Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Praticante do Falun Gong de Hong Kong é convidada a dar discurso na reunião sobre liberdade de religião no Departamento de Estado dos EUA

2 de Julho de 2020 |   Por Yusheng Huang, correspondente do Minghui

(Minghui.org) Uma mesa redonda sobre a Liberdade Religiosa Internacional realizou-se no Departamento de Estado dos EUA em 9 de junho de 2020. Ingrid Wu, uma praticante do Falun Gong de Hong Kong, foi convidada a dar um discurso durante a reunião.

“Eu gostaria de chamar a atenção de vocês para a pressão que estamos enfrentando e para as nossas preocupações sobre a liberdade de crença aqui em Hong Kong, sob a ameaça da Lei de Segurança Nacional que foi recentemente aprovada na China”, disse Wu durante a reunião. Ela disse que a aplicação dessa lei iria afetar os praticantes do Falun Gong e todas as religiões.

PCC ataca praticantes do Falun Gong em Hong Kong

“Desde que a perseguição ao Falun Gong na China começou há 21 anos, o PCC (Partido Comunista Chinês) tem constantemente monitorando os praticantes do Falun Gong em Hong Kong e interferido, direta ou indiretamente, nas nossas atividades”.

Ela deu os seguintes exemplos dos ataques levados a cabo mesmo sob “um país dois sistemas”. “Em 2016, quando se realizou a conferência do Falun Gong da Ásia-Pacífico em Hong Kong, um grupo pró-PCC telefonou para o local com uma ameaça de bomba, fazendo com que a conferência fosse interrompida e eventualmente cancelada.

“A Hong Kong Youth Care Association (uma organização apoiada pelo PCC que visa especificamente o Falun Gong em Hong Kong) assediou e começou a bater nos praticantes do Falun Gong na rua e em locais cênicos desde 2013”.

“Em setembro de 2019, dois homens usaram um bastão para bater na cabeça de uma das nossas coordenadoras, causando uma hemorragia grave, logo após ela ter deixado a delegacia de polícia, onde pediu autorização para protestar no Dia Nacional da China”.

“O governo de Hong Kong negou pedidos de praticantes para locais de conferências ou de outros evento, durante muitos anos”.

“O escritório da fábrica que imprime o jornal TheEpoch Times foi destruído há vários anos”, disse Wu. “Mesmo quando o jornal estava assumindo um papel de liderança, ao reportar os protestos em massa do ano passado. Alguns bandidos, que se acredita terem sido enviados pelo PCC, incendiaram o nosso equipamento de impressão no dia 19 de novembro de 2019”.

“Os incidentes acima referidos aconteceram mesmo quando Hong Kong desfrutava de uma semiautonomia. Quando a Lei de Segurança Nacional puser fim ao “um país, dois sistemas”, a nossa segurança e liberdade serão ainda mais ameaçadas”.

A proposta de Lei de Segurança põe em perigo a liberdade de todas as religiões em Hong Kong

“Perdemos o direito de praticar os nossos exercícios e realizar eventos publicamente”, disse Wu. “Podemos experimentar o que os praticantes do Falun Gong na China passaram nos últimos 21 anos – assédio constante, detenção arbitrária, prisão, tortura, e até extração de órgãos”, disse Wu durante a reunião.

“Na China continental, as igrejas subterrâneas que acreditam verdadeiramente em Deus enfrentam a supressão de todos. Outras religiões, incluindo o budismo no Tibete e alguns outros crentes religiosos, enfrentam o mesmo problema. Os seus ensinamentos religiosos originais são reprimidos”. Devem seguir as ordens e diretrizes do PCC, mas o Partido é ateu.

O Departamento de Estado dos EUA divulgou o relatório sobre a Liberdade de Religião Internacional de 2019, após a reunião da mesa redonda. O relatório assinalou que a liberdade de religião se deteriorou na China.

Durante 21 anos consecutivos, a China tem sido listada como um “país especialmente preocupante” devido à sua violação da liberdade de religião. O relatório condenou a perseguição do PCC aos direitos humanos, incluindo aos praticantes do Falun Gong. Também mencionou o fogo perpetrado nas instalações de impressão do The Epoch Times e o ataque aos praticantes em 2019.

“Acredito que com mais pessoas e governos prestando atenção à Lei de sSgurança em Hong Kong, o imprudente PCC será restringido”, salientou Wu.

Algumas pessoas enviaram mensagens a Wu após o seu discurso, perguntaram o que poderiam fazer para ajudar e pediram para se manterem em contato.

Wu disse que a promoção da liberdade de religião como objetivo central da política externa dos EUA era inspiradora, uma vez que os EUA protegerão os valores universais em todo o mundo.

O mundo está despertando para a natureza contrária à humanidade do PCC

“O PCC persegue a liberdade de religião. É um desafio aos valores universais da humanidade”, disse Wu. “Quando o PCC apresenta interesses econômicos às pessoas ou países, será que eles vão escolher o seu interesse em vez dos valores universais da humanidade?”

Wu observou que durante as últimas décadas, o PCC utilizou interesses econômicos para coagir outros países a manterem em silêncio o seu fraco histórico em matéria de direitos humanos. “Isto significa que as pessoas abandonam os seus princípios. A natureza do PCC contra os valores universais e a humanidade tem causado sofrimento e perdas às pessoas em todo o mundo”.

Wu mencionou que o coronavírus espalhou-se pelo mundo devido ao disfarce inicial do PCC e à desinformação. O mundo inteiro está sofrendo durante esta pandemia, mas as pessoas estão despertando para a verdadeira natureza do PCC.

Praticantes do Falun Gong estão conscientizando as pessoas

“Como praticantes do Falun Gong, não buscamos fazer política ou o poder”, disse Wu. “Por que o PCC quer perseguir o Falun Gong? É porque praticamos Verdade, Benevolência e Tolerância. Olhamos para dentro quando enfrentamos conflitos e suportamos dificuldades”.

O PCC controla a China com mentiras e violência e não pode tolerar que tantas pessoas sigam os valores universais da humanidade. Assim, o Partido continua a conduzir uma perseguição brutal contra o Falun Gong realiza políticas contra as religiões e a cultura tradicional da humanidade.

Ela apontou que a resposta dos praticantes contra a campanha de difamação e perseguição brutal do PCC é aumentar a consciência do público e esclarecer a verdade.

“As pessoas são enganadas pela propaganda do PCC e, por sua vez, tornaram-se vítimas porque não conhecem a verdade. Podem tomar decisões erradas ao ajudar o Partido na perseguição. Assim, a conscientização ajuda-os a conhecer a verdadeira informação”.

Wu disse que o PCC é ateu e é contra os valores universais. Ela sente que é da responsabilidade dos praticantes recordar às pessoas os valores tradicionais da humanidade.