Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Encarcerado durante 11 anos no passado, homem de Jilin morre um mês e meio após a última detenção por causa de sua fé

25 de Setembro de 2020 |   Por um correspondente Minghui na província de Jilin, China

(Minghui.org) Um homem faleceu em 26 de agosto de 2020, cerca de um mês e meio depois de haver sido preso numa detenção policial por praticar o Falun Gong. A sua esposa, que foi presa com ele, ainda está detida no período em que foi escrito o artigo.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma antiga disciplina espiritual e de meditação que tem sido perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.


Sr. Jiang Quande

O Sr. Jiang Quande e a sua esposa, Sra. Sun Xiuying, foram presos em casa em 15 de julho de 2020. O Sr. Jiang havia sofrido de um problema médico e estava emaciado nesse período, mas a polícia ainda o levou sob custódia.

Depois de o Sr. Jiang haver sido libertado cerca de duas semanas mais tarde, ele permaneceu recebendo soro diariamente para sustentar a sua vida. A polícia recusou-se a libertar a Sra. Sun para que ela pudesse tomar conta dele.

O Sr. Jiang faleceu com 66 anos em 26 de agosto de 2020, quatro dias após a Procuradoria do Condado de Nong'an ter aprovado a detenção da Sra. Sun.

Perseguição passada

O Sr. Jiang costumava trabalhar no departamento de armazenagem de cereais do Condado de Nong'an. Ele era viciado em fumar e beber. Depois de haver começado a praticar o Falun Gong em 1997, abandonou os seus maus hábitos e tornou-se mais atencioso. O seu problema cardíaco e uma doença de pele também desapareceram.

Após o regime comunista ter ordenado a perseguição ao Falun Gong em 1999, o Sr. Jiang foi detido num campo de trabalho forçado durante um ano e meio e depois condenado a 11 anos de prisão. Foi sujeito a formas horríveis de tortura e sofreu uma deficiência no seu braço direito.

Campo de trabalho forçado

O Sr. Jiang foi preso pela primeira vez em setembro de 1999 e detido durante 60 dias. Os guardas obrigaram-no a sentar-se num pequeno banco durante longas horas sem se mexer. Quando lhe permitiram levantar-se, mandaram-no fazer trabalho forçado, tais como carregar sacos de feijão que pesavam mais de 91 kg.

Pouco tempo depois de ser libertado, foi detido novamente no início de 2000 e detido durante 30 dias.

Após haver sido libertado, foi a Pequim para apelar ao direito de praticar o Falun Gong em fevereiro de 2000, e foi novamente detido. Após três semanas de detenção, foi-lhe concedido um ano de trabalho forçado, que, mais tarde, foi prolongado por seis meses quando se recusou a renunciar à sua fé.

Durante uma reunião em todo o campo de trabalho em 28 de abril de 2001, o Sr. Jiang impediu um guarda de difamar o Falun Gong na frente de outros reclusos e foi selvaticamente espancado e mantido em prisão solitária durante um mês.

Em julho de 2001, os guardas do campo de trabalho forçaram o Sr. Jiang e outros 20 praticantes, que permaneceram firmes na sua fé, a sentarem-se numa tábua de madeira com as pernas cruzadas à noite, sem dormir. O espaço estava tão lotado que as suas pernas estavam umas em cima das outras. Um guarda vigiava-os e batia neles se eles se movessem. O quarto não tinha janelas e estava muito úmido. Todos os praticantes estavam suando e tinham dificuldade em respirar. O guarda chamou a esta tortura "pãezinhos fumegantes".

Sentenciado a 11 anos

Cerca de um ano após o Sr. Jiang haver sido libertado, foi de novo preso em 8 de novembro de 2002, por ter feito material informativo sobre o Falun Gong. A polícia sentou-o na extremidade de um longo banco com as suas pernas atadas ao banco. Colocaram um saco de plástico sobre a cabeça e trespassaram os seus dedos e seus mamilos com palitos de bambu afiados.

A polícia também algemou as suas mãos atrás das costas e puxou as suas mãos sobre a cabeça para a frente. Repetiram isto mais de dez vezes. Também o algemaram e depois sacudiram os seus pulsos. O seu braço direito foi partido e ficou inválido em consequência disso.

O Sr. Jiang foi, mais tarde, condenado a 11 anos e enviado para a Prisão Shiling em 17 de janeiro de 2004. Porque resistiu, foi trancado na solitária durante dois meses e teve a maior parte dos seus dentes arrancados após espancamentos repetidos. Os guardas também o forçaram a deitar-se numa cama com os seus quatro membros amarrados numa posição de águia espalhada.

Em 4 de novembro de 2005, o Sr. Jiang foi transferido para a prisão de Gongzhuling. Foi colocado na solitária e novamente deitado numa cama com os seus quatro membros amarrados numa posição de águia. Os guardas recusaram-se a desatá-lo, mesmo quando ele teve de ir ao banheiro. Tiraram a sua roupa e deram choques nele com vários bastões elétricos. Ele ficou com uma grande bolha na cabeça. Quando lhe deram um choque no umbigo, a dor e o choque foram tão cruciantes, que ele foi sacudido de pé.

Após dias infernais durante 11 anos na prisão, o Sr. Jiang regressou a casa em 11 de novembro de 2013.

Mais duas detenções

O Sr. Jiang foi então preso em 3 de setembro de 2015 depois de haver sido denunciado por ter falado com pessoas sobre o Falun Gong num ônibus. Foi multado em mil yuans e detido durante 15 dias.

Apenas alguns meses depois, ele e a sua esposa foram presos juntos, em 25 de janeiro de 2016.

Reportagens relacionadas em inglês:

Fourteen Falun Gong Practitioners Targeted in Group Arrests in Jilin Province Remain in Custody

Snapshot of Falun Gong Practitioners Whose Copies of Lawsuits Against Jiang Zemin Were Received by Minghui on August 8, 2015

Mr. Jiang Quande Barely Escapes Arrest After Being Incarcerated and Tortured for 11 Years

Urgent Rescue Needed for Practitioner Jiang Quande from Changchun City

Falun Dafa Practitioner Jiang Quande from Nongan County, Jilin Province Had One of His Arms Broken by the Police and Was Sentenced to Eleven Years