Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Fazer o bem é o caminho a seguir

27 de Junho de 2020 |   Compilado por Yu Xiang

(Minghui.org) A antiga sabedoria chinesa diz: "Uma família de boas pessoas terá bênçãos abundantes". Ser bondoso e justo e fazer o bem não só beneficia a si próprio, mas também a sua família. Há muitos exemplos na história chinesa que ilustram este ponto, incluindo a história de Shang Lu.

Shang Lu era um famoso oficial da corte real na Dinastia Ming. Embora de origem humilde, Shang Lu serviu na corte real depois de ter conseguido o primeiro lugar nos três níveis do exame Imperial e, mais tarde, tornou-se o mais alto funcionário do seu tempo. Tinha uma reputação de ser sincero e usou o seu poder para ajudar os pobres e defender a justiça.

Shang Lu não veio do dinheiro ou do poder, mas de uma origem de boa gente. O seu pai era um funcionário do condado que ajudava os pobres. A influência do seu pai e a sua modesta educação moldaram Shang Lu para ser uma voz para os pobres e para a justiça. Ele era amado pelo povo que cantavam seus louvores: "De todos os bons funcionários da nossa corte real, Shang é o número um." Por sua vez, as boas ações de Shang Lu trouxeram bênçãos à família Shang para as gerações futuras.

Nascido como plebeu

Shang Lu veio de origens humilde. O seu avô era caçador e o seu pai funcionário do Condado de Yan. Seu pai viveu uma vida simples, mas doava regularmente para caridade e ajudava os pobres. Aconselhava os seus colegas a tratarem as pessoas com justiça e a não abusarem do seu poder nem aceitarem subornos. Com a sua ajuda de recorrer no tribunal do Condado, os prisioneiros condenados injustamente foram exonerados da pena de morte.

Uma noite, o prefeito do condado viu à distância um belo brilho ao redor da casa do Sr. Shang e ficou muito curioso. No dia seguinte, perguntou ao Sr. Shang o que tinha acontecido. O Sr. Shang disse: "A minha esposa deu à luz a um menino ontem à noite". O funcionário do condado pediu para conhecer o bebê quando estava com cem dias.

Quando o Sr. Shang mostrou o seu recém-nascido ao seu chefe, o prefeito olhou para o lindo menino e pensou no brilho que ele viu no dia do nascimento. Ele previu que o rapaz iria conseguir grandes coisas na vida e tornar-se o orgulho do país. Esse bebê era Shang Lu.

Primeiro lugar nos exames imperiais

Shang Lu começou a mostrar o seu talento desde muito jovem. Ele tinha uma memória fotográfica impressionante e podia recitar o conteúdo de um livro depois de lê-lo uma vez. Ele escreveu excelentes trabalhos sem esboços ou rascunhos.

Aos vinte anos, Shang Lu foi o primeiro classificado no exame imperial a nível local, passando depois a ser o primeiro a nível provincial, e nos exames da corte real. De acordo com a História Ming, foi a única pessoa a ficar em primeiro lugar nos três níveis dos exames imperiais durante a Dinastia Ming e manteve o recorde de melhor pontuação.

Shang Lu serviu as cortes reais de três imperadores e, a certa altura, era o chefe do mais alto cargo e nomeado Grande Secretário, atuando como Chanceler de fato. As pessoas estavam convencidas que ele era abençoado por causa das boas ações de seu pai.

Uma carta aberta ao imperador solicitando por melhoramentos

Shang Lu estava determinado a ajudar o povo, tal como seu pai. Ele era corajoso e sempre falava a verdade diante do Imperador. Durante o domínio do Imperador Xianzong, muitas regiões do país sofreram com as graves inundações. Shang Lu expressou sua preocupação ao Imperador e sugeriu que, para evitar mais catástrofes naturais, a corte real deveria conduzir o povo a melhorar primeiro o caráter moral.

