Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Crimes cometidos por Ma Baosheng, diretor do centro de detenção da cidade de Mishan na província de Heilongjiang

19 de Janeiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Heilongjiang, China

(Minghui.org) Um aviso Minghui publicado em junho de 2019 escreveu que o governo dos Estados Unidos iria endurecer a verificação dos vistos dos violadores dos direitos humanos e dos perpetradores envolvidos na perseguição religiosa, e que mesmo àqueles a quem fosse concedido um visto poderia ser negada a entrada.

O aviso instava "discípulos de Dafa em todo o mundo a tomar medidas imediatas para recolher, copiar e submeter a Minghui.org informações sobre os perpetradores, os seus familiares, e os seus bens, de modo a localizar e verificar as suas identidades".

Este relatório expõe os crimes cometidos por Ma Baosheng, Diretor do Centro de Detenção da Cidade de Mishan na Província de Heilongjiang, que tem sido muito ativo na perseguição dos praticantes de Falun Gong ao longo dos anos. Vários praticantes perderam as suas vidas devido à tortura sofrida no centro de detenção.

Abaixo estão alguns exemplos.

Sra. Liu Guiying: morre após a alimentação à força

A Sra. Liu Guiying era operária de fábrica na cidade de Mishan e os funcionários levaram-na para o Centro de Detenção da Cidade de Mishan em 2002. Morreu a 24 de outubro de 2002, após violenta alimentação à força no Hospital de Mishan. A 26 de outubro, Ma fabricou uma certidão de óbito para fugir à sua responsabilidade e a Zhao, Xuguang, chefe do hospital.

A Sra. Liu Guiying.

A Sra. Liu tinha 43 anos e o seu corpo foi cremado sem o consentimento da sua família.

Sra. Yang Hailing: Colocada num congelador enquanto ainda estava viva

A Sra. Yang, residente da cidade de Jixi, costumava trabalhar na Mina de Carvão de Donghai.

A Sra. Yang Hailing e o seu filho

Depois de começar a praticar o Falun Gong, a Sra. Yang seguiu os princípios da Verdade-Compaixão-Tolerância para se tornar uma cidadã melhor. Ganhou o respeito dos colegas de trabalho e dos vizinhos. Após a perseguição iniciada em julho de 1999, contudo, foi detida e torturada inúmeras vezes.

Após ter sido detida na Fábrica de Malhas Mishan a 25 de abril de 2002, foi enviada para o Centro de Detenção da Cidade de Mishan. Ma espancou-a severamente, causando-lhe a perda de consciência. Os guardas Ju Hongjun e Liu Xiaohu picaram-lhe a cabeça, os braços, e o resto do seu corpo com agulhas. Enquanto os oficiais Meng Qingqi, Du Yongshan, e Li Gang a interrogavam, algemavam-lhe as mãos atrás das costas, picavam-na com agulhas, esfregavam-lhe óleo de mostarda no nariz e nos olhos, e batiam-lhe com bastões elétricos.

Ilustração da torturas: Algemas nas costas

A 12 de abril de 2003, Ma bateu a Sra. Yang, que estava extremamente fraca, na cama e ela perdeu imediatamente a consciência. Em vez de lhe dar atenção médica, Ma e outros funcionários mudaram-na para um congelador na casa mortuária do hospital. Quando os seus familiares chegaram 10 horas mais tarde, encontraram a Sra. Yang ainda quente depois de ter sido congelada durante 10 horas. Uma fotografia mostrava hematomas por todo o seu corpo.

Como a temperatura corporal da Sra. Yang baixou a 13 de abril, a sua família pediu uma autópsia para descobrir a causa da sua morte. A mãe e os funcionários do hospital rejeitaram o pedido, e o caso não foi a lado nenhum apesar das inúmeras tentativas da família. Durante o processo de contratação de um advogado, os membros da família da Sra. Yang foram acompanhados e ameaçados muitas vezes.

Havia hematomas no estômago e nas costas da Sra. Yang.

O caso da Sra. Yang continua por resolver até hoje.

Sr. Yang Xiaoguang: Encarcerado durante 16 anos por causa de sua fé

O Sr. Yang Xiaoguang, um praticante de 61 anos na cidade de Mishan, passou um total de 16 anos em detenção desde que a perseguição ao Falun Gong começou há 20 anos.

