Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Menino de 13 anos fica órfão por causa da perseguição ao Falun Gong

12 de Janeiro de 2021 |   Por um correspondente do Minghui na província de Liaoning na China

(Minghui.org) Um garoto de 13 anos do condado de Suizhong na província de Liaoning, perdeu seu pai e avós para a perseguição por causa da crença no Falun Gong. No dia 2 de novembro de 2020, sua mãe morreu devido à perseguição e com isso o garoto ficou órfão.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma prática para a mente e corpo baseada nos princípios Verdade, Compaixão e Tolerância. Desde sua apresentação ao público em 1992, inúmeras pessoas foram atraídas por seus profundos princípios e benefícios para a saúde. Temendo sua popularidade cada vez maior, há 21 anos, a China comunista lançou uma campanha nacional contra a prática.

O pai morre aos 33 anos

Mesmo antes do garoto nascer, seus pais sofreram muito por causa da crença no Falun Gong.

Sua mãe, Sra. Yang Xue, estudou artes na Universidade de Yanshan na província de Hebei. Ao se formar, ela trabalhou como designer em Shenyang na província de Liaoning, antes de retornar à sua cidade natal, o condado de Suizhong e se tornar professora de arte.

Seu pai, Sr. Fan Dezhen, entre 2001 e 2008, foi preso várias vezes após o regime comunista ter ordenado a perseguição em 1999. Ele cumpriu dois períodos no campo de trabalho forçado e foi libertado à beira da morte em ambas as ocasiões.

Sr. Fan Dezhen

Tanto a Sra. Yang quanto o Sr. Fan foram presos no dia 25 de fevereiro de 2008. Suas aulas de arte foram encerradas à força.

Na tarde do dia 20 de abril de 2008, ou seja, 55 dias após sua detenção, os pais do Sr. Fan foram convidados pela polícia a visitá-lo no Centro de Detenção de Suizhong.

Na época, o menino com apenas nove meses de idade, sua mãe, a Sra. Yang e sua avó, a Sra. Yi Guizhen, também foram levados pela polícia ao centro de detenção.

Depois que todos da família chegaram, Wang Xueping, o chefe do centro de detenção, anunciou que o Sr. Fan tinha morrido às 7 da manhã daquele dia.

Wang afirmou que Sr. Fan, repentinamente, morreu de desnutrição. A Sra. Yi desmaiou ao ouvir a notícia. Quando retomou a consciência, ela questionou Wang: “Estive aqui seis dias atrás e entreguei 200 yuans para ele. Quando lhe perguntei como ele estava, você me disse que ele fazia duas refeições por dia e estava de bom humor. Por que, de repente, ele simplesmente morreu?”.

Wang não respondeu diretamente, mas tentou encontrar desculpas para se esquivar da responsabilidade. Outro oficial disse à família: "Mesmo que o espancássemos até a morte, o que você poderia fazer?”.

Os guardas do centro de detenção ordenaram que a família visse o corpo do Sr. Fan naquela noite e assinassem o acordo de cremação. Tanto a Sra. Yang quanto a Sra. Yi se recusaram a dar o consentimento para a cremação e pediram para ver o corpo no dia seguinte. Os guardas os ameaçaram: “Vamos cremá-lo amanhã, quer vocês o vejam hoje à noite ou não. Se não o virem hoje, só verão a urna de cinzas amanhã”.

Às 23 horas, os pais e o irmão do Sr. Fan decidiram dar uma olhada em seu corpo.

No necrotério, todos ficaram chocados com o que viram. Antes de ser preso, o Sr. Fan pesava cerca de 69 quilos e era muito saudável. Mas depois de dois meses de detenção, ele era apenas pele e osso. Seu rosto estava torto, seus olhos estavam bem abertos, sua boca estava aberta, seus dentes estavam cerrados com força, sua cabeça estava inclinada para um lado, seu cabelo e barba eram muito longos, a parte inferior do seu abdômen estava machucada e com um corte de três centímetros de comprimento e um pouco de sangue seco ao redor, suas costas e membros também estavam cobertos de hematomas e seu ânus estava frouxo e tinha uma secreção preta misturada com sangue. Sua família também soube que alguns guardas apertaram seus testículos.

