora o Sr. Yuan parecesse fraco, a determinção que demonstrou valeu-lhe o respeito dos agentes policiais.

Reencenação da tortura: Enforcado e espancado

Reencenação da tortura: Mãos algemadas em posição agachado, onde a vítima não podia levantar, nem agachar.

Fuga e busca em toda a cidade

Por alguma sorte milagrosa, o Sr. Yuan saiu das algemas e grilhões de manhã cedo, em 29 de outubro de 2001, enquanto todos os guardas estavam dormindo. Ele entrou por algumas portas e saiu do edifício.

Do interior do pátio, a cerca não parecia tão alta. Mas quando deu um salto, o Sr. Yuan encontrou o terreno no exterior muito mais baixo, típico das vedações nas zonas montanhosas. Ele caiu e quebrou a sua perna. Não podendo caminhar, o Sr. Yuan rastejou uma distância até encontrar uma caverna de terra feita pelo homem.

Tendo sofrido ferimentos tanto no exterior como no interior e tendo estado em greve de fome, o Sr. Yuan estava extremamente fraco e desmaiou. Entre estar consciente e inconsciente, ouviu pessoas caminhando e a falando fora da caverna, bem como sirenes à distância.

Nos dias seguintes, as sirenes puderam ser ouvidas em toda a cidade de Lanzhou. Uma busca por toda a cidade estava sendo efetuada por dois mil polícias após a fuga do Sr. Yuan. Todos os principais cruzamentos, centros de transporte e estações foram bloqueados. As casas dos praticantes locais foram revistadas. O assédio forçou um praticante nos seus 60 anos a saltar da janela da sua casa do quarto andar, o que feriu a parte inferior das costas e a sua perna.

A busca foi rapidamente alargada para incluir todos os condados, cidades e vilas vizinhas. Uma ordem mais alta veio para "cavar o terreno a sete centímetros de profundidade para encontrar Yuan Jiang".

Foram criados postos de vigilância nas principais estradas e cruzamentos. Os carros só podiam entrar na cidade, mas não eram autorizados a sair. A polícia passou um pente fino em todos os hotéis e motéis da região. As pessoas interrogavam-se: "Tantos recursos foram gastos à procura de um praticante do Falun Gong? Não vimos um alvoroço tão grande quando o criminoso que assassinou quatro pessoas escapou".

Um breve descanso antes da morte

"Assim que o meu filho escapou, o oficial Lu Zhibin e alguns outros vieram bater à porta. Eles entraram e olharam à volta, mas não nos disseram nada. Quando o meu marido lhe perguntou como estava o meu filho, ele mudou de assunto e não respondeu diretamente. Quando fui ao mercado, um agente saltou de um carro da polícia estacionado perto do nosso edifício. Ele perguntou-me para onde eu ia e disse-me para não ir muito longe e não passar muito tempo lá fora".

O Sr. Yuan passou três dias e quatro noites na caverna de terra. Ele foi às fazendas próximas à noite para conseguir alguns nabos para mantê-lo vivo. Era no fim de outono tardio. As manhãs e as noites já eram muito frias na região Noroeste, com temperaturas por vezes abaixo do ponto de congelamento. O Sr. Yuan ainda usava uma roupa leve de quando foi preso em agosto. Estava magro, com fome e com muitas dores.

Estava muito calmo fora da caverna, na quarta manhã de 3 de novembro. O Sr. Yuan rastejou até que encontrou um pau para se sustentar e seguiu para a estrada principal. Um gentil taxista deu-lhe carona até a casa de um praticante local, a casa do Sr. Wang Zhijun, no distrito de Xigu.

O Sr. Wang assustou-se quando viu a pessoa que estava à sua porta. Tinha nódoas negras e inchaços na cara com sangue ainda saindo da boca e do nariz. O seu cabelo estava desarrumado e coberto de sujeira. A sua camisa estava desfiada com folhas de nabo murchas penduradas no bolso do lado direito do peito e as suas pernas eram pele e ossos e de cor púrpura escura, do joelho para baixo.

O Sr. Wang estava em choque quando esse homem disse: "Eu sou Yuan Jiang". Ele não conseguiu conter as suas lágrimas: que tipo de inferno deve ter passado o seu amigo para ter estar nessas condições?

