Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Deputada sueca: "Como podemos saber disso [perseguição] e não fazer nada?

15 de Janeiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na Suécia

(Minghui.org) Ann-Sofie Alm, membro do Parlamento Sueco, proferiu um discurso no dia 18 de novembro de 2020, num webinar (seminário conduzido através da internet) intitulado "Perseguição ao Falun Dafa na China: Então e agora – 21 anos de violação dos direitos humanos básicos". Esse webinar foi um evento paralelo da Conferência Ministerial para o Avanço da Liberdade Religiosa, que foi realizada pelo governo da República da Polónia nos dias 16 e 17 de novembro de 2020.

No seu discurso, a deputada Alm condenou a perseguição do Partido Comunista Chinês (PCC) ao Falun Gong e apelou a todo o mundo para se unir e responsabilizar o PCC pelas suas violações dos direitos humanos.

A deputada Ann-Sofie Alm

Ela disse que, embora a Suécia seja um país pequeno, ainda precisa de falar em nome do povo chinês e das violações dos direitos humanos de que é vítima.

Ela disse: "Porque penso que a minha voz pode ser ouvida até Pequim, e porque é que me preocupo sequer em defender os direitos humanos na China? A resposta é muito simples. Não há outro caminho. É impossível ignorar as histórias que acabou de ouvir. É impossível não fazer nada quando se sabe que tal injustiça, tal crueldade, é feita sobre as pessoas só porque elas têm uma crença diferente".

"Passaram 21 anos desde que esta perseguição começou. A questão aqui é realmente difícil é que isto tem sido capaz de continuar durante 21 anos, e como é que ainda pode ser continuado. Não é apenas vergonhoso para o PCC, é vergonhoso para todo o mundo livre, tal como o vejo. A perseguição ao Falun Gong é desumana. É bárbara. E temos de pedir e exigir um processo legal para acabar com isso".

Ela continuou: "Tudo isto me fez perceber que, para ficar calada, não é uma opção. Precisamos de aumentar a consciência sobre os crimes contra os direitos humanos, e que o PCC está a conduzir, de forma sistemática e diária, crimes contra os direitos humanos."

"Quero sensibilizar os muitos praticantes do Falun Gong que foram detidos em reeducação através de campos de trabalho, em prisões, ou outras instalações de detenção como prisioneiros de consciência". Tem havido relatos de torturas, vimo-los hoje aqui. Tem havido relatos de assassinatos, e tem havido relatos de colheita ilegal de órgãos. Esses relatos devem ser levados extremamente a sério e ser julgados em tribunais internacionais".

"Como podemos saber disso e não fazer nada?", perguntou ela.

Ela disse também: "A perseguição das minorias na China dá-nos uma pequena dica sobre o que acontecerá se o PCC tiver êxito no seu objetivo de se tornar o maior império do mundo. O mundo está agora a sofrer duramente com a pandemia, e muitas empresas estão a lutar duramente com a sua economia em todo o mundo. Somos agora alvos vulneráveis e fáceis para uma aquisição não amigável".

Ela falou sobre como o PCC está "a comprar as nossas infraestruturas, empresas, tecnologias e até mesmo escolas" numa tentativa de conquistar o mundo livre, pouco a pouco. Mas o governo sueco está a trabalhar para encontrar formas de impedir as empresas chinesas de investir nas suas importantes infraestruturas, e estão também a proibir a Huawei de participar na rede 5G.

Ela disse estar feliz por o "mundo livre estar lentamente consciente da crueldade que o Partido Comunista Chinês está a fazer ao seu próprio povo". O Partido Comunista da China precisa de saber o que o mundo livre quer, e nós queremos que esta perseguição e todas as outras perseguições terminem. Tem de parar agora mesmo".

"A comunidade internacional deveria falar, com mais força, e mais publicamente, ao anunciar o regime chinês para a sua repressão dos direitos humanos. É nosso dever lutar pelos direitos de todas as pessoas."

Ela expressou a esperança que o PCC possa um dia começar a respeitar o estado de direito, a liberdade de expressão e a liberdade das pessoas terem as suas próprias mentes.

A terminar, ela disse: "O Falun Gong é amigável e pacífico. Verdade, Compaixão e Tolerância, talvez seja exatamente o que o mundo precisa nesse momento para nos fazer ultrapassar esta pandemia".