Em sua carta ao Imperador, ele enumerou oito áreas que necessitavam ser melhoradas: respeitar os antigos sábios e seguir rigorosamente os códigos morais por eles estabelecidos; permitir que os funcionários da corte real se pronunciassem, examinando cuidadosamente os arquivos dos prisioneiros procurando os erros cometidos; e libertar os condenados injustamente; interromper projetos de construções desnecessários; reduzir o tamanho do governo; construir um banco alimentar para os pobres e melhorar o sistema jurídico. Satisfeito com a sugestão, o imperador emitiu ordens para implementar estas melhorias.

Shang Lu enfatizou que o Imperador deveria ouvir sinceramente os conselhos dos seus funcionários. Ele disse: "Espero que, a partir de agora, se alguém vos der conselhos construtivos, Vossa Majestade os escute com a mente aberta".

Ajudando os pobres

O camareiro que servia a Rainha Mãe Renshou confiscou terras agrícolas de mais de oitenta agricultores locais. Irados, os agricultores reagiram. O conflito perturbou tanto a Rainha Mãe que o Imperador tentou punir os agricultores, realocando-os junto com as suas famílias para as duras regiões a norte da Grande Muralha.

Em uma reunião matinal da corte real, Shang Lu manifestou a sua desaprovação, dizendo: "Um Imperador é o filho do seu povo e de seu país. Para que precisa de mais terras? Nunca ouvi falar de camponeses pobres que tomavam terras de um monarca; é quase sempre o contrário".

Os funcionários da corte real ficaram surpresos que Shang Lu fosse tão direto. Os conselheiros do Imperador intervieram e apoiaram Shang Lu. O Imperador decidiu finalmente retirar sua ordem.

Quando o Imperador Xianzong quis construir um complexo no lado norte do palácio, Shang Lu aconselhou o Imperador a reduzir as despesas desnecessárias. Ele também reuniu refugiados pobres que tinham migrado do Leste, deu-lhes terras agrícolas e sementes e ajudou-os a estabelecerem-se perto da capital.

Pressionando para encerrar a agência secreta de inteligência

Xichang, a agência secreta de inteligência do país na época, era controlada pelo eunuco de confiança do Imperador Wang Zhi. Wang e os seus homens prenderam e mataram pessoas e funcionários inocentes no decurso das suas "investigações" e violaram a lei. A agência tornou-se rapidamente uma ameaça para o povo e preocupava muitos funcionários.

Shang Lu e um grupo de funcionários da corte real suplicaram ao Imperador que pusesse fim ao pesadelo. Shang Lu enumerou onze dos crimes de Wang, chamou à agência "um mal à nação" e pediu ao Imperador que a abolisse. A acusação perturbou muito o Imperador, mas Shang Lu era destemido e não vacilou.

Com o apoio de muitos outros funcionários da corte real, o Imperador finalmente deu a ordem para abolir Xichang. Embora a agência secreta tenha sido reinstituída mais tarde, o esforço de Shang Lu foi visto como corajoso e patriótico. Sua carta ao Imperador tornou-se também famosa como uma obra literária e foi transmitida durante gerações.

Fazer boas obras trouxe bênçãos à família

Shang Lu fez muitas coisas boas durante o período em que serviu a corte real. Ele assumiu seu posto muito levemente e não se preocupou com os ganhos pessoais. Ele tinha em mente o bem da nação e do povo em tudo o que fazia. Na História Ming, foi descrito como "simples, direto, gentil e generoso. No entanto, quando se tratava de assuntos importantes, ele era racional e decisivo".

Shang Lu teve muitos filhos e netos. Mas tarde, um bom número deles tornou-se também, mais tarde, altos funcionários da corte real. Na sua velhice, um antigo colega visitou Shang Lu na sua casa de repouso e disse: "Durante todos os anos em que trabalhei contigo, nunca o vi acusar indevidamente ninguém sem provas. Vejam como os vossos filhos e netos estão indo bem: essas são as vossas bênçãos por fazer sempre a coisa certa".