Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Relato de testemunha ocular de um ex-policial: Os últimos dois dias do Dr. Li Haibo

31 de Janeiro de 2021 |  

(Minghui.org) Depois que o Partido Comunista Chinês (PCC) encenou o incidente de autoimolação da Praça Tiananmen para difamar o Falun Gong 20 anos atrás, em 23 de janeiro de 2001, os praticantes do Falun Gong começaram um longo e árduo esforço para desmascarar as mentiras do PCC e expor sua brutalidade contra cidadãos inocentes por defenderem sua fé no Falun Gong.

Com todo o aparato do Estado mobilizado para caluniar o Falun Gong, era uma tarefa difícil fazê-lo, não apenas porque essencialmente todos os canais de comunicação estavam bloqueados, mas também qualquer esforço para expressar uma opinião diferente da propaganda oficial do PCC seria visto como um tabu e enfrentou retaliação severa. Os praticantes tiveram que recorrer a meios criativos para levar a mensagem ao público.

Um exemplo foi a interceptação da televisão na cidade de Changchun, província de Jilin, em 5 de março de 2002, onde os praticantes do Falun Gong transmitiram com sucesso vários programas expondo as brechas nos vídeos oficiais do PCC sobre o incidente de autoimolação. Essa interceptação de TV permitiu que até um milhão de residentes soubessem o que realmente aconteceu. No entanto, a retaliação do PCC foi imediata e violenta.

Sob a ordem secreta de “matar sem misericórdia” de Jiang Zemin, ex-líder do PCC que lançou a perseguição em 1999, mais de 5.000 praticantes foram presos em poucos dias. Pelo menos seis praticantes morreram devido a tortura, entre 11 e 15 de março de 2002. Em setembro de 2002, 15 praticantes foram condenados a penas que variam de 4 a 20 anos. Entre eles, Liu Chengjun morreu em dezembro de 2003 após sofrer tremendamente. Hou Mingkai, outro praticante envolvido na interceptação, foi torturado até a morte dois dias depois de ser preso, em 21 de agosto de 2002.

Praticantes de outras províncias também interceptaram sinais de TV para transmitir programas que expunham as mentiras do PCC. Eles também sofreram retaliação. O Sr. He Wanji, policial e praticante do Falun Gong na cidade de Xining, província de Qinghai, participou da interceptação de TV na província de Qinghai e na província de Gansu em julho de 2002. Ele foi condenado a 17 anos em 30 de dezembro de 2002. Ele morreu sob tortura na Prisão de Haomen, em 28 de maio de 2003. Ele tinha 53 anos.

Nesse artigo, nos concentramos na história de Liu Haibo, um médico que trabalhava em Changchun, que foi preso e torturado até a morte por fornecer abrigo a outros praticantes envolvidos na interceptação de TV. Huo Jiefu, que trabalhava como policial na época, testemunhou como o Dr. Liu foi torturado e forneceu as informações ao Minghui.

O Dr. Liu morreu sob custódia

O Dr. Liu Haibo, 34, era um médico que trabalhava no Departamento de Radiologia do Hospital Chuncheng afiliado ao Hospital Distrital de Luyuan. Ele e sua esposa, a Sra. Hou Yanjie, foram presos pela polícia do distrito de Kuncheng, em 12 de março de 2002.

Depois de torturar brutalmente o Dr. Liu por várias horas, a polícia percebeu à 1 hora da manhã do dia seguinte que seu coração havia parado de bater. Só então eles pararam o abuso indescritível.

A polícia secretamente cremou seu corpo e bloqueou as informações. Sua família passou um ano procurando por seu paradeiro, sem sucesso. Até hoje, o departamento de polícia do distrito de Kuncheng ainda nega o crime contra o Dr. Liu, não deixando a família reparar a injustiça.

O assassinato do Dr. Liu não foi conhecido de fora até que um testemunho foi disponibilizado por Huo Jiefu. Huo, que tinha a mesma idade do Dr. Liu, tornou-se policial em 1993 e trabalhou na Delegacia de Polícia de Nanguangchang, no Departamento de Polícia de Kuancheng e no Departamento de Polícia de Changchun ao longo dos anos. Depois de testemunhar como o Dr. Liu foi torturado até a morte no Departamento de Polícia de Kuancheng, ele se recusou a ficar calado contra sua consciência. Por causa disso, foi detido e posteriormente despedido.

