Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

21º ano do apelo pacífico dos praticantes do Falun Gong em 25 de abril

28 de Abril de 2020 |   Por Ouyang Fei

(Minghui.org) Em 25 de abril de 1999, um apelo pacífico em Pequim surpreendeu a liderança chinesa e a comunidade internacional, quando 10 mil praticantes do Falun Gong se reuniram perto do Gabinete de Apelações do Conselho de Estado para solicitar a libertação de colegas praticantes que haviam sido presos ilegalmente por causa de sua crença.

A reunião foi pacífica e sem incidentes e os praticantes de Tianjin foram libertados após o apelo. Três meses depois, no entanto, em 20 de julho de 1999, Jiang Zemin, então chefe do Partido Comunista Chinês (PCC), lançou uma campanha nacional de perseguição contra o Falun Gong que continua até hoje.

O PCC ainda persegue os praticantes do Falun Gong 21 anos depois. No entanto, os praticantes do Falun Gong não são as únicas vítimas da supressão da liberdade de crença e da liberdade de expressão pelo PCC na tentativa de eliminar o que o Partido considera uma ameaça e para manter o poder. O ocultamento de informações sobre o coronavírus pelo PCC implicou na punição dos denunciantes e resultou em quase 3 milhões de pessoas infectadas e cerca de 200 mil mortes em todo o mundo.

No 21º ano do apelo pacífico, em 25 de abril, é importante perceber que, somente ao nos distanciarmos do PCC, podemos restaurar nossos direitos humanos e permanecer seguros diante de desastres.

Apelo pacífico em 25 de abril

Dois dias antes do apelo de 25 de abril, dezenas de praticantes do Falun Gong foram presos em Tianjin, uma cidade na província próxima de Pequim, por expressar suas opiniões contra a propaganda que difamava o Falun Gong. À medida que mais praticantes solicitavam sua libertação, eles foram instruídos a ir a Pequim, já que a ordem de prisão veio do governo central.

Apelo pacífico dos praticantes do Falun Gong em Pequim em 25 de abril de 1999.

Para ajudar as autoridades superiores a entender os fatos do Falun Gong, cerca de 10 mil praticantes reuniram-se voluntariamente do lado de fora do Escritório de Apelações do Conselho de Estado em Pequim, em 25 de abril de 1999. Eles fizeram três pedidos: libertar os praticantes detidos de Tianjin, restaurar a liberdade dos praticantes de praticar o Falun Gong sem intervenção ou repercussões e suspender a proibição de publicação de livros do Falun Gong.

O então primeiro-ministro chinês reuniu-se com representantes dos praticantes e aprovou todos os pedidos. De fato, cada um dos pedidos eram direitos básicos garantidos pela Constituição Chinesa.

Três meses depois, no entanto, Jiang Zemin ordenou a perseguição ao Falun Gong. Desde então, dezenas de milhões de praticantes têm sido algo de perseguição por manter sua fé. Muitos deles foram detidos, presos e torturados por causa de sua crença.

Algumas pessoas atribuíram a perseguição ao apelo pacífico em 25 de abril de 1999, mas a verdadeira razão foi que os princípios de Verdade-Compaixão-Tolerância do Falun Gong contradizem fundamentalmente o ateísmo e a ideologia de violência do PCC. Mesmo antes do apelo, os seguidores de Jiang Zemin estavam investigando o Falun Gong, na esperança de encontrar desculpas para suprimir a prática pacífica. Sem o recurso de 25 de abril, Jiang Zemin e o PCC ainda teriam encontrado justificativas para perseguir o Falun Gong. As prisões dos praticantes de Tianjin e a proibição de livros do Falun Gong antes do apelo atestaram a intenção de Jiang Zemin de perseguir o Falun Gong.

Perseverança dos praticantes do Falun Gong

A perseguição do PCC contra o Falun Gong não é o único exemplo de perseguição da liberdade de crença e liberdade de expressão. A pandemia de coronavírus atual mostrou ainda mais ao povo chinês e ao resto do mundo como a censura à informação e à expressão realizada pelo PCC transformou uma epidemia em uma crise global.