O Sr. Wang recompôs-se, desceu as escadas e pagou o taxista. Chamou o Sr. Yu Jinfang e alguns outros praticantes locais para discutir como cuidar e proteger o Sr. Yuan.

A busca do Sr. Yuan não havia parado. O Sr. Yuan não tinha uma identidade, o que significa que nenhum hospital podia admití-lo e, para serem honestos, os praticantes receavam que o hospital levassem o Sr. Yuan até a polícia. Decidiram transferi-lo para a casa da filha do Sr. Yu Jinfang para cuidar dele.

As muitas sessões de tortura que o Sr. Yuan sofreu haviam causado graves lesões internas. O sangue continuava a sair da sua boca e do seu nariz. Ele perdia a consciência nos dias seguintes.

Na tarde de 8 de novembro, o inchaço na perna do Sr. Yuan diminuiu. Por volta da 1 hora depois da meia-noite, ele adormeceu. Dormiu bem e não virou-se como nas noites anteriores. Aqueles que cuidavam dele deixaram a sala. Ninguém queria perturbá-lo, afinal, ele tinha estado tão cansado.

O Sr. Yuan faleceu pacificamente durante o seu sono naquela noite. Esse jovem suportou uma tortura inimaginável para manter a sua fé e a verdade.

O relato da Sra. Ren

"Fomos buscar a minha filha mais nova na rodoviária por volta das 21 horas do dia 8 de novembro. Quando os praticantes telefonaram de manhã cedo no dia seguinte, eu pensei que era o meu genro. Não fui buscar e a minha filha também não. Quando voltaram a telefonar, respondi e disseram-me para ir até a casa de um praticante".

"Eu sabia que havia acontecido alguma coisa. Quando vi o praticante, o olhar no seu rosto, soube que algo havia acontecido. Ele levou-me para o quarto onde o meu filho dormia. Quando o vi, quase desmaiei. Esse não pode ser o filho de quem tanto senti falta".

"Ele estava reduzido a pele e ossos e eu mal conseguia reconhecê-lo. Os seus olhos ainda estavam ligeiramente abertos e o sangue saía da sua boca e do seu nariz. A minha mente ficou em branco e as lágrimas corriam pelo meu rosto. A dor era avassaladora".

"O meu coração partiu-se em mil pedaços quando vi o seu corpo ali deitado, mas mantive-me firme o melhor que pude. Passei gentilmente a mão nas suas pálpebras para fechá-las. Toquei-lhe na testa fria e puxei-lhe a mão dura".

"Quase desmaiei novamente quando vi que a sua perna direita estava toda preta do joelho para baixo. Havia uma mancha do tamanho da minha palma na sua panturrilha e uma mancha do tamanho do meu polegar no interior do seu pé, onde a pele e a carne tinham desaparecido e os ossos tinham sido expostos. Toda a sua perna estava magra como um pau seco. Esse não era absolutamente o filho que me lembrava".

A Sra. Ren foi para casa e partilhou a notícia com o seu marido. O pobre homem simplesmente não sabia como lidar com isso. A Sra. Ren nunca o havia visto tão magoado.

Contudo, o casal não podia deixar que a filha descobrisse. Tinham acabado de ir buscar a sua filha mais nova que estava de visita fora do país. Ela e o Sr. Yuan tinham sido sempre muito próximos e ela ficaria devastada. O casal fingiu que nada tinha acontecido. Entretiveram a sua filha até ela sair sem dizer uma palavra sobre a morte do seu irmão mais novo.

A filha acabou por descobrir a morte do Sr. Yuan no website Minghui. Ela simplesmente não conseguiu acreditar.

O Sr. Yuan era o favorito do seu pai e o seu orgulho. O professor Yuan isolou-se dos outros após a morte do seu filho. Durante anos, ele raramente falava e muitas vezes gritava em voz alta quando estava sozinho. O professor Yuan nunca recuperou-se do desgosto até à sua morte em janeiro de 2011. Ele não disse nada antes de morrer e faleceu calmamente depois de ficar deitado na cama durante dois dias.

Para evitar o assédio interminável por parte da polícia, a Sra. Ren informou o supervisor do Sr. Yuan sobre a sua morte. Os administradores da empresa e agentes da polícia do departamento de polícia de Lanzhou levaram o corpo do Sr. Yuan.

