Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Membros do Parlamento Australiano: Crenças tradicionais chinesas serão revividas

8 de Março de 2020 |   Por um correspondente do Minghui na Austrália

(Minghui.org) George Christensen, membro da Câmara dos Deputados da Austrália, disse após saber que mais de 350 milhões de chineses renunciaram a sua participação no PCC: “É notável ver tantas pessoas se posicionando contra o Partido Comunista Chinês, declarando seu despertar espiritual e caráter independente. A China não é o PCC. A China é representada por seus cidadãos chineses”.

George Christensen, membro da Câmara dos Deputados da Austrália, disse que se sentiu encorajado pelo número crescente de cidadãos chineses que renunciaram à associação ao Partido Comunista.

George Christensen é membro da Câmara dos Deputados desde que venceu as eleições federais de 2010, representando a Divisão de Dawson. Ele também é presidente do Comitê de Conjunto Misto Permanente sobre Comércio e Crescimento de Investimento. Ele disse: “O que é encorajador é que centenas de milhões de chineses declararam que não querem fazer parte do regime comunista. Essa é a esperança de reconstruir uma sociedade livre na China”.

Os Nove Comentários sobre Partido Comunista são uma série de editoriais publicados em 2004 que revelam a verdadeira história e natureza do Partido Comunista Chinês (PCC). Isso levou a uma onda de saídas de membros do PCC. Até o momento, mais de 355.400.000 pessoas deixaram de participar do PCC.

A disseminação do PCC por toda a China foi acompanhada de assassinatos, violência, mentiras e perseguição. Nos seus 70 anos de governo brutal, o regime destruiu a cultura tradicional de 5000 anos da China e se tornou o nível mais baixo da moralidade humana. O número de chineses envenenados pelo PCC que optam por sair dele aumenta em dezenas de milhares todos os dias. Esta é uma forte expressão da vontade das pessoas.

Os praticantes do Falun Dafa têm sido a principal força por trás dessa onda de saídas. Na China, onde foram brutalmente perseguidos por 20 anos, os praticantes persistiram em contar às pessoas sobre a natureza pacífica da prática, apesar de perderem tudo. Ele acrescentou: “Um dia haverá um despertar espiritual na China. Os valores e crenças tradicionais chineses serão revividos”.

Abandonar o PCC é a esperança de reconstruir uma China livre

O Sr. Christensen disse: “No centro do movimento está a consciência pública de que eles têm o poder de derrubar o PCC. Esta é também a pedra fundamental para uma sociedade democrática. O movimento começou com pequenas faíscas e se transformou em um grande incêndio que é incontrolável”.

Ele acredita que os 20 anos de resistência pacífica, o movimento para deixar o PCC, protestos em Hong Kong contra a lei de extradição, igrejas clandestinas e assim por diante, são coisas temidas pelo PCC e, portanto, persegue brutalmente esses grupos. Ele sabe que pensamentos independentes são como faíscas acendendo “labaredas” entre os cidadãos chineses. Ele sente que isso derrubará seu poder e trará a democracia para a China.

O Sr. Christensen disse: “Sob o regime comunista, as pessoas perdem sua liberdade. Eles não podem fazer o que querem, dizer o que querem. No entanto, sou profundamente encorajado pelas centenas de milhões de saídas de membros do PCC. Esta é a esperança de reconstruir uma China livre”.

O Sr. Christensen falou no Parlamento Australiano em junho de 2018 sobre a perseguição do PCC ao Falun Dafa e outros grupos religiosos, bem como sua infiltração na Austrália (captura de tela do vídeo de seu discurso).

A sociedade ocidental deve dizer não ao PCC

O Sr. Christensen disse: “O movimento é pacífico e não violento, mas é poderoso. Há um ditado que diz que a caneta é mais poderosa que a espada. O poder do povo é mais forte que o governo. Em um país democrático, o poder do governo vem da vontade do povo. O comunismo na China veio da ideologia comunista na Europa. Isso não é contado na história e nos livros chineses”.

“Eu sei que na China, os praticantes do Falun Dafa foram brutalmente torturados, seus órgãos foram removidos enquanto vivos e assassinados simplesmente por acreditarem no bem. No entanto, eles são muito corajosos e continuaram a dizer às pessoas o que está acontecendo e resistem à perseguição. Eles continuam a seguir os princípios Verdade, Compaixão, Tolerância. Estes são completamente baseados nos valores morais tradicionais chineses. Eles são valores universais e devem ser elogiados”.

Ele acredita que o Falun Dafa e outros grupos religiosos serão uma das principais forças que provocarão um despertar espiritual na China e disse: “Para aqueles que vivem em uma sociedade ocidental, devemos dizer não ao PCC. Se você perseguir seus próprios cidadãos por causa de suas crenças, estará cometendo crimes contra a humanidade”.