Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Esposa de praticante preso: "A polícia nos devolveu tudo o que foi confiscado"

23 de Julho de 2020 |  

(Minghui.org) Vivo no campo, na China, e vários membros da minha família praticam o Falun Gong, incluindo meu marido e os meus sogros. Depois do Partido Comunista Chinês (PCC) ter lançado a perseguição nacional ao Falun Gong em 20 de julho de 1999, funcionários da vila e a polícia local assediaram-nos regularmente.

Tive muito medo nos primeiros anos da perseguição: um latido de cão, uma pancada na porta ou um telefone tocando me fazia ficar muito nervosa e me impedia de dormir durante a noite. Temia que alguém da minha família fosse preso e torturado sob custódia, como tantos outros praticantes do Falun Gong.

Depois de ter passado por inúmeros dias e noites terríveis, cheguei à conclusão de que a minha família era inocente e que eram os funcionários do PCC que estavam cometendo atos ilícitos contra cidadãos inocentes. Afinal, não havia nada de errado em seguir os princípios Verdade, Compaixão e Tolerância do Falun Gong. Decidi não deixar que os funcionários ou a polícia voltassem a intimidar a minha família.

Embora eu mesma não seja uma praticante do Falun Gong, decidi enfrentar os perpetradores. Sempre que eles voltavam à nossa casa, primeiro levava os livros do Falun Gong para o meu quarto e depois ficava de guarda na porta. Eles nunca se atreveram a entrar no meu quarto.

Recuperei itens confiscados

Numa ocasião, a polícia da cidade veio para levar o meu sogro e confiscar o nosso triciclo. De pé no pátio em frente à nossa casa, eu disse aos agentes: "O triciclo vai ficar: ele não pratica o Falun Gong nem prejudica ninguém. O meu sogro também não pode ir, uma vez que contamos com ele para ajudar com a família. Além disso, quem arcará com a responsabilidade se algo lhe acontecer? Se vocês tiverem de prender alguém, podem me levar daqui!". Eles saíram sem uma palavra.

Agentes da Divisão de Segurança Interna do condado impediram o meu marido de ir ao encontro de um cliente em março de 2017. Depois, eles saquearam a nossa casa e confiscaram muitos dos nossos bens. Condenaram o meu marido a três anos de prisão.

Enquanto o meu marido esteve preso, fiz trabalhos temporários para ganhar a vida para sustentar os nossos filhos e os meus sogros. No meu tempo livre, ia frequentemente à polícia pedir-lhes que devolvessem os bens que haviam confiscado, bens que eram nossos por legitimidade e que tinham detido ilegalmente. Eu sabia que estava certa e também pedi ajuda ao Mestre Li (o fundador do Falun Gong). Muitas coisas milagrosas aconteceram no processo de conseguir que a polícia devolvesse o que havia confiscado.

Tudo começou com um advogado que contratei para o meu marido. A polícia disse que ele era proibido de visitar o meu marido. Mas o advogado o visitou no centro de detenção, porque o agente de serviço se esqueceu da ordem da Divisão de Segurança Interna. Mais tarde, essas duas agências discutiram até uma com a outra por causa disso.

Numa outra ocasião, quando o advogado apareceu, a Divisão de Segurança Interna voltou a dizer a ele que não podia encontrar-se com o meu marido. Implorei ao Mestre Li que me ajudasse, na esperança de que pudéssemos ver o diretor da Divisão de Segurança Interna. Esperamos meia hora fora do edifício até o diretor regressar. Quando eu pedi uma breve reunião, ele disse: "Nem pensar" e difamou o Falun Gong.

"Os praticantes do Falun Gong vivem pela Verdade, Compaixão e Tolerância e não há nada de errado com isso", disse. "Além disso, não há qualquer lei que diga que a prática do Falun Gong é ilegal". Ele não conseguiu provar que eu estava errada e, mais tarde, aceitou o material do advogado.

Fui novamente à Divisão de Segurança Interna em abril de 2017 para pedir a devolução do nosso veículo familiar. Quando vi o diretor numa entrada lateral, disse-lhe porque estava lá. "Nem pensar", respondeu e negou o meu pedido. Pedi-lhe esclarecimentos, uma vez que nenhuma lei chinesa permite que a polícia confisque veículos familiares de praticantes do Falun Gong.

