Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

A tortura dos praticantes do Falun Gong: crimes brutais contra a humanidade (fotos)

13 de Janeiro de 2021 |   Pelo correspondente do Minghui, Li Ming

(Minghui.org) A Sra. Guo Xiuying, uma praticante do Falun Gong de 60 anos na cidade de Suining, província de Sichuan, foi presa em 11 de setembro de 2020. Enquanto estava detida, os policiais lhe deram choques com dois bastões elétricos por três dias consecutivos. Ela perdeu a consciência e sofreu incontinência urinária durante a tortura. Ficou tão fraca depois que mal conseguia andar.

A Sra. Guo foi presa por falar às pessoas sobre o Falun Gong, uma disciplina espiritual baseada nos princípios Verdade, Compaixão, Tolerância. A prática tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999. Por manterem a sua fé, centenas de milhões de praticantes do Falun Gong como a Sra. Guo têm sido brutalmente perseguidos ao longo dos últimos 21 anos.

A experiência da Sra. Guo lembra-nos a Sra. Gao Rongrong, uma praticante do Falun Gong da cidade de Shenyang, província de Liaoning, que sofreu choques com bastões elétricos durante sete horas em um campo de trabalhos forçados em maio de 2004. O seu rosto ficou gravemente desfigurado como resultado. Morreu sob custódia em 16 de junho de 2005.

A Sra. Gao Rongrong

A Sra. Gao Rongrong após sete horas de tortura por choque elétrico

De acordo com informações coletadas pelo Minghui.org, há pelo menos 4.500 mortes verificadas de praticantes do Falun Gong, embora devido à dificuldade em obter informações fora da China, o número seja provavelmente muito mais elevado. A maioria destes praticantes morreu sob custódia e sofreu um enorme tormento físico e mental antes da sua morte. Os choques elétricos, assim como os sofridos pela Sra. Guo e pela Sra. Gao, são apenas um dos métodos de tortura frequentemente utilizados nos praticantes. O infame e agora extinto Campo de Trabalho Forçado de Masanjia estava entre os primeiros lugares que empregavam tais torturas.

A tortura com água, onde jogam água fria na vítima através de uma mangueira durante um longo período de tempo, é outro método cruel de tortura utilizado nos praticantes do Falun Gong. De acordo com os praticantes submetidos a esta tortura, eles sofreram um frio extremo no início, depois o cérebro ficou dormente. Mais tarde, sentiam que o seu cérebro estava rachando e sofreram uma dor excruciante. Tanto o Centro de Detenção de Heilongjiang Hailin como o Centro de Detenção de Mudanjiang tentaram destruir a força de vontade dos praticantes com este método.

O Sr. Wang Xiaozhong da cidade de Mudanjiang, província de Heilongjiang, foi detido em 17 de agosto de 2001. Foi espancado e chocado com bastões elétricos na delegacia da polícia. Estava cheio de ferimentos quando foi enviado para um centro de detenção, onde foi submetido a tortura com água, o que envolvia ter sua cabeça molhada por água fria através de uma mangueira durante um longo período de tempo. Morreu sob custódia 12 dias após a sua prisão, aos 36 anos. O caso do Sr. Wang não foi um caso isolado, mas apenas um entre a perseguição a milhares de praticantes do Falun Gong na China.

A perseguição aos praticantes do Falun Gong é um crime sistemático e contínuo cometido pelo Partido Comunista Chinês (PCC). O antigo ditador do PCC, Jiang Zemin, lançou a perseguição em 1999 e desde então todos os níveis da Agência 610 têm instruído a polícia a cometer crimes contra os praticantes.

O choque elétrico e a tortura com água ilustram a perseguição perversa por parte do PCC contra a humanidade. Mas os numerosos métodos de tortura do PCC têm sido muito mais do que aquilo que listamos aqui, desde algemas e grilhões, a calabouços, prisões de água, esgotos, cama da morte, tábuas de sentar, confinamento solitário, cadeiras de interrogatório e bancos do tigre; desde tortura com os dedos, pregado com pregos, puxado com alicates e perfurado com agulhas; até à alimentação à força com água quente com pimenta, água salgada e excrementos; do congelamento no exterior no inverno e da exposição ao sol escaldante no verão; da privação do sono, do uso do banheiro e do banho; do abuso sexual, do envio de praticantes do sexo feminino para as celas masculinas para serem violadas em grupo, obrigar as mulheres grávidas a abortar os seus bebês; do encarceramento em hospitais psiquiátricos, da injeção de drogas que destroem o sistema nervoso central. ... a lista continua e vai além. Pior ainda, inúmeros praticantes tiveram os seus órgãos vitais extraídos para transplantes e morreram, os seus corpos foram cremados sem deixar rastro.

Estes crimes ainda estão sendo cometidos nos centros de detenção e prisões da China neste momento.