Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Novo praticante: Finalmente cultivando e salvando pessoas

30 de Janeiro de 2021 |   Por um praticante do Falun Dafa na China

(Minghui.org) Tenho 28 anos de idade e comecei a praticar Falun Dafa em maio de 2017.

Soube pela primeira vez do Falun Dafa ao ler os cartazes de propaganda do Partido Comunista Chinês (PCC) nos quadros de avisos da minha escola secundária.

Muitas vezes peguei panfletos que tinham histórias e informações maravilhosas sobre a prática do Falun Dafa. Ficava espantado com eles. Um médico a quem mostrei um panfleto disse que os médicos seriam inúteis se a prática fosse tão eficaz. Eu concordei com ele.

Quando comecei a frequentar a universidade, namorei com uma colega de turma que agora é minha mulher. Ela disse-me que começou a praticar Falun Dafa com os seus pais quando era pequena. Eu li o Zhuan Falun, mas não o compreendi bem. Recusei-me a acreditar que o Falun Dafa era tão maravilhoso como ela disse ou que a propaganda do Partido era tudo mentira.

Enquanto continuava a ler os outros livros do Falun Dafa, as minhas dúvidas e perguntas foram respondidas. Embora não tenha realmente praticado, distribuí DVDs e outros materiais sobre o Dafa pelo campus universitário, na esperança de que mais pessoas soubessem da verdade.

Consegui um emprego em Pequim depois de me formar. Coloquei materiais sobre o Falun Dafa nos bancos dos parques próximos e em redor da minha área residencial. Havia muitas câmeras em Pequim e as vezes ficava preocupado. Mas eu sabia que o Falun Dafa era bom e que devia informar os outros sobre o assunto. Por isso, me encorajei a continuar a fazê-lo.

A minha sogra lembrava-nos constantemente de estudar o Fa. Não levei a sério porque ainda estava muito apegado ao mundo material. Afetada por mim, a minha mulher tornou-se muito relaxada no cultivo.

Em maio de 2017, li o Hong Yin IV na casa da minha sogra. Ela contou-me muitas histórias de praticantes que não pararam de praticar, apesar de serem severamente perseguidos. Fiquei profundamente comovido e não consegui conter as minhas lágrimas. Naquele dia decidi praticar verdadeiramente o Falun Dafa.

Esclarecer a verdade

A primeira vez que esclareci a verdade pessoalmente foi em 2017, antes do Ano Novo Chinês. Um dos meus familiares estava gravemente doente na época. Era também um membro do PCC. Não sabia realmente o que dizer, por isso apenas lhe disse o que sabia sobre o Falun Dafa e pedi-lhe para repetir: "Falun Dafa é bom, Verdade, Compaixão, Tolerância são bons valores”. Ele acenou com a cabeça de acordo.

Pouco tempo depois, o Mestre começou a purificar o meu corpo. Eu ficava indo constantemente ao banheiro, mas sentia-me bem. Esta situação continuou até eu voltar para casa. A minha família não me compreendeu e me obrigou a tomar medicamentos. Depois disso, senti náuseas e vomitei. Não me comportei como um praticante e discuti com eles.

Eu sou um desenvolvedor de software e trabalho muitas vezes longas horas; por isso, passo muito tempo com os meus colegas. É difícil para eles aceitarem coisas novas porque têm acesso a todo o tipo de informação. Eu sabia que havia uma razão para trabalharmos juntos e que eu precisava de salvá-los. Por isso, reprimi o meu medo e pensei em formas de lhes contar sobre o Falun Dafa. Quando eu estava num bom estado de cultivo, eles me ouviam. Mas quando o meu estado de cultivo era ruim, eles não me davam ouvidos.

Um dia, quando estava contando a uma das minhas colegas sobre a perseguição, o meu único pensamento era salvá-la. Ela concordou em retirar-se do PCC e das suas organizações filiadas. Outra colega perguntou sobre o que estávamos falando, por isso também lhe esclareci a verdade. Quando ela perguntou a primeira colega por qual razão ela tinha concordado em desistir do PCC, ela respondeu: "Ele é muito sincero". A segunda colega também disse que desejava retirar-se do PCC. Senti-me muito feliz por elas. Foi exatamente como disse o Mestre:

" A misericórdia pode fundir Céu e Terra à primavera
Pensamentos retos podem salvar as pessoas no mundo"
("O Fa Retifica o Cosmos", em Hong Yin II)

Quando as pessoas são mal-educadas, sei que o seu comportamento reflete os meus apegos ocultos a ser combativo e impaciente. Antes de começar em meu novo trabalho, todos os meus colegas de trabalho, exceto duas pessoas, retiraram-se do PCC, incluindo o meu diretor.