No final de junho de 2002, Huo fugiu da China com sucesso e forneceu o seguinte testemunho por escrito. [Nota: os subtítulos foram adicionados pelos editores. Todas as datas são de 2002.]

Jiang deu ordens diretas para “resolver o caso”

Em 5 de março de 2002, o incidente de interceptação de televisão aconteceu em Changchun e chocou o mundo. Os programas do Falun Gong foram transmitidos na TV a cabo de Changchun naquele dia. A polícia prendeu dois praticantes e os outros dois escaparam com segurança. Foi na época do Congresso Nacional do Povo [evento anual que geralmente ocorre em março]. Jiang Zemin ficou furioso e criticou o secretário do Partido na província de Jilin, Wang Yukun, ordenando-lhe que desvendasse o caso o mais rápido possível. Portanto, o caso ficou sob controle direto do Ministério da Segurança Pública.

Departamento de Polícia Municipal jura punições severas contra os praticantes do Falun Gong; 6.000 oficiais são despachados

Às 7 horas da noite, em 6 de março, o chefe da polícia de Kuancheng, Zhou Chunming, realizou uma reunião especial para passar a mensagem do departamento de polícia municipal. Ele discutiu a situação "sombria" e a urgência de lutar contra o Falun Gong. Segundo a polícia municipal, “a prioridade é enfraquecer o Falun Gong” e “para resolver este caso vicioso”. Todos devem ser mobilizados para “permanecer leais a Jiang e ao PCC” e para realizar essa difícil tarefa com “elevado senso de responsabilidade política”. O departamento de polícia municipal também prometeu dar aos praticantes do Falun Gong punições severas e derrotar o Falun Gong sem ter que seguir os procedimentos legais. Mais de 6.000 policiais foram enviados para investigar o caso e evitar que uma interceptação semelhante de TV aconteça novamente.

Liu Haibo e sua esposa são presos e espancados por fornecerem abrigo para terceiros

Em 12 de março, agentes da Segunda Brigada de Investigação Criminal do Departamento de Polícia de Kuancheng prenderam Liu Haibao e sua esposa, Hou Yanjie, por fornecerem abrigo a outras pessoas envolvidas na interceptação de TV. Liu era médico do Hospital Chuncheng.

Vários agentes da Brigada de Investigação Criminal espancaram Liu Haobao e Hou Yanjie por um longo tempo.

Por volta das 19h00 em 13 de março, ao passar do segundo andar para o meu escritório no sexto andar, ouvi espancamentos e gritos em um dos quartos. Abri a porta e encontrei vários policiais torturando Liu Haibo. Ele foi despido e algemado em uma posição ajoelhada em um banco de tigre. Sua cabeça também estava presa. Dois policiais o estavam eletrocutando enquanto empurravam à força um bastão elétrico em seu ânus. Ao lado, havia vários pedaços de madeira quadrada quebrada. Uma grande área do corpo de Liu já estava inchada e avermelhada.

Wei Guoning, da Divisão de Investigação Econômica, também estava na sala. Ele e eu perguntamos ao capitão, Ai Limin, por que ele e sua equipe torturaram tanto Liu. Ai disse que eles tiveram que forçar Liu a entregar outros praticantes, pois era uma ordem de seus superiores. Ai disse que tudo ficaria bem e nos pediu para sairmos.

Eu estava pensando em entrar em contato com outro capitão, Sun Lidoing, para impedi-lo, mas Wei disse que não era da nossa conta. Tentei, mas não encontrei Sun, então voltei para meu escritório. Olhando para trás, eu deveria tê-los impedido.

Testemunho da morte de Liu e o encobrimento pelos oficiais

Depois de ficar no meu escritório por cerca de 10 minutos, fui para o terceiro andar para procurar Sun novamente. Na escada, ouvi Sun gritando lá embaixo: "Pare de bater!". Outra pessoa veio perguntar o que estava acontecendo, e Sun disse: "Uma pessoa morreu aqui!".

Depois de entrar na sala, vi que Liu já havia sido retirado do banco do tigre e colocado no chão, morto. Vários policiais correram para vestir as roupas, mas não foi fácil. Wei também entrou e viu isso. Enquanto nos pedia para sairmos, Ai nos disse para ficarmos quieto sobre isso, Sun foi relatar o incidente ao Chefe Zhou.

