Falun Dafa Minghui.org www.minghui.org IMPRIMIR

Homem morre menos de três anos após a morte da esposa: ambos foram abusados na prisão por praticar o Falun Gong

4 de Março de 2020 |   Por um correspondente do Minghui na província de Liaoning, China

(Minghui.org) Dois anos e meio depois da morte de uma moradora da cidade de Dalian, província de Liaoning, resultante da perseguição ao Falun Gong, seu marido também morreu depois de ser perseguido por sua fé no Falun Gong.

O Falun Gong, também conhecido como Falun Dafa, é uma disciplina espiritual que é perseguida pelo regime comunista chinês desde 1999.

Tanto o falecido Sr. Zhu Benfu quanto a Sra. Sun Jingmei foram presos repetidamente nos primeiros anos da perseguição. Eles foram forçados a se mudar de um lugar para outro entre 2002 e 2005 para evitar a perseguição. Logo depois que eles fugiram de casa em 2002, a polícia descobriu que um praticante local do Falun Gong estava cuidando de sua filha. A polícia invadiu a casa da praticante e a prendeu também. A filha do casal, então com 13 anos, ficou tão traumatizada que teve um colapso mental.

O Sr. Zhu e a Sra. Sun foram condenados a sete anos de prisão em 2006 por trabalharem com outros praticantes em uma emissora de TV local para transmitir programas de vídeo que expõem a perseguição. Eles foram torturados sem parar enquanto estavam presos.

Quando ele foi libertado em 2013, seus cabelos estavam grisalhos e ele tinha manchas pretas no corpo, provavelmente por terem lhe injetado drogas tóxicas. Muitas vezes sentia desconforto no peito e tossia com frequência.

Eles apresentaram denúncias criminais contra Jiang Zemin, ex-chefe do regime comunista, em 15 de junho de 2015, por ordenar a perseguição ao Falun Gong em 1999.

A polícia constantemente assediava o casal. A pressão mental da intimidação policial continuou a consumir sua saúde.

Dois anos depois, a Sra. Sun faleceu, em 16 de abril de 2017. Ela tinha 61 anos.

No início de 2019, ele solicitou benefícios de aposentadoria depois de completar 60 anos, mas, apenas soube que seu histórico de trabalho de 31 anos havia sido apagado do sistema de aposentadoria e que ele não tinha direito a nenhum benefício.

A devastação financeira o deixou em profunda angústia. Após outro assédio policial em agosto de 2019, sua saúde se deteriorou rapidamente nos dois meses seguintes, e ele sofreu várias falhas de órgãos internos. Ele faleceu em 28 de outubro de 2019, deixando para trás seus pais idosos e a sua filha.

Sr. Zhu Benfu

Iniciando a prática do Falun Gong

O Sr. Zhu trabalhou anteriormente nas forças armadas, e anos de horas intensas de trabalho o levaram a desenvolver várias doenças, que variavam de problemas estomacais a desconforto no coração, de úlcera duodenal a reumatismo. Ele tentou muitos medicamentos, mas nenhum curou sua condição.

Naquela época, com a ampla disseminação do Falun Gong na China, ele adotou a prática mente-corpo e logo desfrutou de boa saúde novamente.

Ele viveu de acordo com os princípios da Verdade, Compaixão e Tolerância do Falun Gong e foi premiado como um funcionário importante por sete anos.

Forçado a viver longe de casa

O Sr. Zhu foi a Pequim apelar pelo direito de praticar o Falun Gong, em 22 de julho de 1999. Ao retornar, ele foi enviado para um centro de lavagem cerebral e detido por duas semanas.

Ele era monitorado o tempo todo e forçado a assistir a vídeos e reportagens que demonizavam o Falun Gong.

Logo após ser libertado, sua esposa foi presa em janeiro de 2000, quando também foi a Pequim apelar. Ela ficou detida por 26 dias. A polícia extorquiu 4.800 yuans dela.

Ela foi presa novamente em julho de 2000 e recebeu primeiro um mês de detenção criminal e depois um ano de trabalho forçado. As detentas do Campo de Trabalho Forçado de Masanjia a torturaram com beliscões quando ela se recusou a renunciar ao Falun Gong. Ela tinha hematomas por todo o corpo e sentia uma tremenda dor.