A camisola de caxemira e o casaco que a Sra. Ren levou para o centro de detenção nunca chegou ao Sr. Yuan. Ele ainda estava com um par de calças leves e duas camisa finas no dia da sua morte.

II. A história da Sra. Ren e do professor Yuan

Quando a perseguição começou em julho de 1999, a Sra. Ren e o professor Yuan foram a Pequim para apresentar uma petição ao governo central. Eles queriam dizer ao governo que o Falun Gong é bom e está sendo injustiçado. No entanto, ambos foram detidos durante nove dias em novembro de 2000 na Delegacia de Polícia de Anning.

A Sra. Ren foi novamente a Pequim no final de dezembro de 2000 e foi presa e escoltada de volta à cidade de Lanzhou. Foi detida na Delegacia de Polícia de Anning durante duas semanas antes de ser transferida para o Centro de Detenção nº 1 de Lanzhou, onde foi detida durante cinco meses. Quando foi libertada no início de junho de 2001, descobriu que o seu filho, Sr. Yuan, tinha deixado a cidade para evitar ser preso.

O professor Yuan passou alguns meses sozinho enquanto o seu filho estava em fuga e a sua esposa ainda estava detida. Para impedí-lo de ir novamente para Pequim, a universidade em que trabalhava enviou membros do pessoal para o vigiarem. A administração da escola até tentou que ele ficasse num local designado. Quando isso falhou, providenciaram para que um membro do pessoal se instalasse e o monitorizasse 24 horas por dia. O professor Yuan protestou: "Eu não sou um criminoso. Não podem me tratar assim".

Em finais de agosto de 2001, o casal soube da prisão do Sr. Yuan num automóvel na cidade de Dunhuang. Eles estavam preocupados. Depois de descobrirem onde o Sr. Yuan foi detido, o casal foi ao Centro de Detenção de Siergou algumas vezes, mas não lhes foi permitido ver o seu filho.

A Sra. Ren descobriu em finais de outubro que o Sr. Yuan foi transferido para o Jardim de Hongyan. Ela visitou o supervisor do Sr. Yuan, na esperança de encontrar uma forma de levar algumas roupas quentes e comida ao seu filho. O diretor Shi Ming disse-lhe: "Ele não disse uma palavra desde a detenção. Pare de lhe mandar comida". A julgar pelas palavras de Shi, a Sra. Ren sabia que era provável que o Sr. Yuan estivesse em greve de fome.

Após a fuga do Sr. Yuan, um carro da polícia estacionado perto do edifício dos seus pais e o casal foi vigiado 24 horas por dia. A Sra. Ren foi interrogada sempre que saia do edifício e foi-lhe dito: "não vá muito longe, volte depressa".

Depois de recolher o corpo do Sr. Yuan, a polícia levou os seus pais a um edifício na Universidade Normal e tentou descobrir como descobriram a morte do Sr. Yuan.

A Sra. Ren recordou: "O agente Lu Zhibin obrigou-me a escrever uma declaração dizendo que não pedimos uma autópsia do corpo. Mas soube mais tarde que foi realizada uma autópsia sem a nossa autorização. Fomos detidos na universidade durante toda a noite até à manhã seguinte".

"Fomos vigiados e frequentemente seguidos quando saímos. A minha filha mais velha vive no estrangeiro há mais de 20 anos, mas apesar de ter repetidamente nos convidado a visitá-la, não conseguimos obter os documentos de viagem necessários. O nosso direito de visitar a nossa filha nos foi tirado por causa da nossa crença".

"Os funcionários aposentados da universidade têm recebido subsídios mensais desde março de 2001. Passou de 150 para 230 yuans, depois para 600 e é agora de 900 yuans. Mas não nos foi concedido nenhum dinheiro".

Um desconhecido visitou o casal em casa no dia seguinte à morte do Sr. Yuan. Apresentou-se como ex-aluno do professor Yuan que era agora jornalista e disse à Sra. Ren que a sua esposa também praticava o Falun Gong. Pediu à Sra. Ren que lhe dissesse o que aconteceu em pormenor para que pudesse escrever um artigo e enviá-lo para o website Minghui.