O Mestre disse:

"Calculando essa idade, desde quando comecei a transmitir o Fa até agora, estão entre esses jovens com mais ou menos 25 anos, realmente ainda há muitos que não obtiveram a salvação, mas são todos Deuses que vieram para a terra, estão espalhados ao longo de todo o mundo." ("Ensino do Fa na Conferência do Fa de Nova York 2016")

Em meu novo emprego, muitos dos meus colegas têm a minha idade, mas foram tão enganados quanto eu antes e não sabem a verdade sobre o Falun Dafa ou sobre a perseguição.

O meu local de trabalho é o meu ambiente de cultivo

A nossa empresa oferece duas oportunidades de promoção todos os anos. Se a promoção for aprovada, o funcionário recebe um aumento salarial significativo. O meu gerente me disse para me preparar para a revisão e deu a entender que eu tinha uma boa possibilidade de ser promovido. O meu colega imediato também disse que eu deveria ser promovido devido às minhas capacidades e ao trabalho que eu tinha feito.

Lembrei-me do que o Mestre disse:

"Às vezes, você pensa que algo é seu e inclusive os outros dizem que é seu, mas, na realidade, não é. Você acredita que é seu, mas no final das contas não é. Nesse caso, você está sendo testado para ver se pode ou não abrir mão disso. Se não puder, é um apego". (Sétima Aula, Zhuan Falun).

Depois de ter sido avaliado, não fui promovido. Senti-me um pouco triste quando outros me perguntaram sobre isso. Voltei a lembrar-me do que disse o Mestre:

“Todos sabem, os cultivadores sempre dizem essa frase: Se você tiver o mesmo tipo de coração, o seu coração se moverá; se não tiver esse tipo de coração, será como o vento soprando, você não sentirá nada.” (“Ensino do Fa proferido no Fahui de São Francisco de 2014”)

Olhando para dentro, descobri que tinha apegos à fama, interesse próprio, inveja e competitividade. Enviei fortes pensamentos retos para eliminá-los.

A minha mulher retorna ao cultivo

Depois de nos casarmos, a minha mulher não cultivava bem e raramente lia o Fa. Como eu não praticava o Falun Dafa nessa época, provavelmente a influenciei. Ela ficou ocupada depois do nascimento do nosso bebê e o seu estado de cultivo deteriorou-se. Depois de ter começado a praticar, continuei a encorajá-la. Lembrei-a de como era precioso praticar o Dafa. Tentei encorajá-la com o Fa do Mestre.

O Mestre disse:

"Saibam que os discípulos da retificação do Fa que não puderem atravessar o período da retificação do Fa não terão outra oportunidade para cultivar, pois lhes foram dadas as melhores coisas através da história? Atualmente, vocês raramente têm dificuldades em seus cultivos pessoais e eu não lhes peço para suportarem os enormes pecados que cometeram em suas muitas vidas anteriores. Além disso, eu tornei possível a vocês se elevarem de nível da forma mais rápida, mantendo todas as coisas boas do seu passado e as completando com coisas do melhor de cada nível para vocês; sempre lhes dando no cultivo as coisas mais grandiosas de cada reino, e tornando possível que, depois da Consumação, vocês retornem à posição do seu reino mais alto." ("Os discípulos do Dafa do período da retificação do Fa", em Essenciais para Avanço Adicional II)

Disse à minha mulher: "Você tem tanta sorte em ter obtido o Fa antes de 20 de julho de 1999. Por favor, apresse-se e eleve-se em seu cultivo".

Ela pensou que o Mestre já não cuidava dela. Eu assegurei-lhe que o Mestre nunca desistiria de nenhum praticante. Ela me pediu que a ajudasse.

Quando compartilhamos as nossas experiências de cultivo, descobri que ela tinha muitas perguntas e não compreendia partes do Fa. A culpa era minha: eu devia ter falado com ela muito antes. Ela aceitou a minha sugestão e começou a estudar as palestras do Mestre desde o início. Ela se ofereceu para revisar este artigo de compartilhamento de experiências para mim depois que eu o concluísse.

Obrigado, Mestre!