Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

EUA lideram mundo livre para conter a influência do Partido Comunista Chinês

30 de Julho de 2020 |   Pelo correspondente do Minghui, Wang Ying

(Minghui.org) Dos EUA ao Reino Unido, do Canadá a Taiwan, países e regiões ao redor do mundo sentiram a ameaça do Partido Comunista Chinês (PCC) ao mundo livre. Entre eles, o governo dos EUA tem liderado os esforços para combater a influência do PCC.

Quando entrevistado pelo The Hill em 16 de julho, o secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, enfatizou que o PCC sempre falhou em suas promessas e, ao fazê-lo, colocou em risco o mundo. Ele apontou a pandemia de coronavírus como exemplo. Quando ele visitou o Reino Unido em 21 de julho, ele aplaudiu sua decisão de proibir a Huawei de futuras redes 5G e instou outros países a tomarem ações semelhantes. Em um discurso na Biblioteca e Museu Presidencial Richard Nixon,ele analisou os erros dos governos dos EUA nas últimas décadas e expressou seu desejo de mudanças na China.

O Secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, discursa na Biblioteca e Museu Presidencial Richard Nixon, na Califórnia, em 23 de julho de 2020.

Da mesma forma, o procurador-geral dos EUA, William Barr, discursou em Michigan em 16 de julho e pediu às empresas americanas que não se curvassem ao regime totalitário do PCC.

Além do progresso nos EUA, a Aliança Interparlamentar da China (IPAC) foi formada em 5 de junho com representantes de mais de 10 países. Em um anúncio em 19 de julho, a IPAC apelou a esforços conjuntos para acabar com a extração forçada de órgãos e outras brutalidades contra os praticantes do Falun Gong, uma disciplina de meditação baseada nos princípios Verdade, Benevolência e Tolerância, perseguida pelo PCC desde julho de 1999.

Proteção da liberdade

Durante sua entrevista ao The Hill em 16 de julho, Pompeo disse: "Esse é o Partido Comunista Chinês que está agindo de maneira a representar ameaças reais ao mundo". Ele disse que as ameaças incluem roubo de propriedade intelectual pelo PCC, falha no cumprimento do acordo climático de Paris e muitas outras ações que desmentem o que prometeu ao mundo.

O encobrimento do coronavírus pelo PCC é um exemplo: “O Partido Comunista Chinês impediu que aspessoas descobrissem a resposta para essa pergunta: [a fonte do vírus]. Eles negaram o acesso ao laboratório, eles, [isto é] à Organização Mundial de Saúde, qualquer um que quisesse falar sobre o vírus que estivesse dentro desse laboratório, fossem jornalistas ou médicos, foi impedido de falar sobre isso”, disse Pompeo. "Tudo isso é resultado do encobrimento dos dados pelo Partido Comunista Chinês".

Durante sua recente viagem ao Reino Unido, Pompeo realizou uma conferência de imprensa conjunta com o secretário de Relações Exteriores britânico, Dominic Raab, em 21 de julho. Raab reiterou a necessidade de colaborar com os EUA e outros países na aliança de inteligência Five Eyes e observou as lições aprendidas com a pandemia de coronavírus. Ele também endossou a cooperação com outros países ocidentais em questões como Hong Kong para defender seus valores. "Somos mais influentes, temos mais impacto quando trabalhamos juntos", disse ele.

Pompeo pediu a mais países que se juntassem a esse esforço e "condenem as promessas quebradas pela China sobre o tratado sino-britânico". Ao responder as perguntas dos repórteres, ele disse que tais esforços não eram para confrontar a China; antes “o mundo inteiro precisa trabalhar junto para garantir que todos os países, incluindo a China, se comportem no sistema internacional de maneira que sejam apropriadas e consistentes com a ordem internacional... Você não pode ameaçar países e intimidá-los no Himalaia. Você não pode se envolver em encobrimentos e cooptar instituições internacionais como a Organização Mundial da Saúde".

Em seu discurso na Biblioteca e Museu Presidencial Richard Nixon, em Los Angeles, em 23 de julho, Pompeo disse que as administrações anteriores dos EUA imaginavam que o envolvimento com a China produziria prosperidade, mas “hoje ainda estamos todos usando máscaras e vendo a contagem de corpos devido a pandemia aumentar porque o PCC falhou em suas promessas ao mundo. Estamos lendo todas as manhãs novas manchetes de repressão em Hong Kong e em Xinjiang".

Faz quase 50 anos desde o início da parceria. “E, de fato, centralmente, da perspectiva do secretário de Estado, a América é mais segura? Temos uma maior probabilidade de paz para nós mesmos e paz para as gerações que nos seguirão?”, questionou.