O pai do Sr. Fan exigiu gravar um vídeo do corpo do filho, mas foi negado. Ele perguntou a um guarda porque ele estava coberto de hematomas e o guarda respondeu: “Os mortos são todos assim!”.

No dia seguinte, a família do Sr. Fan foi levada para o crematório. O pátio estava cheio de carros da polícia. Centenas de policiais os cercaram e todos pareciam muito nervosos.

Na sala de recepção, os oficiais tentaram forçar a família do Sr. Fan a assinar o acordo de cremação. A família respondeu: “Ele foi torturado até a morte, por que deveríamos assiná-lo?”. Eles também disseram ao diretor do centro de detenção Wang: “Ele morreu na sua casa, você deveria ser responsável por isso”. Wang parecia estar assustado. Ele olhou fixamente para a família do Sr. Fan e disse: “Vocês não têm provas”.

A Sra. Yi insistiu em contratar um advogado para investigar a morte do Sr. Fan. Um oficial lhes disse que um médico forense já havia examinado seu corpo e não viu nenhum problema. Ele disse que o centro de detenção não era responsável e que eles não iriam compensar a família.

Por volta das 14h10, sem a permissão da família, as autoridades cremaram o corpo do Sr. Fan.

A mãe morre aos 41 anos

A Sra. Yang e sua família apelaram a várias agências governamentais para que buscassem justiça para o Sr. Fan, mas foi em vão. A maioria dos oficiais disse que ninguém se atreveria a investigar o caso.

Para impedi-la de apresentar mais queixas, as autoridades de Suizhong condenaram a Sra. Yang a quatro anos de prisão. Mas como ela ainda estava amamentando seu filho, foi autorizada a cumprir pena em casa. Depois que seu filho cresceu, a polícia começou a persegui-la e tentou mandá-la para a prisão, forçando-a a viver longe de casa e a se esconder. Sem conseguir encontrá-la, a polícia prendeu seu sogro e continuou a assediar sua mãe, a Sra. Yi.

Como a Sra. Yang não podia mais trabalhar devido ao assédio, ela e seu filho viviam na miséria.

O garotinho muitas vezes invejava outras crianças por terem um pai. Quando alguns amigos da família lhe traziam um presente ou uma guloseima, o menino perguntava com frequência: “Posso chamá-lo de meu pai?”.

A Sra. Yang e seu filho lutavam para se sustentarem. No dia 2 de novembro de 2020, após sofrer anos de assédio e angústia mental, ela morreu aos 41 anos de idade, deixando para trás seu filho de 13 anos.

Os avós maternos morrem com um ano de diferença

Os avós maternos do menino, a Sra. Yi e o Sr. Yang Jiabin, também praticavam o Falun Gong e foram perseguidos por causa da crença na prática.

Em julho de 2001, a Sra. Yi recebeu um mandado para ser enviada ao Campo de Trabalho Forçado de Masanjia. Após voltar para casa, constantemente, ela foi assediada.

A morte do Sr. Fan em 2008 e o subsequente assédio policial foi um duro golpe para a Sra. Yi. Sua saúde começou a declinar. No dia 29 de setembro de 2011, novamente, ela foi presa após ser denunciada por falar com as pessoas sobre o Falun Gong. Embora ela tenha sido libertada logo devido ao seu estado de saúde, a Sra. Guo Zhenhong, outra praticante presa junto com a Sra Yi, foi condenada a quatro anos de prisão.

No dia 20 de abril de 2013, a Sra. Yi faleceu, aos 59 anos de idade.

No dia 4 de novembro de 2014, um ano e meio depois, seu marido, o Sr. Yang, faleceu. Ele tinha cerca de 60 anos de idade.

Artigos relacionados:

Mr. Fan Dezhen's Body Cremated Against His Family's Wishes
Mr. Fan Dezhen Dies in Police Custody in Liaoning Province
Remembering Fellow Practitioner Fan Dezhen