Foi-lhe dado dois anos de trabalhos forçados em dezembro de 1999. Os guardas do campo de trabalhos forçados bateram-lhe na cabeça com tábuas de madeira, deixando-o muitas vezes inconsciente e o seu ouvido direito ensurdecido. Outras formas de tortura que experimentou incluíam ser escaldado com água a ferver, amarrado a uma cama com quatro membros esticados de uma forma espraiada, alimentado à força com água salgada, algemado e pendurado alto, e ser picado no estômago com palitos. Para além do seu próprio sofrimento, a mãe do Sr. Yang morreu de luto e o seu filho foi forçado a ficar longe de casa em tenra idade.

Ilustração de tortura: algemado e pendurado no alto

Em 25 de abril de 2002, o Sr. Yang e a supracitada Sra. Yang Hailing apanharam alguns materiais do Falun Gong da cidade de Jixi. Quando regressavam a Mishan, foram presos por dois agentes da Terceira Esquadra de Polícia de Mishan. A polícia confiscou o telemóvel e o dinheiro do Sr. Yang Hailing.

Depois de deter o Sr. Yang e a Sra. Yang no Departamento de Polícia de Mishan, os agentes algemaram o Sr. Yang e penduraram-no por uma noite, enquanto um agente lhe picou o estômago com palitos de dentes. Durante o interrogatório da manhã seguinte, os agentes colocaram um capacete na cabeça do Sr. Yang e bateram-lhe com força com um alicate. Com a boca recheada, foi quase sufocado até à morte.

Ilustração de tortura: Colocar um capacete e bater com um objeto duro

No Centro de Detenção da Cidade de Mishan, os guardas forçaram o Sr. Yang a ficar imóvel durante muito tempo sem dormir, porque ele se recusou a fazer trabalhos forçados. Uma vez, quando o Sr. Yang estava a fazer os exercícios do Falun Gong, o vice-diretor Han Yumin viu isto e acorrentou-lhe os seus pés. Ele também bateu no Sr. Yang até que a sua boca e o nariz sangraram. Três dias depois, Ma Baosheng pediu ao Sr. Yang para persuadir outros praticantes a desistir da prática do Falun Gong. O Sr. Yang recusou-se a cumprir.

O Tribunal de Mishan e o Tribunal de Jixi julgaram conjuntamente o Sr. Yang em março de 2003 e condenaram-no a 14 anos na prisão de Hada.

Sra. Ji Hongbo: Falhas múltipla dos órgãos após a alimentação forçada

A Sra. Ji Hongbo do Condado de Jidong foi detida inúmeras vezes por praticar Falun Gong. Em particular, foi-lhe dado trabalho forçado por duas vezes, embora o campo de trabalho local se tenha recusado a admiti-la uma vez. Mais tarde, foi também condenada a três anos de prisão.

A caminho de visitar um familiar a 10 de setembro de 2004, a Sra. Ji falou com outro passageiro sobre o Falun Gong e foi denunciada à polícia. Li Gang e vários agentes do Gabinete de Segurança Interna de Mishan levaram a Sra. Ji para o departamento de polícia local, onde ela foi algemada e acorrentada. A polícia também ligou as algemas e acorrentada de tal forma que ela não se pôde levantar. Isto durou três dias e três noites, e ela foi então enviada para o Centro de Detenção da Cidade de Mishan.

Quando a Sra. Ji entrou em greve de fome para protestar contra a detenção, Ma instruiu os guardas para a alimentarem à força, causando ferimentos no seu esófago. Um exame médico indicou que a Sra. Ji tinha problemas no seu coração, fígado, vesícula biliar, estômago e rins. Para fugir à sua responsabilidade, Ma forçou os seus familiares a assinar uma renúncia dizendo que ele e o centro de detenção não seriam responsáveis caso a Sra. Ji morresse de complicações decorrentes da sua greve de fome. Ele também extorquiu 300 yuan à sua família.

Mais informações sobre Ma Baosheng:

Nome: Ma Baosheng (马宝生)
Data de nascimento: 3 de janeiro de 1962
Profissão e título: Diretor do Centro de Detenção de Mishan
Esposa: Wang Lan
Filha: Ma Juan