Ele disse que Nixon esperava mudar o PCC através da colaboração. "A verdade é que nossas políticas e de outras nações livres ressuscitaram a economia fracassada da China, porém vimos Pequim morder as mãos internacionais que a alimentavam", disse ele. “Abrimos nossas armas para os cidadãos chineses, porém vimos o Partido Comunista Chinês explorar nossa sociedade livre e aberta. A China enviou propagandistas para nossas coletivas de imprensa, nossos centros de pesquisa, nossas escolas secundárias, nossas faculdades e até nossas reuniões do PTA”.

De empresas a Hollywood, do trabalho escravo a outras violações dos direitos humanos que foram ignoradas, nossos valores universais foram desafiados. “Cresci e servi meu tempo no exército durante a Guerra Fria. E se há uma coisa que aprendi é que os comunistas quase sempre mentem. A maior mentira que contam é pensar que falam por 1,4 bilhão de pessoas que são vigiadas, oprimidas e temem se expressar”, disse ele. "Pelo contrário. O PCC teme as opiniões honestas do povo chinês mais do que qualquer inimigo”.

Por isso, Pompeo pediu ao mundo livre que não repetisse os erros do passado. "E se não agirmos agora, em última análise, o PCC destruirá nossas liberdades e subverterá a ordem baseada em regras que nossas sociedades trabalharam tanto para construir", disse ele.

Barr: O mundo livre não deve se curvar ao PCC

Em seu discurso no Museu Presidencial Ford em Michigan em 16 de julho, o procurador-geral dos EUA, William Barr, disse que concordou com o conselheiro de segurança nacional, Robert O'Brien, que "[os] dias de passividade e ingenuidade americana em relação à República Popular da China terminaram".

Quando o presidente Ford visitou a China em 1975, as pessoas não sabiam que a China um dia surgiria após a Guerra Fria como concorrente quase igual dos Estados Unidos. Não foi apenas isso, mas os movimentos "agressivos" e "orquestrados" do PCC estão prejudicando o mundo, disse ele, acrescentando que as empresas americanas desempenharam um papel crítico e que a China dominou a indústria de suprimentos farmacêuticos, as universidades invadidas e a propriedade intelectual roubada.

Além disso, o PCC alterou os valores da comunidade internacional. "Hollywood agora censura regularmente seus próprios filmes para apaziguar o Partido Comunista Chinês, o violador mais poderoso dos direitos humanos do mundo", disse Barr.

"O PCC lançou uma campanha orquestrada, através de todos os seus muitos tentáculos no governo e na sociedade chineses, para explorar a abertura de nossas instituições e destruí-las", concluiu. "Para garantir um mundo de liberdade e prosperidade para nossos filhos e netos, o mundo livre precisará de sua própria versão da abordagem de toda a sociedade ... Nossa liberdade depende disso".

Suporte global

O líder do Partido Conservador do Canadá, Andrew Scheer, disse que os incidentes nos últimos anos mostraram um padrão de comportamento agressivo por parte do PCC. "É hora que as nações pró-liberdade em todo o mundo acordem para essa realidade, trabalhem juntas para se apoiarem contra essas atitudes muito assertivas do governo chinês em Pequim", disse ele durante uma entrevista recente ao Minghui.

Entre todos os grupos reprimidos na China, cerca de 100 milhões de praticantes do Falun Gong sofreram tremendamente por sua crença desde julho de 1999. No 21º aniversário da perseguição ao Falun Gong, a Aliança Interparlamentar da China (IPAC) emitiu uma declaração em apoio do Falun Gong. Eles condenaram o crime do PCC de extração forçada de órgãos de praticantes do Falun Gong e instaram o mundo a ajudar a acabar com a perseguição.

Lançado em 5 de junho com representação de mais de dez nações, o IPAC foi estabelecido para promover a colaboração entre países para lidar com os desafios colocados pela China em regras internacionais, direitos humanos e integridade nacional.

“Nas últimas duas décadas, a campanha contra os praticantes do Falun Gong resultou na prisão de centenas de milhares de seus seguidores, onde foram submetidos a algumas das formas mais graves de tortura”, escreveu o comunicado, que também enfatizava a extração de órgãos de praticantes vivos do Falun Gong na China.

"Hoje destacamos a situação do Falun Gong junto com todas as minorias religiosas que sofreram repressão sob o governo do Partido Comunista Chinês", concluiu o comunicado. “Lembramos ao mundo as depravações que eles continuam sofrendo e exortamos o mundo a se posicionar e defender o fim de tal repressão, o fim da impunidade e a justiça, responsabilidade, direitos humanos e dignidade humana para todos os povos da China".

Artigo relacionado em chinês:

蓬佩奥呼吁建立全球联盟反击中共(图)

蓬佩奥-中共对世界构成了真正的威胁(图)

美司法部长吁自由世界联合对抗中共