Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Mulher, impedida de usar o banheiro na prisão, morre 17 meses após cumprir sua pena

23 de Fevereiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Hunan, China

(Minghui.org) Uma mulher de 65 anos foi torturada até a morte em 12 de dezembro de 2020, 17 meses depois de ter sido presa por causa da sua crença no Falun Gong, uma disciplina para a mente e o corpo que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

A Sra. Zhang Yaqin da cidade de Xiangtan na província de Hunan, foi presa no dia 30 de dezembro de 2018, por falar às pessoas sobre o Falun Gong e condenada a três anos de prisão no dia 13 de agosto de 2019.

Quando ela foi admitida na Prisão Feminina da Província de Hunan em setembro de 2019, a Sra. Zhang foi mantida na Divisão de Alta Segurança e submetida a uma intensa lavagem cerebral com o objetivo de forçá-la a renunciar ao Falun Gong. Durante esse período, sua família nunca teve permissão para visitá-la, isso foi usado como punição por ela se recusar a desistir da sua crença na prática. Ao mesmo tempo, as autoridades monitoraram e intimidaram sua família, tentando impedi-los de buscar justiça para a Sra. Zhang.

Foi relatado que, desde 2017, todas as praticantes do Falun Gong recém-admitidas na prisão têm que passar os dois primeiros meses na Divisão de Alta Segurança e serem submetidas à lavagem cerebral e à coerção com objetivo de forçá-las a desistirem do Falun Gong.

Durante esse tempo, elas são forçadas a ficar em pé por longas horas todos os dias e não podem usar o banheiro. Quando elas acabam fazendo as necessidades nas calças, os guardas apenas permitem que, rapidamente, lavem as calças, mas não o corpo. Eles também forçam as praticantes a usarem as calças sujas, mesmo no inverno. Depois de um tempo, as partes inferiores dos seus corpos ficam infectados e apodrecem.

Certa vez, um guarda instigou uma presa a torturar as praticantes do Falun Gong assim: "Vamos deixá-las comer, mas não vamos deixá-las usarem o banheiro".

Como resultado da tortura, a Sra. Xiao Meijun sofreu um derrame e ficou inválida. Ela não conseguia andar sozinha, suas mãos tremiam involuntariamente e a maioria dos seus dentes caíam durante a alimentação forçada, outra forma de punição. Ela foi liberada no dia 18 de maio de 2018 e faleceu no dia 2 de março de 2020.

Outras praticantes foram torturadas da mesma forma, são elas: a Sra. Jin Fuwan, a Sra. Li Jumei e uma praticante na casa dos 30 anos. A Sra. Liu Fuchun, após seis meses da sua prisão, passou a ter problema cardíaco e pedras no rim.

A Sra. Zhang passou a ter pressão alta e após ser torturada, ficou franzina. No dia 12 de dezembro de 2020, ela faleceu na prisão aos 65 anos de idade.

Esta foi a segunda vez que a Sra. Zhang foi encarcerada na mesma prisão por causa da sua crença na prática. A sua primeira detenção, entre os anos de 2008 a 2011, durou três anos e meio e durante esse período ela recebia choque elétricos, não podia dormir, era forçada a ficar em pé por longos períodos, era amarrada em um banco de tigre e submetida a uma forma de tortura com algemas, onde uma mão era passada por cima do seu ombro e algemada a outra mão que estava atrás das costas. Ela também foi forçada a fazer trabalhos pesados e injetaram drogas desconhecidas nela.

Relatórios relacionados:

Hunan Woman Dies 17 Months into Second Prison Term for Upholding Her Faith

Falun Gong Practitioners Persecuted in Hunan Province Women's Prison

Brutality Against Falun Gong Practitioners in Hunan Women’s Prison

Straitjacket Commonly Used in Hunan Women’s Prison to Torture Falun Gong Practitioners