Temor da condenação pela comunidade internacional, a polícia encobre o crime com mentiras

Chang Xiaoping, o primeiro vice-secretário do Partido em Changchun, chegou à noite e deu ao chefe Zhou várias instruções sobre como lidar com isso; “Em primeiro lugar, combater o Falun Gong é uma longa batalha política e não devemos temer as mortes dos praticantes do Falun Gong. Em segundo lugar, mantenha a confidencialidade e não permita que vaze as notícias para fora, especialmente para a comunidade internacional. Terceiro, o departamento de inspeção disciplinar e supervisão em todos os níveis foram instruídos a ficar longe dos casos do Falun Gong”.

Naquela noite, o corpo de Liu foi enviado para o necrotério do Hospital Kuancheng.

Punido por se recusar a encobrir

Às 13h30 em 16 de março, nosso departamento de polícia realizou uma reunião com a presença da Brigada de Investigação Criminal e várias outras divisões, incluindo o Gabinete de Proteção Interna, do qual fui supervisor adjunto.

Zhou Chunming disse que Liu Haibo morreu de um ataque cardíaco e que cada escritório enviaria alguém para guardar o necrotério [de modo a evitar que a família e os amigos de Liu encontrassem seu corpo]. Policiais também foram enviados para proteger a esposa de Liu, Hou, que estava hospitalizada na época.

Não sei de onde tirei coragem, mas disse a Zhou: “Meu escritório não pode ajudar com isso. Liu morreu por causa da tortura. Eu vi isso". Disseram-me então para sair da reunião.

Zhou e outros altos executivos falaram comigo após a reunião e eu compartilhei minhas ideias. Eu disse que o Falun Gong interceptou o sinal de televisão porque não havia canais para eles se defenderem depois de serem injustiçados. Além disso, como Liu morreu sob custódia policial, devemos indenizar sua família de acordo com a Lei de Compensação do Estado da China, em vez de esconder os fatos. Do que devemos ter medo? Banir o Falun Gong em si não tem base legal, e é ainda mais ridículo rotulá-lo de uma seita. Além disso, os praticantes do Falun Gong são boas pessoas e são muito necessárias em uma sociedade degenerada moralmente.

Eu falei muito e eles apenas ouviram. “Seu trabalho está suspenso”, disse um funcionário, “e você será investigado”.

Em 19 de março, soube por um colega de trabalho que a polícia no distrito de Luyuan também havia espancado um praticante do Falun Gong até a morte. Eu perguntei sobre o nome da vítima e o colega não disse. “Não quero perder o emprego ou morrer”, respondeu ele. “Eu tenho que seguir qualquer seus funcionários querem que façamos. ”

Grandes mentiras do PCC

Durante a investigação de acompanhamento, disse à equipe de fiscalização disciplinar que era católico desde 2001 e que a minha consciência não me permite concordar com algo tão cruel e desumano.

Por causa disso, fui detido, seguido por outra detenção de 15 dias por “apoiar o Falun Gong”. Entre 29 de março e 12 de abril, fui recontratado, mas rebaixado para trabalhar na Delegacia de Polícia de Xingye.

Depois disso, fui designado para um turno noturno entre 22h30 e 3h50 da manhã. Meu trabalho era patrulhar a área comercial ao longo da Rua Guangfu para evitar que os praticantes do Falun Gong colocassem pôsteres. Fiz esse trabalho do final de abril até meados de maio daquele ano.

Minha experiência me disse que o governo do PCC mentiu o tempo todo e é uma entidade política baseada no engano. As chamadas “notícias” foram fabricadas pelo governo do PCC.

No entanto, as cenas sangrentas [da autoimolação encenada e outras propagandas de ódio] cegaram muitas pessoas e as enganaram. Hitler disse uma vez: ‘Se você contar uma mentira grande o suficiente e contá-la com frequência suficiente, acreditaremos’. Foi isso que aconteceu com o PCC.

Conforme o tempo passa e o bloqueio de informações do PCC é rompido, mais e mais informações surgem de várias fontes, que eventualmente apresentarão uma imagem completa e precisa de como o PCC tem perseguido o Falun Gong. Os fatos virão à tona. Como diz o ditado chinês: “Existem divindades a um metro acima da nossa cabeça”, o que significa que o céu está observando o que as pessoas fazem. Todos aqueles que participaram da perseguição ao Falun Gong, se não conseguirem compensar o que fizeram, serão eventualmente responsabilizados por seus crimes.