A Sra. Ren agradeceu-lhe, mas recusou a oferta. Quando o professor Yuan saiu do quarto, este estranho que afirmava ser um ex-aluno não reconheceu o seu professor.

O subgerente Li do trabalho do Sr. Yuan veio visitar-nos mais tarde nessa tarde. Depois de verificar através do olho mágico da porta, a Sra. Ren abriu a porta. No entanto, Li não veio sozinho. Cinco homens vestidos com a mesma roupa entraram logo a seguir a Li.

"Eram quase 18 horas. O agente Lu Zhibin do Departamento de Polícia de Lanzhou e um chefe de equipe entraram com Li. O chefe de equipe trouxe um bando de pessoas mais tarde nessa noite. Com uma câmara de vídeo apontada para nós, fomos novamente interrogados sobre como soubemos da morte do nosso filho e o que aconteceu. Alguém estava também tomando notas com caneta e papel. Um grupo de estranhos, tanto homens como mulheres, foram trazidos para um procedimento de identificação".

No dia em que o corpo do Sr. Yuan foi cremado, o oficial Wang Jixu trouxe vários estranhos que estavam do outro lado da rua do crematório e apontou para a Sra. Ren para identificá-la.

Mais tarde, um agente da polícia foi enviado ao Centro de Detenção de Siergou e disse a todos os detidos que partilhavam uma cela com o Sr. Yuan que "Yuan Jiang nunca foi detido aqui", ameaçando-os a nunca revelar a verdade.

III. O que aconteceu aos que ajudaram o Sr. Yuan

Após a morte do Sr. Yuan, a Divisão de Segurança Interna do Departamento de Polícia de Lanzhou efetuou uma busca e detenção em larga escala. Os praticantes que ajudaram o Sr. Yuan após a sua fuga foram presos um a um.

O agente Lu Zhibin levou uma dúzia de outros a invadir a casa do Sr. Yu Jinfang em 11 de novembro de 2001. Sem um mandado, prenderam o Sr. Yu, a sua esposa, Sra. Xia Fuying, a sua filha não praticante, o seu genro e até a sua ama. O lar do jovem casal foi saqueado.

O Sr. Yu foi levado para o Centro de Detenção do Condado de Yuzhong. A Sra. Xia foi libertada após dois dias, mas a sua filha e o seu genro foram detidos durante três dias e multados em 1.000 yuans. Mesmo assim, não tiveram acesso à sua própria casa até seis meses mais tarde.

O Sr. Yu Jinfang e a sua esposa, a Sra. Xia Fuying

O Sr. Yu foi fisicamente maltratado no Centro de Detenção do Condado de Yuzhong. A sua família foi notificada duas semanas mais tarde de que tinha sido admitido no Centro de Reabilitação do Trabalho Forçado e Hospital Dashaping na cidade de Lanzhou devido a hemorragia gastrointestinal. O que não disseram à família foi que o Sr. Yu entrou em greve de fome para protestar contra a detenção e foi amarrado a uma cama de metal durante quatro dias seguidos.

Quando o Sr. Yu teve alta do hospital alguns meses mais tarde, em abril de 2002, foi pedido à sua família que pagasse 4.000 yuans em despesas médicas. As suas filhas contribuíram e cobriram metade delas e o seu local de trabalho emprestou o resto à sua esposa Sra. Xia e recebeu um pagamento mensal do seu salário.

Após ter tido alta do hospital, o Sr. Yu foi detido no Centro de Detenção de Dashaping na cidade de Lanzhou.

O Sr. Yu Jinfang, a sua esposa Sra. Xia Fuying e o Sr. Wang Zhijun foram condenados no início de dezembro de 2002 sem uma audiência pública.

O agente He Bo da Divisão nº 16 do Departamento de Polícia de Lanzhou e outros cinco invadiram a casa do Sr. Yu Jinfang e da filha da Sra. Xia Fuying em novembro de 2003, prenderam a Sra. Xia e mantiveram-na no Centro de Detenção nº 2 de Lanzhou.

Alguns dias depois, o Sr. Yu Jinfang foi condenado a cinco anos de prisão, a sua esposa Sra. Xia Fuying a três anos e o Sr. Wang Zhijun a cinco anos.

