Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Professora aposentada de 85 anos morre após ser assediada por causa de sua fé

24 de Fevereiro de 2021 |   Por um correspondente Minghui na província de Heilongjiang, China

(Minghui.org) Uma mulher de 85 anos morreu três meses depois de ter sido assediada e ameaçada pela polícia por fazer uma reunião em sua casa para estudar os ensinamentos do Falun Gong.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma antiga disciplina espiritual que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

A Sra. Li Jingxia

A Sra. Li Jingxia era uma professora aposentada da escola secundária na cidade de Qiqihar, província de Heilongjiang. Em 24 de julho de 2020, dois agentes da delegacia de polícia rodoviária de Anshun a assediaram em casa, depois de monitorarem suas chamadas telefônicas e descobrir que ela estava recebendo praticantes locais para estudar os ensinamentos do Fa.

Eles revistaram sua casa e permaneceram lá das 8h às 17h. Depois de saírem, a Sra. Li não conseguiu comer. A pressão mental fez com que a sua saúde se deteriorasse rapidamente. Ela faleceu às 20 horas do dia 20 de outubro de 2020.

A morte da Sra. Li se seguiu após várias prisões e assédio nas últimas duas décadas por sua fé no Falun Gong.

Após ter sido presa em 2005, um policial cobriu-lhe a cabeça com um saco de plástico, algemou suas mãos atrás das costas e bateu em sua cabeça com um taco. Outro agente queimou suas orelhas com um isqueiro, pisou e torceu o peito do seu pé, a chicoteou com um cinto de couro e a pendurou pelos pulsos. O oficial até a ameaçou: "Se fosse mais jovem, eu teria te estuprado bem aqui”.

A Sra. Li foi presa em 25 de julho de 2016, depois de ter sido denunciada por falar com pessoas sobre o Falun Gong em uma estação de ônibus. A polícia parou o ônibus para prendê-la. Ela ficou detida na delegacia de polícia local até meia-noite e voltou para casa por volta das três da manhã.

O seguinte é o relato pessoal da Sra. Li sobre as suas provações entre 2000 e 2005, que escreveu em 2017.

Porque me recuso a renunciar ao Falun Gong

Antes de começar a praticar o Falun Gong, tinha muitas doenças. O Falun Gong me ajudou a ganhar saúde mental e física. Também me ensinou a seguir Verdade, Compaixão e Tolerância para ser uma boa pessoa.

Desde que o Partido Comunista Chinês (PCC) lançou a sua perseguição ao Falun Gong em julho de 1999, no entanto, ele caluniou a prática. Por eu contar a verdade sobre o Falun Gong e a perseguição, fui presa e severamente torturada.

A polícia incita os criminosos a espancar os praticantes

Estávamos planejando apelar ao governo central em Pequim em dezembro de 2000 pelo direito de praticar o Falun Gong. Na estação ferroviária em Changchun, província de Jilin, testemunhei um policial bater em um praticante, que caiu no chão, e mesmo assim o polícia continuou a lhe espancar.

Fomos impedidos de embarcar no trem e detidos com outros praticantes em uma pequena sala na estação de trem. Um guarda falou a um ladrão detido conosco que se ele batesse em um praticante, ele seria libertado. O ladrão e os guardas nos bateram. A praticante que veio comigo caiu e o ladrão e os guardas pisaram em seu rosto. Eles a chutaram e machucaram suas pernas. Todos nós fomos brutalmente espancados.

O policial Xia Zelin, que mais tarde morreu em um acidente, disse que eu tinha de pagar uma multa de 10 mil yuans. Ele escreveu a seguinte nota como recibo, que não tinha um carimbo ou selo oficial:

O "recibo" do agente Xia Zelin datado de 19 de dezembro de 2000. Diz o seguinte: "A Sra. Li pagou uma multa de 10 mil yuans."

Crânio ferido

Em 2002, alguns praticantes em Changchun interceptaram a transmissão de TV do governo e transmitiram programas que refutavam a propaganda caluniosa do governo sobre o Falun Gong. Depois disso, o ex-líder do Partido Comunista Chinês, Jiang Zemin, emitiu uma ordem para prender todos os praticantes que se recusassem a renunciar à sua fé no Falun Gong.

Changchun lançou uma operação massiva para prender os praticantes. O Comitê de Assuntos Políticos e Legais de Qiqihar, uma agência extrajudiciária encarregada de perseguir o Falun Gong, determinou que cada delegacia de polícia prendesse no mínimo 15 praticantes.

Encenação da tortura: Cobrir a cabeça da vítima com um saco de plástico

Três oficiais da Delegacia de Polícia de Anshun Road chegaram à minha porta depois das 22h. Assim que entraram em meu apartamento, eles confiscaram meus livros e outros pertences pessoais e me levaram para a delegacia local.

Ao entrar no prédio, ouvi os gritos dos praticantes que estavam sendo torturados. Eu gelei até os ossos no silêncio da noite.

Quando o oficial Liu Dayi me perguntou por que eu praticava o Falun Gong, eu disse: “Para ter uma boa saúde”.

Ele me xingou e disse: "Vamos ver como posso endireitar você!"

Ele cobriu minha cabeça com um saco plástico, algemou minhas mãos atrás das costas e acertou minha cabeça com força com um taco. Cada vez que ele me atingia, o choque parecia um terremoto. Ele feriu meu crânio.