"Se conseguirem encontrar tal lei, eu vou para casa", disse eu. "Caso contrário, por favor, devolvam-me o carro".

Ele não cedeu e começou a caluniar o Falun Gong.

Eu também não cedi. Disse-lhe que o governo tinha uma lista de seitas proibidas e que o Falun Gong não era uma delas.

O seu tom suavizou e, enquanto eu continuava a insistir, ele devolveu-me o veículo naquela tarde.

Em julho de 2017, recuperei o detector de dinheiro falso que usamos no nosso negócio familiar. Na minha viagem seguinte, pedi o documento de identidade do meu marido, o livro de registro de propriedade e a carteira de motorista. O diretor, no início, disse que não os devolveria até o meu marido ser libertado. Continuei pedindo. No final, ele me deu tudo o que eu pedi.

Tudo devolvido

Uma vez, quando visitei o meu marido, ele disse que, quando foi detido, um policial pegou o dinheiro do seu bolso para pagar o seu exame físico. Por isso, fui pedir o dinheiro de volta, mas o policial me ignorou.

Em abril de 2018, fui à Divisão de Segurança Interna para pedir a devolução dos nossos dois computadores e das duas impressoras que haviam confiscado. Deram-me primeiro o celular do meu marido. Quando pedi a devolução dos meus computadores, o vice-diretor disse que havia um software protegido por senha nos computadores que poderia estar relacionado com o Falun Gong.

"Nós os usamos para o nosso negócio!". Eu gritei com ele. "Usamos a impressora em preto e branco para imprimir contratos e a impressora a cores para o design de projetos. Que lei diz que fazer negócios é ilegal? Por favor, devolva-os para mim". Eles me devolveram.

Em junho de 2018, fui à Divisão de Segurança Interna por causa dos 300 yuans que levaram do meu marido para pagar o seu exame físico e dois mil yuans que encontraram na nossa casa. Enquanto esperava para ser atendida, um oficial gritou comigo: "Você está aqui procurando dificuldades? Saia!".

"Por favor, cuidado com a sua língua, jovem", disse eu. "Você sabe que nós chineses acreditamos que 'o bem é recompensado e o mal é punido'".

Salientei que agentes como ele estavam prendendo e maltratando praticantes inocentes do Falun Gong, que apenas queriam seguir a Verdade, a Compaixão e a Tolerância para serem pessoas melhores.

O vice-diretor acabou devolvendo todo o meu dinheiro.

Esforços contínuos

Após a detenção do meu marido, a Divisão de Segurança Interna prestou falsas declarações para que a Procuradoria o acusasse. Como não havia provas suficientes, a polícia aumentou o número de bens confiscados de menos de 1.000 para 26.000. O número inflacionado utilizado para condenar o meu marido foi indicado na sentença final. Depois que o juiz principal ter reparado na discrepância entre o número real de bens confiscados e o número confiscado pela polícia, limitou-se a corrigir o número na sentença.

Quando recorremos da sentença, o tribunal intermediário não investigou nem confirmou a sentença principal.

Na véspera da transferência do meu marido para a prisão, o tribunal intermediário me disse para ir assinar um documento dizendo que o número da identidade do meu marido estava documentado incorretamente e precisava ser corrigido. Fui, mas recusei-me a assinar qualquer documento, receando que pudessem usar a minha assinatura para perseguir ainda mais o meu marido, tal como fizeram com outros praticantes. Falei com os funcionários do tribunal um a um e disse que tinham cometido crimes ao acusarem e condenarem injustamente os praticantes do Falun Gong.

De volta para casa, continuei a ligar repetidamente para a polícia e para os funcionários do tribunal, pedindo-lhes que libertassem o meu marido. Tenho orgulho em ser a esposa de um praticante do Falun Gong. Os praticantes são pessoas maravilhosas e estão sofrendo tremendamente pela sua crença. Precisamos apoiá-los de todo o coração.