A polícia tentou prendê-la novamente em abril de 2002. Eles ficaram vigiando sua casa e local de trabalho por duas semanas. O Sr. Sun e sua esposa foram forçados a morar longe de casa.

A filha deles tinha apenas 13 anos na época. Outra praticante local do Falun Gong, a Sra. Li Yuhua, acolheu a adolescente.

Depois que a polícia descobriu, eles invadiram a casa da Sra. Li, durante uma manhã e a prenderam. A filha da Sra. Sun ficou tão traumatizada que sofreu um colapso mental e ficou muito assustada ao ver a polícia. A Sra. Li recebeu um ano de trabalho forçado um mês depois. A jovem foi forçada a abandonar a escola depois.

Durante os três anos em que o Sr. Zhu e Sra. Sun estavam vagando sem rumo, eles viveram em um total de oito lugares. “O medo era árduo, difícil de imaginar e além das palavras”, disse ele.

Condenado a sete anos

Oito praticantes em Dalian, incluindo o Sr. Zhu e a Sra. Sun, interceptaram transmissões de TV a cabo no condado de Liaoyang em 5 de setembro de 2005 e substituíram as transmissões pelo conteúdo dos Nove Comentários sobre o Partido Comunista por 90 minutos.

A Sra. Sun foi presa logo após a interceptação na TV e o Sr. Zhu foi preso em 19 de janeiro de 2006. A polícia confiscou 17 mil yuans em dinheiro dele.

Ele foi espancado no Centro de Detenção Liaoyang por se recusar a recitar as regras do Centro de Detenção. Ele sofreu sangramento estomacal grave e ficou em estado crítico.

Mais tarde, cada um dos oito praticantes recebeu sentenças pesadas.

O Sr. Yang Benliang foi condenado a onze anos, e o Sr. Lu Kaili e o Sr. Zhang Wei receberam dez anos cada.

A mãe do Sr. Yang, Sra. Cao Yuzhen, foi condenada a nove anos. Sua esposa, Sra. Yang Chunling, foi condenada a sete anos.

O Sr. Zhu, a Sra. Sun e o Sr. Chen Minghui também foram condenados a sete anos de prisão.

Além do Sr. Zhu e da Sra. Sun, o Sr. Yang e o Sr. Zhang também faleceram em 2 de abril de 2014 e 6 de outubro de 2019, respectivamente, como resultado da perseguição.

Torturado na prisão

O Sr. Zhu foi enviado para a prisão de Yingkou em 12 de maio de 2006. Ele foi forçado a fazer trabalho pesado das 5h às 22h. Os guardas permitiam que ele bebesse apenas cerca de 100 ml de água por dia. Eles também restringiram o uso do banheiro e não permitiram que ele se lavasse por duas semanas.

Ele esteve preso na rígida ala administrativa por um mês, onde os guardas o amarraram a uma cadeira por três dias e ordenaram que os presos o espancassem. Eles também tiraram suas roupas e abriram a janela, para expô-lo às temperaturas exteriores congelantes.

Quando foi levado de volta a sua cela, seu colega ficou surpreso por ele ter voltado vivo.

O Sr. Zhu foi transferido para a prisão de Benxi em 19 de dezembro de 2007, onde foi novamente espancado por se recusar a recitar as regras da prisão.

Os guardas dividiram 12 criminosos em três grupos e ordenaram que se revezassem, espancando-o o tempo todo.

Alguns criminosos atingiram a cabeça do Sr. Zhu com uma grande garrafa de refrigerante cheia de água. Alguns cutucaram seus olhos. Alguns pisaram no peito e nas pernas. E alguns picaram sua cabeça, mãos e dedos com uma agulha e queimaram seu pescoço e peito com um isqueiro.

Ele ficou incapaz de andar ou dobrar as pernas por duas semanas após a tortura.

Além do abuso físico, ele foi forçado a assistir a vídeos de lavagem cerebral que atacavam o Falun Gong o ano todo.

Artigo relacionado:

Mulher morre após oito anos de prisão e tortura por se recusar a desistir de sua fé