Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

“O PCC destruiu o espírito da China”: Parisienses condenam o PCC e clamam por seu fim

9 de Janeiro de 2021 |   Por Zhou Wenying, correspondente do Minghui em Paris

(Minghui.org) Os praticantes do Falun Dafa em Paris realizaram atividades na Place de la République, no bairro chinês e no Centquatre em 26 de dezembro de 2020 e 3 de janeiro de 2021. Eles praticaram os exercícios, falaram com as pessoas sobre os benefícios da prática e sobre a perseguição do Partido Comunista Chinês (PCC) ao Dafa, que já dura 21 anos, e coletaram assinaturas em uma petição pedindo o fim do PCC. Várias pessoas assinaram a petição e muitas mostraram grande interesse em aprender o Falun Dafa. Alguns aprenderam os exercícios no local durante os eventos.

Os praticantes demonstram os exercícios do Falun Dafa em 26 de dezembro de 2020 em Paris.

Pessoas em Paris assinam uma petição pedindo o fim do PCC.

Um residente local chamado Franck disse que era budista e ficou perturbado com a notícia da perseguição de pessoas que praticam os princípios do Falun Dafa, Verdade, Compaixão e Tolerância. “O Partido Comunista Chinês destruiu o espírito da China e o espírito do povo chinês. É uma ditadura, um sistema autocrático extremo. Como uma máquina desenfreada, está fora de controle e é perigoso”, disse ele. Ele deseja um novo ano sem nenhuma perseguição em qualquer lugar da Terra e espera que todas as pessoas recuperem seu senso de paz e confiança.

Os praticantes demonstram os exercícios do Falun Dafa em 3 de janeiro de 2021 na Place de la République.

Os transeuntes param para descobrir mais sobre o Falun Dafa e a perseguição.

Jean-Jacques, um parisiense, disse que viajou pelo mundo e trabalhou com colegas chineses na China. Ele disse: “O povo chinês é bom e agradável de se trabalhar. Eles têm muita cultura, mas sua cultura foi suprimida pelo totalitarismo. Os pensamentos das pessoas foram restringidos”.

Jean-Jacques assinou a petição pedindo o fim do PCC.

Jean-Jacques assinou a petição e disse: “O Partido Comunista Chinês está criando um sistema de autodestruição. Com certeza, porque um regime sem liberdade individual não dura, assim como nunca durou na história. Pode durar dezenas de anos, mas acabará entrando em colapso. As pessoas vão perceber que o regime não atende às suas necessidades de individualismo e privacidade”. Ele tem confiança de que as pessoas verão isso cada vez mais claramente à medida que os praticantes do Falun Dafa continuarem a esclarecer a verdade.

El Handouz Mohamed, presidente de uma associação de direitos humanos, filmou a meditação dos praticantes e suas atividades para expor o crime do PCC de extração de órgãos de praticantes vivos. Ele ficou abalado com as atrocidades do PCC e observou que o comunismo era um sistema repressivo e totalitário. “Farei meu maior esforço para divulgar esses vídeos o máximo que puder. É importante que outros grupos étnicos saibam sobre isso e que o mundo todo obtenha as informações”, disse ele. Ele planejou manter contato com os praticantes e os encorajou a continuar lutando pela liberdade na China.