Enquanto alguns denunciantes tentaram expor o encobrimento da informação pelo PCC, a voz deles foi logo abafada pela propaganda do governo, e muitas pessoas permaneceram caladas diante da tirania do partido.

Os praticantes do Falun Gong, por outro lado, nunca pararam seus esforços para aumentar a conscientização sobre a perseguição de sua fé nos últimos 21 anos. Depois que o coronavírus eclodiu, os praticantes trabalharam duro para informar o público que o PCC usava as mesmas táticas de ocultação e engano desde o encobrimento da epidemia da SARS de 2003, da pandemia atual e da perseguição contra o Falun Gong.

Uma falha do sistema

O PCC faz tudo para manter seu poder e não se preocupa com as pessoas. É seguro dizer que o próprio sistema do PCC é a causa raiz dos desastres que propaga.

Depois que o PCC encobriu a epidemia da SARS em 2003, uma série de políticas foi implementada para evitar crises semelhantes. Em 2017, a China alegou ter estabelecido o maior sistema integrado de notificação de emergências de saúde pública, o que reduziria o tempo de notificação de quatro dias para quatro horas.

Em julho de 2019, foi realizado um ensaio com mais de 8.200 participantes de 31 províncias e cidades de nível provincial. O objetivo era praticar como lidar com um surto de vírus em algum momento de 2020.

Além disso, uma simulação de resgate de emergência ocorreu no aeroporto de Tianhe, em Wuhan, em 18 de setembro de 2019, antes dos Jogos Mundiais Militares de 2019. A agenda incluía pesquisa epidemiológica, monitoramento da equipe, área temporária de quarentena, transferência de pacientes e limpeza profunda.

Três meses depois, em 18 de dezembro, o Hospital Central de Wuhan admitiu seu primeiro paciente com coronavírus. Vários dias depois, profissionais médicos identificaram a epidemia de coronavírus. Mas seus esforços para informar a emergência foram bloqueados. Quando eles não tiveram escolha, a não ser conscientizar o público sobre a crescente epidemia por meio das mídias sociais, foram punidos pelas autoridades.

Mais de 40 mil pessoas de cerca de 10 mil famílias em Wuhan participaram de um banquete obrigatório de Ano Novo Chinês em 18 de janeiro de 2020, apesar de pedidos de alguns moradores para cancelar o evento ao saber sobre a epidemia. Devido a isso, a comunidade Baibuting, onde ocorreu o banquete, tornou-se uma das áreas mais atingidas pelo surto em Wuhan.

É evidente que o sistema de relatórios de emergência em saúde pública e as simulações estavam apenas prestando serviço à organização quando o PCC considerou mais importante criar a ilusão de que tudo estava sob controle, especialmente em datas sensíveis, como feriados nacionais. À medida que mais e mais pessoas foram infectadas após o banquete da comunidade de Baibuting, o PCC fechou a cidade inteira de Wuhan em 23 de janeiro.

É tempo para se distanciar do PCC

Alguém poderia pensar que o PCC aprenderia lições de um desastre causado pelo homem, mas, repetidas vezes, comete os mesmos erros ao lidar com várias crises. Quando a política substitui a ciência e quando as agendas políticas substituem a consciência, nada impedirá o PCC de causar calamidades novamente.

O PCC causou mais de 100 milhões de mortes não naturais na China desde que assumiu o poder há várias décadas. Cada vez que um movimento político termina, o PCC encontra uma desculpa ou um bode expiatório para desviar a culpa. As pessoas então continuam com seu pensamento positivo, porém são novamente atingidas pela dura realidade.

Os praticantes do Falun Gong apelaram ao governo há 21 anos por liberdade de crença e de expressão. Eles ainda estão firmes hoje, pedindo o fim da perseguição. Como a China e o resto do mundo estão sofrendo danos tremendos com o encobrimento do surto de coronavírus pelo PCC, é imperativo ter transparência nas informações. Para esse fim, podemos seguir uma sugestão de praticantes do Falun Gong que nunca findaram sua busca pela liberdade de crença e pela liberdade de expressão. E agora é a hora de nos afastarmos do PCC para garantir nossa segurança futura.