Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Mulher de 78 anos morre após repetido assédio, prisão e detenção por causa de sua fé

25 de Janeiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Liaoning, China

(Minghui.org) Uma mulher de 78 anos na cidade de Anshan, província de Liaoning, morreu em 11 de setembro de 2020, depois de sofrer duas décadas de assédio, detenções e prisão por manter a sua fé no Falun Gong. O Falun Gong, também chamado Falun Dafa, é uma prática para aprimoramento de mente e corpo que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

A falecida Sra. Yu Wenze

Prisão e apreensão de identidade

A provação da Sra. Yu Wenze começou quando foi presa e teve a sua identidade confiscada quando ia a Pequim para apelar ao direito de praticar o Falun Gong pouco depois do início da perseguição.

Em 2002, a Sra. Yu foi à delegacia de polícia local e exigiu a devolução da sua identidade. Porém, foi o agente em serviço que a prendeu em 1999. Então, ele ameaçou prendê-la novamente e mandá-la para a prisão.

A Sra. Yu contou ao seu marido o que aconteceu na delegacia de polícia. O seu marido ficou furioso e foi discutir com o agente que ameaçou a Sra. Yu. O agente foi também rude e arrogante com o marido da Sra. Yu, gabando-se de que ele era um guardião leal do Partido Comunista Chinês.

O marido da Sra. Yu foi falar com o diretor da delegacia da polícia, que havia acabado de tomar posse. Ele negou que fossem responsáveis pela retenção da identidade da Sra. Yu, mas concordou em emitir uma nova para ela.

Durante os meses seguintes, a polícia e a comunidade local assediaram frequentemente a Sra. Yu e a sua família. Incapazes de levar uma vida pacífica, mudaram-se para um distrito diferente na cidade, em julho de 2002.

Presa por distribuir materiais informativos

A Sra. Yu foi novamente detida em 2 de janeiro de 2014 depois de ter sido informada pelo pessoal de segurança do hotel por distribuir material informativo sobre o Falun Gong nas proximidades. A polícia chegou pouco depois e prendeu-a. A sua casa foi também saqueada e os seus livros do Falun Gong, materiais relacionados e dois leitores de áudio foram confiscados. Foi libertada sob fiança no dia seguinte, depois do centro de detenção se recusar a aceitá-la devido a um problema de saúde.

Tentativa de detenção

Um grupo de oficiais foi à casa da Sra. Yu em 21 de julho de 2015 e tentou prendê-la. Quando o seu marido exigiu que a polícia mostrasse um mandado de captura, um agente trouxe um formulário, que a listou como fugitiva porque ela "fugiu depois de ter sido libertada sob fiança". O formulário não tinha qualquer assinatura ou carimbo oficial.

O marido da Sra. Yu estava muito zangado com a acusação fabricada, pois ela tinha ficado em casa após a sua libertação em 2014. Rasgou o formulário em pedaços e disse à polícia que era ilegal eles invadirem a sua residência privada.

A polícia pareceu surpresa com a reação do seu marido. A maioria saiu rapidamente, deixando dois agentes vigiando o casal. O marido da Sra. Yu pediu os nomes, números de telefone e identidade da polícia dos dois agentes restantes. Eles recusaram-se a fornecer as informações. Os outros cinco agentes que haviam acabado de sair ficaram no andar de baixo do edifício de apartamentos do casal. Eles estiveram ao telefone durante horas antes de saírem com os outros dois agentes por volta do meio-dia.

Após a partida da polícia, a família da Sra. Yu juntou a ficha de fugitivo e descobriu que a mesma estava preparada em 22 de dezembro de 2014. Foi atribuído à Sra. Yu o número de fuga T2103022269992014120102. Os agentes que trataram do formulário incluíam Li Ning, vice-diretor da delegacia de polícia de Xinxing, o agente Wang Songnan, e um terceiro agente com o apelido Xin.

Mais uma detenção, mentiras do procurador e sentença de prisão

A polícia instalou secretamente uma câmara de vigilância no exterior da casa da Sra. Yu em 2017. Depois de a terem vigiado diariamente durante alguns meses, prenderam-na de novo em 16 de outubro de 2017. Os agentes levaram à força a bolsa dela, que tinha as chaves, e partiram a alça. Também a espancaram e causaram lesões graves nas suas costas e prolapso uterino.

Outra praticante, a Sra. Qi Ruimei, que tinha uma relação próxima com a Sra. Yu, foi presa dois dias mais tarde. A polícia enganou o filho da Sra. Yu para confirmar a identidade da Sra. Qi, mostrando um vídeo das duas mulheres a falar com as pessoas sobre o Falun Gong numa rodoviária. O seu testemunho foi então utilizado pela polícia como prova de apoio para prender a Sra. Qi. Embora a Sra. Qi tenha sido libertada seis meses mais tarde, ficou muito fraca e incapacitada durante o período em que esteve detida.

Com as chaves roubadas à Sra. Yu, os agentes foram para sua casa. O seu marido resistiu firmemente e recusou-se a deixá-los entrar. Após um impasse acirrado, a polícia partiu.

Os agentes levaram então a Sra. Yu para o hospital para um exame físico. Depois do centro de detenção recusar-se a aceitá-la devido à sua tensão arterial perigosamente alta, outro centro de detenção aceitou-a.

A tensão arterial da Sra. Yu continuou a aumentar durante a sua detenção. No entanto, a polícia recusou-se a libertá-la. Ela fez uma greve de fome para protestar contra a perseguição e a polícia ameaçou alimentá-la à força. A polícia enviou, mais tarde, a Sra. Yu ao hospital para um check-up, com a mulher de então com 76 anos algemada e acorrentada. A sua família não foi autorizada a visitá-la.

A detenção da Sra. Yu foi aprovada pela Procuradoria do Distrito de Tiedong em 24 de outubro de 2017. Os procuradores Li Ni e Gao Xin encontraram-se com ela no Centro de Detenção de Mulheres da Cidade de Anshan. Eles prometeram libertá-la se ela assinasse a papelada deles. A Sra. Yu acreditou neles e assinou o papel em branco que lhe deram.

Os procuradores acusaram a Sra. Yu e encaminharam o seu caso para o Tribunal Distrital de Tiedong em 7 de novembro de 2017. Ela compareceu duas vezes no tribunal, primeiro e, 1º de dezembro e depois em 18 de dezembro de 2017. Foi obrigada a usar algemas e grilhões durante as audiências. Como era quase surda, a Sra. Yu não conseguiu ouvir claramente o que foi dito durante a audiência.

A Sra. Yu pensou que seria libertada em breve, mas foi-lhe dito que tinha sido condenada a quatro anos e multada em 10.000 yuans após ter sido levada de volta para o centro de detenção. As autoridades ameaçaram prender a sua família e negar ao seu neto a ida à escola se comunicassem a sua sentença ao Minghui.org.

Em 8 de janeiro de 2018, a Sra. Yu desenvolveu uma condição de risco de vida no centro de detenção e foi libertada para cumprir pena fora da prisão. As autoridades continuaram a assediá-la todos os dias e exigiram que fizesse um exame físico anual, ou a mandariam de volta para a prisão. O seu filho também foi ameaçado.

A Sra. Yu teve dores lombares persistentes e graves e teve grande dificuldade em se mexer após a sua libertação. Ela entrou em coma em 7 de setembro de 2020 e faleceu quatro dias mais tarde.