Fui transferida para o Centro de Detenção Nº 2, onde fiquei detida por 15 dias. Lá, eu vi uma praticante que havia sido torturada: seu corpo inteiro estava coberto de hematomas, seu rosto estava completamente machucado e suas pernas estavam inchadas.

Outra praticante detida tinha cerca de 20 anos e era do interior. Sua família inteira praticava o Falun Gong. Seus pais foram presos. Os grãos colhidos naquele ano foram confiscados pelo comitê do Partido Comunista da vila. A polícia local removeu o telhado de sua casa. Ela foi presa no trabalho e não tinha roupas para vestir.

Algemada pelas costas e mais espancamentos

Na primavera de 2003, o chefe de polícia Lin Tian foi à minha casa com cinco policiais para me levar à delegacia. Naquele momento, meu filho ligou. Lin pegou o telefone e gritou: "Estamos levando sua mãe para a delegacia de polícia da estrada Anshun!".

Eu resisti, então dois deles me carregaram escada abaixo do meu prédio até a viatura da polícia. Eu nem tive permissão para calçar os sapatos. Naquela noite, eu fiquei trancada em uma pequena sala que continha instrumentos de tortura.

Dois jovens foram levados para a mesma sala naquela noite. Ouvindo que eu praticava o Falun Gong, eles bateram na porta para sair. Eles provavelmente foram enganados pela propaganda caluniosa do regime comunista sobre o Falun Gong e temiam que eu pudesse prejudicá-los.

Mais tarde, fui levada para o Centro de Detenção Nº 1 e mantida lá por quatro meses. Um dia, o chefe do centro de detenção (de sobrenome Hao) chutou a praticante Sra. Wang Guirong na cabeça, jogando-a contra a parede de concreto. Quando confrontado pela Sra. Wang que era ilegal torturar praticantes, Hao reuniu mais guardas para arrastar ela e outro praticante para o corredor e espancá-los, depois amarrou seus braços e pernas atrás das costas. Eles foram então carregados de volta para a cela, mas não puderam se sentar ou deitar.

Ilustração de tortura: Algemas e grilhões presos atrás das costas. Ajoelhadas, as mãos da vítima são algemadas atrás das costas e depois lpresas aos grilhões. As mãos e os pés são então apertados até ao limite.

Torturada sob custódia policial

Em 2005, coloquei uma cópia dos Nove Comentários sobre o Partido Comunista em um banco e fui capturada pelas câmeras de vigilância.

A polícia bateu na minha porta naquele mesmo dia. Eles perguntaram se eu havia distribuído uma cópia dos Nove Comentários. Eles alegaram que tinham um vídeo para provar que sim. Eles então revistaram e saquearam minha casa.

Eu disse a eles que deveriam filmar como tinham saqueado minha casa. Eu disse que eles deveriam saber muito bem o que é o Falun Gong e que tipo de pessoa são os praticantes do Falun Gong. Eu perguntei: "Você não quer que seus descendentes se lembrem de nada de bom sobre você?".

Eles queriam me levar embora, mas eu me recusei a obedecer. O subchefe da polícia Niu Gang, na casa dos 30 anos, garantiu-me que não me bateriam. No entanto, assim que chegamos à delegacia de polícia da estrada Anshun, Niu Gang cobriu a janela e começou a me torturar. Depois da meia-noite, eles usaram o método de “alongamento” em mim: meus braços foram esticados até o limite, meus pés foram amarrados e uma grade da cama foi pressionada diretamente sob meu peito, tudo enquanto eu era interrogada e espancada.

Encenação da tortura: “Pilotar um avião”

Como me recusei a cooperar, Niu Gang me torturou com um método chamado “pilotar um avião”. Tive que me curvar em frente a uma parede com os braços estendidos para tocar a parede. Foi insuportável. Niu deu um tapa no meu rosto e me forçou a dizer onde consegui os Nove Comentários.

Quando se cansou, amarrou minhas mãos atrás das costas, puxou meu o cabelo, e usou um isqueiro para  queimar minhas orelhas. Quando me afastei da chama, ele circulou-o à volta da minha cabeça para me queimar. As minhas orelhas foram gravemente queimadas e óleo voou da pele e carne queimadas.

Ele tirou meus sapatos e meias e pisou nos meus pés, não pararam nem mesmo quando eles sangraram. Quando estava cansado, ele abriu os Nove Comentários e leu uma parte sobre canalhas. “Canalhas? Eu sou mesmo um canalha. Se você fosse mais jovem, eu teria te estuprado bem aqui." Então ele colocou os pés na minha barriga e chutou. Ele tirou meu cinto e chicoteou meu corpo e rosto com tanta força que o cinto se quebrou.

Minha cabeça estava inchada e meu rosto estava todo ferido. Depois da meia-noite, Jiao, o chefe da delegacia de polícia, disse: "Vamos levá-la a um bom lugar para descansar." Eles me levaram até a escada entre o primeiro e o segundo andar, me colocaram em pé em cima de um banquinho e amarraram minhas mãos a um cano de aquecimento. Eles removeram o banquinho de modo que meus pés ficaram pendurados na escada.

Niu me observou. Eu cerrei meus dentes a noite inteira para suportar a dor angustiante. Meus ombros e braços ficaram dormentes depois que me soltaram na manhã seguinte. Até hoje, não tenho qualquer sensação em meus polegares.