O praticante de Lanzhou, Sr. Wen Shixue, foi preso na cidade de Shijiazhuang na província de Hebei em fevereiro de 2002 por ter afixado uma faixa do Dafa. Após escoltá-lo de volta, a polícia da Divisão de Segurança Interna do Departamento de Polícia de Lanzhou fabricou provas contra ele, juntou o seu caso ao caso do Sr. Yuan, e condenou-o a oito anos e meio de prisão.

A morte do Sr. Yu Jinfang

O Sr. Yu foi obrigado a dormir num local úmido e sombrio no chão da prisão, o que provocou uma erupção cutânea chamada sarna que cobriu todo o seu corpo. Essas sarnas tinham muitas vezes sangue e pus saindo para fora. O Sr. Yu desenvolveu uma febre alta e ficou acamado. Ele não podia comer nem beber e estava em estado crítico.

A clínica prisional avisou a sua filha. Após a sua filha ter pago 2.000 yuans em março de 2003 ao Hospital e Centro de Reabilitação Através do Trabalho Forçado de Dashaping, o Sr. Yu foi libertado em liberdade condicional médica. Estava em tão mau estado que saiu do centro de detenção carregado. No entanto, em menos de um mês, foi levado de volta para o centro de detenção. Após repetidas alegações da família e um pagamento adicional de 4.000 yuans, ele foi novamente hospitalizado.

O Sr. Yu foi física e verbalmente agredido durante os seus cinco anos de prisão até ser libertado em novembro de 2006. Ficou emaciado, não conseguia comer muito e vomitava frequentemente. Segundo o próprio Sr. Yu, ele começou a ter esses sintomas dois meses antes da sua libertação. A sua esposa Xia, que foi libertada três dias antes dele, perguntou-lhe: "Não tem nada a dizer-me?". Ele sorriu, mas não disse nada.

A saúde do Sr. Yu continuava a declinar diariamente. Ele não conseguia comer nada e vomitava cada vez com mais frequência. Doze dias após a sua libertação, o Sr. Yu faleceu um pouco depois das 18 horas do dia 25 de novembro de 2006.

IV. Conclusão

A perseguição de 20 anos contra o Falun Gong não só causou dor e sofrimento a centenas de milhares de seguidores inocentes de "Verdade, Compaixão e Tolerância" e as suas famílias, como também envolveu muitos oficiais do PCC e as forças da lei em crimes imperdoáveis.

Muitos malfeitores receberam retribuição pelo que fizeram e Ma Xili, a vice-secretário provincial de Gansu do PCC, também chefe da Força de Intervenção Preventiva e de Instrução do Culto foi um exemplo.

Ma era o mais alto funcionário da província de Gansu encarregado de perseguir os praticantes do Falun Gong. A sua esposa morreu em 2003. O seu único filho, que era um alto funcionário do Departamento do Tesouro, morreu de câncer do fígado no ano seguinte. A sua nora criou o neto. A filha ficou gravemente ferida num acidente de carro e tornou-se um vegetativa. O próprio Ma foi afastado do seu cargo em outubro de 2006.

Aqueles que se associaram à Ma também receberam retribuições. O diretor Han Jianfei da Agência 610 de Gansu que trabalhava sob a direção de Ma foi preso. O presidente Shi Xingguang do Gansu Daily, um jornal que publicou artigos de propaganda difamando o Falun Gong, foi morto por um guarda de segurança em casa.

Os regimes que perseguiram as crenças retas na história acabaram todos por se destruir no processo. Essa campanha de perseguição contra o Falun Gong também expôs completamente a natureza perversa do PCC de "engano, maldade e luta".

O PCC está destruindo a moralidade da humanidade através de propaganda e mentiras, que enchem os meios de comunicação social Estatais, lavagem cerebral e tortura, detenções e prisões arbitrárias, sentenças ilegais de trabalhos forçados e prisão, supressão aberta e perseguição, extração secreta de órgãos de praticantes do Falun Gong para fornecer uma lucrativa operação de transplante de órgãos.

Para defender a verdade e expor as mentiras viciosas do regime comunista, dezenas de milhares de praticantes do Falun Gong como o Sr. Yuan realizaram sacrifícios tremendos. As gerações futuras respeitarão e admirarão profundamente esses heróis anônimos que suportaram o inimaginável para despertar as consciências das pessoas.